Uma terra de segredos

Hoje venho aqui falar sobre a minha experiência ao desfrutar de toda a beleza de uma das 7 maravilhas do mundo moderno, conhecida como Machupicchu, a cidade perdida do Império Inca.

A cidade de Machupicchu está localizada em meio a Cordilheira dos Andes, no alto de uma montanha a cerca de 2.400 metros de altitude, cercada por inúmeras montanhas a sua volta, umas maiores e outras menores.

Quando estava adentrando nesta cidade perdida senti que estava pisando em um lugar sagrado, a paz e a tranquilidade misturada com um sentimento de euforia tomaram conta de mim, conforme ia admirando a beleza de cada pedaço construído ficava mais encantado.

Sempre imaginei pelas fotos que via na internet, que o lugar parecia ser pequeno. Mas como diz o ditado você nunca pode confiar totalmente naquilo que vê através de uma imagem. Era preciso ver essa maravilha do mundo com meus próprios olhos.

Estar ali olhando para tudo aquilo, me fazia não querer sair mais, o lugar é simplesmente gigantesco, andei por quase todos os locais por umas cinco horas, fotografando e tentando entender o que toda aquela beleza majestosa queria me dizer. Dentre inúmeras fotos tiradas quis fazer a clássica foto pulando em Machupicchu, mas não deu tão certo quanto imaginava, pois é proibido fotografar desta maneira. A cada tentativa os guias locais me chamavam a atenção e eu ficava apreensivo, pois subir até lá e não fazer uma foto assim seria uma das coisas para se arrepender depois.

Machupicchu
Não ficou aquela foto que eu tinha imaginado, mas ao menos consegui, o que importa é realizar nossos sonhos!

As construções de Machupicchu tem todas elas um grande significado, dentre as histórias e lendas do lugar, algumas delas me chamaram muita atenção, pois o povo que construiu tinha uma inteligência admirável. A astronomia e as coordenadas geográficas estavam ligadas diretamente nas construções, veja abaixo algumas das construções que mais me chamaram a atenção:

Machupicchu

Na foto acima, podemos ver a maneira que a pedra foi esculpida retratando a geografia da montanha ao fundo, este era uma das tantas construções importantes da cidade de Machupicchu, tinha como principal função, servir como base de orientação dos pontos cardeais, funcionando como uma espécie de bussola, em dias nublados onde não era possível avistar as montanhas ao fundo, essa construção tornava-se efetiva para o povo Inca se localizar.

Machupicchu

Machupicchu

Ao contrário do que muitas pessoas pensam sobre a maneira de como a cidade foi erguida diante da montanha, pelas fotos podemos notar que a cidade de Machupicchu foi praticamente toda lapidada com as próprias pedras da montanha, todas elas são do mesmo local, só foram esculpidas e modeladas até chegarem a perfeição.

Uma das coisas que me chamou muita atenção foi a maneira como esse povo criou o seu próprio calendário anual, chamado de calendário solar.

Na frente da cidadela de Machupicchu possui uma série de picos gigantescos que fazem parte da enorme Cordilheira dos Andes. Na foto abaixo podemos ver esses inúmeros picos, e também a Porta do Sol localizada no lado direito da foto.

MachupicchuEntendendo o calendário solar:

Na foto acima note que a diversos picos de montanhas, estes em forma de “V” é a marcação dos meses do ano, terminando na Porta do sol localizada na parte direita da fotografia. A Porta do sol tem esse nome pois ali entra os primeiros raios de sol na época do solstício de verão, no dia 22 de dezembro, podemos dizer que era uma data especial para o povo Inca e à medida que o tempo passa, o sol vai se deslocando para a esquerda nas montanhas, assim os grandes mestres incas sabiam dizer qual mês do ano eles estavam.

A Porta do sol é também a porta de entrada da maioria das trilhas a pé que levam a Machupicchu, inclusive a famosa Inka Trail (Trilha Inca).

Valores do ingresso:

A compra dos ingressos para Machupicchu podem ser encontrados no site:

Veja também aqui no nosso site, o relato da subida da Montanha de Waynapicchu, clique aqui.

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

Aloha Galeraaa, tenho o prazer de compartilhar um pouco com vocês do que foi o meu mochilão de 16 dias pela surpreendente Bolívia e o místico Peru com meus míseros R$ 2.300,00 reais, isso já incluindo passagem de ônibus é claro!

