Morro Gaúcho a prova mais bruta

Arroio do Meio foi a sede da 4ª Etapa do Campeonato Gaúcho Corrida Trilhas e Montanhas – Trilhas do Morro Gaúcho/RS, que ocorreu no último sábado (dia 28). A prova teve percursos de 5.5, 17, 32 (2 pontos ITRA)* e 50 quilômetros (3 pontos ITRA)* de corrida em trilhas e montanhas.

*Trilhas do Morro Gaúcho, foi uma das primeiras provas do Rio Grande do Sul a pontuar pelo ITRA.

O evento contou com a participação de mais de 800 atletas, vindos de diversas cidades do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e até Uruguai.

Quando comecei a correr, sempre achei fascinantes as longas distâncias. Na época, achava que o máximo que eu conseguiria chegar era uma meia maratona. Bobinha eu…

Um ano de corrida fiz minha primeira prova de montanha, e foi amor à primeira vista. Me apaixonei pela dificuldade do percurso e pelo visual, que transformavam a corrida em algo muito mais significativo pra mim do que simplesmente bater um tempo específico.

Estudando sobre, comecei a me familiarizar com as ultramaratonas e vi que era ali que meu desafio estava. Na época, o máximo que eu tinha corrido era a Maratona do Vinho 2018, cinco meses depois da minha primeira maratona, fui para os 50 km do Trilhas do Morro Gaúcho.

Morro Gaúcho a prova mais bruta
Morro Gaúcho – Créditos: ClicRun

O treinamento foi puxado! Longos que eu nunca tinha feito na vida, percursos, trilhas e montanhas que eu fazia pedalando passei a fazer correndo. Restrições alimentares, musculação, pilates…

A largada da ultramaratona mais “bruta” (difícil) do Rio Grande do Sul, foi às 7 horas da manhã, a prova tinha mais de 2.600 metros de altimetria acumulada. No Km 45 haveria um ponto de corte para os atletas que passassem por ali após às 16h30min. O tempo limite para completar o percurso eram 10 horas.

Minha estratégia: subir tranquila, descer forte e correr/trotar no plano.

Minha meta: completar a prova do Morro Gaúcho

A prova:

A maioria das subidas eram em caminho para apenas uma pessoa (single track, como dizem), muito difíceis. Sofri! Aliás, todo mundo sofreu! E as descidas íngremes, com muito barro, como se fosse sabão em um piso molhado. Ainda bem que corri com os bastões e pude descer várias delas “esquiando”!

Ahh…e as partes planas eram assim, mais barro, água e trilhas!

Morro Gaúcho a prova mais bruta
Morro Gaúcho – Créditos: ClicRun

Nos quilômetros iniciais estava correndo junto com a Saionara e a Edinéia (campeã e terceira colocada geral, respectivamente). Mas aí lembrei que era minha primeira ultramaratona e não queria “quebrar”.

Baixei o ritmo e fui seguindo…

Fui tranquila até o Km 22, onde encontrei a Magda Chagas e o Duda Piras no (segundo) ponto de hidratação. Parei alguns minutinhos para comer algo e dar umas risadas com a dupla.

Quando estava saindo a Magda disse:

– Daqui até o próximo ponto de hidratação (Km 35) vai ser puxado também!

Analisei rapidamente o gráfico de altimetria e certamente não seria nada fácil os próximos quilômetros. Por sorte fiz um amigo uruguaio, que foi comigo até o Km 29 (aproximadamente), me apoiando e incentivando, sem ele seria muito mais difícil.

No Km 35 reencontrei a Magda e o Duda no então, terceiro ponto de abastecimento. Ali eu já não estava mais tão “feliz” o sono e uma leve dor nas panturrilhas estavam começando a me castigar. Mas aquela altura não poderia desistir da prova.

Lembrei dos últimos meses, do quanto foi árduo conciliar o trabalho, faculdade…casa e muitos treinos. Levantei e comecei novamente, animada, mas cansada, as pernas já não eram mais as mesmas, a cabeça parecia uma locadora de vídeos, a cada trilha um filme diferente, isso quando não rodava uns dois ou três filmes ao mesmo tempo. Segui firme, subindo forte as montanhas, e algumas poucas vezes, um trote nas descidas.

