Melhores lugares para praticar rapel

Melhores lugares no Rio Grande do Sul para praticar Rapel

Os esportes de aventura são considerados hoje a atividade que mais vem se desenvolvendo em todo mundo. São praticadas em ambientes naturais, ou seja, sem o controle de variáveis como clima, aumento repentino da intensidade de vento, ou o aumento súbito da quantidade de água em um rio ou cachoeira.

Separamos alguns locais para você e seus amigos desfrutar da natureza e praticar descidas de rapel aqui no Estado do Rio Grande do Sul – Brasil.

Cascata do Salto Ventoso – Farroupilha/RS – Brasil

Melhores lugares no Rio Grande do Sul
Fotos: Marcio Basso

Clique aqui para saber mais

Gruta da Terceira Légua – Caxias do Sul/RS – Brasil

Melhores lugares no Rio Grande do Sul
Fotos: Marcio Basso

Clique aqui para saber mais

Salto Escondido – Nova Roma do Sul/RS – Brasil

Melhores lugares no Rio Grande do Sul
Fotos: Marcio Basso

Clique aqui para saber mais

Cascata do Chuvisqueiro – Riozinho/RS – Brasil

Melhores lugares no Rio Grande do Sul
Fotos: Crislei

Clique aqui para saber mais

Garganta do Diabo – Vespasiano Corrêa/RS – Brasil

Melhores lugares no Rio Grande do Sul
Fotos: Renato Grimm

Clique aqui para saber mais

Cascata dos Marins – Cotiporã/RS – Brasil

Melhores lugares no Rio Grande do Sul
Fotos: Outdoor Equipamentos

Clique aqui para saber mais

Mirante Gelain – Flores da cunha/RS – Brasil

Melhores lugares no Rio Grande do Sul
Fotos: Outdoor Equipamentos

Clique aqui para saber mais

Cascata do Borela – Nova Pádua/RS – Brasil

Melhores lugares no Rio Grande do Sul
Fotos: Luís H. Fritsch

Clique aqui para saber mais

Cascata do Maringá – Vila Maria/RS – Brasil

Melhores lugares no Rio Grande do Sul
Foto: Luís H. Fritsch

Clique aqui para saber mais

Uma lista de musicas para inspirar você a viajar!

Se tem uma coisa capaz de ativar nossa memória afetiva tão bem quanto cheiros e aromas é a música. Se alguns perfumes nos transportam imediatamente para um dia e lugar qualquer da nossa infância, há músicas que nos fazem reviver grandes emoções, momentos com pessoas especiais, uma época feliz ou mesmo uma viagem inesquecível.

Pensando nisso, separamos uma lista de musicas em especial, do estilo Rock n’ Roll, para inspirar você viajante nesse dia tão especial. Hoje é dia Mundial do Rock, 13 de julho de 2015 .

Veja o que separamos para você:

1- Foo Figthers – Walk

2 – Eddie Vedder – Rise

3- Steppenwolf – Born To Be Wild 

4- AC/DC – Highway To Hell

5- Audioslave – I Am The Highway

6-  Guns N’ Roses – Welcome To The Jungle

7- Pearl Jam – Amongst the Waves

8- Skank – Vamos Fugir

9- Jason Mraz – 93 Million Milles

10- Bass Drum of Death – Crawling After You

11- Eddie Vedder – Society

12- Red Hot Chili Peppers – Road Trippin

13- ForFun – O viajante

14- The Doors – Roadhouse Blues

15- Bon Jovi – Lost Highway

16- Engenheiros do Hawaii – Infinita Highway

17- Rory Gallagher – Mississippi Sheiks

18- Joan Jett – I Love Rock’n’Roll

19- Foo Fighters – Long Road To Ruin

20- Eddie Vedder – Goodbye

Edição: Luís H. Fritsch

Trilhas em Garopaba-SC… Muito mais que arreia e mar!

Olá, Vou relatar uma grata surpresa que tivemos quando fomos com meu pai conhecer Garopaba-SC, cidade conhecida pelo surfe e pela loja da Mormaii! Mas que é muito mais do que isso! Estivemos por lá apenas um final de semana: 16/01 -18/01/15 mas foi suficiente para voltarmos renovados e começar o ano com pé direito.
Nos hospedamos na pousada Maré Mar; Um pouco caro para os padrões mochileiros, mas como estávamos com meu pai precisávamos de um pouco de conforto (ar-condicionado) e praticidade, essa acabou sendo a escolha; Ainda mais porque fica de frente para o mar(o velho adora).

