5ª Etapa do Circuito Trilhas & Montanhas – Trilhas Arcoverde

A comunidade de Arcoverde localizada na cidade de Carlos Barbosa foi sede da 5ª Etapa do Circuito Trilhas & Montanhas – TRILHAS ARCOVERDE, que ocorreu no último sábado (dia 10). A prova teve percursos de 5, 18 e 28 quilômetros de corrida em trilhas e montanhas. E contou com a participação de mais de 800 atletas das mais variadas cidades do Rio Grande do Sul.

“Já ultrapassamos a metade do CTM 2019, e desde o início o evento está com força total, estamos com média de mais de 800 participantes por Etapa. Certamente o maior evento esportivo de Corridas em Trilhas “Trail Run” no RS e Brasil. Hoje o CTM no Rio Grande do Sul se estabeleceu como o evento que mais promove e fomenta as corridas em trilhas. Nossos eventos servem de iniciação, porta de entrada como acontece desde 2012.” comenta Luís Leandro Grassel, Coordenador Geral do Circuito Trilhas & Montanhas 2019.

Trilhas Arcoverde
Créditos: Sérgio Gutheil / Clic Run

Após um calor atípico (para a época) na 4ª Etapa do Circuito Trilhas & Montanhas na cidade de Igrejinha, no final de junho. Os atletas foram presenteados com uma temperatura de pouco mais de 10 graus, sábado em Carlos Barbosa. Cidade essa que pela primeira vez sediou uma etapa do CTM.

Os percursos foram marcados por trilhas, declives e aclives acentuados, diversas travessias de pequenos riachos, estradões com visuais fascinantes do interior de Carlos Barbosa. E a já tradicional infraestrutura e organização da empresa L&E Eventos e equipe CTM.

Trail Running Arcoverde
Créditos: Jon Hesse / Clic Run

Os grandes campeões da 5ª Etapa do Circuito Trilhas & Montanhas, foram:

Distância curta:

Camila Backes* – Equipe Teutorunners – 27min

*(Segue liderando o ranking do Circuito Trilhas & Montanhas – Categoria Curta, com 179 pontos).

Marcio Leite de Oliveira – Equipe Km Livre – 22min

Distância média:

Ivania Rambo – Equipe Laufen Auf Beer – 1h49min

Rogério Andretta – Equipe Danivist – 1h32min

Distância longa:

Daiane Dias* – Equipe Born Run – 2h58min

*(Segue liderando o ranking do Circuito Trilhas & Montanhas – Categoria Longa, com 177 pontos).

Sidimar Pimentel Saraiva* – Equipe Time TeM – 2h27min

*(Segue liderando o ranking do Circuito Trilhas & Montanhas -, com 171 pontos na distância longa).

Classificação completa e ranking do Circuito Trilhas & Montanhas 2019, disponível no site da 3c Timing.

Após estar fora da etapa de Igrejinha por questões de saúde, eu estava praticamente contando os dias para a chegada da 5ª Etapa do CTM em Carlos Barbosa/RS.

As semanas antecedentes à prova foram um tanto quanto conturbadas para mim. Volta às aulas com mais de 6 disciplinas para cursar, trabalho em turno integral (manhã e tarde), escolhas importantes a serem tomadas…e mais todos os “desafios” do dia-a-dia, pelos quais, praticamente todos nós passamos!

Chegando na Comunidade de Arcoverde já encontrei a Silvana Menegon e o Jonas Junkes, amigos de longa data, desde os tempos em que eu participava das corridas de aventura. Ficamos conversando sobre nossas aventuras, provas, planos de vida…até o horário da largada da prova.

Alguns alongamentos e pequeno aquecimento com a Silvana e já era hora de alinhar para a largada. Ela se posicionou lá na frente, pois sabia que tinha preparo para conquistar uma boa colocação (foi vice campeã geral feminina na distância longa). Eu pela primeira vez na vida, resolvi ficar bem no fundo, queria fazer uma prova estilo “curtição”, só não queria fazer companhia para o Saurin (fechador do percurso) – risos.

Alguns metros de calçamento e em seguida já estavamos correndo em estradões e trilhas. O tempo nublado, o vento frio, o barro, as subidas e descidas…o contato com a natureza; tudo isso deslumbrava-me e fazia-me esquecer, mesmo, que só por algumas horas de todos os “problemas”.

