Night Run – Salto Ventoso

Linha Muller, comunidade de Farroupilha, no Rio Grande do Sul/Brasil, recebeu no último sábado a Night Run – Salto Ventoso, que contou com a participação de 235 corredores e duas opções de distância: 5 e 10 quilômetros.

Os percursos passaram por estradões, trilhas, declives e aclives acentuados e pela passarela do Salto Ventoso, iluminada pela organização do evento com tochas.

Minutos antes da largada ocorreu um briefing reforçando aos atletas: o uso obrigatório da lanterna de cabeça ou de mão, a não desviarem a sua atenção das marcações e relembrando a localização do posto de água, entre outros pontos. Diversos staffs garantiram a segurança dos corredores.

Pontualmente às 20 h e 30 min foi dada a largada da categoria dos 10 quilômetros. Largamos em um estradão com uma lua fantástica iluminando o caminho e os familiares e moradores locais nos incentivando.

Após alguns quilômetros estávamos adentrando na passarela do Salto Ventoso, toda iluminada com tochas pela organização do evento. Com a presença dos fotógrafos da ClicRun e diversos staffs nos motivando e… cuidando.

Depois da passarela veio a minha parte preferida a TRILHA. E que trilha, cerca de 2 quilômetros de subida sensacional! Terminada a trilha teve mais estradão, mais descida, mais trilha, mais subida e um descida gigante para cruzar a linha de chegada e testar o grip do tênis (risos)!

Para mim, o silêncio absoluto e a escuridão ajudaram muito na concentração. Corri mais de 40% do percurso sozinha. Com visão reduzida a poucos centímetros à frente dos pés era preciso focar totalmente no percurso. E nesse processo você acaba não pensando em mais nada, apenas observa o chão, o movimento do seu corpo e os batimentos do seu coração. Essa sensação é simplesmente fantástica.

Night Run Salto Ventoso

Recomendo a todo corredor se aventurar ao menos uma vez a correr à noite na montanha. É sinistro e absolutamente sensacional!

A promoção da Night Run Salto Ventoso foi da L&E Eventos Ltda e teve apoio da Prefeitura de Farroupilha, Comunidade de Linha Muller, Polli Materiais de Construção e YouMovin.

Vale ressaltar que a L&E Eventos Marketing Esportivo e toda sua equipe estão de parabéns por esse belo ano, onde os corredores foram presenteados por lugares extraordinários, de muitos desafios e aventuras constantes!

Para o próximo ano a L&E Eventos já tem calendário cheio de grandes desafios e muita novidade.

Night Run Salto Ventoso

Quer conhecer mais sobre o mundo das corridas em trilha/montanha, então logo abaixo estão alguns dos nossos textos mais lidos, confira!

Cachoeiras Gêmeas de São Miguel

Cachoeiras Gêmeas de São Miguel

Para quem gosta de fazer caminhadas curtas e se conectar diretamente com a natureza intacta, as cachoeiras gêmeas de São Miguel são uma boa pedida.

Todos nós sabemos que a região da serra gaúcha é repleta de atrações turísticas, dentre elas se destacam os atrativos culturais e naturais. A geografia da serra gaúcha é bastante montanhosa, cheia de matas e rios que contornam os morros, o que a torna perfeita para a prática de esportes de aventura, caminhadas e explorações.

Certo dia na cidade de Farroupilha/RS, em uma simples caminhada exploratória descobrimos uma cachoeira e uma cascata que deságua no mesmo rio, ambas com  altura considerável de 20 a 25 metros de queda de água.

Qual é a diferença entre cascata e cachoeira?

  • Cascata: as águas caem em queda livre do ponto inicial até o ponto final, sem tocar em nada;
  • Cachoeira: as águas escorrem por cima das pedras, antes de chegar no ponto final.

É o local ideal para relaxar, tomar um banho de cachoeira, ou quem sabe se desafiar nos esportes de aventura. Também é possível fazer rapel e escalada. Ressaltasse, entretanto que o acesso é bucólico e não possuí vias para tal, um lugar totalmente inexplorado. Pode-se dizer que é um paraíso no meio da serra gaúcha.