Lá pelo Km 36 encontrei a curitibana Christiane, ela estava um pouco enjoada e fraca, ofereci a minha Coca-Cola à ela, conversamos um pouco e seguimos as escaladas. Mas tinha uma coisa que não saia da minha cabeça: a Trilha do Beiço! Ouvi horrores sobre ela, em que quilômetro ela estaria?!

Hora eu puxava a Christiane, hora ela me puxava…não lembro ao certo em que Km eu acabei me afastando dela e cheguei na temida Trilha do Beiço. Tive o privilégio de fazer o seu percurso na parceria do Nédson do Canal 100 Fôlego e lá no finalzinho saber o porquê de “Trilha do Beiço”!

Após caminhadas, escaladas e pequenas pausas para ao menos respirar, vencemos a Trilha do Beiço…Que alívio! Segui com o Nédson por mais alguns trechos até a trilha da descida da cachoeira (não lembro o nome dela, rs) ali a Christiane conseguiu nos alcançar. Fiquei aliviada quando a vi, pois sabia que não estava bem.

Novamente seguimos juntas, era incrível nossa sintonia. Parecia que éramos amigas de longa data!

Achei que a Trilha da Lona Preta era difícil, depois vi que a do Beiço era muito pior…Mas o que era aquela escalada com cordas na cachoeira?! Rs Aquilo me lembrou o tempo em que fazia corrida de aventura.

Não sei como, de que forma…saímos correndo – ou melhor tentando correr – após a escalada, com receio de levar o corte no Km 45. Dessa vez a Christiane puxava. Em certos pontos ouvíamos música lá longe…no local da largada/chegada e aquilo era muito motivador.

Para minha surpresa, chegando no Km 44 encontrei a Analucia, naquele momento o cansaço foi embora e uma alegria imensa tomou conta de mim. Conheci Ana a alguns meses atrás na primeira etapa do CGCTM em Farroupilha e desde então sempre nos ajudamos nas provas. E ali, não podia ser diferente…

Paramos no km 45 que era o último ponto de abastecimento e também ponto de corte, o staff Leonardo nos informou que os últimos 5 km da prova haviam sido cancelados para a segurança dos atletas. Então nos restavam somente mais uns 700 metros até a tão sonhada linha de chegada.

Morro Gaúcho a prova mais bruta
Morro Gaúcho – Créditos: ClicRun

Seguimos juntas eu e Ana, esses últimos metros que na verdade pareciam quilômetros. E cruzamos quase juntas a linha de chegada, que na verdade é um marco que vai muito além da medida de tempo registrada entre a sirene da largada e a última passada. Suor, esforço, sacrifício, dor, renúncias, dedicação, comprometimento, amor e paixão são alguns de seus sinônimos.

Christiane a curitibana que correu comigo alguns quilômetros e conclui a prova alguns minutinhos na minha frente, me aguardava após a linha de chegada. Sorridente e “ultrafeliz” com nossas conquistas. Lá também estavam tantos outros amigos que fiz durante o percurso.

Na minha estreia em ultramaratona, o pórtico de chegada foi a visão mais desejada durante o percurso de aproximadamente 50 Km com mais de 2.600m de altimetria acumulada, ele é na verdade, a concretização de todo um processo que vai do início da preparação à realização de um sonho. É o registro de um momento cuja lembrança irá transcender por anos a fio.

Mas não estive sozinha nesta recente trajetória de corredora. Desde muito antes do Trilhas do Morro Gaúcho, tive ao meu lado grandes apoiadores: CURTLO BR, Patos do Sul, Casa Natural Serra, Academia Performance Fitness e Vera Bike. Que sempre me incentivaram a ser exatamente quem eu sou, fazer o que me faz feliz e não ter medo de sonhar.

Trilhas do Morro Gaúcho, foi mais uma grande etapa do Campeonato Gaúcho Corrida Trilhas e Montanhas, graças ao profissionalismo das equipes da L&E Eventos, Brutus do Gaúcho, ClicRun, 3cTiming e Youmovin que fizeram um evento impecável em todos os sentidos.

A paixão por ultramaratona

O que leva uma pessoa a se apaixonar por ultramaratona?

Eu comecei a correr na vida lá por 2015 e foi naquele ano que conheci (virtualmente) a Andréa Vidal, e me encantei com aquela mineirinha sempre simpática e sorridente. Suas descrições das provas, as sensações, tudo que sentiu e viu…era simplesmente incrível e incentivador.

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal
Foto: Rita Oliveira

Sempre foi linda e mágica, sua felicidade sempre estampada na cara, sorriso de orelha a orelha, a medalha no pescoço e orgulhosa de si mesma a cada conquista. Isso era radiante!

