Trip Montanha – Sul do Brasil

O Trip Montanha nasceu em 2011, quando o fundador, Cristian Stassun, iniciou uma rede de contatos no Facebook com o objetivo de desbravar Santa Catarina. Segundo ele, o grupo cresceu e muitos interessados em trilhar Santa Catarina eram de fora do estado. Criou-se uma rede muito forte, maior do que as associações e federações do estado, agregando pessoas e destinos do Rio Grande do Sul e do Paraná.

Trip Montanha - Sul do Brasil
Foto: Cristian Stassun
Trip Montanha - Sul do Brasil
Foto: Cristian Stassun

Esse grande grupo chamado Trip Montanha reúne os melhores homens e mulheres das atividades de trekking, hiking, bike, corrida, escalada, canoagem, espeleologia, canionismo e guias de turismo de aventura,  juntos descobrem técnicas, segredos de lugares, promoções de produtos, convites de eventos, novidades em tecnologia de fotografia e montanhismo e, principalmente, fortalecem a amizade entre essa galera toda.

Tenho a honra e o privilégio de fazer parte desse grupo de mais de 700 membros, com grandes feras, alguns engajados inclusive na diretoria das principais entidades de montanhismo do Sul do Brasil: FEMESC, ACEM, AJM, ASGEM e CPM.

Trip Montanha - Sul do Brasil
2° Encontrão Trip Montanha – Alfredo Wagner/SC – Foto: Luís H. Fritsch

O Encontrão Trip Montanha acontece todos os anos e reúne os membros do maior grupo de montanhistas do Sul do Brasil para trocar experiências, compartilhar o amor pela montanha, pelos trekkings e pelos esportes de aventura. São dois dias com atividades, palestras, cursos, acampamento, música ao vivo, boa comida e muita amizade.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Trip Montanha – Sul Brasil (@tripmontanha) em

Realizado esse ano no Cânion Espraiado – Urubici/SC, contou com atividades de rapel com Carlos Eduardo Madona, o Kadu, grande fera do canionismo, da empresa EcoXperiences na incrível Cachoeira do Adão com 90 metros de altura, trilhas pelos cânions, cavalgada, pêndulo com a Natural Extremo  e quadriciclos do Rancho Montanha Urubici. Esse ano o Trekking RS esteve presente no evento, comigo, com o Luis H. Fritsch e o Marcio Masso. Foi simplesmente sensacional!

Os quadriciclos garantiram ainda mais diversão no Encontrão 2018

Trip Montanha - Sul do Brasil

O salto no pêndulo de maior altitude do Brasil, foi realizado pela primeira vez pela empresa Natural Extremo durante o Terceiro Encontrão Trip Montanha realizado nos dias 7 e 8 de julho desse ano.

Veja o vídeo do rapel na Cachoeira do Adão 

O Encontrão Trip Montanha já tem inclusive local e data para a sua 4.ª edição. Será nos dias 6 e 7 de julho de 2019, nos cânions Boa Vista e Amola Faca em São José dos Ausentes, no Rio Grande do Sul.

Trip Montanha - Sul do Brasil
Cânion Boa Vista/RS – Foto: Luís H. Fritsch

Sonhos Verticais

Sonhos Verticais

Sonhos Verticais

Nesse artigo, gostaria de homenagear Manoel Morgado, o autor de Sonhos Verticais, montanhista e guia de trekking. Esse gaúcho de 57 anos nasceu na pequena e pouco conhecida Farroupilha, uma cidade industrial da Serra Gaúcha. Brasileiro mais velho a escalar o Everest. Segundo brasileiro a completar a escalada da mais alta montanha de cada continente. Mais de 20 anos de experiência como guia de trekking aos campos-base das principais montanhas do Himalaia. Quero, nesse texto, apresentar a cidade onde tudo começou e a paixão que alimentamos em comum pela vida outdoor.

Sonhos Verticais

Mal saberia eu que, 24 anos mais tarde, eu nasceria no mesmo hospital. Farroupilha é uma cidade de 70 mil habitantes, situada entre as famosas Bento Gonçalves e Caxias do Sul, na Serra do Rio Grande do Sul. O mais incrível é que nossa cidade não tem fama nem tradição em produzir viajantes, nômades ou aventureiros. Guardando profundas tradições italianas, a formação em torno do seio familiar é tão forte que praticamente sufoca toda tentativa de se viver longe dela.

00022_1-1253215009

Eu mesmo não conhecia a figura do Morgado até sua aparição na National Geographic. Ainda lembro-me quando folheava as páginas da edição de dezembro de 2010 quando, subitamente, fui fisgado por uma entrevista feita com um brasileiro que havia recém conquistado o Everest. Maravilhado com sua história, busquei informações mais profundas e foi aí que descobri, com grande curiosidade, que era meu conterrâneo.

