Três Cachoeiras

Sempre buscamos novas opções de trilhas, destinos e opções de lazer para os nossos leitores, e essa matéria não é diferente, estivemos presentes no 1º passeio da nova Rota Turística Caminho dos Vales e das Águas na cidade de Três cachoeiras no dia 12 de Dezembro/2018.

Passeio este que contou com aproximadamente 20 pessoas, dentre elas estavam presentes, gestores de agências de viagens, empresários locais, alguns moradores e claro nós do Trekking RS.

O Município de Três Cachoeiras localiza-se distante cerca de 165 km da capital Porto Alegre, cerca de 36 km da cidade de Torres/RS e afastada aproximadamente 20 km da cidade de Três Forquilhas, onde lá também é possível percorrer o Caminho dos Vales e das Águas, veja!

Três Cachoeiras é uma cidade pequena, mas muito cativante e bela, a história conta que em 1605, missionários jesuítas viajaram do Rio de Janeiro para cá com o objetivo de catequizá-los e protegê-los da ação dos bandeirantes paulistas que vinham ao Sul capturá-los para o trabalho escravo nas fazendas de São Paulo. A origem do nome de Três Cachoeiras deu-se, possivelmente, nesta época, de 1605 a 1615, por viajantes paulistas que encontraram três cachoeiras, distantes entre si cerca de 80 metros e localizadas ao Norte da sede do município, na encosta do morro mais tarde denominado “dos Pereira”. Leia a história completa.

O primeiro passeio por Três Cachoeiras começou pelo centro da cidade, mais precisamente pela Casa do Artesão Raízes da Arte, o local conta com inúmeros artigos artesanais feitos pelos moradores local, alguns deles são decorativos, outros contam histórias da cidade.

Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch
Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch

O segundo local escolhido foi uma propriedade rural, onde é possível desfrutar de um piquenique em meio a um bosque, perto dali encontra-se um córrego com águas cristalinas que encantam e animam tomar aquele banho de rio.

Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch
Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch

Depois de cerca de 40 minutos no local, nos deslocamos para dois atrativos de tirar o fôlego, estes são: o Poço das Andorinhas e o Poço dos Morcegos, locais de beleza intacta que enchem os olhos, as águas são totalmente cristalinas e próprias para banho.

No local existem duas trilhas uma para a direita que dá ao Poço dos Morcegos e outra à esquerda leva até o Poço das Andorinhas. As duas trilhas podem ser percorridas por todas as idades, os caminhos são bem marcados e de beleza singular, caminha-se aproximadamente cinco minutos em meio a mata atlântica para acessar as quedas de água.

Para fotógrafos o local é propício para realização de ensaios fotográficos e nós conseguimos capturar belas imagens desses locais, veja a seguir!

Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch
Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch
Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch

Depois de aproveitar bem os locais era hora de seguir em frente, a próxima parada seria no Moinho de Pedra, este é um dos únicos que ainda funcionam na cidade de Três Cachoeiras, construído artesanalmente, usa materiais como madeira e pedra em sua construção, antigamente este moinho funcionava com água, hoje em dia ele foi adaptado para trabalhar usando energia elétrica.

A construção do moinho é tão minimalista que além de transformar grãos de milho em farinha, ele separa a casca do milho da farinha, é incrível ver funcionando, ver estas coisas nos dias de hoje é algo inacreditável. Se você for visitar a cidade de Três Cachoeiras, não pode deixar de visitar esse Moinho de Pedra.

Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch

Já era hora de visitar outro local, a Casa da Tia Laura, este seria o lugar do nosso almoço, o atrativo conta com um restaurante temático, todo decorado com objetos antigos e rústicos, o local faz com que retornemos aos tempos antigos sem perder a sofisticação dos tempos modernos.

Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch
Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch
Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch

Além do acolhedor restaurante a Casa da Tia Laura possui acomodações belíssimas, bem incrementadas para que seus hospedes tenham a melhor experiência.

Aos arredores da propriedade há uma grande área de campos abertos com algumas árvores da espécie Figueira, uma dessas árvores possui mais de 200 anos, é uma grandiosa árvore que faz com que eu me sinta pequeno diante da tamanha grandeza de seus galhos.

Outro detalhe que não pode ser passado despercebido desta Figueira centenária, é o fato de possuir sobre seus galhos centenas de bromélias e flores que cresceram ali por conta própria. A natureza de fato é grandiosa e nos faz sentirmos insignificantes perto de toda essa beleza.

Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch

Não há preço que pague à experiência de deitarmos embaixo de uma árvore dessa magnitude, depois de um belo almoço caseiro.

