Trilhas Morro Gaúcho

Trilhas Morro Gaúcho!

A cidade de Arroio do Meio, foi sede da 3ª Etapa do Circuito Trilhas & Montanhas – Trilhas Morro Gaúcho, que ocorreu no último sábado, 4, com percursos de 5, 15, 25 e 54 quilômetros de corrida em trilhas e montanhas. O evento contou com a participação de mais de 800 atletas.

Os grandes campeões foram do Trilhas do Morro Gaúcho:

Distância Curta (5 quilômetros) –

Camila Backes – Equipe Teutorunner – 39min29seg

Anderson Boll – Equipe Body e Mind – 32 min55seg

Distância Média (15 quilômetros) –

Zezilda Aparecida da Silva Simão – Equipe Inspirerun – 2h17min

Evandro Audibert – 1h38min

Distância Longa (25 quilômetros) –

Daiane Dias – Equipe Born Run – 3h23min

Sidimar Pimentel Saraiva – Equipe Time T e M – 3h02min

Distância Ultramaratona (54 quilômetros) –

Jasieli Tagliari Dalla Rosa – Equipe Team Ultra Chico – 8h02min *(3ª Colocada Geral)

(+41) Geovanna Boppre de Mendonca – Equipe Admovere/Faccat – 10h10min

Gabriel Kretschmer – Equipe Time T e M – 7h46min *(Bicampeão do Trilhas do Morro Gaúcho)

(+41) Rogério Andretta – Equipe Danivist Running – 7h56min

Classificação completa do Trilhas Morro Gaúcho disponível no site da 3C Timing.

Pelo segundo ano consecutivo tive a honra de participar da Ultramaratona. Não desmerecendo nenhuma das outras etapas do CTM, mas o Trilhas Morro Gaúcho é um dos melhores percursos do Campeonato, em minha opinião.

Trajeto este preparado com muito carinho e dedicação pelo seu Pedro Jung (Brutus do Gaúcho). Evento impecável em todos os sentidos (kits, sinalização, premiação…), graças ao profissionalismo e competência do Luis Leandro Grassel, João Paulo Wildner Medina e demais integrantes da empresa L & E Eventos e equipe CTM.

Trilhas Morro Gaúcho
Créditos: Clic Run

6:50 da manhã , minutos antes da largada chovia forte no local da prova. Acredito que os 100 atletas que enfrentariam os 54 quilômetros, ficaram tão felizes quanto eu com a chuva e o clima mais ameno do início do dia.

Pontualmente às 7 horas foi dada a largada da ultramaratona. Ao meu redor atletas da elite do trail running gaúcho, grandes amigos, alguns conhecidos de outras provas e outros enfrentando pela primeira vez as trilhas Morro Gaúcho. Mas, todos com a mesma meta: concluir a prova!

Muitas trilhas, diversos riachos, alguns estradões e nove picos/montanhas imponentes compuseram o percurso da prova.

A chuva de alguns minutos antes da largada, logo cessou e deu lugar ao sol e um forte calor já nos quilômetros iniciais! Percorri trechos sozinha e outros com alguns atletas. Fui incentivada e incentivei…Fiz amigos que levarei para o resto da vida!

Trilhas Morro Gaúcho
Créditos: Clic Run – Alex Viana

No quilômetro 39 faltando cerca de 15 minutos para o corte (quilômetro 40), encontrei o atleta Ismael sentado em uma valeta e extremamente cansado. Tínhamos mais cerca de 1 quilômetro até chegar no ponto de corte…não pensei duas vezes e incentivei ele à seguir comigo.

Na entrada de uma trilha (ponto de corte) estava o staff Leonardo Wink e mais uns 3 ou 4 atletas, literalmente atirados, tentando recuperar a energia. Pensei em descansar um pouco também, mas resolvi iniciar a trilha e aproveitar o tempo.

Deste ponto em diante seguimos juntos somente eu e Ismael, subindo e descendo as trilhas e montanhas…em certo ponto ele comentou que era a sua estreia nas ultramaratonas. Veja aqui como foi a minha estreia em uma Ultramaratona.A partir dali resolvi que não iria “abandoná-lo” pelo percurso. Resolvi abrir mão da minha prova e ajuda-lo a concluir este grande desafio!

Nos últimos 5 ou 6 quilômetros a noite já se aproximava. Na última trilha a luz da lanterna (item obrigatório) nos guiou.

Estávamos muito cansados. Na última trilha, Ismael caminhava alguns metros e parava, eu incentivava ele à seguir, falei dezenas de vezes “Não fizemos tudo isso para desistir agora!”.

Assim que terminamos a subida dessa trilha, saímos em um estradão e encontramos 2 moradores locais de moto e quadriciclo que estavam trabalhando na prova. Os mesmos nos informaram que não faltavam mais muitos quilômetros para a chegada e que diversos atletas haviam levado o corte.

Estávamos dentro do tempo da prova. Iniciei um trote para ganhar algum tempo, mas o Ismael não conseguia acompanhar. Parei e lhe acompanhei caminhando.

