Maratona do Vinho

Muito além de uma competição esportiva, a Maratona do Vinho é um evento que coroa a temporada da colheita da uva, principal produto para a elaboração dos vinhos.

O Vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves, a Estrada do Sabor em Garibaldi e Monte Belo do Sul, emolduraram mais uma vez a Maratona do Vinho, que reuniu cerca 1.500 corredores de todo o país no último domingo (dia 11 de Fevereiro).

O percurso misturou diversos tipos de terreno – com pisos de terra, cascalho, asfalto e paralelepípedos, além de subidas e descidas acentuadas – passando em meio aos parreirais e vinícolas, por pequenas igrejas e casas antigas que marcam a forte presença da colonização italiana.

Para alguns, o objetivo era superar seus limites, já outros aproveitavam o visual de tirar o fôlego e chegavam a parar nas subidas ou descidas para admirar os vales e/ou devorar as uvas, sem se preocupar com o seu tempo na prova.

A corrida foi dividida em quatro categorias:

  • Maratona individual: 42.940 metros;
  • Maratona em equipes: 45.670 metros;
  • Meia maratona: 20.970 metros;
  • Pequena corrida: 5.130 metros.

A largada e chegada ocorreram no Morro da Antena/Cruz, na comunidade do Ceará no Vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves.

Maratona do Vinho
Foto: Foco Radical

Resolvi abrir o meu calendário de corridas de 2018, estreando em uma das maratonas mais difíceis do estado com seus 42.940 metros de distância e aproximadamente 1.200 metros de altimetria acumulada.

Domingo às 7 h 30 min lá no alto do Morro da Antena, eu e mais centenas de maratonistas de todo o país estávamos na contagem regressiva para a largada da tão famosa Maratona do Vinho.

Nesse momento só conseguia lembrar da mensagem do Dani (amigo com experiência nas edições anteriores da prova) “Larga bem de boa. Mas, bem de boa mesmo! Os primeiros 21 são tranquilos, mas os finais são terríveis […]”. Obedeci às ordens e larguei tranquila.

Felizmente a temperatura estava agradável. Após os primeiros quilômetros em meio aos parreirais ouvia diversos atletas dizendo que a chegada seria por ali e sinceramente pensei: ‘vai ser uma longa corrida até chegar por aqui de novo.’

Tudo estava indo bem, até mais do que eu planejara. Fiz a metade da prova num tempo muito bom. O negócio é que depois da metade as coisas mudam – e mudam bastante.

Maratona do Vinho
Foto: Foco Radical

A temperatura agradável no início da prova deu lugar ao calor insuportável, os morros quase inexistentes na primeira parte se triplicaram (quem já correu a Maratona do Vinho, sabe do que estou falando) o corpo começa a cansar…

Pela primeira vez na prova resolvi dar uma olhadinha para trás e vi a Juli (atleta da BTR, com a qual já corri algumas vezes), se aproximando, o apoio dela durante os quilômetros seguintes fizeram toda a diferença!

Em uma das tantas subidas ela tentou me puxar, mas meu ritmo já havia caído muito. Pedi para ele seguir a prova e lhe desejei boa sorte! E lá se foi ela…sumindo devagarinho do meu ponto de vista.

A partir do Km 30 comecei a sentir o peso de cada trecho aliados ao calor, e os tempos já não estavam como no começo. Era o sinal do desgaste depois de horas correndo.

Lembrei logo da frase do ciclista norte-americano Lance Armstrong: “A dor é passageira. Desistir dura para sempre!” Esqueci toda a dor e segui correndo, caminhando, correndo…

Aproximadamente no Km 38 Janice, essa simpática mulher da foto passou a ser minha companheira. Lutando contra fortes dores nos pés ela disse-me: “Que estreia em menina?! Maratona do Vinho é só para loucos […] Vamos que falta pouco!” e assim seguimos pelos últimos quilômetros. Conversando, trocando experiências, rindo e esquecendo das dores!

Maratona do Vinho
Foto: Foco Radical

Na minha estreia em maratona, esse pórtico foi à visão mais desejada durante o percurso de aproximadamente 42 km com 1.200m de altimetria acumulada, ele é na verdade, a concretização de todo um processo que vai do início da preparação à realização de um sonho. É o registro de um momento cuja lembrança irá transcender por anos a fio.

Voltei para casa com a medalha no peito o troféu e aquele sorriso de satisfação de saber que daquele dia em diante, eu não era apenas uma corredora e, sim, uma maratonista.

Maratona do Vinho
Foto: Foco Radical

Tudo isso, graças ao apoio fundamental da: CURTLO BR, Patos do Sul, Casa Natural Serra e Academia Performance Fitness.

Wine Run 2017 aconteceu em Bento Gonçalves/RS

A paisagem do Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves, emoldurou mais uma vez a sexta meia maratona do vinho – denominada Caixa Wine Run – Vale dos Vinhedos – no sábado 20/04/2017.

Contou com 1,2 mil corredores de todo o país, que percorreram os 21 quilômetros da prova, divididos nas categorias Individual e Dupla. O percurso misturou diversos tipos de terrenos – com pisos de terra, cascalho, asfalto e paralelepípedos, além de subidas e descidas acentuadas – passando ao lado de parreirais e vinícolas, por pequenas igrejas e casas antigas que marcam a forte presença da colonização italiana.