Ali perto da Casa da Tia Laura encontra-se a Casa da Colonização, local com inúmeras histórias dos primeiros imigrantes italianos que chegaram a cidade de Três Cachoeiras, histórias dos Tropeiros que construíram cetenas de quilômetros de estradas onde eram levados suas produções agrícolas para trocar por mantimentos em outras cidades.

Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch

Você sabia que os Tropeiros construíram uma estrada que ligava a cidade de Três Cachoeiras à cidade de Caxias do Sul e o tempo de percurso demorava aproximadamente 30 dias para percorrer tal distância.

Ao lado da Casa da Colonização, encontra-se a primeira igreja construída totalmente de madeira pelo imigrantes. Hoje em dia a igreja foi reformada, as únicas peças originais que restaram são as janelas e a porta fabricadas a mão.

Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch

Depois de conhecer tantas histórias legais sobre os primeiros imigrantes era hora de irmos a outro atrativo, o Alambique conhecido como 3º Gole, este é um dos poucos alambiques que restaram na cidade de Três Cachoeiras, o proprietário e produtor da Cachaça 3º Gole, nos contou sobre como é produzido a cachaça, e posso dizer a vocês, não é bem assim fabricar cachaça..kkk

Três Cachoeiras
Créditos: Luís H. Fritsch

Provamos a cachaça e é muito boa, forte e saborosa, gostei tanto que até adquiri uma garrafa para degustar nos invernos aqui na Serra Gaúcha.

Este passeio com certeza foi incrível, teve muita diversidade no roteiro, provamos muitas delícias e nos encantamos com as histórias locais. Acreditamos que o Caminho dos Vales e das Águas em Três Cachoeiras é um roteiro turístico maravilhoso para todas as idades e deve ser conhecido e desfrutado ao máximo por todas as pessoas que ali vier.

Veja todas as fotos dessa incrível experiencia que foi o 1º passeio pelo Caminho dos Vales e das Águas em Três Cachoeiras. Acesse o nosso álbum no Flickr.

Caso você queira desfrutar desse incrível roteiro turístico pode contatar a Prefeitura Municipal de Três Cachoeiras ou as agências locais: Esmeralda Turismo, contato: (51) 9 9142-5790 e Paulão Transportes, contato: (51) 9 9987-1825.

Caso você seja da região da Serra Gaúcha e queira conhecer os encantos desse roteiro a empresa Sol de Indiada está credenciada para levar você até estes atrativos.

Cachoeira da Alegria

Cachoeira da Alegria

Se você é o tipo de pessoas igual a mim que não se contenta com os locais já explorados, está a procura de um destino novo para curtir o verão, então lhe apresento a Cachoeira da Alegria, localizada na cidade de Farroupilha/RS.

O nome da cascata surgiu em relação a um pequeno galpão selvagem dado como nome Rancho da Alegria que se encontra no local.

A Cachoeira da Alegria, é um destino totalmente inexplorado, está dentro de uma área particular nas margens da rodovia RS – 448, essa estrada liga as cidades de Farroupilha e Nova Roma do Sul/RS.

O arroio onde se localiza a cachoeira vem do distrito de Vila Jansen, pertencente a cidade de Farroupilha e cerca de uns 500 metros à frente da cachoeira é unido pelo rio 14, onde estes desaguam no grandioso Rio das Antas.

A geografia da Serra Gaúcha é propícia para a exploração de pequenas cascatas e cachoeiras, acreditamos que devem existir mais de 500 cachoeiras só na região da serra ainda inexploradas ou desconhecidas pela maioria das pessoas.

O atrativo natural é composto por pequenas quedas de água que formam uma linda cachoeira de águas geladas e cristalinas, o local é convidativo para banhar-se nas águas da Cachoeira da Alegria em dias de verão.

Cachoeira da Alegria
Foto: Luís H. Fritsch
Cachoeira da Alegria

Foto: Luís H. Fritsch
Cachoeira da Alegria

Foto: Luís H. Fritsch

Caso você deseje conhecer esse local, recomendamos a contratação de um guia que conheça a região, caso você vá sozinho ou com amigos, vá com cuidado.

Como o acesso à Cachoeira da Alegria se encontra ao lado da RS – 448, não há disponibilidade de estacionamento, pois a rodovia não prove de acostamento. Caso você vá com veiculo 4×4, você poderá descer pela trilha até o Rancho da Alegria.

Indicamos ir até o Gparque Farroupilha e acessar as trilhas que levam até a Cachoeira da Alegria e as outras belas cascatas existentes no Rio 14. Do Gparque até a Cachoeira da Alegria tem aproximadamente 12 quilômetros de trilhas ida e volta até chegar lá. 