16/01- Como viajamos aproximadamente 6 horas de carro saindo de Taquari-RS até chegar Garopaba-SC, aproveitamos esse dia para curtir a praia, cidade histórica e descansar!

17/01- Já acordei disposto a fazer algo diferente e aproveitar toda aquela natureza deslumbrante! Foi ai que resolvi ir até o centro de informações que fica localizado na praça da cidade, umas 4 quadras da beira da praia, em busca de novas experiências. Chegando lá encontrei um cartão de um condutor ambiental, galera que faz trilhas por toda cidade de Garopaba passando por todas as praias da região. Não pensei duas vezes e liguei para marcar uma atividade naquele dia e foi ai que decidimos fazer Trilha da Pedra Branca (30 reais por pessoa) para conhecer a toda a mística da famosa pedra branca e ter a visão de toda a cidade. Às 14 horas nossos guias chegaram, Cássio e Aline nos esperando na frente da pousada para nos levar de carro até o pé do morro; a uns 15 min. do centro da cidade, um lugar com uma diversidade impressionante: Na mesma redondeza existe um templo budista, espaço com aulas de Yoga (de graça para a comunidade), uma comunidade bem alternativa e Imigrantes centenários…todos vivendo em harmonia e em paz ao pés da pedra branca.
A primeira parada foi em uma antiga e bem preservada carpintaria de quase 80 anos movida a roda d’água, impressionante todo o trabalho que se tinha na época para fazer qualquer coisa e dependendo somente de recursos naturais!

10377073_10206059678476853_7049074615588353281_n.jpg

Depois de um mergulho na história começamos literalmente a trilha de 1.166 metros de subida até o topo da pedra branca, a trilha é constituída desde mata fechada até campos pedregosos, um contato direto com a natureza. Como os guias são biólogos vão te explicando e mostrando a fauna e flora do lugar e região e claro as inúmeras curiosidades e lendas da pedra, os guias são extremamente atenciosos e acessíveis e com uma filosofia muito bonita de vida!!!
Depois de suar muito a camisa e passar por paisagens incríveis chegamos ao nosso objetivo o topo da pedra, a vista é realmente linda é tudo aquilo que falam mesmo…se tem a dimensão de todas as praias e lagos de Garopaba e uma brisa mais que agradável, aí ficamos sabendo que tem uma galera que faz rapel lá…deve ser LOUCO!

20150114_163227.jpg
Topo da Pedra Branca
10953368_10206059706117544_1951821446521747729_n.jpg
Topo da Pedra Branca

A descida foi bem mais rápida, mas não iriamos embora de lá sem antes passar na bela cascata; um lugar de paz e descanso excelente pra quem espera relaxar depois de uma trilha dessas, é revigorante!

1920100_10206059687317074_6093705031227360901_n.jpg
20150114_154913.jpg

18/01- Acordamos cedo e nos encontramos mais uma vez com o casal na porta da pousada para a Trilha Vigia-Silveira (40 reais por pessoa; mais longa): que sai da praia da vigia ou preguiça, passa por piscinas naturais, escritas rupestres e termina na praia do silveira, a trilha leva a manhã inteira e vale muito a pena!