Faltando pouco mais de 1 quilômetros para a chegada encontramos o Pedro Jung de quadriciclo. Para quem não sabe, é ele que monta o percurso da prova!

“Desistir jamais…Sigam, que eu vou de batedor! […]”

Vocês não fazem ideia da emoção que foi seguir esses quilômetros com seu Pedro, nos incentivando, contando histórias do percurso…

Seguimos entre exaustão, dores e lágrimas eu, Ismael e Pedro até a linha de chegada!

Hoje quase uma semana após os 54 quilômetros com 3.100m de altimetria acumulada do Trilhas do Morro Gaúcho, relembro ainda emocionada o que enfrentei durante as 12 horas de prova.

Trilhas Morro Gaúcho
Créditos: Clic Run – Max

Me sinto altruísta porque ajudei atletas em dificuldades, mas também me sinto humilde porque me deram a mão quando precisei. Os melhores momentos foram os mais humanos, os de deslumbramento perante a força da natureza.

Vida longa ao CTM…

CTM 2019 – Nota de esclarecimento:

Trilhas Morro Gaúcho

Deixamos de ser CGCTM 2019 e voltamos a ser CTM 2019.

Estamos dando um passo à frente para voltar a nossas origens, resgatando e valorizando o verdadeiro sentido do nosso trabalho desde 2012, que é correr nas trilhas e montanhas do Rio Grande do Sul.

A partir de agora, esta é a marca de nossos desafios, que traduz a essência e a tradição de se superar nas melhores trilhas, nas montanhas mais desafiadoras.

Tudo isto porque queremos estar cada vez mais alinhados com o que fazemos e com o espírito aventureiro de cada apaixonado por esta modalidade.


Circuito Trilhas & Montanhas 2019

Trilha

A ultramaratona mais “bruta” terá mais de 50k de trilha

Em menos de um mês centenas de atletas irão se desafiar na 3ª Etapa do Campeonato Gaúcho Corrida Trilhas & Montanhas – Trilhas do Morro Gaúcho. O evento ocorre no dia 04 de maio na cidade de Arroio do Meio, o mesmo contará com as distâncias de 5, 15, 25 e 54 km de trilha no mais verdadeiro trail running.

Tenho um carinho especial por esta etapa, ano passado fiz a minha estreia nas ultramaratonas, enfrentando o TRILHAS DO MORRO GAÚCHO, com seus (aproximadamente) 50 quilômetros e 2.600 metros de altimetria.

Trilha
Créditos: Clic Run

O treinamento foi puxado! Longos que eu nunca tinha feito na vida, percursos, trilhas e montanhas que eu fazia pedalando passei a fazer correndo. Mais…dieta, musculação e pilates, fizeram parte do “pacote do treinamento”.

Minha estratégia: subir tranquila, descer forte e correr/trotar no plano.

Minha meta: completar a prova.

A prova:

A maioria das subidas eram em caminho para apenas uma pessoa (single track, como dizem), muito difíceis. Sofri! Aliás, todo mundo sofreu! E as descidas ingrimes em trilha, com muito barro, como se fosse sabão em um piso molhado. Ainda bem que corri com os bastões e pude descer várias delas “esquiando”!

Trilha
Créditos: Clic Run

Mas, em meio a esse “sofrimento bom” – se é que me entendem. Existiu muita camaradagem, pois todos (atletas) se ajudam, todos se incentivam e todos apoiam todos. Porque todos sentem as mesmas dificuldades!

Me apaixonei pela dificuldade do percurso e pelo visual, que transformavam a corrida em trilha algo muito mais significativo pra mim do que simplesmente bater um tempo específico.

Neste ano os atletas irão se desafiar em um percurso de 54 quilômetros com 3.100 metros de altimetria,  conforme o mapa abaixo:

Trilha
Créditos: CGCTM 2019

Tempo Limite:

ITRA – 10 horas

CGCTM – 11h30min

Corte Único no Km 40 às 16 horas:

Todos os participantes que neste ponto da prova, passarem a partir de 16h00min01s, serão ORIENTADOS a se dirigirem diretamente para a chegada e no momento de cruzarem a linha de chegada, será adicionado ao seu tempo, mais 3 horas.

(Este adicionamento de 3 horas, é necessário pois ainda encontrará no percurso participantes que não levaram corte (16 horas) e ainda estão percorrendo a totalidade do percurso).

Equipamentos Indispensáveis:

  • Casaco/agasalho, para proteção de chuva e frio;
  • Lanterna de cabeça;
  • Kit Primeiros Socorros (escolha de itens pessoal);
  • Aparelho celular;
  • Equipamento de hidratação (mochila, cinto…).

ATENÇÃO: o percurso é de grande dificuldade física e de difícil acesso para socorro e regaste.

É de extrema importância para a saúde e segurança física do participante, o mesmo fazer a sua avaliação pessoal e de condicionamento físico para a distância.