Caso você queira conhecer este local, aconselhamos levar um guia para acompanha-lo na trilha até as quedas de água.

Geralmente, na serra gaúcha os locais são de difíceis acesso e de propriedade privada, ou seja para chegar em belos locais é necessário passar por uma grandes quantidades de famílias proprietárias das áreas.Por isso, é aconselhável sempre que for fazer uma caminhada em um lugar novo solicitar a permissão das famílias para passar em suas terras. Não custa nada, assim evitamos contratempos.

Trilhas:

A trilha é composta por inúmeros atrativos naturais em toda sua extensão, do começo ao fim o passeio é gratificante. O trajeto  não apresenta grandes dificuldades, mas também não é  muito fácil. Existem duas rotas para chegar nas Cachoeiras Gêmeas de São Miguel, explico a seguir.

1° rota: vá seguindo por estrada de colônia, depois o caminho se torna uma (picada de trilha), estas são mais difíceis de seguir, pois é uma imersão por dentro da mata nativa regional, é fácil se perder, mas a dica aqui é seguir sempre acompanhando o rio. Neste caso, o rio se encontra à direita da trilha, veja a indicação no mapa ao final do post.

2° rota: a trilha é um pouco mais aberta, leva para a parte  de cima das cristas das cachoeiras. Esta opção é mais apreciada para os aventureiros que buscam fazer rapel, veja a indicação no mapa ao final do post.

Fotos das trilhas:

Cachoeiras Gêmeas
Foto: Luís H. Fritsch
Cachoeiras Gêmeas
Foto: Luís H. Fritsch
Cachoeiras Gêmeas
Foto: Luís H. Fritsch
Cachoeiras Gêmeas
Foto: Luís H. Fritsch
Cachoeiras Gêmeas
Foto: Luís H. Fritsch
Cachoeiras Gêmeas
Foto: Luís H. Fritsch
Cachoeiras Gêmeas
Foto: Luís H. Fritsch
Cachoeiras Gêmeas
Foto: Marcio Basso
Cachoeiras Gêmeas
Foto: Luís H. Fritsch

Onde se localizam:

As Cachoeiras Gêmeas estão localizadas na Linha São Miguel na cidade de Farroupilha/RS a cerca de 6 quilômetros do centro da cidade, as quedas d’água estão em áreas privadas. Veja abaixo os mapas que mostram as duas rotas que podem ser feitas a pé.

Mapa/coordenadas: 29°14’53.5″ S – 51°18’01.7″ W

Cachoeiras Gêmeas

Dica: Sempre que for explorar novos lugares leve consigo roupas confortáveis, calçados fechados, repelente, protetor solar, água, alimentos e kit de primeiros socorros. Lembre-se também, nunca vá sozinho para a natureza, pois afinal é sempre bom conhecer novos lugares, mas com as devidas medidas de segurança.

Parque Cascata da Usina Farroupilha – RS

Parque Cascata da Usina Farroupilha – RS

Parque Cascata da Usina, criado no ano de 1922  e localizada na cidade de Farroupilha, a primeira Usina e Barragem Hidrelétrica  ganhou uma cara nova. Hoje conhecida como o Parque Cascata da Usina, ela esta ativa a mais de 12 anos proporcionando lazer, camping e pesca, a todos os moradores e turistas.  O ambiente permite som moderado até as 22 horas, para garantir  o bem estar e lazer das demais pessoas que fazem uso do parque para seu lazer.

parque cascata da usina

O Parque além de uma área ampla, proporciona lazer e bem estar. Hoje ela  conta  com cinco quiosque; 30 churrasqueiras com mesas e bancos ao ar livre; campo de futebol; quadra de vôlei; banheiros com chuveiro; água de poço artesiano; represa com mini cascata, bares e segurança 24 horas.

parque cascata da usina

parque cascata da usina

LOCALIZAÇÃO:

Rua linha 30, 2º Distrito de Farroupilha

Distância do centro da Cidade: 13 Km

Distância de Caxias do Sul: 26 Km

Distância de Porto Alegre – RS: 124 Km

parque cascata da usina

HORÁRIO DE ATENDIMENTO:

Sábado, Domingo e Feriados: 07:00 às 19:00

Valor do Parque por pessoa: R$ 12,00

Valor do quiosque por dia: R$ 30,00

Crianças até cinco anos a entrada é gratuita.