Jasmine Benato
Créditos: Anelise Leite / Clic Run

Ao longo do percurso nas trilhas de Arcoverde encontrei dezenas de amigos, alguns me passaram, outros eu passei e outros eu tive o privilégio de fazer boa parte do trajeto ao lado deles. Angela Nunes e Maria Rosane Leandro de Jesus, percorreram comigo cerca de 70% do percurso, se ajudando, se incentivando, se apoiando…

Faltando pouco mais de um quilômetro para o final da prova, resolvi baixar o ritmo e aguardar a Maria Rosane se aproximar. Foi ela que me fez entender que muito mais imporante do pódio/classificação, são os aprendizados durante o percurso! Tive a honra de cruzar a linha chegada com ela…

Chegada Trilhas e Montanhas
Créditos: Daniela Silva / Clic Run

O que fica após a linha de chegada são os bons momentos, os que nos fazem sentir grandes, enormes perante os desafios. Aqueles que nos fazem sentir altruístas porque ajudamos um atleta em dificuldades, ou os que nos fazem mais humildes porque nos deram a mão quando mais precisávamos. Os melhores momentos são mesmo os mais humanos, os de deslumbramento perante a força da natureza. E essa força, no trail, somos nós!

6ª Etapa do Circuito Trilhas & Montanhas 2019, ocorre no dia 07 de setembro na cidade de Nova Roma do Sul.

Mais informações e inscrições no site da Youmovin.

Inauguração do espaço CURTLO BR na Loja Patos do Sul!

Quem acompanha meus textos aqui pelo site, sabe que na maioria deles cito a Patos do Sul e a CURTLO BR, como referências de lojas de artigos e vestuário para a prática de esportes outdoor.

Curtlo BR

A CURTLO BR atualmente é detentora de um portfólio de, aproximadamente, 230 itens, sem contar as variações de cores e tamanhos. São produtos que variam de bolsa de selim, até mochila cargueira, passando pelo desenvolvimento de peças técnicas de vestuário que privilegiam bikers, montanhistas e amantes das atividades ao ar livre. Se a CURTLO é hoje uma das principais marcas do mercado outdoor no Brasil, foi graças ao espírito empreendedor e a insistência de Fernando, aliado ao apoio e dedicação incondicional de Verônica, sua parceira nos negócios e na vida. Como o próprio fundador da CURTLO disse, nós não viemos para o mercado outdoor, nós sempre estivemos nele!

Acesse o site da marca e conheça seus inúmeros produtos.

Curtlo BR

A PATOS DO SUL, está no mercado à cerca de 9 anos e surgiu através de uma viagem que o casal Helen e Darci (in memoriam) fizeram para a Patagônia (seria um mês de viagem). Para economizar com ligações, o casal teve a ideia de criar um blog, na hora de escolher o nome, veio à tona uma brincadeira que faziam, quando entravam na Land Rover, na sexta à tardinha. O Darci pedia à Helen “Pra onde os patos vão voar?”, numa referência aos Duck Tales – Caçadores de Aventuras. Era uma brincadeira entre o casal, aí o blog virou Patos do Sul! 

Após algum tempo, já com a lojinha de aventura acabando de nascer, Helen e Darci foram num evento de Mountain Bike e levaram um gazebo e alguns produtos para vender. Como etiquetas, usaram uns cartões bem artesanais do blog.”Depois quando chegávamos a outros eventos, o pessoal dizia: ‘Os Patos do Sul estão ali!’ ou ‘Tem lojinha dos Patos do Sul!’ e, por uma inercia ou simpatia – pelo nome, acabou pegando!” relembra a proprietária Helen Hertzog.

Os primeiros produtos comercializados na loja Patos do Sul foram roupas de ciclismo e segundas pele da Curtlo.

No último sábado (dia 08) a Patos do Sul, inaugurou o espaço Curtlo em suas dependências. O ambiente conta com diversas peças de vestuário para ciclistas, corredores e aventureiros no geral; itens de lançamento como a calça-bermuda trail EC50+; além de dezenas de mochilas de hidratação, mochilas cargueiras e a clássica bolsa de selim – primeiro produto criado pela Curtlo à cerca de 25 anos atrás.

Curtlo BR
Créditos: Lucas Ferreira (Da esquerda para a direita: Helen Hertzog – Proprietária da Patos do Sul, Eu, Daycce Gonsalves, e equipe de vendas da Patos do Sul).

Vale lembrar que desde o início, Funcionalidade, Ergonomia e Durabilidade formam o tripé que move a marca. Sempre incentivando as pessoas a experimentarem algo diferente, utilizando um equipamento de qualidade.

O evento reuniu diversos aventureiros de Caxias do Sul e região, além do pessoal do Trekking RS e galera da Sol de Indiada – que presenteou os participantes com um belíssima caminhada (Trilha dos Dinossauros), no interior de Caxias do Sul.

Curtlo BR
Créditos: Elio Abe
Curtlo BR
Créditos: Luís Henrique Fritsch
Curtlo BR
Créditos: Luís Henrique Fritsch

Veja todas as fotos desse belíssimo evento acessando o álbum do Flickr.