A escolha não foi somente pelo baixo custo da viagem, mas também por poder conhecer uma das 7 maravilhas do mundo Machupichu, acredito ser a Meca para qualquer mochileiro.

Como atualmente me encontro na fronteira com o Paraguai, tive a oportunidade de pensar em alternativas mais baratas para chegar ao país de Evo Morales. Fui até Assunção, capital paraguaia e de lá peguei um ônibus direto para Santa Cruz de La Sierra a um valor de 350 guaranis (aproximadamente R$ 250,00 reais) incluído as refeições pela empresa Transbolipar SRL.

Obs: Existe outra empresa que faz essa mesma linha (STEL turismo), com custos e estruturas praticamente iguais, aproximadamente 30 horas de viagem sem ar-condicionado e cruzando o chaco paraguaio e também cruzando os dedos para o ônibus não quebrar no meio do deserto. Assim  é essa região do Paraguai.

26.01

Parti de assunção com 4 horas de atraso, nesse meio tempo aproveitei para fazer amizade com duas equatorianas e um casal de franceses que fariam um roteiro parecido.

foto-1

27.01

Passei o dia no ônibus imaginando e contendo minha alegria em estar desbravando aquelas terras prometidas.

28.01

Cheguei em Santa Cruz as 04:00 horas e fui direto para um hotel na frente do terminal bimodal da cidade para tirar apenas um cochilo, pois queria estar em pé as 08:00 horas para embarcar no primeiro ônibus para La paz. O balde de água fria veio logo quando cheguei e percebi que só teria a tarde para aproveitar, então para ganhar tempo comprei passagem para Cochabamba, metade do caminho. A passagem saiu 80 BOL (aproximadamente R$ 50,00 reais) com duração de 11 horas, cheguei lá no inicio da noite, devorei um tradicional Pollo com papas e logo as 21:15 estava subindo ao ônibus novamente, este me levaria finalmente a tão esperada La Paz.

29.01

Cheguei na capital La paz  às 05:00 horas da matina e fui direto ao Hostel Loki onde havia feito a reserva, recomendo muito, além de ótima estrutura e localização o albergue promove festas todas as noites com os mais variados temas, sem contar as bebidas!A diária custou entorno de 55 BOL (aproximadamente R$ 35,00 reais), o único fator negativo é não contar com uma cozinha para se fazer a própria comida o que deixa as refeições mais caras.

Depois de deixar a mochila no hostel fui bater perna pela cidade, a primeira parada foi o Mirador Killi Killi nas proximidades do centro, a entrada é gratuita e da para ter uma boa vista da cidade de La paz e das montanhas que a rodeiam. Passando pela bela Plaza Murilo e o Museu Nacional Etnográfico pode-se entender um pouco da cultura local e suas mudanças com o passar dos anos, o custo da entrada é 20 BOL. (R$ 12,50 reais).

A próxima parada foi a Calle Sangarnaga onde se encontra os melhores câmbios e passeios, com o melhor custo-benefício da cidade. Meu final de tarde foi no tradicional Mercado de las Brujas, lá é evidenciado o quanto nossa cultura sul americana é rica com uma variedade de cores e cheiros exóticos.

Como o dinheiro estava curto por um mau planejamento, tive que deixar a visita ao Salar de Uyuni para outro momento e acabei comprando os passeios mais baratos que encontrei.

30.01

Depois de ter feito amizade com outro brasileiro no hostel e ter bebido tudo e mais um pouco na festa na noite anterior, cedo estava em pé para conhecer o grandioso Monte Chacaltaya e o Valle de la luna, o custo total do passeio foi de 120 BOL. (aproximadamente R$ 75,00 reais) com guia e as 2 entradas incluídas.

Os 5.400 metros de altitude do Chacaltaya são superados em menos de 1 hora, o desafio foi mesmo respirar e caminhar ao mesmo tempo, acredito que além do mal da altitude o suco de cevada que tomei na noite anterior colaborou e muito para o cansaço e a dor de cabeça que sentia. Era um sonho chegar até o pico daquela montanha e apesar de não ver neve na quantidade que desejava, a beleza daquele lugar é inigualável.

Depois de passar um frio de renguear cusco no meio das montanhas fomos ao sul da cidade onde fazia mais de 25ºC no Valle de La luna, algo bem menos emocionante e bonito, mas como estava incluído valeu a pena.

 Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

31.01

Meu 3º dia em La paz foi reservado para conhecer o antigo povoado pré inca de Tiwanaku, entrada, guia e almoço custava 190 BOL. (R$ 120,00 reais), um ótimo lugar pra quem gosta de história e se interessa pela cultura local. No almoço após o passeio experimentei carne de llama e truta, pois já não aguentava mais comer frango.

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

01.02

Deixei La Paz para trás e fui em busca do azul enigmático do lago Titicaca, a viagem até Copacabana é de 4 horas e a passagem custa 30 BOL (R$ 19,00 reais). Chegando lá fiquei em um hostal em frente ao famoso lago com diária pelos mesmos 30 BOL. Larguei a Mochila e fui explorar o belo lugar. Como estava com um casal argentino que conheci no Chacaltaya, resolvemos subir o Monte do Calvário, parte mais alta da pequena cidade. A vista lá de cima é incrível recomendo subir e ver toda a beleza do lago navegável de maior altitude do mundo com 3.812 metros de altitude em média. Na volta não perdemos tempo e compramos a passagem para a Isla del Sol para fazer a trilha de 7 km do Norte ao Sul da Ilha por 35 BOL. (R$ 22,00 reais).

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

02.02

Saímos de Copacabana com a embarcação às 08:30 e chegamos na parte norte da ilha aproximadamente 2 horas depois, meus amigos ficaram acampando pelo lado norte e eu segui a trilha até o sul da ilha. Me deparei com as paisagens mais lindas que já vi. Lugar incrível e com uma vibe fantástica, com certeza superou minhas expectativas. As 15 h e 30 minutos a embarcação já se encontrava no pequeno porto do sul da ilha para a volta a Copacabana que tem uma duração menor, as 17 horas estava em terra firme para fazer um lanche rápido e subir no próximo ônibus com  destino a capital Inca, Cusco! A empresa Titicaca cobrou 110 BOL. (R$ 65) por aproximadamente 11 horas de viagem.

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

03.02

As 5h e 30 minutos estava em solo Inca e corri para o meu hostel, mais uma vez o Loki de Cusco. Tomei café fui mais uma vez bater pernas, agora no centro histórico de Cusco. A cidade é organizada e limpa situação bem diferente da vizinha Bolívia, na avenida El sol encontrei os melhores câmbios e venda de passeios com as agencias mais baratas da redondeza. Também é o lugar certo para encontrar artesanato local e claro pechinchar muito! Comprei na prefeitura da cidade um passaporte para o Valle sagrado dos incas (Pisac, Ollataytambo e Chinchero), cidades aos arredores de cusco onde haviam antigas civilizações desse místico país e pagando por volta de 70 Soles (R$ 100,00 reais).

A noite foi reservada para conhecer as baladas de cusco que por sinal não se cobra a entrada e por isso fiz um tour, comecei no Mama África, passando pelo El Templo e terminando na Chango. Literalmente tem para todos os gostos.

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

04.02

Passei o dia conhecendo as belas cidades incas, o passeio com guia e almoço custo 45 Soles (R$ 65,00 reais), as entradas mais o guia não são baratos mais vale muito a pena. Foi incrível conhecer tudo isso, mas claro vá antes de conhecer Machupichu, para não desanimar!

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

05.02

O 3º dia na capital inca foi para relaxar depois da correria dos últimos dia, acordei mais tarde que o normal e saí para conhecer o Convento de Santo Domingo por 10 Soles (R$ 15,00 reais), caminhar pelo mercado público de San Pedro e o Museu Pré-colombiano com entrada de 20 soles (R$30,00 reais). Nesse último achei a entrada cara pelo que oferecia, com certeza não é prioridade como passeio aos arredores de Cusco, Plaza das Armas é realmente belíssima além do centro histórico da cidade.

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

06.02

É hora de se despedir dêsse linda cidade e seguir rumo a água quente, última cidade antes de Machupichu, claro da forma mais barata possivel ea maneira escolhida foi ir de van até a hidroelétrica e de lã seguir a pé por 9 quilômetros sobre a linha férrea ! Comprei a Passagem na Av. El Sol no centro de Cusco por 70 soles (R $ 100) incluindo a volta 2 dias depois.