Para alguns, o objetivo era superar seus limites, já outros aproveitavam o visual de tirar o fôlego e chegavam a parar nas subidas ou descidas para admirar os vales ainda verdes, mesmo com a chegada do outono, sem se preocupar com seu tempo na prova.

Ano passado corri a Wine Run na categoria dupla mista. Fiquei responsável pelo primeiro trecho com 11,5 quilômetros e considerado pela maioria dos atletas o mais “sofrido”. Gostei tanto do sofrimento que esse ano resolvi encarar os 21 km – sendo a minha estreia oficial em meia maratona.

Confesso que pensar em correr 21 km no início me assustava um pouco. Você acaba duvidando do que é capaz em alguns momentos, mas aprendi com a corrida que somos muito mais fortes do que imaginamos e podemos ir muito além do nosso objetivo.

O sábado da corrida finalmente chegou, agora não tinha mais treinos e nem treinador, agora era comigo. A largada da prova foi às 9 horas na Vinícola Grand Legado, tempo nublado e temperatura agradável. Ao meu redor centenas de corredores animados, alguns como eu fazendo a primeira meia maratona. Energia gostosa, sabe?

Dada a largada e à medida que passava pelo percurso via os fotógrafos e as pessoas que moravam ali sentadas nos jardins acompanhando e vibrando por nós. Era emocionante. Por mais que você ali naquele momento seja apenas mais um corredor, essa torcida te faz sentir especial.

Por ser uma prova com grande variação de altimetria resolvi que não forçaria o ritmo no início, já que essa era minha primeira meia maratona.

O único trecho relativamente plano são os primeiros 2 km de prova. Em seguida temos um declive acentuado de quase 5 Km. Mas…tudo que desce, sobe… 😀 e foi assim até a marca dos 11,5 Km subidas…subidas e subidas.

No quilômetro 11,5 no final de uma subida de quase 4 km era o local de revezamento das duplas. Ano passado ali foi o meu final, e sábado ao passar por ali me emocionei e naquele instante a ficha caiu e percebi que eu realmente completaria uma meia maratona! Dali em diante o percurso foi um interminável sobe e desce.

Durante praticamente toda a prova não deixei o rendimento de outros atletas interferirem no meu desempenho. Corri dando atenção a três fatores muito importantes na corrida: postura correta, respiração controlada e hidratação sem erro.

Eu definiria a corrida como espetacular, foi uma estreia maravilhosa e jamais vou me esquecer da minha primeira Meia Maratona. As paisagens lindas, o clima entre os corredores, a parceria, a sensação de superar seus limites e conseguir completar um percurso maravilhoso! Só quem corre sabe!

Wine Run 2017 aconteceu em Bento Gonçalves/RS
Créditos: Foco Radical

Finalizei a prova com o tempo de 2 h 32 min, conquistando o 2º Lugar na Categoria 18 a 24 anos e a 44ª Colocação Geral Feminina em um total de 145 corredoras. Esse é o momento em que você vê o resultado de toda sua dedicação e trabalho! É o momento de ver que seu objetivo foi atingido. É uma experiência que recomendo a todos!

Informações e classificação da Wine Run: Resultados

Cascata dos Amores na Serra Gaúcha

O lugar é lindo, com paisagens deslumbrantes, não existe ambiente melhor para levar a pessoa que você ama nos dias dos namorados, o próprio nome da Cascata dos Amores remete a isso.

Cercada pelos vales e montanhas da Serra Gaúcha, Bento Gonçalves é considerada a Capital Brasileira do Vinho e de belas paisagens. Também se destaca pelo seu elevado índice de desenvolvimento humano.

A influência cultural da imigração italiana no final do Século XIX trouxe, entre outras heranças, canções, culinária, utensílios domésticos e ferramentas agrícolas. As edificações coloniais localizadas nos vales e encostas, em meio aos parreirais, compõem lindas paisagens, similares ás encontradas nas pequenas cidades do interior da Itália.

Uma das atrações mais procuradas pelos aventureiros é a Cascata dos Amores, fica em Pinto Bandeira, distrito de Bento Gonçalves. A região é de muitos vinhedos. A Cascata dos Amores está localizada bem em frente à Pousada Fornasier. Lá tem um mirante com a vista abaixo.

Cascata dos Amores

Cascata dos Amores
Mirante Pousada Fornasier
Cascata dos Amores
Cascata dos Amores “vista do mirante”

Para chegar na base da Cascata dos Amores é preciso encarar uma trilha íngreme de aproximadamente 1 hora (ida e volta) de nível fácil (escorregadio e pedras soltas) , mas para quem não tiver toda essa disposição existe um mirante que se chega de carro aonde se avista a cascata e todo o vale do Arroio Barracão.

Para realizar a trilha é necessário pedir autorização, pois para se chegar até a cascata é necessário passar por propriedade particular . A trilha proporciona vistas maravilhosas, preparem suas câmeras e filmadoras, pois a paisagem é deslumbrante.

Cascata dos Amores
Propriedade Luiz Martinelli
Cascata dos Amores
Propriedade Luiz Martinelli

Contato com o Proprietário: Luiz Martinelli

Telefone: (54) 3452 – 2730

Distância até da Pousada Fornasier:

 Bento Gonçalves/RS: 11 Quilômetros.

 Farroupilha/RS: 23,6 Quilômetros.

Porto Alegre/RS: 130 Quilômetros.