Kit da prova (ultramaratona):

  • Camiseta
  • Viseira T&M;
  • Camiseta Finisher 54 Km;
  • Medalha Finisher;
  • Número de peito;
  • Medalha;
  • Sachê carbogel;
  • Snack Saudável;
  • Cerveja Raiz Trail;
  • Eco copo 300 ml.
Trilha
Créditos: CGCTM 2019
TTT 2019

15ª Travessia Torres Tramandaí – TTT 2019

Mais de três mil participantes divididos em quatro categorias (solo, duplas, quartetos e octetos) participaram da 15ª edição da Travessia Torres Tramandaí – TTT 2019, que movimentou o Litoral Norte no último sábado de janeiro (dia 26).

Esta edição bateu recorde de inscritos na categoria solo, foram 243 atletas. Destes apenas 185 completaram os 82 quilômetros, sendo 150 homens e apenas 35 mulheres.

O destaque feminino na ultramaratona foi Roberta Nozari, que percorreu os 82 quilômetros em aproximadamente 7h 43 min, se sagrando a Campeã da TTT 2019.

TTT 2019
Créditos: acervo pessoal

Beta já é conhecida na TTT. Sua primeira participação foi em 2014, quando formou dupla com Fernanda Elisa Finkler e conquistaram o 2º lugar. No ano seguinte resolveu enfrentar os 82 quilômetros e conquistou o 4º lugar Geral (o pódio geral era divido em até 39 anos e 40 em diante).

Em 2016 enfrentou novamente a ultramaratona e foi a Campeã. Com a Fernada, sua companheira de dupla em 2014 de apoio (bibicleta).

“Na época a classificação geral era dividida em duas faixas etárias: até 39 anos e após. Fiquei em primeiro até os 39, mas na verdade cheguei junto com a minha prima, e teve uma mulher mais velha que chegou antes. Logo, na verdade, apesar do troféu, cheguei em segundo.” explica a corredora.

TTT 2019
Créditos: acervo pessoal / TTT 2016

Em 2017 se sagrou vice-campeã da TTT na categoria solo. A partir daí passou a não mais haver a divisão de faixa etária na classificação geral. Ano passado conquistou o terceiro lugar geral, também na categoria solo.

Natural de Santa Cruz do Sul, Beta trabalha como Defensora Pública, apaixonada pela profissão tanto quanto pelas corridas.

“Em resumo, atuo em prol das pessoas que não possuem condições de constituir advogado particular. Na área criminal, quando os réus não constituem advogado para defesa, os processos acabam indo para a atuação da Defensoria. E eu ainda atendo no Presídio Estadual de Venâncio Aires, que conta com mais de 600 reclusos.”

Beta começou cedo nos esportes. Ainda estava na faculdade (2005) quando conheceu e se apaixonou pelo mundo das corridas de aventura. Participou de competições de CA e algumas corridas…

“Em 2007 (agosto) eu me formei em Direito, e parei de competir para estudar para um concurso. Neste período, me foquei muito, abri mão de quase tudo e somente dava uma corridinha de 7 quilômetros (quando eu podia) para desestressar!” brinca a multi-atleta.

Quando passou no concurso, ela voltou a treinar e logo a competir. Retornou para as corridas de aventura e corridas em geral, trilhas, asfaltos, bike…o que lhe dava vontade.

Ela confessa, que não é muito de se programar com as provas. Gosta de decidir meio perto, mas sempre mantem uma rotina rigorosa de treino.

“Já com a TTT 2019 é diferente, é meio que um programa anual! Eu e o Vagner (noivo), que corre comigo há 3 anos (aliás, nos conhecemos numa corrida de aventura, na mesma equipe, fomos campeões e nunca mais nos desgrudamos) já mantemos um planejamento desde novembro, dezembro…” relembra Beta.

TTT 2019
Créditos: acervo pessoal / 1ª Etapa do Campeonato Gaúcho de Corrida de Aventura de 2016 – Getúlio Vargas – Equipe Krakatoa Campeã / Da direita para a esquerda: Xexa Leandro, Douglas Kroetz, Vagner de Moura e Beta.

Beta acorda às 5h 30min de segunda a sexta para fazer crossfit das 6h 30min às 7h 30min; durante a semana procura correr 3 dias, mas antes da TTT ela corria 5 dias, e às vezes, inclusive, dois turnos de corrida por dia. Nos finais de semana eram feitos os longos, no sábado de bike (30, 40 quilômetros, dependendo do cansaço) e no domingo corrida, no máximo 35 quilômetros.

Ela possui uma carga de trabalho bastante intensa. Então não é sempre que chega em casa com ânimo para treinar. Mesmo assim procura praticar esportes todos os dias, mas confessa que nem sempre é possível.

“Amo fazer esporte, mas respeito muito o meu corpo. Quando estávamos muito cansados, o Vagner (meu parceiro de treino e competições) e eu diminuíamos o ritmo ou a quilometragem.”

Quando questionada se em algum momento imaginou ser a Campeã da TTT 2019, ela é sincera e muito humilde:

“Em nenhum momento pensei que seria a Campeã! Porque eu não era a favorita e, aliás, admiro muito a favorita (Jasieli Dalla Rosa) que é a recordista da prova.”

A PROVA:

O plano era fazer a prova com o Vagner e os dois acabarem bem; administrando, sem quebrar! E foi o que aconteceu…O resultado foi somente a consequência do despretensioso planejamento.