Gparque Farroupilha
Foto: Luís H. Fritsch

Se você tem vontade de fazer essas trilhas, entre em contato com a gente! Temos um time de pessoas experientes para lhe conduzir pelas melhores trilhas da Serra Gaúcha.

Cascata do Bordin

A Cascata do Bordin está localizada dentro da propriedade da família Bordin, no município de Flores da Cunha/RS – Brasil.

O acesso a parte de cima da Cascata do Bordin encontra-se fechada no momento, mas é possível contemplar a sua beleza pelos caminhos que levam a parte de baixo da queda de água.

Com aproximadamente 80 metros de altura, as águas dessa cascata despencam entre os paredões da serra gaúcha, formando inúmeras outras cachoeiras pelo caminho até chegar no Rio das Antas.

Há duas maneiras de conhecer esse atrativo turístico no interior da cidade de Flores da Cunha, à primeira delas é pelo Mirante Gelain, onde você pode visualizar boa parte dos vales e montanhas que compõem a serra gaucha, em uma vista panorâmica.

Cascata do Bordin
Crédito: Luís H. Fritsch

Cascata do Bordin
Crédito: Luís H. Fritsch

Cascata do Bordin
Crédito: Luís H. Fritsch

Para os mais aventureiros é possível descer até a base da cachoeira, e contemplar essa beleza natural por um outro ângulo.

A trilha que dá acesso a Cascata do Bordin está dentro do Mirante Gelain, falando com o administrador Marcos é possível percorrer o caminho sem auxílio de um guia especializado.

Recomendamos que para facilitar o trajeto até a queda de água você vá com alguma pessoa experiente em trilhas e que conheça a região, nunca vá sozinho fazer trilhas na natureza.

O caminho para a Cascata do Bordin possuí um grande desnível, já nos primeiros metros da trilha vem o primeiro desafio, passar por meio de uma fenda rochosa, seguindo pelo trajeto marcado você descerá margeando o paredão que fica do lado direito.

Logo em seguida vem o segundo desafio, descer uma trilha inclinada segurando uma corda (a corda está fixada ali sempre), logo após você terá que descer por uma escada fixada no paredão.

Se você sofre de problemas nas articulações, medo de altura ou problemas cardíacos não recomendamos fazer essa trilha.

Depois de descer a escada você verá uma bifurcação de trilhas, siga pelo lado esquerdo, neste trecho deve-se prestar muita a atenção, pois há pedras de todos os tamanhos, muito cuidado para não torcer o pé entre uma pedra e outra.

A trilha segue assim até chegar em um ponto onde é necessário prender uma corda para descer com mais segurança, dali em diante a trilha leva até a base de uma pequena cachoeira de aproximadamente 6 metros de altura.

Para acessar a Cascata do Bordin, você terá que cruzar o rio, muito cuidado nesta hora, pois a passagem se dá entre essa cachoeira de 6 metros e um tobogã natural gigante de águas cristalinas que descem em velocidade formando uma outra cascata de mais de 30 metros de altura aproximadamente. Para sua maior segurança, recomendamos esticar uma corda de um lado a outro do arroio.

Cascata do Bordin
Crédito: Luís H. Fritsch

A Trilha segue na margem direita do arroio, subindo um caminho através de pedras gigantescas e lisas, muito cuidado para não escorregar e vir a sofrer alguma torção.

Ao chegar na Cascata do Bordin, o visual é de tirar o fôlego, águas cristalinas despencam pelo paredão cerca de 80 metros, estar ali presenciando o poder das águas nôs faz pensar o quanto somos pequenos em relação a natureza que nos cerca.

Cascata do Bordin
Crédito: Luís H. Fritsch

A trilha toda é de nível moderado, pois a inúmeras pedras lisas e soltas, em alguns pontos é necessário segurar-se em árvores e usar cordas para apoio.

Lembre-se de sempre estar com calçados adequados para trilhas e pré amaciados, aqui em nosso site você pode conhecer os melhores calçados para trilhas e aventuras, acesse.

Cascata do Bordin
Tênis Salomon Speedcross 4 – Crédito: Luís H. Fritsch

Salto do Segredo

Procurando um lugar tranquilo e ainda pouco conhecido pela maioria das pessoas, então você precisa conhecer o Salto do Segredo e a Cascata do Moinho.

Localizadas na cidade de São Pedro da Serra/RS – Brasil, divisa com a cidade de Salvador do Sul é possível fazer um Hiking (caminhada) até essas duas quedas de água.