A praia da preguiça é do lado da praia de Garopaba, tem um pequeno banco de areia (é a menor de todas elas, quase particular) nas pedras da praia tem marcas da amolação dos utensílios indígenas que datam de 7.000 anos, um mergulho total nas origens mais remotas da civilização, próximo de lá se encontra também o relógio do sol, utilizado para ter a noção de tempo pelas tribos da época.
Subimos um morro e vamos até uma área particular de um nativo, entramos campo a dentro, subimos e descemos muitas vezes até encontrar as belas piscinas naturais são realmente muito bonitas com uma água transparente e rochas de diversos formatos, a dica é não entrar depois de um dia chuvoso pois o mar está mais agitado e te joga contra as pedras! Cuidado com os ouriços do mar.
Alguns minutos dali o ponto alto da trilha, pelo menos pra mim, era,  inscrições rupestres desde pessoas a objetos não identificados, realmente é incrível, fiquei emocionado em conhecer esse lugar de tão difícil acesso, mas tão rico de história. Para vê-las tem que escalar as pedras com muita atenção, a paisagem é indescritível, o mar batendo nas rochas com toda aquela força enriquecia ainda mais a nossa vista.
Caminhamos mais um pouco e finalmente chegamos a Praia do Silveira, ideal para o surfe e para quem quer fugir da agitação, existe apenas um quiosque em toda a praia. A visão da praia nos dava uma grande satisfação de termos chegado ao ponto final da trilha, curtimos a praia, tomamos um banho de mar e claro descansamos até porque tínhamos que voltar!
Como fizemos amizade com o casal, saímos juntos a noite para conhecer o KIMO, um bar com música ao vivo e com vibrações muito positivas onde se apresentam artistas locais!!!

20150115_104107.jpg
20150115_112609.jpg
20150116_010516.jpg

Voltamos para a casa Renovados e literalmente com a alma lavada para começar o ano cheio de boas vibrações e encarar a rotina diária, tudo e exatamente tudo foi acima das minhas expectativas…Recomendo, aventure-se!

Relato escrito por nosso leitor Isaac Ferro.
Data do relato: Março/2015
Fotos e texto: Isaac Ferro.

 

Cambará do Sul em 2 dias… Gastando pouco!

Há muito tempo pretendia conhecer esse lugar, tão perto de casa e tão singular…Enfim esse dia chegou fomos entre os dias 27/02 e 28/02/15!27/02 – Saímos de Taquari-RS em direção a Cambará do Sul às 6h e 20min e chegamos as 10h e 30min, uma viagem tranquila pela serra de aproximadamente 280 km…Chegamos e fomos direto para a pousada agendada www.itaimbeleza.tur.br, bem simples tipo uma casa de família; A Lorena a dona é muito atenciosa, dormimos em um beliche por 50 reais a diária com café da manhã (simples mas muito bom, o bolo caseiro de laranja é espetacular).
De lá passamos no mercado para comer alguma coisa, pois no parque não há nada! Percorremos 18 quilômetros por uma estrada de chão em direção ao Parque Nacional Aparatos da Serra para conhecer o Cânion Itaimbezinho e fazer as 2 trilhas: Trilha do vértice (visão de frente do Cânion) e do Cotovelo (visão das bordas do Cânion). A entrada do parque custava 9 reais por pessoa e logo que você passa o pórtico enxerga o estacionamento, fomos em direção ao centro de informações do parque e lá uma moça te explica como funciona as trilha e as durações de cada uma. Escolhemos fazer primeiro a do vértice mais curta com duração de 45 min, a cada mirante uma nova surpresa, o lugar realmente é lindo, uma verdadeira obra de Deus! De todas elas a terceira parada foi a melhor, com vista das 2 cachoeiras.

DSCN2326.JPG
Terceiro Mirante

Depois de terminarmos a trilha do vértice em aproximadamente 30 minutos, fomos conhecer a trilha do cotovelo que leva aproximadamente 1 hora e 30 minutos, a grande diferença da primeira é que você anda praticamente metade da trilha em mata fechada, tendo a incrível visão dos cânions nos 600 metros finais. Vale muito a pena!!!

A volta é sempre feita pelo mesmo lugar que se foi, é de fácil acesso e para todas as idades. Acredito que o parque poderia melhorar sua infraestrutura quanto aos mirantes e placas de sinalização, há muito a ser explorado!

DSCN2343.JPG
Primeiro Mirante Trilha do Cotovelo

Era quase 13 horas da tarde e fomos em direção ao Parque Nacional da Serra Geral, para conhecer o Cânion Fortaleza (o Maior da América Latina) do centro da cidade fica aproximadamente 25 quilômetros e essa sim é uma estrada complicada (10 quilômetros de asfalto e o resto estrada de chão muito ruim), eram poucos os carros de passeio que se arriscavam a passar, e por sorte não tivemos problemas!

