Trilha Costa da Lagoa

Após pesquisas na internet e conversa com moradores da ilha de Florianópolis, resolvemos fazer a trilha da Costa da Lagoa, chamada por alguns de trilha do Canto dos Araçás.

Seguimos de carro até o Canto dos Araçás e a partir do ponto 3 seguimos a pé. Pode-se ir de carro até o ponto 4, no entanto as ruas são estreitas, o que dificulta as manobras dos veículos e não há local para estacionamento. Vale esclarecer que “os pontos” referem-se aos trapiches   em que se pode pegar os barcos para deslocamento ao longo da costa da lagoa e vai até os Ratones (ponto 23).

A partir do ponto 4 o acesso somente é possível por trilha ou barco. O trajeto tem pouco declive e aclive, sendo predominantemente plano e bem marcado, podendo ser classificado como de nível fácil.

Durante o percurso passamos por várias vilas, algumas construções antigas, engenhos, restaurantes com comida típica à base de peixes e frutos do mar, lojinhas com souvenirs. O visitante que percorrer toda a costa da lagoa passará por sete vilas (Vila Verde, Praia Seca, Praia da Areia, Baixada, Centrinho, Praia do Sul e Saquinho).

Costa da Lagoa

A Costa da Lagoa ainda preserva a cultura dos seus primeiros colonizadores. Essa região foi tombada pelo município como área de preservação cultural. No lugar há um núcleo de pescadores e rendeiras que ainda vivem como nos antepassados. O que nos chamou bastante atenção foi o fato de que os moradores locais não possuem veículos automotivos, não vimos nem motocicletas. Os deslocamentos são feitos mediante utilização do transporte lacustre, que passa de hora em hora nos 23 pontos existentes na costa da Lagoa da Conceição.

Logo no início da trilha, próximo a uma residência, avistamos uma Cobra Jaracaca, com cerca de 1 metro de comprimento, que estava no meio da trilha, mas, ao perceber nossa proximidade, retornou para sua toca embaixo de uma pedra. Sempre temos cuidado e atenção nas trilhas, mas encontrar esse animal peçonhento serviu de alerta.

Costa da Lagoa

O caminho está cercado pela mata atlântica, com presença de uma rica flora e fauna. Um residente de uma das vilas, que cruzou por nós, disse ser bem frequente avistar macacos-prego, principalmente nos bambus, visto que se alimentam dos brotos dessa espécie de planta. Tínhamos esperança de conseguir vê-los, porém, somente ouvimos os sons de seus deslocamentos no alto dos bambuzais, sem conseguir enxergá-los.

Seguimos pela trilha, apreciando a paisagem e construções do local. Chegamos a um sobrado que foi construído pelos escravos em 1780, com óleo de baleia, barro e pedra. O casarão pertencia a Dona Loquinha, que faleceu há quase 30 anos. Atualmente está fechado e abandonado.

Costa da Lagoa

Logo após admirar esse imóvel que se tornou patrimônio história da Costa da Lagoa, levamos um susto ao nos depararmos com uma Cobra Caninana com cerca de 2 metros de comprimento e 10 centímetros de espessura na parte mais grossa. Essa cobra assusta mais pelo seu tamanho do que pelo perigo. Trata-se de uma serpente que pode atingir cerca de 2,5 metros de comprimento, é bastante rápida e ágil, mas não é peçonhenta. Alimenta-se principalmente de roedores e pequenas cobras. A caninana estava cruzando a trilha, mas ao perceber nossa presença, fez a volta e retornou para sua toca. Aguardamos uns instantes e seguimos em diante.

Costa da Lagoa

A partir de agora, a atenção foi redobrada, pois já havíamos encontrado duas cobras, e não demorou muito tempo para avistar um filhote de coral vermelha que se deslocava entre a vegetação ao lado da trilha. Não sabemos se era verdadeira ou falsa.

Durante o trajeto constatou-se uma flora preservada e, em vários pontos, é possível ter uma bela vista da Lagoa da Conceição. Num dos povoados, paramos para conversar com um senhor para informar sobre as cobras encontradas no decorrer do caminho. O morador local nos disse elas são encontradas com frequência, mas que não lembra de acidentes com tais animais, destacando que mora no local há mais de 10 anos.

Costa da Lagoa

Nosso destino final foi a cachoeira que se localiza próxima ao ponto 16. Uns 50 metros antes de chegar na cachoeira avistamos um filhote de Caninana que estava entrando debaixo de uma pedra. Era a quarta cobra avistada durante o dia.

A queda de água possui cerca de 8 metros de altura e a água cristalina e gelada refresca os visitantes nos dias quentes. Em época de pouca chuva a cachoeira fica com pouca água. Na parte inferior há uma piscina natural, aproveitada por muitos para os banhos.

Costa da Lagoa

Quando chegamos na cachoeira, havia cerca de 15 pessoas no local, que acreditamos terem vindo de barco, pois não avistamos ninguém fazendo a trilha, além de moradores locais e dois ciclistas argentinos. Resolvemos subir pelas pedras da cachoeira a fim de encontrar um lugar para descansar e fazer um lanche.

Subimos até chegar na base da queda de água, sempre com cuidado ao pisar nas pedras secas, pois as molhadas estavam muito lisas. Um nativo nos disse que são frequentes os acidentes com pessoas que sobem pelas pedras. No local há vários avisos pedindo atenção com as pedras escorregadias.