A trilha tem aproximadamente 2,8 quilômetros de extensão, o seu começo se dá pela estrada branca como é conhecida, para acessar a cascata do Moinho você terá que deixar o seu veículo nas margens da estrada e percorrer até próximo a ponte do Arroio Boa Vista, onde existe uma pequena rua fechada por um arame. Não esqueça de pedir autorização para os moradores locais para acessar as cascatas.

A Trilha que leva a Cascata do Moinho e Salto do Segredo é de nível fácil, mas é preciso bastante atenção durante o percurso, a primeira construção que é avistada é um moinho antigo abandonado no meio na mata, abaixo dele se encontra a Cascata do Moinho, para descer até a sua base você terá que seguir em frente e dobrar em uma trilha à esquerda, haverá uma descida um tanto íngreme e com pedras lisas, em um dos pontos é necessário usar corda para se firmar.

Salto do Segredo
Crédito: Luís H. Fritsch

Salto do Segredo
Crédito: Luís H. Fritsch

Salto do Segredo
Crédito: Luís H. Fritsch

Salto do Segredo
Crédito: Luís H. Fritsch

A queda de água possui aproximadamente 25 metros de altura, em dias de muito calor é possível banhar-se na cachoeira e no arroio, também há uma pequena trilha que leva para trás da Cascata do Moinho.

Salto do Segredo
Crédito: Luís H. Fritsch

Para acessar o Salto do Segredo é preciso retornar pela trilha principal e seguir a trilha para o lado direito, sega o caminho por onde antigamente era uma estrada para carroças.

Acompanhando o arroio Boa vista você verá a crista do Salto do Segredo, a trilha que segue para a base dessa queda de água é íngreme e possui inúmeras pedras soltas, deve tomar muito cuidado para não escorregar.

Já na base do Salto do Segredo a visão é de tirar o fôlego, um lugar tranquilo, com águas límpidas em meio a natureza ainda intocada, é de fato um lugar incrível para visitar com os amigos e família.

Salto do Segredo
Crédito: Luís H. Fritsch

O Salto do segredo é um local muito preservado, por isso quando fores visitar lembre-se de não deixar lixos, ajude a preservar lugares como este, assim as futuras gerações também poderão aproveitar dessa natureza incrível.

Abaixo o mapa de toda a trilha que percorremos:

Powered by Wikiloc

Na trilha das Gêmeas Gigantes

A trilha das Gêmeas Gigantes é a maior do Parque das 8 Cachoeiras, sendo ela toda auto guiada, percorre um caminho com inúmeras belezas naturais ainda intocadas e dezenas de pequenas cascatas fazem deste local um espetáculo único.

Essa caminhada deve ser realizada por pessoas com um bom preparo físico, pois a trilha é percorrida por dentro da mata nativa, com inúmeros degraus, uns construídos pelo parque e outros naturais, grande parte do trajeto caminhamos pela lama, por cima de pedras lisas e raízes.

Durante o trajeto podemos ver inúmeras placas que direcionam para outras cachoeiras do parque, o caminho é muito bem sinalizado, nos lugares onde há perigo de quedas, a sempre um arame, uma corrente ou uma escada para nos ajudar, toda a trilha é demarcada pela cor amarela, pintadas nas pedras e árvores, em alguns locais possui ainda, flechas para mostrar a melhor direção a percorrer, evitando assim que os caminhantes se percam dentro da mata.

Para chegar na cachoeira das Gêmeas Gigantes é preciso caminhar por dentro do leito do rio, cruzando-o aproximadamente vinte e duas vezes, nestas cruzadas, podemos nos deparar com água até os joelhos, deve-se prestar a atenção para não sofrer escorregões, pois na grande maioria das vezes as pedras tendem a ser extremamente lisas.

Para pessoas que gostam de fazer fotos de longa exposição em ambientes naturais, essa trilha é um vislumbre, a cada cruzada do rio é possível ver lugares incríveis para se capturar belas imagens. Compartilhamos com vocês um pouco da nossa paixão das fotografias de paisagem.

Todas as fotos capturadas nessa trilha foram tiradas usando uma maquina Nikon D90, filtro Hoya ND 1000/3.0 10 Stops e depois ajustadas em programa de edição de fotografia. Nossas fotos são capturadas de maneira artística, tentamos manter as cores o mais próximo do real para que você consiga ver a beleza deste lugar como ele realmente é.

Gêmeas Gigantes
Na trilha das Gêmeas Gigantes

Gêmeas Gigantes
Na trilha das Gêmeas Gigantes

Gêmeas Gigantes
Na trilha das Gêmeas Gigantes

A caminhada tem aproximadamente 8 quilômetros de extensão, sendo possível faze-la em cinco horas. Começamos a trilha por volta de 09:50 horas da manhã no dia 25 de novembro de 2017, chegamos nas Gêmeas Gigantes por volta de 12 horas e 20 minutos em sua base.