Em termos de calor, foi a pior TTT que Beta correu. Com apenas meia hora de prova o casal sentiu o calor extremo e resolveram diminuir o ritmo, para não quebrarem. Mantiveram um ritmo extremamente confortável e seguiram.

TTT 2019
Créditos: acervo pessoal / Na foto: Beta, Vagner de Moura e Douglas Kroetz (bike)

No quilômetro 38 o Douglas Kroetz, companheiro de equipe na Krakatoa (corridas de aventura), entrou de bike para auxiliar o casal. Porém, um imprevisto aconteceu…na Plataforma de Atlântida a bike quebrou e ele saiu da prova para tentar arrumá-la.

“Naquele ponto ficamos sem comida e sem bebida, até que encontramos uns amigos que estavam esperando a gente passar. Nos deram mariolas e água e um deles seguiu nos acompanhando até o Douglas voltar.” relembra a atual Campeã da TTT 2019.

“A bike não foi arrumada, mas o Douglas seguiu conosco correndo. E acabou dando tudo certo…Das dificuldades que encontramos força para continuar…”

TTT 2019
Créditos: acervo pessoal

Além disso o casal teve um problema pré prova, Beta tem asma e ficou muito gripada, teve crises e precisou tomar antibióticos. Na verdade, foi fazer a prova sem ter certeza se acabaria em razão de estar com bastante falta de ar.

“Acabei tossindo muito durante a TTT 2019, mas faz parte…foi só mais um obstáculo a ser vencido!”

Disciplina, dedicação, estratégias, trabalho duro, muita humildade e um super parceiro, está foi a “fórmula mágica”, que Roberta Nozari usou para conquistar o lugar mais alto do pódio.

TTT 2019
Créditos: acervo pessoal

Agradecimentos…

“Ao meu companheiro de vida, Vagner, por abraçar todas as minhas aventuras loucas e por me acalmar quando estou em plena tempestade! A minha família que sempre me apoiou. Aos meus amigos loucos e companheiros de treinos; às vezes não tenho animo para treinar, mas como o treino está marcado, eles acabam sendo o motivo da minha não desistência!”

Chico, o treinador de grandes atletas de corrida!

Dedicamos uma grande parte das nossas vidas ao nosso trabalho, e embora algumas pessoas se conformem em sobreviver, outras fazem do seu trabalho uma forma de vida, conheça a história do mestre da corrida.

Certamente você já encontrou algumas dessas pessoas que amam o seu trabalho. São profissionais que dão o melhor de si mesmos como pessoas, sem descuidar dos aspectos mais importantes da sua profissão.

Conheci (virtualmente) o treinador/professor de Educação Física, Francisco Rainone Junior (48), no início do ano quando escrevi aqui no site uma matéria sobre a sua atleta Jasieli Tagliari Dalla Rosa – atual recordista feminina da TTT (Travessia Torres Tramandaí) com o tempo de 6h 56min.

Treinamento de Corrida
Foto: acervo pessoal

Desde então, comecei a acompanhar seu trabalho como treinador de alguns atletas e amigos em comum. E  fico impressionada com a forma como ambos se relacionam.

Chico, como é carinhosamente chamado pelos seus amigos e atletas, iniciou a sua carreira de treinador há 35 anos. Foi na escola com seu professor de Educação Física, que descobriu que amava correr e participar das aulas.

“Diversas aulas eram feitas correndo em volta do quarteirão do colégio, onde acabei me destacando como um bom atleta de velocidade e fui encaminhado para treinar no Sport Clube Internacional. Por lá havia um treinador que me ensinou muito e foi meu segundo pai…” 

Naquela época Francisco descobriu o que queria fazer e sabia quem um dia teria uma oportunidade. E esse dia chegou em 2003, quando o Gerente de uma academia o convidou para assumir o clube de corrida.

 “Nesta academia, havia um grupo de corrida em dois turnos (manhã e tarde) e o professor precisava orientar os treinos e correr junto com os alunos pelas ruas da cidade. Na época eram poucas academias que tinham clubes de corrida e existiam poucas assessorias de corrida e uma meia dúzia de treinadores na cidade.”, relembra Chico.

Foi assim que tudo começou, o clube de corrida deu certo, o mercado do running cresceu muito (tanto provas de asfalto como de trail). Francisco se tornou atleta de endurance na época e começou a correr ultramaratonas de esteira, asfalto e montanha.

“Como treinador e atleta começou uma procura pelo meu trabalho, de alunos e atletas para os mais diversos desafios. Assim me especializei em treinamento de ultra atletas e corredores de montanha.”

Hoje ele treina 50 atletas na Assessoria Team Ultra Chico e cerca de 30 na academia Cia Athletica, entre iniciantes e Ultramaratonistas.

Treinamento de Corrida
Foto: acervo pessoal

Quando questionado sobre as conquistas de seus atletas, e a que mais tenham lhe marcado, Chico é rápido em responder:

“Não existe uma que marcou mais! Todos os atletas que se dedicam, priorizam seu tempo e seu esforço físico e mental ao treinar; chegam ao seu objetivo, transformam sua vida, vivem com saúde e felizes…Quando eles concluem provas, seja qual for a distância, acabam me emocionando e me fazendo muito feliz!”