Escrito por: Marcio Basso / Patrícia de Cesaro

GParque Farroupilha – Um paraíso na Serra Gaúcha

GParque Farroupilha – Um paraíso na Serra Gaúcha

O GParque Farroupilha é um novo empreendimento no interior de Farroupilha. É uma ideia que surgiu a partir de um sonho e idealismo da Família Giacomini em 2013.  Com a pretensão de crescer e prosperar no segmento do ecoturismo, o parque oportuniza aventura, lazer, tranquilidade, diversão e alegria para todas as idades, sempre focado na importância e necessidade da preservação do meio ambiente. Em meio aos Vales da Serra Gaúcha, é possível desfrutar da natureza intacta.

Atividades realizadas no parque:

Mini café Colonial:

Com produtos coloniais onde o verdadeiro sabor caseiro prevalece é oferecido aos visitantes uma variedade de pães, bolos, frios, salgados e doces.

GParque
Foto: GParque Farroupilha

Caminhada ecológica e banho de rio:

A trilha ecológica que leva ao rio é uma trilha de nível moderado, no início há uma descida íngreme e de certa forma um pouco escorregadia, nesse trecho há pontos de ancoragem onde é possível se apoiar durante a descida, após passar por esse trecho, a trilha passa a ser em meio à mata nativa levando até o rio chamado de Quatorze – como é conhecido pelos moradores da região.

GParque
Foto: Marcio Basso

No Rio Quatorze há duas quedas d’água, a primeira possibilita um banho muito interessante nas piscinas naturais de aproximadamente 1,20 centímetros de profundidade.

GParque
Foto: Marcio Basso

 Já a segunda cachoeira é mais alta com aproximadamente 4 metros de altura, onde o aventureiro pode saltar da crista e cair em uma piscina natural com cerca de 10 metros de profundidade, para quem  não sabe nadar ou mergulhar, mas deseja saltar, a equipe do parque fornece equipamento de segurança (colete salva-vidas).

GParque
Foto: Marcio Basso

Trekking:

Uma caminhada de nível moderado de aproximadamente seis quilômetros de extensão.

Nesta atividade é possível observar todas as belezas do parque e em seus arredores além de vivenciar grandes aventuras como: atravessar rios, ver paredões de pedra de mais de 80 metros, passar por cachoeiras do Rio Quatorze, plantações de árvores frutíferas regionais. É um passeio que dura em média 2 horas e 30 minutos.

GParque
Foto: Luís H. Fritsch

Rapel:

Uma atividade radical de aproximadamente 50 metros de altura, onde o aventureiro recebe todos os equipamentos de segurança e é acompanhado por um instrutor do parque.

A descida é bem tranquila, pois o instrutor está sempre ao seu lado para assessorar seus primeiros passos, no primeiro ponto da descida há degraus de apoio para os pés que ajudam a não forçar tanto os joelhos e a cintura, após passar deste ponto o aventureiro fica em rapel negativo (rapel sem apoio na parede), este ponto é o mais divertido, onde é possível apreciar a beleza da natureza enquanto vai descendo por toda a extensão do rapel.

GParque
Foto: Marcio Basso

Escalada na pedra – (Toca da Onça):

A escalada recebe esse nome, pois um buraco em meio à rocha lembra a toca de uma onça.