Gêmeas Gigantes
Cachoeira das Gêmeas Gigantes

Às 14 horas começou a chover, estávamos em meio a trilha de volta, neste momento só queríamos sair o mais rápido possível das margens do rio, pois sabemos que quando chove muito em um local onde há rios, podem ocorrer “rolos de água”, isto é! São grandes volumes de água que se deslocam em velocidade rio abaixo, levando tudo aquilo que encontra.

Chegamos por volta das 16 horas e 30 minutos no Parque das 8 Cachoeiras, a chuva nos impediu de conhecer o restante das cachoeiras, mas mesmo assim pudemos fazer inúmeras fotos de qualidade e ter experiencias incríveis.

Gêmeas Gigantes
Vista do Vale

O Parque das 8 Cachoeiras e das Gêmeas Gigantes é um lugar que recomendamos a todos conhecerem, possui uma beleza intocada, trilhas organizadas e muito bem sinalizadas. No parque ainda é possível se hospedar nas lindas cabanas com vista para o vale, apartamentos aconchegantes ou para os mais aventureiros, ficar no camping. Todos estes meios de hospedagens são muito bem organizados, possui chuveiro quente para os campistas, sala de jogos com cozinha compartilhada e restaurante.

Para chegar ao Parque das 8 Cachoeiras é muito fácil, está localizado na cidade de São Francisco de Paula/RS – Brasil, na Rua moinho Velho, 817 – Bairro São Bernardo.

Para mais informações sobre tarifas de hospedagem, trilhas e demais atividades, consulte o site do Parque das 8 Cachoeiras.

Se você gostou do nosso relato, então compartilhe com seus amigos e viva experiencias únicas!

Cachoeira dos Bugres

A Cachoeira dos Bugres está localizada na cidade de Alto Feliz/RS – Brasil, a cerca de 5 quilômetros do centro da cidade. A estrada de acesso à cachoeira é a mesma que leva ao Morro Gaúcho, não há placas que indicam a cachoeira, mas se seguir em direção ao Morro Gaúcho se chegará a uma encruzilhada, à direita se vai ao Morro dos Coqueiros, e à esquerda ao Morro Gaúcho. Seguindo essa estrada em sentido norte, andando uns 2 quilômetros, se chegará a uma curva fechada à direita, ali se entra e segue até chegar em uma enorme plantação. Neste local não há estacionamento, então tem que deixar os veículos ao lado da estrada (estrada que leva a uma residência).

Cachoeira dos Bugres
Encruzilhada, à direita se vai ao Morro dos Coqueiros, e à esquerda ao Morro Gaúcho.

Cachoeira dos Bugres
Enorme plantação, (estrada que leva a uma residência).

A trilha é de fácil acesso, até a cachoeira são aproximadamente 500 metros. A trilha começa ao lado esquerdo da plantação junto ao mato, ao chegar ao fim da plantação começa uma trilha em meio à mata nativa, a trilha em si não é difícil, mas há alguns pontos que são escorregadios e possui obstáculos para transpassar como: pedras e algumas árvores caídas, em virtude dos fortes ventos da região. Seguindo a trilha se chega a uma bifurcação sendo que a trilha da esquerda leva à crista da cachoeira, a vista é muito bonita, é possível enxergar os vales da região, a segunda trilha leva a uma gruta, onde é possível ver a queda d’água, um lugar muito interessante. Para descer até o pé da cachoeira, tem que sair da gruta, pegando uma trilha à direita, essa parte é um pouco mais complicada, pois o chão é escorregadio e a trilha passa ao lado de um desfiladeiro, então é necessário estar bem atento, para não se segurar em galhos podres ou pisar em pedras soltas.

Cachoeira dos Bugres
Começo da trilha

Crista da Cacheira dos Bugres

Cachoeira dos Bugres
Gruta da Cachoeira dos Bugres

Cachoeira dos Bugres
Vista da gruta

Ao chegar ao pé da cachoeira a vista é sensacional, a cachoeira possui aproximadamente 30 metros de altura, em dias de calor é possível se refrescar nas as águas da cachoeira. A cachoeira está localizada em meio à mata nativa, um lugar que tem uma beleza impressionante, livre de poluição.

Cachoeira dos Bugres
Cachoeira dos Bugres

Na cidade de Alto Feliz/RS, ainda é possível desbravar o Morro do Tigre, dali é possível assistir um pôr do sol magnifico, confira!