A entrada é grátis e o parque funciona das 08:00 às 18:30; Apesar de ser menos estruturado que o primeiro é o mais belo e com paisagens de tirar o folego, as trilhas são: do Mirante (a melhor de todas, uma das paisagens mais linda que já vi), Borda do cânion, cachoeira do Tigre Preto e Pedra do segredo.

DSCN2389.JPG
Borda do cânion Fortaleza

A trilha da pedra do segredo é uma continuação da trilha da cachoeira do Tigre preto, e para chegar na pedra não há outra maneira se não atravessar o lajeado beirando a cachoeira do Tigre preto. Se deve tomar muito cuidado pois quando está muito cheio, as pedras ficam submersas e escorregadiças, precisa de muita atenção. Como fomos sem nenhum guia e a única placa que indicava o caminho para a pedra era pequena e escondida não a encontramos e fomos para a pousada descansar um pouco…
A noite fomos jantar no galpão costaneira, local tradicionalista de farta e boa comida com preço bem acessível, 20 reais buffet livre(sem carne) e 37 reais com carne com queijo servido em uma chapa que ficava na nossa mesa, além do ótimo atendimento.

28/02 – Nesse dia estava marcado fazermos a trilha do Rio do Boi, a principal trilha do interior do cânion que começa em Praia Grande-SC, estava tudo acertando com a empresa www.expedicaokaingang.com.br, na noite anterior recebemos um e-mail informando que não poderíamos fazer a trilha porque o nível da água estava muito alta. A decepção foi grande a expectativa de encontrarmos outras atividades para preencher a lacuna foi maior e visitamos as 3 empresas de turismo da cidade, com a esperança de nos encaixar em alguma atividade programada…mas nada!!!
OBS: Todas as atividades são muito caras se forem feitas em poucas pessoas e como estávamos em 2 nossa única opção era entrar em um grupo já existente para o valor ficar mais acessível.
Resolvemos então voltar ao cânion Fortaleza para encontrar enfim a pedra do segredo, o nível da água estava mais alto que no dia anterior e a neblina era muito grande as 9 horas da manhã, mas nada disso diminuiu nossa vontade de chegar lá…..e conseguimos!!!

DSCN2461.JPG
Trilha da pedra do segredo
DSCN2447.JPG
A famosa “pedra do segredo”

Antes das 11 horas da manhã estávamos fazendo o check out na pousada quando a proprietária nos falou da cachoeira dos Venâncio, no início confesso que não me animei, mas depois que ela mostrou as fotos do lugar e disse que era a cachoeira mais bonita da região, sem pensar fomos pra lá. É uma área particular a 14 quilômetros do centro de Cambará do Sul/RS, uma estrada de chão bem cuidada, o percurso tem um custo de 7 reais por pessoa com direito a 2 horas de permanência no local. Foi uma maravilhosa Surpresa, a cachoeira é linda além de toda estrutura com mesas e churrasqueira no local; Muitas famílias estavam acampando no lugar, pessoas de todas as idades tomando banho naquelas águas transparentes e renovadoras, as 4 quedas superaram nossas expectativas. Valeu muito a visita!Zoom in (real dimensions: 1600 x 1200)

DSCN2475.JPG
Cascata dos Venâncios
DSCN2485.JPG
Cascata dos Venâncios

Foi uma viagem espetacular, nunca vou esquecer daqueles paredões e daquele vento forte no rosto quando estava na beira do Maior cânion da América Latina!

DSCN2372.JPG
Cânion Fortaleza – Trilha do Mirante
Relato escrito por nosso leitor Isaac Ferro.
Data do relato: Março/2015
Fotos e texto: Isaac Ferro.

 

Caverna Indígena em Veranópolis/RS

Para chegarmos até a caverna indígena é preciso subir o vale do Rio das Antas pela RST 470 em direção a Veranópolis. A estrada é muito bonita, com curvas, vegetação densa e mirantes que possibilitam a visão para  um dos principais rios da região serrana. A sinalização para o acesso da caverna é praticamente inexistente, as poucas placas que encontrei estavam escondidas pelo mato que cercava a rodovia.