Finalizando deixo o meu grande agradecimento à:

CURTLO BR por ter me dado a honra de representá-los aqui no Rio Grande do Sul, e por poder fazer parte do #TeamCurtlo ao lado de grandes atletas/amigos.

PATOS DO SUL por todo o apoio desde o tempo em que começei a competir nas corridas de aventura até os dias atuais. Darci e a querida Helen sempre me incentivaram a ser exatamente quem eu sou, fazer o que me faz feliz e não ter medo de sonhar.

“Nossa inspiração define aquilo que temos de mais nuclear. Ela emerge das crenças e dos propósitos essenciais, que norteiam as tomadas de decisões e proporcionam uma atitude diferente em relação à vida! Nossa inspiração traduz nossa visão de mundo, define nosso jeito de ser e influência a forma como construímos e cultivamos nossos relacionamentos.” – CURTLO BR

Bermuda ou Bretelle

Bermuda ou Bretelle?


Bermuda ou Bretelle? Em algum momento da sua vida de ciclista você fará esta pergunta! Independentemente do seu nível, amador, competitivo ou recreativo, esta questão será levantada. Ao discutir com seus amigos, várias opiniões surgirão.

Bermuda ou Bretelle
Bermuda 3D Compress TD Fem. 2018 – Créditos: CURTLO BR
Bermuda ou Bretelle
Bretelle 3D Compress Fem. 2018 – Créditos: CURTLO BR

Para produzir esta matéria contei com a ajuda da empresa CURTLO BR que me cedeu dois modelos dos melhores vestuários nacionais: Bermuda 3D Compress Fem. e Bretelle 3D Compress Fem. O objetivo desta ação foi ter disponível os dois tipos de vestimentas em questão, ambas com excelente qualidade, e testá-las nas mais exigentes condições para verificar os prós e contras de cada uma.

Atualmente, a CURTLO é detentora de um portfólio de,aproximadamente, 230 itens, sem contar as variações de cores e tamanhos. São produtos que variam de bolsa de selim, até mochila cargueira, passando pelo desenvolvimento de peças técnicas de vestuário que privilegiam amantes das atividades ao ar livre, montanhistas e bikers. Além de ser uma das principais marcas do mercado outdoor no Brasil.

Inicialmente é muito importante saber escolher o produto certo. Infelizmente é impossível ter bermudas ou bretelles de qualidade com preços baixos. Mas, pode confiar…estes itens são muito duráveis e o investimento em marcas de qualidade vale à pena.

As duas características principais que devem ser levadas em consideração na hora que escolher seu modelo são as tecnologias empregadas no tecido e no forro, e a modelagem da peça…sim, a modelagem! Ou você acha que um atleta do Brasil Rideou do Tour de France, usam qualquer lycra com forro?

O Bretelle 3D Compress da Curtlo BR, por exemplo, é produzido com tecido Compress®, construção que permite elasticidade de 360º para acompanhar os movimentos dos músculos. E possui costuras planas (flat) que evitam o incômodo no contato com a pele.

Bermuda ou Bretelle
Créditos: CURTLO BR

Eu testei este modelo justamente por esta característica e o que chamou a atenção foi em que momento algum fica tecido “sobrando”. O que acontece é que de acordo com os movimentos, as áreas onde há maior exigência da elasticidade (por exemplo, a região das costas numa posição race) compensam e esticam a parte frontal, que numa bermuda comum apresentaria dobras.

A textura e sistema de entrelaçamento das fibras que compõem o tecido garantem esta característica, além de uma perfeita compressão e passagem de ar. Tudo isso é proporcionado pela modelagem, que acompanha exatamente o formato do corpo do ciclista. Diferente de bermudas comuns que são retilíneas desconsiderando as curvas.

MULHERES! Este fator merece atenção especial…assim como não é possível utilizar um jeans masculino, também não é aconselhável vestir equipamentos que não sejam produzidos exclusivamente para nós. A Curtlo produz modelos específicos para o “body” feminino.

Além disso, os bretelles femininos possuem forro especial para nós e um sistema de “feiche” na parte traseira, o que facilita sua retirada mesmo com a camisa.

Bermuda Ou Bretelle
Créditos: CURTLO BR

A tecnologia mais importante na hora de escolher bermuda ou o bretelle é a empregada no forro. Afinal é ele que suportará toda a pressão que o corpo fará sobre o selim.

Um modelo adequado de forro deve, além de cobrir com folga todas as áreas de contato, possuir variações de densidades de acordo com as partes de maior atrito. Numa pedalada de 1 ou 1 hora e meia este fator pode passar despercebido. Mas experimente passar 3, 4 horas em cima da bike com uma bermuda “baratinha”! Você vai se arrepender.