A trilha foi muito cansativa pra mim pois estava carregando quase 15 quilogramas, mas a paisagem é recompensadora, levei aproximadamente 3 horas para chegar finalmente ao destino, Hostel Supertramp foi a cama mais cara que dormi na viagem 36 Soles (R$ 52,00 reais), mas no meio daquela selva não existe nada barato mesmo. Depois que cheguei da trilha só pensava em cair na cama para no outro dia realizar meu sonho de conhecer a cidade sagrada!

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

07.02

Acordei cedo para aproveitar intensamente cada segundo do dia, o ingresso para Machupichu já havia comprado 20 dias antes da viagem, mas o do ônibus para chegar até o Parque Nacional comprei um dia antes por 12 Dólares, aproximadamente 30 min. de subida até a entrada da cidade sagrada. Passei as catracas e fui correndo subir o grandioso Wuaynapicchu, recomendo que compre o ingresso para a subida no grupo 2 às 09:30, pois antes desse horário a visão fica totalmente comprometida lá de cima.

Sem palavras para descrever o misticismo daquele lugar, renovei as baterias e respirei fundo para agradecer a realização de mais um sonho.

Voltei para a cidade a pé pelas escadas para preservar meus últimos trocados, chegando no hostel ainda em êxtase tentei dormir cedo para encarar a trilha de volta a hidroelétrica logo pela manhã.
Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

Mochilão de 16 dias pela Bolívia e Peru

08.02

Saindo do hostel quase as 11 horas e depois um bom café da manhã, cheguei bem desgastado da hidroelétrica as 14:30 para voltar a Cusco, chegando de volta a capital Inca as 20 horas e corri para a rodoviária da cidade. Para a minha decepção só haveria passagem para o outro dia e claro já garanti a minha para não ter surpresas.

09.02

A passagem mais barata que encontrei até La Paz foi a 80 Soles ( R$ 115,00 reais) com aproximadamente 18 horas de viagem pela empresa San Luís, teve uma troca de ônibus na cidade de Puno e depois seguimos de volta a capital Boliviana.

10.02

Cheguei em solo boliviano as 16 horas e depois segui a Cochabamba pela empresa El dorado por 60 BOL. ( R$ 36,00 reais).

11.02

Madrugando em Cochabamba às 5:00 horas e como o personagem “The Flash” embarcando as 05h e 30 minutos para Santa Cruz de La Sierra por 80 BOL. (R$ 47,00 reais) pela empresa Santa Cruz. Cheguei ao destino final da viagem as 16 horas com quase nada no bolso mais cheio de histórias pra contar e com o coração mais leve. Dormi no hotel mais barato que encontrei na frente da rodoviária por 40 BOL. (R$ 24,00 reais), depois de passar 2 dias pulando de ônibus em ônibus só precisava mesmo é de uma cama boa.

12.02

Pela mesma empresa que comecei a viagem (Transbolipar S.R.L) ás 19 horas, parti de volta a capital paraguaia, com um sentimento indescritível de dever cumprido e sonho realizado.

Thule Versant 50L – Testes no Peru

Apresento a vocês a nova mochila cargueira Thule Versant 50L, testei toda a sua funcionalidade na última viagem que fiz ao Peru, lá conheci muitos parques arqueológicos nas cidades de Lima, Cusco, Valle Sagrado, Machupicchu e a montanha Wuaynapicchu. Pude testar todas as tecnologias empregadas no produto durante 10 dias viajando pelo Peru com esta mochila nas costas. Neste post mostrarei todas as suas características, tecnologias empregadas, pontos positivos e negativos para que você conheça o produto antes mesmo de ir à loja efetuar a compra.

thule-versant-50l-mikado

Sobre a marca:

Thule-logo

A Thule é uma empresa Sueca, criada em 1942 que tem como missão trazê-lo para mais perto do mundo e de sua paixão pela vida. É um grupo internacional de pessoas unidas pela paixão em ajudar famílias ativas e entusiastas de atividades ao ar livre.

Site da marca no Brasil: www.thule.com

Tecnologias empregadas:

As mochilas da marca Thule sempre me chamaram a atenção, pois além de serem leves e ao mesmo tempo robustas são muito práticas, posso dizer que realmente esse modelo, Versant 50L, é útil para quase todos os tipos de viagens e aventuras, pois não é uma mochila muito grande, mas ao mesmo tempo não é pequena.