Caverna Indígena em Veranópolis/RS
Foto: Luís H. Fritsch
Os vestígios encontrados no local da gruta, indicam a habitação de índios Kaingangs há aproximadamente 2.000 anos atrás. Quando cheguei na entrada da caverna não imaginei que o interior dela pudesse ser tão grande, a largura da caverna é de 28 metros e a profundidade é de 67 metros repletos de túneis e passagens internas.
Caverna Indígena em Veranópolis/RS
Foto: Luís H. Fritsch

A gruta é de rocha vulcânica e foi formada devido a erosão dos ventos e das chuvas durante milhões de anos. Dentro da caverna a penumbra é total, por isso, antes de visitar o interior da gruta o visitante deve ligar o interruptor das luzes internas que fica na entrada e após a visita deve desligá-lo novamente.

Caverna Indígena em Veranópolis/RS
Foto: Luís H. Fritsch
Caverna Indígena em Veranópolis/RS
Foto: Luís H. Fritsch
Caverna Indígena em Veranópolis/RS
Foto: Luís H> Fritsch

A visita ao local não tem custo nenhum, a descida até a entrada da Caverna Indígena é feita por uma trilha na mata, são cerca de 500 metros, mas a trilha não é perigosa, nos trechos mais íngremes foram construídas escadas para facilitar a locomoção dos visitantes.

Caverna Indígena em Veranópolis/RS
Foto: Luís H. Fritsch
Caverna Indígena em Veranópolis/RS
Foto: Luís H. Fritsch
Caverna Indígena em Veranópolis/RS
Foto: Luís H. Fritsch
Caverna Indígena em Veranópolis/RS
Foto: Luís H. Fritsch

Escrito por: Rui Romanini

Ranking das cachoeiras mais altas do Brasil

1. Cachoeira do Araçá ou Cachoeira do El Dorado/AM

Cachoeira-do-El-Dorado
Com 365m de altura em queda livre.

2. Cachoeira da Fumaça, Vale do Capão/Palmeiras/BA

Fumaça-porcima
Com 340m de altura em queda livre.

3. Cachoeira do Tabuleiro, Conceição do Mato Dentro/MG

tabuleiro-21
Com 273m de queda livre.

4. Casca D’Anta, Serra da Canastra, MG

Parque_Nacional_da_Serra_da_Canastra_31
Com quase 200m de altura.

5. Salto São Francisco, Prudentópolis/PR

Salto-Sao-Francisco-Guarapuava-PR
Com 196m de altura.

6. Cachoeira da Água Branca, Ubatuba/SP

10511494_747580091980484_5450104292499225003_o
Com 180m de altura.

7. Salto do Itiquira, Formosa/GO

dsc00216
Com 168m de altura.

8. Cascata do Caracol, Canela/RS

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Com 131m de altura.

9. Salto São Sebastião, Prudentópolis/PR

SAO SEBASTIAO 21
Com 130m de altura.

10. Saltos Gêmeos, Prudentópolis/PR 130/125m.

Salto-Gemeos-493x3701
Com 130/125m de altura.

11. Cascata Grande, Pedregulho/SP

1383612_446843578766379_422263745_n
Com 122m de altura.

12. Salto Mlot, Prudentópolis/PR

13395586830.42364100
Com 120m de altura.

13. Cachoeira do Avencal, Urubici-SC

31
Com 100m de altura.

14. Salto do Itambé, Cássia dos Coqueiros/SP –

201211251603391
Com 86m de altura.

15. Salto São João, Prudentópolis/PR

5306282722_f14c62968f_b
Com 85m de altura.

16. Salto Jacutinga, Prudentópolis/PR – 82m de altura.

17. Cachoeira Véu de Noiva, Santa Leopoldina/ES

foto-01
Com 77m de altura.

Também temos:

Salto do Yucumã ou Grande Salto Moconã, divisa Argentina e Brasil (RS), uma das maiores cachoeiras do mundo em extensão lateral.

yucuma_1
Foto: Renato Grimm

– Cataratas do Iguaçu, Parque Nacional do Iguaçu/PR – 70 m de altura no trecho conhecido como Garganta do Diabo.