Forros muito duros ou grossos sem variações de densidades podem interferir na vascularização, ou seja, na circulação sanguínea. Além de, em casos extremos, provocar dormência nos membros inferiores e região do quadril, a má circulação irá dificultar o transporte de oxigênio para as pernas afetando drasticamente no seu desempenho.

Fiz diversos treinos entre estradas e trilhas da região de Veranópolis na Serra Gaúcha e dei muita atenção para a forração do meu bretelle.

Este forro foi projetado para pedaladas de longa duração, tanto para ciclismo quanto MTB. Revestido em tecido poliamida que proporciona conforto, durabilidade e liberdade de movimento; além de ótima respirabilidade e gerenciamento da umidade. Sua construção ergonômica em tridensidade permite amortecimento nas áreas de maior pressão e conforto anatômico nas demais partes.

Bermuda ou Bretelle
Créditos: CURTLO BR

Por exemplo, na região das nádegas a espessura do forro é maior (região onde ficamos mais tempo em contato) e entre as pernas é menor (região onde há mais atrito devido ao movimento das pedaladas). Isto reduz a fadiga e dores na parte traseira e impede assaduras entre as pernas, fundamental para o desempenho em condições extremas.

Independente de usar bermuda ou bretelle, duas coisas irão maximizar ainda mais seus benefícios:não utilizar roupas de baixo para evitar atritos, e utilizar algum produto contra assaduras. Uso e recomendo os produtos da empresa Solifes!

Agora que detalhei as duas características mais importantes na escolha da bermuda e/ou bretelle, vou falar sobre as diferenças entre um e outro.

BERMUDAS:

As bermudas são sim mais baratas e é muito bom ter alguma disponível. Afinal nem todo pedal é treinamento ou competição! Você não precisa usar bretelle quando for dar um giro recreativo com amigos por exemplo. Por serem mais baratas, possuir algumas garante economias já que você não precisará utilizar bretelles (bem mais caros) em todos os treinos. Você poderá deixar para usar eles somente em treinos mais duros ou competições.

BRETELLES:

Quem usa um bretelle não quer usar outra coisa! Apesar de um pouco mais caros que as bermudas, as boas marcações tão duráveis que o investimento acaba compensando. O ajuste deles ao corpo e a sensação de conforto justificam.

As alças garantem que o equipamento ficará ajustado ao corpo e não se movimentará, ou seja, o forro ficará sempre no lugar certo.

Bermuda ou Bretelle
Crédito: Device Filmes

Além disso, vale lembrar que…

A construção helicoidal (formato de uma mola) do tecido envolve a perna do ciclista e garante uma compressão confortável,flexível e preventiva; pois o sangue flui mais rápido aumentando sua circulação. Atenuando assim, as dores musculares provenientes dos microtrauma se reduzindo a fadiga muscular durante e após o uso.

Realmente a resistência às fadigas melhora bastante. Testei esta tecnologia em diversos treinos, onde também percebi que a compressão e estabilização muscular proporcionada por ela mantem a energia por mais tempo.

Em provas e treinos longos, não é possível repor o protetor solar de 2 em 2 horas conforme orientação. Portanto escolher equipamentos com proteção UV é fundamental. Tecidos anti-bactericidas e repelentes de umidade inibem a formação de fungos e consequentes lesões.

Pensando nisso a Curtlo produz bermudas e bretelles que propiciam a troca térmica; e a textura interna do tecido favorece o microclima interno estável e a redução do efeito úmido colante em contato com a pele.

Portanto, qual usar?

Não há uma opinião formada sobre só este ou aquele. Eu mesma possuo diversas bermudas e bretelles. Quando busco máxima performance utilizo bretelles sem dúvida. Quando vou fazer uma pedalada mais recreativa, realizar um treinamento curto…utilizo as bermudas que são mais práticas.

Mantenho uma linha premium de bretelles da Curtlo que só utilizo em treinos longos e técnicos (e futuramente em competições). Bermudas possuo algumas do modelo 3D Compress mais avançadas e várias outras mais simples para “bater no dia a dia”.

A principal dica, portanto não é sobre usar bretelles ou bermudas, e sim saber escolher a marca e modelo que lhe proporcionará maior conforto e principalmente desempenho.

Lembrando que a bermuda ou o bretelle não são o único fator que deve ser avaliado para evitar as dores, que também podem estar relacionadas com altura, formato e posição do selim. Mas mesmo com o selim mais apropriado para seu corpo, uma bermuda ou bretelle ruim pode colocar tudo a perder.