Andréa Vidal é advogada e mineira de Belo Horizonte, corre há 22 anos. Começou a correr em 1996, por causa do seu namorado (hoje marido) Francisco Ottoni.

“Encontrei com ele correndo com uma moça bonita e pensei ‘ se ele quer companhia vou correr também. ’ Depois descobri que a moça era prima! Mas gostei e continuei correr desde então.” relembra Andréa.

Quando iniciou no mundo das corridas, jamais almejou participar das maiores e mais difíceis ultramaratonas do mundo.

“Quando comecei só queria correr 6 Km (risos), achava ótimo. Depois aumentei para 10 Km, 16 Km e finalmente 21 Km, no qual fiquei durante um bom tempo. Somente em 2012, resolvi fazer a minha primeira maratona. Em 2014 fiz minha primeira Ultramaratona, a Comrades. Depois dessa não parei mais!”

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal
Foto: acervo pessoal

Recentemente Andréa participou da Western States Endurance Run 100 Miles, que ocorreu no dia 23 de junho na Califórnia nos Estados Unidos. Essa prova é a ultramaratona de 100 milhas mais antiga do mundo e atrai atletas do mundo inteiro para correr seus 160 Km com 6 mil metros de ascensão e 8 mil de descidas.

“A Western States é sonho do meu marido, ouvi ele conversando com um amigo sobre a prova e falei que ia me inscrever e que seria sorteada. E aconteceu, fui de primeira, tinha 2,5% de chance. Só depois de ser sorteada comecei a ver vídeos sobre a corrida e tive noção da grandeza dessa prova.”

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal
Foto: acervo pessoal

Vale lembrar que Andréa é oficialmente a primeira brasileira a completar a prova. A Western States também foi a maior prova dela, até então a sua maior tinha sido os 120 Km do UTMB.

Além da distância e grande altimetria, a corredora afirma que a Western é uma prova muito dura pelo calor.

“Muita gente passa mal, e esse ano bateu recorde de temperatura, é um calor de deserto, muito seco. A largada foi às 5 horas da manhã em Squaw Valley, uma cidade no alto das montanhas, bem fresca. Mas a partir das 10 horas, começa a esquentar. O pior pedaço são os Canyons, um calor terrível. Começa a melhorar quando anoitece que é somente às 20 h 30 min da noite.”

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal

A partir do Km 89, podia ter pacer. Desse ponto em diante Francisco Ottoni, correu com Andréa até o final. “Foram cerca de 70 Km juntos, ele me puxando, me dando forças…foi incrível!”

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal

Veja aqui um vídeo emocionante sobre a participação de Andréa na Western States.

Com um extenso currículo de provas, a corredora elencou as três mais especiais para ela.

Primeira – Maratona de New York.

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal
Foto: acervo pessoal

“Sempre fui apaixonada por aquela cidade, era meu sonho correr lá e foi sensacional!”

Segunda – Comrades (África do Sul)

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal
Foto: acervo pessoal

“Minha primeira ultramaratona (89 Km). É uma prova com uma energia inexplicável!”

Terceira – Western States

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal
Foto: acervo pessoal

“Minhas primeiras 100 milhas. Vai ficar marcada para sempre!”

Andréa não pretende parar tão cedo, ainda este ano tem mais duas importantes provas. A CCC prova de 100 Km do UTMB e os 65 Km da Ultra Trail Cape Town!

“Agradeço ao meu marido Francisco Ottoni, que me coloca nas maiores furadas de corrida, mas que eu adoro. Não poderia ter companheiro melhor!”

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal

Com o passar do tempo à corrida se torna realmente um vício, queremos correr mais, mais rápido, e, conforme vamos ganhando maturidade na quilometragem escolhida, achamos que o desafio pode ser ainda maior.

Por um tempo, você se desafia a correr mais rápido, a melhorar seu pace médio e a sempre bater o recorde pessoal ou o tempo de um amigo próximo. Correr é viciante, libera endorfina, serotonina, alegria, mexe com a sensibilidade da pele, do olfato, do paladar, com sua circulação sanguínea. A corrida te embeleza por dentro e por fora.

Travessia Torres Tramandaí – TTT

Mais de três mil participantes divididos em quatro categorias (ultramaratona, duplas, quartetos e octetos) participaram da 14ª edição da Travessia Torres Tramandaí – TTT, que movimentou o Litoral Norte no último dia 27 de janeiro de 2018.