A escalada é feita em uma parede natural de aproximadamente 15 metros de altura. Da mesma forma que no rapel, na escalada todos os equipamentos de segurança são disponibilizados pelo parque, além do aventureiro ser acompanhado por instrutores capacitados à função.

GParque
Foto: Marcio Basso

Tirolesa:

Uma atividade que consiste em descer por uma roldana presa a um cabo de aço usando equipamento específico.

GParque
Foto: Luís H. Fritsch

A descida tem cerca de 100 metros de extensão, onde é possível se observar boa parte do parque.

O GParque possui uma infraestrutura bem completa composta por: churrasqueiras, mesas e cadeiras,  banheiros, bar, piscina, estacionamento e áreas de Camping.

GParque
Foto: Luís H. Fritsch
GParque
Foto: Luís H. Fritsch

O parque disponibiliza também uma piscina artificial de aproximadamente 45 mil litros de água com 1 metro e 30 centímetros de profundidade, uma opção a mais para aproveitar o dia para relaxar junto à natureza exuberante do local.

GParque
Foto: Luís H. Fritsch

Para ver mais fotos, clique aqui

Valores por pessoa:

Valor de ingresso no parque R$ 5,00

Mini Café Colonial: R$ 25,00

Almoço ou Janta: R$ 18,00

Piscina: R$ 10,00

Caminhada Ecológica com Banho no Rio Quatorze: R$ 15,00

Tirolesa: R$ 10,00

Trekking: R$ 15,00

Rapel: R$ 35,00

Escalada na Pedra (Toca da Onça): R$ 15,00

Como chegar: 

Siga pela RS – 448 no sentido Farroupilha/Nova Roma do Sul – RS – Brasil, ao chegar na Vila Jansen, antes do posto de gasolina, dobre a direita, estrada pavimentada, siga até o final da rua e dobre a esquerda, continue sempre em frente, você verá um pequeno cemitério do lado esquerdo da rua, logo após a estrada se tornará de terra, siga sempre na preferencial até encontrar o salão da comunidade e o capitel, dali em diante já contém placas indicando ao parque.

Coordenadas: 29°06’43.1″S 51°21’07.0″W

GParque

Distâncias:

Porto Alegre: 132 km

Caxias do Sul: 38 km

Bento Gonçalves: 30 km

Do centro de Farroupilha: 20 km

Contatos e Reservas

(54) 9949.0558 – Vivo
(54) 9949.9029 – Vivo

E-mail: contato@gparque.com.br

Acesse: GParque Farroupilha

Sonhos Verticais

Sonhos Verticais

Sonhos Verticais

Nesse artigo, gostaria de homenagear Manoel Morgado, o autor de Sonhos Verticais, montanhista e guia de trekking. Esse gaúcho de 57 anos nasceu na pequena e pouco conhecida Farroupilha, uma cidade industrial da Serra Gaúcha. Brasileiro mais velho a escalar o Everest. Segundo brasileiro a completar a escalada da mais alta montanha de cada continente. Mais de 20 anos de experiência como guia de trekking aos campos-base das principais montanhas do Himalaia. Quero, nesse texto, apresentar a cidade onde tudo começou e a paixão que alimentamos em comum pela vida outdoor.

Sonhos Verticais

Mal saberia eu que, 24 anos mais tarde, eu nasceria no mesmo hospital. Farroupilha é uma cidade de 70 mil habitantes, situada entre as famosas Bento Gonçalves e Caxias do Sul, na Serra do Rio Grande do Sul. O mais incrível é que nossa cidade não tem fama nem tradição em produzir viajantes, nômades ou aventureiros. Guardando profundas tradições italianas, a formação em torno do seio familiar é tão forte que praticamente sufoca toda tentativa de se viver longe dela.

00022_1-1253215009

Eu mesmo não conhecia a figura do Morgado até sua aparição na National Geographic. Ainda lembro-me quando folheava as páginas da edição de dezembro de 2010 quando, subitamente, fui fisgado por uma entrevista feita com um brasileiro que havia recém conquistado o Everest. Maravilhado com sua história, busquei informações mais profundas e foi aí que descobri, com grande curiosidade, que era meu conterrâneo.