Recentemente Francisco passou por um problema de saúde e seus atletas prestaram lindas homenagens. Mostrando que além do vínculo profissional, existe uma grande afeição. Perguntei ao Chico o que essa “união” representa a ele:

“Eu diria que representa uma família, uma grande e valiosa parte da minha vida, meus atletas são pessoas extraordinárias, preciso estar sempre mais com eles. Transmitem-me uma energia e carinho que não tem tamanho e estiveram em uma corrente de orações que me deram uma força gigante nesse meu maior desafio até hoje, que foi a cirurgia cardíaca. Não tenho palavras para agradecer a eles.”

Outra grande e valiosa parte da vida, do treinador é sua companheira Vivi Souza. Em um feriado de carnaval, enquanto muitos festejavam e brindavam em festas e folias, Vivi foi com seu grupo de corrida fazer um treino de morro, já previamente combinado com sua treinadora Aline e o treinador Francisco – que até então, ela só conhecia por nome.

“A partir daí veio um convite para um treino, convite para uma prova…e devagar, com muito carinho e alguns quilômetros, foi nascendo um belo e verdadeiro sentimento. Vamos completar dois anos juntos, pouco tempo, mas de uma cumplicidade, cuidado, amor e querer bem de ambas as partes.”  relembra Vivi.

Treinamento de Corrida
Foto: acervo pessoal

Chico é um treinador responsável, dedicado e atencioso. Que pensa, estuda, elabora, planeja…cada detalhe, para o crescimento e evolução de seus atletas! Grande conhecedor da teoria e prática deste mundão das corridas, que se emociona e vibra com as conquistas pessoais de cada um.

Segundo Vivi – e sem dúvidas toda a sua família, amigos, atletas… – Chico é:

“Um atleta cheio de histórias pessoais, que prende as pessoas no olhar com tamanha experiência e conhecimentos quando relata suas aventuras que carregam km´s de emoções. Um homem sincero e guerreiro, que já atravessou situações difíceis, mas sempre soube dar a volta por cima com um sorriso largo no rosto e um coração que pulsa e vibra pelas vitorias e conquistas, mas sobre tudo pelo recomeço, pela hombridade, generosidade, gratidão e alegria de viver neste mundo do esporte que tanto o faz feliz. Hoje vejo no Chico uma fortaleza, seguro de si, da sua profissão e de seus valores.”

Treinamento de Corrida
Foto: acervo pessoal

“Amar a vida através do trabalho é partilhar do segredo mais íntimo da vida.” – Khalil Gibran –

Morro Gaúcho a prova mais bruta

Arroio do Meio foi a sede da 4ª Etapa do Campeonato Gaúcho Corrida Trilhas e Montanhas – Trilhas do Morro Gaúcho/RS, que ocorreu no último sábado (dia 28). A prova teve percursos de 5.5, 17, 32 (2 pontos ITRA)* e 50 quilômetros (3 pontos ITRA)* de corrida em trilhas e montanhas.

*Trilhas do Morro Gaúcho, foi uma das primeiras provas do Rio Grande do Sul a pontuar pelo ITRA.

O evento contou com a participação de mais de 800 atletas, vindos de diversas cidades do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e até Uruguai.

Quando comecei a correr, sempre achei fascinantes as longas distâncias. Na época, achava que o máximo que eu conseguiria chegar era uma meia maratona. Bobinha eu…

Um ano de corrida fiz minha primeira prova de montanha, e foi amor à primeira vista. Me apaixonei pela dificuldade do percurso e pelo visual, que transformavam a corrida em algo muito mais significativo pra mim do que simplesmente bater um tempo específico.

Estudando sobre, comecei a me familiarizar com as ultramaratonas e vi que era ali que meu desafio estava. Na época, o máximo que eu tinha corrido era a Maratona do Vinho 2018, cinco meses depois da minha primeira maratona, fui para os 50 km do Trilhas do Morro Gaúcho.

Morro Gaúcho a prova mais bruta
Morro Gaúcho – Créditos: ClicRun

O treinamento foi puxado! Longos que eu nunca tinha feito na vida, percursos, trilhas e montanhas que eu fazia pedalando passei a fazer correndo. Restrições alimentares, musculação, pilates…

A largada da ultramaratona mais “bruta” (difícil) do Rio Grande do Sul, foi às 7 horas da manhã, a prova tinha mais de 2.600 metros de altimetria acumulada. No Km 45 haveria um ponto de corte para os atletas que passassem por ali após às 16h30min. O tempo limite para completar o percurso eram 10 horas.

Minha estratégia: subir tranquila, descer forte e correr/trotar no plano.

Minha meta: completar a prova do Morro Gaúcho

A prova:

A maioria das subidas eram em caminho para apenas uma pessoa (single track, como dizem), muito difíceis. Sofri! Aliás, todo mundo sofreu! E as descidas íngremes, com muito barro, como se fosse sabão em um piso molhado. Ainda bem que corri com os bastões e pude descer várias delas “esquiando”!