Chegando ao local escolhido para o descanso, fizemos nosso lanche e aproveitamos para admirar o lugar. Ali perto tinha uma pequena piscina natural que foi designada para o banho. A água não estava muito gelada e a imersão na água foi energizante.

Costa da Lagoa

Costa da Lagoa

Embora os alertas para tomar cuidado para não escorregar tenham sido intensos, presenciamos uma mulher descendo escorregando pelas pedras até determinado ponto, em que consegui segurá-la pelo braço. Presenciamos várias pessoas se arriscando ao subirem pela rocha da cachoeira molhada.

Após registros fotográficos e renovação das nossas energias nesse lugar maravilhoso, com uma água limpa e refrescante, resolvemos pegar o caminho de volta.

Costa da Lagoa

A ideia inicial era voltar pela mesma trilha, mas como havíamos encontrado 4 cobras e não queríamos ariscar encontrar mais algumas,  resolvemos retornar de barco. Seguimos alguns metros até o ponto 17, onde aguardamos no trapiche a chegada da embarcação.

Costa da Lagoa

Nossa viagem de barco durou cerca de 30 minutos e o desembarque foi no ponto 3, onde tínhamos deixado o carro. Essas embarcações fazem o transporte diário de passageiros a um custo de R$ 11,00 por pessoa.

Para os aventureiros que pretendem fazer essa trilha vale lembrar que devem fazer uso de bota ou tênis, sendo aconselhável usar calça e tomar muito cuidado com os animais peçonhentos presentes no local. Importante usar protetor solar, repelente, boné, bem como levar água, pois a trilha tem aproximadamente 7,5km, com duração de 3h30min e nem sempre tem local para comprar algo. E não se esqueça do traje de banho para no final banhar-se na cachoeira. É uma trilha que, com certeza, vale a pena fazer.

Costa da Lagoa

Praia do Ouvidor

Entre as praias do Ouvidor e do Rosa Norte é possível vislumbrar-se com a Praia Vermelha, de beleza deslumbrante e incomparável.

O acesso à Praia Vermelha se dá por meio de trilha, não há estradas até a beira mar, por se tratar de uma praia particular. O trânsito de pedestres é livre. Há possibilidade de se chegar à Praia Vermelha pela trilha que começa na Praia do Rosa Norte ou pela Praia do Ouvidor.

Resolvemos fazer a trilha que inicia na Praia do Ouvidor, onde deixamos o veículo estacionado, considerando que moradores locais relataram que na praia do Rosa Norte estavam ocorrendo furtos de veículos.

Ouvidor

Logo no início da trilha que leva à Praia Vermelha você tem a possibilidade de se refrescar nas águas calmas e cristalinas de uma piscina natural. Claro que toda a atenção é válida com relação à maré e intensidade das ondas, para que não seja surpreendido por alguma onda gigante ao se banhar na piscina.

Ouvidor

Numa pequena fração da orla, antes de chegar nas rochas, as conchas cobrem a areia em grande parte, encontrando-se inúmeras delas quebradas, o que faz com que se tenha a impressão de que a areia é grossa, quando na realidade está misturada com fragmentos de conchas. Na parte rochosa observa-se a intensidade e violência das ondas gigantescas que batem nas pedras.

Ouvidor

Ouvidor

A trilha que segue daqui em diante é mais afastada do mar, pela parte de cima do morro, em meio a plantas de diversas variedades.

Neste caminho tem demarcações e placas indicativas, sem grandes aclives, o que a torna fácil a caminhada. No decorrer do trajeto passamos por passarelas de madeira, degraus que facilitavam as subidas, pedras posicionadas estrategicamente para ajudar na caminhada, inclusive parte da trilha é cimentada. A caminhada tem algumas ladeiras, mas nada excessivo, e existem inúmeras escadas.

Ouvidor

Ouvidor

Ouvidor

Ouvidor

A rica flora surpreende desde o início da trilha, pela sua diversidade. Encontram-se inúmeras espécies, desde as mais comuns até algumas raridades. Há preservação tanto da fauna como da flora, inclusive com placas chamando atenção para a necessidade de se respeitar a natureza presente no local. Existe constante preocupação em manter a praia limpa e, para colaborar com isso, as lixeiras se fazem presentes em todo o trecho da trilha.

Ouvidor

Após percorrer pela caminho, apreciando a exuberante natureza presente durante o percurso, chegamos à Praia Vermelha, de ondas fortes e um mar de um azul-esverdeado esplêndido e encantador. A praia tem aproximadamente 480 metros de extensão e uma beldade excepcional.

Ouvidor
Praia Vermelha/SC

Durante todo o caminho é imprescindível uma máquina fotográfica, pois você terá possibilidade de fazer belos registros, que lhe possibilitarão relembrar a magnitude dessa praia maravilhosa.

Para quem gosta de praias sem muito agito e fluxo de pessoas, aconselhamos uma visita à Praia Vermelha. Como a beira-mar não tem salva-vidas, deve o banhista ser prudente e ter cuidado ao mergulhar, principalmente nas proximidades das pedras onde há uma concentração de ondas fortes.

Como se trata de uma trilha leve e fácil poderá ser feita de chinelo, porém o uso de tênis provavelmente será mais confortável. O que não pode faltar é a garrafa de água (1 litro por pessoa aproximadamente) e, com certeza, o protetor solar.

Ouvidor