A Thule Versant 50 L é fabricada com tecidos cordura 420D e nylon 100D, que são materiais bem leves e bem fortes, muito difícil rasgar. Para testar isso despachei a mochila pelo compartimento de bagagem do avião sem embalar com aqueles sacos plásticos encontrados nos aeroportos, mesmo sabendo que as pessoas que carregam e descarregam os aviões não são lá muito cuidadosas com nossas malas e mochilas. Durante todos os translados também não usei proteção na mochila, voltei para casa com ela apenas um pouco suja, mas sem sinal de rasgos ou algum fio à amostra, isso me satisfez muito.

Thule Versant

A mochila apresenta dois ajustes de regulagem, o primeiro deles é a regulagem de altura das alças, podendo aumentar ou diminuir em até 12 centímetros a altura das alças. Para fazer o ajuste das alças é muito fácil, 1 – solte a fita compressora; 2 – levante o costado; 3 – posiciona para o tamanho desejado; 4 – abaixe o costado; Uma maneira fácil e rápida de ajustar as alças, com isso o ajuste fica perfeito no seu corpo.

-Alcas-Thule versant
Ajuste das alças

A novidade nessa linha de mochilas cargueiras Thule Versant é o ajuste na barrigueira de até 10 centímetros, isso melhora muito o conforto quando você  coloca-a nas costas, com essa tecnologia a mochila fica mais firme em torno do quadril.

ajuste-barrigueira-thule-versant

Para ajustar é muito fácil também, vou explicar passo a passo: 1 – puxe o elo da barrigueira para cima e ajuste conforme o tamanho desejado; 2 – prenda um velcro no outro para manter a medida estável; 3 – coloque a ponta do elo de ajuste dentro do compartimento da barrigueira. Pronto, agora a barrigueira já está ajustada.

A mochila Thule Versant é principalmente usada para trekkings de 3 a 5 dias e viagens do tipo “mochilão”, eis que seu tamanho é ideal para acondicionar todos os equipamentos necessário para uma boa aventura. Conta com medidas de altura de 69 cm, largura: 38 cm e profundidade: 34 cm, no total fica 141 cm, esse total é importante você saber, pois em algumas viagens só é permitido embarcar com mochilas de até 157 cm no total. Como exemplo dessa exigência, cito a viagem de trem entre o Valle Sagrado dos Incas para Aguas Calientes, no Peru, onde escolhi para testar o produto.

Depois de ajustada, a mochila, se encaixa muito bem no corpo sendo bem anatômica, o que torna muito prático seu uso. Além disso, é muito leve atingindo 1,86 kg no total, incluindo a capa de chuva.

Conta ainda com duas fitas de compressão  bem distribuídas em cada lado, mantendo a carga  estabilizada dentro da mochila. Um detalhe que vale mencionar, nas fitas de compressão da parte de cima tem um local para fixar os bastões de caminhada, ficando um para cada lado, assim equilibrando todo o conjunto já que a fita prende o bastão através de uma alça de velcro mantendo-o firme.

ajuste-bastoes-de-caminhada-thule

Compartimentos e bolsos:

A mochila Thule Versant 50L conta com uma variedade de compartimentos, tanto do lado externo quanto interno. Na parte externa, existem 5 compartimentos e 1 bolso, o primeiro compartimento que cito é um compartimento grande, de tecido telado localizado frontalmente, este tem fechamento por clipe de mochila. Logo abaixo, fica o compartimento da capa de chuva, identificado com a palavra Raincover, este é fechado por zíper. Nas laterais tem dois compartimentos onde é possível colocar garrafas de água ou algum outro equipamento que necessite estar em fácil acesso para a sua aventura. Vale mencionar que os dois compartimentos possuem elásticos na suas extremidades, para firmar e estabilizar os objetos que ali forem colocados. Além disso, um destes compartimentos possui um zíper para acomodar objetos maiores que funciona como um extensor,  podendo com isso aumentar seu volume de carga.

O bolso está localizado na barrigueira ao lado esquerdo com fechamento por zíper, onde é possível colocar pequenos objetos, tais como, uma bussola ou barras de cereais. No lado oposto, tem um ultimo compartimento, este é construído de material impermeável, com fechamento parecido com os sacos estanques, onde você pode guardar os seus documentos e o celular. Por ser removível,  pode ser retirado e acondicionado dentro da mochila.

compartimentos-thule-versant

estanque-thule-versant
Compartimento estanque, localizado do lado esquerdo da barrigueira.