Ahh…e as partes planas eram assim, mais barro, água e trilhas!

Morro Gaúcho a prova mais bruta
Morro Gaúcho – Créditos: ClicRun

Nos quilômetros iniciais estava correndo junto com a Saionara e a Edinéia (campeã e terceira colocada geral, respectivamente). Mas aí lembrei que era minha primeira ultramaratona e não queria “quebrar”.

Baixei o ritmo e fui seguindo…

Fui tranquila até o Km 22, onde encontrei a Magda Chagas e o Duda Piras no (segundo) ponto de hidratação. Parei alguns minutinhos para comer algo e dar umas risadas com a dupla.

Quando estava saindo a Magda disse:

– Daqui até o próximo ponto de hidratação (Km 35) vai ser puxado também!

Analisei rapidamente o gráfico de altimetria e certamente não seria nada fácil os próximos quilômetros. Por sorte fiz um amigo uruguaio, que foi comigo até o Km 29 (aproximadamente), me apoiando e incentivando, sem ele seria muito mais difícil.

No Km 35 reencontrei a Magda e o Duda no então, terceiro ponto de abastecimento. Ali eu já não estava mais tão “feliz” o sono e uma leve dor nas panturrilhas estavam começando a me castigar. Mas aquela altura não poderia desistir da prova.

Lembrei dos últimos meses, do quanto foi árduo conciliar o trabalho, faculdade…casa e muitos treinos. Levantei e comecei novamente, animada, mas cansada, as pernas já não eram mais as mesmas, a cabeça parecia uma locadora de vídeos, a cada trilha um filme diferente, isso quando não rodava uns dois ou três filmes ao mesmo tempo. Segui firme, subindo forte as montanhas, e algumas poucas vezes, um trote nas descidas.

Lá pelo Km 36 encontrei a curitibana Christiane, ela estava um pouco enjoada e fraca, ofereci a minha Coca-Cola à ela, conversamos um pouco e seguimos as escaladas. Mas tinha uma coisa que não saia da minha cabeça: a Trilha do Beiço! Ouvi horrores sobre ela, em que quilômetro ela estaria?!

Hora eu puxava a Christiane, hora ela me puxava…não lembro ao certo em que Km eu acabei me afastando dela e cheguei na temida Trilha do Beiço. Tive o privilégio de fazer o seu percurso na parceria do Nédson do Canal 100 Fôlego e lá no finalzinho saber o porquê de “Trilha do Beiço”!

Após caminhadas, escaladas e pequenas pausas para ao menos respirar, vencemos a Trilha do Beiço…Que alívio! Segui com o Nédson por mais alguns trechos até a trilha da descida da cachoeira (não lembro o nome dela, rs) ali a Christiane conseguiu nos alcançar. Fiquei aliviada quando a vi, pois sabia que não estava bem.

Novamente seguimos juntas, era incrível nossa sintonia. Parecia que éramos amigas de longa data!

Achei que a Trilha da Lona Preta era difícil, depois vi que a do Beiço era muito pior…Mas o que era aquela escalada com cordas na cachoeira?! Rs Aquilo me lembrou o tempo em que fazia corrida de aventura.

Não sei como, de que forma…saímos correndo – ou melhor tentando correr – após a escalada, com receio de levar o corte no Km 45. Dessa vez a Christiane puxava. Em certos pontos ouvíamos música lá longe…no local da largada/chegada e aquilo era muito motivador.

Para minha surpresa, chegando no Km 44 encontrei a Analucia, naquele momento o cansaço foi embora e uma alegria imensa tomou conta de mim. Conheci Ana a alguns meses atrás na primeira etapa do CGCTM em Farroupilha e desde então sempre nos ajudamos nas provas. E ali, não podia ser diferente…

Paramos no km 45 que era o último ponto de abastecimento e também ponto de corte, o staff Leonardo nos informou que os últimos 5 km da prova haviam sido cancelados para a segurança dos atletas. Então nos restavam somente mais uns 700 metros até a tão sonhada linha de chegada.

Morro Gaúcho a prova mais bruta
Morro Gaúcho – Créditos: ClicRun

Seguimos juntas eu e Ana, esses últimos metros que na verdade pareciam quilômetros. E cruzamos quase juntas a linha de chegada, que na verdade é um marco que vai muito além da medida de tempo registrada entre a sirene da largada e a última passada. Suor, esforço, sacrifício, dor, renúncias, dedicação, comprometimento, amor e paixão são alguns de seus sinônimos.

Christiane a curitibana que correu comigo alguns quilômetros e conclui a prova alguns minutinhos na minha frente, me aguardava após a linha de chegada. Sorridente e “ultrafeliz” com nossas conquistas. Lá também estavam tantos outros amigos que fiz durante o percurso.

Na minha estreia em ultramaratona, o pórtico de chegada foi a visão mais desejada durante o percurso de aproximadamente 50 Km com mais de 2.600m de altimetria acumulada, ele é na verdade, a concretização de todo um processo que vai do início da preparação à realização de um sonho. É o registro de um momento cuja lembrança irá transcender por anos a fio.