Comecei a tentar contato por e-mails. Mas foi somente em março de 2012, justamente num intervalo entre suas expedições, que obtive as primeiras respostas. Em uma breve visita ao Brasil para o lançamento de seu livro, em São Paulo, Morgado me conheceu e, também surpreso com minha história e meu amor pelos esportes de aventura, escreveu:

“Quer dizer que Farroupilha produziu dois aventureiros-atletas? Que legal! Muito obrigado por suas carinhosas palavras. Fico feliz que vai ler meu livro. Boa sorte, Marcelo. Siga sempre seus sonhos, seu coração. Espero que um dia possamos nos encontrar em alguma montanha. Depois me conta o que achou do livro. Grande abraço.” Manoel Morgado

Talvez a forte tradição familiar de Farroupilha justifique a incredulidade de Morgado em crer que ambos nascemos e fomos criados lá. Naquela mesma semana, comprei o Sonhos Verticais. Queria conhecer um pouco mais as conquistas e a vida desse novo herói farroupilhense, apesar de serem raros os que tenham ouvido falar dele em sua própria cidade natal. Prometi que mandaria uma resenha assim que terminasse a leitura. E concluí o último e-mail relevando que gostaria muito de, um dia, poder trabalhar ao seu lado. Em seguida, ele partiu, para cumprir mais uma temporada junto a seus clientes. Conforme prometido, segues abaixo meus comentários sobre seu livro.

Nele, seus diários de campo nas escaladas ao Cho  Oyo e ao Everest foram sabiamente transformados em um texto agradável, recheado de curiosidades sobre o montanhismo e as dificuldades enfrentadas nessas montanhas. Todos os obstáculos foram vencidos por uma incrível admiração que ele alimenta por esses lugares. Morgado revela esse amor com a mesma pureza de quando se aventurava pelos parques de Farroupilha, durante a infância. É emocionante.

Sonhos Verticais

Em muitas passagens, o autor cita a filosofia budista, que prega a prática de uma profunda atenção no mundo presente de forma a evitar a dispersão da mente em fatos passados ou que ainda não ocorreram. Essa habilidade foi adquirida em cursos de budismo realizados no norte da Índia e revelaram-se fundamentais para que ele extraísse o máximo de experiências e aprendizados dessas escaladas. Uma sabedoria que poucos montanhistas sabem desfrutar, totalmente cegos pelo objetivo do cume.

No final, capítulos deliciosos sobre a sabedoria budista aplicada em nossa vida, um mini-dicionário de termos técnicos e inspiradoras imagens da expedição completam a obra com chave-de-ouro. Não há quem não trema na cadeira ao deslumbrar o mundo a partir de seu ponto mais alto. Essa sensação foi compartilhada aos leitores através de uma foto panorâmica imperdível, tirada durante um momento de céu claríssimo, no topo do Everest. É possível ver o trajeto até lá, e a extensão impressionante de picos menores brotando do platô tibetano. Particularmente, outra fotografia que me encantou foi aquela tirada dos montanhistas em fila, presos às cordas fixas e ostentando suas poderosas máscaras de oxigênio e down suits vermelhos, cujo avanço sincronizado das passadas dava à cena o mesmo ar épico das grandes aventuras humanas.

Enviei a ele a resenha completa. Em um último e-mail, escrito da varanda de um apartamento na ilha grega de Kalymnos, onde Morgado está praticando escalada em rocha, ele revela:

“Caro Marcelo.
Agora foi minha vez de ficar emocionado. Muito obrigado por tudo, pela resenha tão favorável ao livro, pelas palavras tão carinhosas sobre a minha pessoa, por teu empenho em entrar em contato comigo e por me mandar teus comentários sobre o livro. Como já te disse antes, espero que possamos nos ver em alguma montanha em breve, afinal não é a toda hora que Farroupilha produz apaixonados por montanhas. Abraços e boa sorte.” 
Manoel Morgado

Aos leitores dos Sonhos Verticais, aguardem. Vem muita novidade por aí. E parabéns ao Manoel Morgado, pela coragem de correr atrás de seus sonhos. Concluí que esse, talvez, seja o seu maior legado. Quero compartilhar o orgulho que sinto em ser seu conterrâneo. Conforme escrevi a ele em um dos e-mails, “você não é apenas meu ídolo, mas o herói de uma nação inteira faminta por sonhadores.”

11124014_979984262013335_804424085_n

Autor: Marcelo Nava

Multiatleta de esportes de aventura e atividades outdoor. Praticante de ultramaratona, corrida em trilha, mountain bike, trekking, camping e montanhismo. Dentre as principais competições destaca-se a participação na BR Ultramarathon (217 km na Serra da Mantiqueira), Gramado Adventure Running (61 km) e Supermaratona Cidade de Rio Grande (50 Km).Possui graduação e mestrado em Engenharia Biomédica e atualmente trabalha como engenheiro de projetos no Centro de Microgravidade da PUCRS (centro de pesquisa dedicado ao estudo da adaptação humana ao espaço e a ambientes extremos).