A mochila Thule Versant 50L conta com duas aberturas, a tradicional conhecida pela parte de cima que é telescópica, isso quer dizer que pode ser aumentada e ajustada para melhor organização dos equipamentos, e outra frontal em U, com uma ampla abertura, diferente da modelo Guidepost 75L, já que o fabricante remodelou o tipo de abertura, possibilitando uma grande abertura, melhorando o condicionamento dos equipamentos no interior da mochila.

mochila-versant-50l

Na parte interna da mochila possui um compartimento bem amplo para armazenar os equipamentos e para acomodar um reservatório de água de até 3 litros, que poderá ser afixado por um pequeno clipe de mochila. Já no lado externo, possui um símbolo de gota de água mostrando onde a mangueira do reservatório deve sair.

dscn8209

Acredito que uma das melhores tecnologias empregadas no equipamento é a possibilidade de dispor, de forma fácil e ágil, de uma segunda mochila. Neste modelo, como já conhecemos nas mochilas da marca Thule, o capuz da mochila é facilmente transformado em uma pequena mochila de ataque. Na viagem pelo Peru , essa possibilidade me foi muito útil, pois ali colocava as câmeras, acessórios fotográficos e ainda consegui por alguns outros itens importantes,  como capa de chuva, gorro, luvas e mais algumas barras de cereais.

Num primeiro momento, o capuz parece pequeno, mas depois de usa-lo como mochila alternativa, concluí que é do tamanho certo para levar tudo que necessitamos.

O Capuz possuí 3 bolsos fechados por zíper, um deles é bem amplo, já os outros um pouco menores. Vale mencionar que as alças da mochila de ataque são marcadas com numerações 1, 2 e 3, estes números auxiliam o ajuste das alças no capuz, as alças são colocadas nos próprios clipes da mochila de manuseio fácil e rápido.

dsc_0022

dsc_0600

Thule Versant 50l
Montanha Wuaynapicchu
Thule Versant 50l
No topo da Montanha Wuaynapicchu

Também é interessante mencionar que a parte de baixo da mochila conta com a tecnologia Stormguard, isto combina uma capa de chuva parcial juntamente com um forro internamente impermeável, criando assim uma bolsa totalmente impermeável. A capa de chuva pode ser usada de duas maneiras, a primeira delas é como o fabricante menciona(vide imagem dica 1),  e a outra maneira é colocando sob toda a mochila( vide imagem dica 2).

522283_sized_640x420
Tecnologia Stormguard, isto combina uma capa de chuva parcial juntamente com um forro internamente impermeável.

capa-de-chuva-thule-versant

Especificações técnicas:

Sexo Masculino
Uso Viagem de vários dias
Durante a noite
Material Cordura 420D, 100D nylon
Volume (l) 50 l
Altura (cm) 69 cm
Largura (cm) 38 cm
Profundidade (cm) 34 cm
Peso (kg) 1,86 kg
Cor micado

Vídeo de apresentação:

Conclusões finais:

Recomendo e indico o uso da mochila Thule Versant 50L.  Com certeza, superou minhas expectativas ao ser minha companheira durante os 10 dias de viagem ao Peru. Testei todas as suas funcionalidades e tecnologias nas trilhas e andanças que fiz. A mochila é facilmente ajustada no corpo, o que fez a minha viagem ser realmente prazerosa, não tive nenhum problema com o produto. Se fosse para mudar algo nesse equipamento sugeriria que as alças fossem mais acolchoadas, pois quando ela está totalmente carregada as alças podem machucar um pouco os ombros e a região do peito.

A pequena mochila de ataque não é tão pequena quanto parece, nela consegui levar tudo que precisava para subir a montanha de Wuaynapicchu, de modo seguro e confortavel.

A mochila Thule Versant 50L tem o custo aproximado de R$ 1.600,00 (um mil e seiscentos reais), valor este que parece um pouco alto, mas como o produto é importado, os valores de impostos taxados na entrada do país, fazem com que o valor no Brasil se eleve. Mas posso dizer a vocês que mochila sempre será um investimento e não um gasto, por isso opte por modelos que sejam leves, confortáveis e duráveis. Afinal, nenhum viajante deseja ficar com dores após o trekking.

[FinalTilesGallery id=’29’]

Essa mochila foi fornecida para testes pela loja de nossos parceiros Guenoa Bikes e Apetrechos para a Aventuras, localizada na cidade de Caxias do Sul/RS – Brasil.

996056_580973958630913_159691964_n