Mas não estive sozinha nesta recente trajetória de corredora. Desde muito antes do Trilhas do Morro Gaúcho, tive ao meu lado grandes apoiadores: CURTLO BR, Patos do Sul, Casa Natural Serra, Academia Performance Fitness e Vera Bike. Que sempre me incentivaram a ser exatamente quem eu sou, fazer o que me faz feliz e não ter medo de sonhar.

Trilhas do Morro Gaúcho, foi mais uma grande etapa do Campeonato Gaúcho Corrida Trilhas e Montanhas, graças ao profissionalismo das equipes da L&E Eventos, Brutus do Gaúcho, ClicRun, 3cTiming e Youmovin que fizeram um evento impecável em todos os sentidos.

A paixão por ultramaratona

O que leva uma pessoa a se apaixonar por ultramaratona?

Eu comecei a correr na vida lá por 2015 e foi naquele ano que conheci (virtualmente) a Andréa Vidal, e me encantei com aquela mineirinha sempre simpática e sorridente. Suas descrições das provas, as sensações, tudo que sentiu e viu…era simplesmente incrível e incentivador.

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal
Foto: Rita Oliveira

Sempre foi linda e mágica, sua felicidade sempre estampada na cara, sorriso de orelha a orelha, a medalha no pescoço e orgulhosa de si mesma a cada conquista. Isso era radiante!

Andréa Vidal é advogada e mineira de Belo Horizonte, corre há 22 anos. Começou a correr em 1996, por causa do seu namorado (hoje marido) Francisco Ottoni.

“Encontrei com ele correndo com uma moça bonita e pensei ‘ se ele quer companhia vou correr também. ’ Depois descobri que a moça era prima! Mas gostei e continuei correr desde então.” relembra Andréa.

Quando iniciou no mundo das corridas, jamais almejou participar das maiores e mais difíceis ultramaratonas do mundo.

“Quando comecei só queria correr 6 Km (risos), achava ótimo. Depois aumentei para 10 Km, 16 Km e finalmente 21 Km, no qual fiquei durante um bom tempo. Somente em 2012, resolvi fazer a minha primeira maratona. Em 2014 fiz minha primeira Ultramaratona, a Comrades. Depois dessa não parei mais!”

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal
Foto: acervo pessoal

Recentemente Andréa participou da Western States Endurance Run 100 Miles, que ocorreu no dia 23 de junho na Califórnia nos Estados Unidos. Essa prova é a ultramaratona de 100 milhas mais antiga do mundo e atrai atletas do mundo inteiro para correr seus 160 Km com 6 mil metros de ascensão e 8 mil de descidas.

“A Western States é sonho do meu marido, ouvi ele conversando com um amigo sobre a prova e falei que ia me inscrever e que seria sorteada. E aconteceu, fui de primeira, tinha 2,5% de chance. Só depois de ser sorteada comecei a ver vídeos sobre a corrida e tive noção da grandeza dessa prova.”

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal
Foto: acervo pessoal

Vale lembrar que Andréa é oficialmente a primeira brasileira a completar a prova. A Western States também foi a maior prova dela, até então a sua maior tinha sido os 120 Km do UTMB.

Além da distância e grande altimetria, a corredora afirma que a Western é uma prova muito dura pelo calor.

“Muita gente passa mal, e esse ano bateu recorde de temperatura, é um calor de deserto, muito seco. A largada foi às 5 horas da manhã em Squaw Valley, uma cidade no alto das montanhas, bem fresca. Mas a partir das 10 horas, começa a esquentar. O pior pedaço são os Canyons, um calor terrível. Começa a melhorar quando anoitece que é somente às 20 h 30 min da noite.”

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal

A partir do Km 89, podia ter pacer. Desse ponto em diante Francisco Ottoni, correu com Andréa até o final. “Foram cerca de 70 Km juntos, ele me puxando, me dando forças…foi incrível!”

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal

Veja aqui um vídeo emocionante sobre a participação de Andréa na Western States.

Com um extenso currículo de provas, a corredora elencou as três mais especiais para ela.

Primeira – Maratona de New York.

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal
Foto: acervo pessoal

“Sempre fui apaixonada por aquela cidade, era meu sonho correr lá e foi sensacional!”

Segunda – Comrades (África do Sul)

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal
Foto: acervo pessoal

“Minha primeira ultramaratona (89 Km). É uma prova com uma energia inexplicável!”

Terceira – Western States

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal
Foto: acervo pessoal

“Minhas primeiras 100 milhas. Vai ficar marcada para sempre!”

Andréa não pretende parar tão cedo, ainda este ano tem mais duas importantes provas. A CCC prova de 100 Km do UTMB e os 65 Km da Ultra Trail Cape Town!

“Agradeço ao meu marido Francisco Ottoni, que me coloca nas maiores furadas de corrida, mas que eu adoro. Não poderia ter companheiro melhor!”