O destaque feminino na ultramaratona TTT foi Jasieli Tagliari Dalla Rosa, que percorreu aproximadamente 82 quilômetros em 6 h 56 min e bateu o recorde feminino em quase 25 minutos, tempo anterior que era de Daniela Santarosa 7 h 21 min.

Disciplina, dedicação, estratégias, planejamento, trabalho duro, humildade e um treinador com vasta experiência em ultramaratonas. Essa foi a “fórmula mágica” que Jasieli usou para conquistar o lugar mais alto do pódio.

TTT
Foto: Foco Radical

“Prezo pelo trabalho duro, por executar os treinos do jeito que o treinador manda, de escutar o corpo, de conhecer os limites e saber explorá-los. Sou bem novata no mundo das corridas, tenho um ano e meio de competições e um ano com o treinador Francisco Tito de Porto Alegre.” ressalta a campeã.

A TTT é uma prova que necessita planejamento e estratégia, Francisco (treinador) foi audacioso e traçou vários planos, inclusive o de quebra de record da prova.

A prova

A dupla…Jasi havia combinado com o amigo Willian Bordin (ultramaratonista com experiência) largarem juntos no mesmo ritmo, e assim foram por quase 40 quilômetros. Na parceria, no silêncio…

O trio…a partir do quilômetro 21, Juliane Zan passou a acompanhá-los de bicicleta. “Durante o percurso procurei não falar muito para não tirar o foco deles. Perguntava somente se estavam bem e se queriam água/gatorade. Estávamos logo atrás da primeira colocada (Daniela Santarosa) e nos aproximávamos cada vez mais.” relembra Juli.

TTT
Foto: Foco Radical

As ultrapassagens…Jasi tinha seu planejamento e estava tudo dentro do esperado, próximo ao quilômetro 40, Juli e Will ficaram para trás e ela manteve seu ritmo e ultrapassou a primeira colocada.

“As duas estavam no nosso campo de visão, até que vimos a segunda colocada ultrapassar a Jasi. A partir deste momento não avistávamos mais elas.” recorda Willian.

Ao chegarem na plataforma, em torno do quilômetro 58, começaram a caminhar, assim Willian conseguia se alimentar e se hidratar. Nos quilômetros seguintes o casal encontrou alguns corredores e apoiadores e avistaram a Daniela Santarosa, neste momento tiveram a certeza de que a Jasi estava na primeira colocação.

Reta final…estreante na TTT, Jasi sempre ouviu falar que depois da Plataforma de Atlântida que começa a prova. “Realmente a partir dali você sente que precisa correr mais com o coração/mente do que com as pernas. Encontrei um rapaz nos últimos 16 quilômetros que estava treinando e me acompanhou até o final, assim consegui manter um ritmo forte até a linha de chegada.” comenta a nova campeã da Travessia Torres Tramandaí.

TTT
Foto: Foco Radical

Além do grande apoio do Willian e Juliane, Jasi contou com o suporte do marido, filho e treinador em pontos marcados.

Agradecimentos

“Estou em um momento que tenho medo até de agradecer e esquecer de alguém, porque foi tanta gente que me ajudou a estar nessa prova. Seja na torcida, no suporte, através de mensagens.

Mas, vamos lá…meu treinador Francisco Tito que acreditou que eu era capaz com um ano e pouco de corrida, e me transformou em ultramaratonista. Minha família que aguentou o tranco dos treinos e viajou na brincadeira dando apoio na prova.

Meu amigo e médico Tarciso Rossato que estudou a suplementação e alimentação da prova junto com a esposa Patrícia. As empresas da minha cidade que me auxiliaram nos custos da prova e a empresa Sulboro de Porto Alegre.

A minha cidade Trindade do Sul que viveu uma final de copa do mundo – risos -, pois com seis mil habitantes todo mundo se conhece. A Prefeitura que me liberou do trabalho e está me apoiando em todas as competições.

Pessoal da Cia Atlhetica de Porto Alegre, pessoal da BTR (Bento Trail Runners)…enfim toda galera que gritou, torceu, vibrou! Nunca pensei viver esse momento, e não falo em ganhar pódio, falo em ganhar pessoas, ganhar experiências, ganhar amizades…isso não tem preço.” finaliza emocionada Jasieli.

TTT
Foto: Foco Radical