Comecei a tentar contato por e-mails. Mas foi somente em março de 2012, justamente num intervalo entre suas expedições, que obtive as primeiras respostas. Em uma breve visita ao Brasil para o lançamento de seu livro, em São Paulo, Morgado me conheceu e, também surpreso com minha história e meu amor pelos esportes de aventura, escreveu:

“Quer dizer que Farroupilha produziu dois aventureiros-atletas? Que legal! Muito obrigado por suas carinhosas palavras. Fico feliz que vai ler meu livro. Boa sorte, Marcelo. Siga sempre seus sonhos, seu coração. Espero que um dia possamos nos encontrar em alguma montanha. Depois me conta o que achou do livro. Grande abraço.” Manoel Morgado

Talvez a forte tradição familiar de Farroupilha justifique a incredulidade de Morgado em crer que ambos nascemos e fomos criados lá. Naquela mesma semana, comprei o Sonhos Verticais. Queria conhecer um pouco mais as conquistas e a vida desse novo herói farroupilhense, apesar de serem raros os que tenham ouvido falar dele em sua própria cidade natal. Prometi que mandaria uma resenha assim que terminasse a leitura. E concluí o último e-mail relevando que gostaria muito de, um dia, poder trabalhar ao seu lado. Em seguida, ele partiu, para cumprir mais uma temporada junto a seus clientes. Conforme prometido, segues abaixo meus comentários sobre seu livro.

Nele, seus diários de campo nas escaladas ao Cho  Oyo e ao Everest foram sabiamente transformados em um texto agradável, recheado de curiosidades sobre o montanhismo e as dificuldades enfrentadas nessas montanhas. Todos os obstáculos foram vencidos por uma incrível admiração que ele alimenta por esses lugares. Morgado revela esse amor com a mesma pureza de quando se aventurava pelos parques de Farroupilha, durante a infância. É emocionante.

Sonhos Verticais

Em muitas passagens, o autor cita a filosofia budista, que prega a prática de uma profunda atenção no mundo presente de forma a evitar a dispersão da mente em fatos passados ou que ainda não ocorreram. Essa habilidade foi adquirida em cursos de budismo realizados no norte da Índia e revelaram-se fundamentais para que ele extraísse o máximo de experiências e aprendizados dessas escaladas. Uma sabedoria que poucos montanhistas sabem desfrutar, totalmente cegos pelo objetivo do cume.

No final, capítulos deliciosos sobre a sabedoria budista aplicada em nossa vida, um mini-dicionário de termos técnicos e inspiradoras imagens da expedição completam a obra com chave-de-ouro. Não há quem não trema na cadeira ao deslumbrar o mundo a partir de seu ponto mais alto. Essa sensação foi compartilhada aos leitores através de uma foto panorâmica imperdível, tirada durante um momento de céu claríssimo, no topo do Everest. É possível ver o trajeto até lá, e a extensão impressionante de picos menores brotando do platô tibetano. Particularmente, outra fotografia que me encantou foi aquela tirada dos montanhistas em fila, presos às cordas fixas e ostentando suas poderosas máscaras de oxigênio e down suits vermelhos, cujo avanço sincronizado das passadas dava à cena o mesmo ar épico das grandes aventuras humanas.

Enviei a ele a resenha completa. Em um último e-mail, escrito da varanda de um apartamento na ilha grega de Kalymnos, onde Morgado está praticando escalada em rocha, ele revela:

“Caro Marcelo.
Agora foi minha vez de ficar emocionado. Muito obrigado por tudo, pela resenha tão favorável ao livro, pelas palavras tão carinhosas sobre a minha pessoa, por teu empenho em entrar em contato comigo e por me mandar teus comentários sobre o livro. Como já te disse antes, espero que possamos nos ver em alguma montanha em breve, afinal não é a toda hora que Farroupilha produz apaixonados por montanhas. Abraços e boa sorte.” 
Manoel Morgado

Aos leitores dos Sonhos Verticais, aguardem. Vem muita novidade por aí. E parabéns ao Manoel Morgado, pela coragem de correr atrás de seus sonhos. Concluí que esse, talvez, seja o seu maior legado. Quero compartilhar o orgulho que sinto em ser seu conterrâneo. Conforme escrevi a ele em um dos e-mails, “você não é apenas meu ídolo, mas o herói de uma nação inteira faminta por sonhadores.”