A paixão por ultramaratona Andréa Vidal

Com o passar do tempo à corrida se torna realmente um vício, queremos correr mais, mais rápido, e, conforme vamos ganhando maturidade na quilometragem escolhida, achamos que o desafio pode ser ainda maior.

Por um tempo, você se desafia a correr mais rápido, a melhorar seu pace médio e a sempre bater o recorde pessoal ou o tempo de um amigo próximo. Correr é viciante, libera endorfina, serotonina, alegria, mexe com a sensibilidade da pele, do olfato, do paladar, com sua circulação sanguínea. A corrida te embeleza por dentro e por fora.

Travessia Torres Tramandaí – TTT

Mais de três mil participantes divididos em quatro categorias (ultramaratona, duplas, quartetos e octetos) participaram da 14ª edição da Travessia Torres Tramandaí – TTT, que movimentou o Litoral Norte no último dia 27 de janeiro de 2018.

O destaque feminino na ultramaratona TTT foi Jasieli Tagliari Dalla Rosa, que percorreu aproximadamente 82 quilômetros em 6 h 56 min e bateu o recorde feminino em quase 25 minutos, tempo anterior que era de Daniela Santarosa 7 h 21 min.

Disciplina, dedicação, estratégias, planejamento, trabalho duro, humildade e um treinador com vasta experiência em ultramaratonas. Essa foi a “fórmula mágica” que Jasieli usou para conquistar o lugar mais alto do pódio.

TTT
Foto: Foco Radical

“Prezo pelo trabalho duro, por executar os treinos do jeito que o treinador manda, de escutar o corpo, de conhecer os limites e saber explorá-los. Sou bem novata no mundo das corridas, tenho um ano e meio de competições e um ano com o treinador Francisco Tito de Porto Alegre.” ressalta a campeã.

A TTT é uma prova que necessita planejamento e estratégia, Francisco (treinador) foi audacioso e traçou vários planos, inclusive o de quebra de record da prova.

A prova

A dupla…Jasi havia combinado com o amigo Willian Bordin (ultramaratonista com experiência) largarem juntos no mesmo ritmo, e assim foram por quase 40 quilômetros. Na parceria, no silêncio…

O trio…a partir do quilômetro 21, Juliane Zan passou a acompanhá-los de bicicleta. “Durante o percurso procurei não falar muito para não tirar o foco deles. Perguntava somente se estavam bem e se queriam água/gatorade. Estávamos logo atrás da primeira colocada (Daniela Santarosa) e nos aproximávamos cada vez mais.” relembra Juli.

TTT
Foto: Foco Radical

As ultrapassagens…Jasi tinha seu planejamento e estava tudo dentro do esperado, próximo ao quilômetro 40, Juli e Will ficaram para trás e ela manteve seu ritmo e ultrapassou a primeira colocada.

“As duas estavam no nosso campo de visão, até que vimos a segunda colocada ultrapassar a Jasi. A partir deste momento não avistávamos mais elas.” recorda Willian.

Ao chegarem na plataforma, em torno do quilômetro 58, começaram a caminhar, assim Willian conseguia se alimentar e se hidratar. Nos quilômetros seguintes o casal encontrou alguns corredores e apoiadores e avistaram a Daniela Santarosa, neste momento tiveram a certeza de que a Jasi estava na primeira colocação.

Reta final…estreante na TTT, Jasi sempre ouviu falar que depois da Plataforma de Atlântida que começa a prova. “Realmente a partir dali você sente que precisa correr mais com o coração/mente do que com as pernas. Encontrei um rapaz nos últimos 16 quilômetros que estava treinando e me acompanhou até o final, assim consegui manter um ritmo forte até a linha de chegada.” comenta a nova campeã da Travessia Torres Tramandaí.

TTT
Foto: Foco Radical

Além do grande apoio do Willian e Juliane, Jasi contou com o suporte do marido, filho e treinador em pontos marcados.

Agradecimentos

“Estou em um momento que tenho medo até de agradecer e esquecer de alguém, porque foi tanta gente que me ajudou a estar nessa prova. Seja na torcida, no suporte, através de mensagens.

Mas, vamos lá…meu treinador Francisco Tito que acreditou que eu era capaz com um ano e pouco de corrida, e me transformou em ultramaratonista. Minha família que aguentou o tranco dos treinos e viajou na brincadeira dando apoio na prova.

Meu amigo e médico Tarciso Rossato que estudou a suplementação e alimentação da prova junto com a esposa Patrícia. As empresas da minha cidade que me auxiliaram nos custos da prova e a empresa Sulboro de Porto Alegre.

A minha cidade Trindade do Sul que viveu uma final de copa do mundo – risos -, pois com seis mil habitantes todo mundo se conhece. A Prefeitura que me liberou do trabalho e está me apoiando em todas as competições.

Pessoal da Cia Atlhetica de Porto Alegre, pessoal da BTR (Bento Trail Runners)…enfim toda galera que gritou, torceu, vibrou! Nunca pensei viver esse momento, e não falo em ganhar pódio, falo em ganhar pessoas, ganhar experiências, ganhar amizades…isso não tem preço.” finaliza emocionada Jasieli.

TTT
Foto: Foco Radical