11124014_979984262013335_804424085_n

Autor: Marcelo Nava

Multiatleta de esportes de aventura e atividades outdoor. Praticante de ultramaratona, corrida em trilha, mountain bike, trekking, camping e montanhismo. Dentre as principais competições destaca-se a participação na BR Ultramarathon (217 km na Serra da Mantiqueira), Gramado Adventure Running (61 km) e Supermaratona Cidade de Rio Grande (50 Km).Possui graduação e mestrado em Engenharia Biomédica e atualmente trabalha como engenheiro de projetos no Centro de Microgravidade da PUCRS (centro de pesquisa dedicado ao estudo da adaptação humana ao espaço e a ambientes extremos).

Parque Salto Ventoso – Farroupilha/RS

Parque Salto Ventoso – Farroupilha/RS

Salto ventoso está localizado no município de Farroupilha/RS, uma das cachoeiras mais bonitas do Brasil.

O lugar já serviu de cenário para cenas do filme O Quatrilho (1994) e da mini-série de televisão O Quinto dos Infernos (2002). E não é para menos. São 56 metros de queda d’água que formam uma piscina natural, com o grande atrativo de o visitante poder caminhar por uma trilha para ver a queda d’água por trás. É de deixar qualquer um impressionado!

dsc_0224

dsc_0174

Salto Ventoso

Salto Ventoso

A gruta que contorna a cachoeira tem o formato de meia lua e permite uma visão da queda d’água de diversos ângulos. Passar por trás da água talvez seja o mais interessante!
A trilha de acesso à cachoeira é fácil e não requer maiores habilidades técnicas. Inclusive o trecho que contorna a cachoeira por trás é fácil de ser percorrido. Ao final da trilha, basta descer as pedras para chegar à piscina natural. O mergulho é revigorante.

Salto Ventoso

Salto Ventoso

Para quem gosta de rapel, há duas possibilidades maravilhosas de descidas, uma no seu lado direito, descida composta por trechos positivos e negativos e a outra pela água, descendo em meio à cachoeira.

Caso queira praticar o rapel, entre em contato com a empresa Outdoor Equipamentos.

Salto Ventoso

Salto Ventoso

dsc_0250

Salto Ventoso

Vale também passear sobre as pedras do calmo rio acima. Nem dá para acreditar que um rio com águas tão calmas forma uma cachoeira tão intensa. Mas é preciso ter cuidado ao andar sobre as pedras, pois algumas, logicamente, escorregam.

Salto Ventoso

Informações úteis:

O Salto Ventoso fica cerca de 12km de Farroupilha, sendo alguns quilômetros de estrada de terra;
Procure visitar o local durante a semana para fugir das multidões;
Leve um repelente potente;
No local existem banheiros e também uma loja simples para alimentação, (pagamento apenas com dinheiro).

Valores:

Valor do Parque por pessoa: R$ 8,00 reais;

Crianças de 0 a 5 anos o valor é de R$ 1,50 reais;

Acima dos 60 anos, é cobrado meia entrada R$ 4,00 reais;

Valor da churrasqueira por dia: R$ 10,00;

Contato: (54) 3259-1091

Veja outras fotos do Parque Salto Ventoso

Salto Ventoso

Salto Ventoso

Salto Ventoso

Salto Ventoso

Veja também: I Seminário de Gestão da Escalada de Farroupilha/RS – Brasil

Coordenas Geográficas: 29°17’06.6″S 51°24’43.7″W