26jul2013---nas-cataratas-do-iguacu-a-temperatura-chegou-a-1c-nesta-sexta-feira-o-ponto-turistico-na-cidade-de-foz-do-iguacu-pr-continua-a-atrair-turistas

Via

Morro Moreno – Vila Velha/ES

Morro Moreno – Vila Velha/ES

O Morro Moreno possui 473.600,00 m2 de área, sendo uma parte loteada e outra, de 253.600,00 m2, de propriedade da Família Aguiar.

Com a RPPN (Reserva particular de Patrimônio natural) estabelecida, os proprietários do Morro pretendem criar o Parque Morro do Moreno preservando o remanescente de Mata Atlântica e oferecendo a comunidade e aos turistas uma opção de lazer de qualidade, com trilhas sobre a mata, espaço para oficinas de ecologia e arte.

Para a criação do Parque Morro do Moreno, seus proprietários estão buscando parcerias com grandes companhias privadas, governamentais, Ong’s e Fundações.

O Morro do Moreno, localizado em Vila Velha – ES, Brasil, debruçado sobre o Oceano Atlântico, é hoje um local perfeito para saltos de parapente, asa-delta e para a prática de escalada, devido a sua altitude de 184 m. Do topo do Morro, temos uma visão de 360º da cidade de Vila Velha, do mar e da capital do Espírito Santo, Vitória. É por causa de sua vista privilegiada e localização estratégica que o Morro do Moreno guarda muitas histórias, como as que seguem abaixo:

História:

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória, aos ataques dos navios corsários. O responsável pela observação era um colono que veio de Portugal com Vasco Fernandes Coutinho. Seu nome era João Moreno, daí o nome do Morro: MORRO MORENO. Além da atividade de vigia, João Moreno utilizava as terras do Morro para o cultivo.

No início do século passado, o topo do morro foi fundamental na criação de um sistema de sinalização para a entrada de navios na Baía de Vitória, reforçando sua vocação como Posto de Observação. Agora, ao invés de defesa de ataques dos navios, o topo do Morro do Moreno servia para auxiliar a navegação.

Morro Moreno
Foto: Arquivo pessoal
 Subindo a trilha do Morro Moreno:
A subida foi feita pela trilha Sul do Morro do Moreno em Vila Velha – ES. A entrada para trilha fica ao lado direito do início da estrada para carros. A trilha possui muitas bifurcações e é necessário estar com alguém que conheça bem o caminho, caso contrário é impossível seguir a trilha correta, pois não possui sinalização.O trecho é moderado, são pouco mais de 2 km de caminhada a maior parte é subida em uma trilha fechada no meio da mata, mas possui 3 pontos complicados, o primeiro logo no início onde é preciso atravessar um aglomerado de pedras com fendas profundas, os outros dois são paredes de pedra de 2 a 3 metros com inclinação de quase 90° onde é preciso subir segurando nas raízes que descem pela pedra.
Morro Moreno
Foto: Arquivo pessoal

Quase chegando ao topo existem dois pontos com visual aberto, no primeiro é possível visualizar a parte sul de Vila Velha – ES com a praia de Itaparica, parte da Praia da Costa, centro e o Convento da Penha.

Morro Moreno
Foto: Arquivo pessoal

Primeiro trecho com vista aberta. Foto com vista do Convento da Penha, do final da Terceira Ponte e do centro de Vila Velha-ES.

No segundo ponto com visual aberto é possível visualizar o convento da penha e Vitória-ES (baia de Vitória, Terceira Ponte, quase toda região de Vitória e ao fundo Serra-ES com o imponente morro do Mestre Álvaro).

Morro Moreno
Foto: Arquivo pessoal

Já no topo podemos observar o final da Praia da Costa em Vila Velha-ES, e a maior parte de Vitória-ES e da Serra-ES, em especial para a baia de Vitória e o morro do Mestre Álvaro ao fundo. No topo ficam localizadas torres de telecomunicação, também há um morador com uma pequena barraca que vende bebidas e comida. O topo é bem aberto e gramado.

Topo do Morro Moreno. Foto com vista para o mar de Vila velha – ES e os navios que aguardam para atracar no porto da Vale.

Morro Moreno
Foto: Arquivo pessoal

Voltamos pela estrada de carros que desce pelo lado norte do Morro Moreno, foi bem tranquilo e a estrada termina no nosso ponto de partida no pé do Morro do Moreno.
Recomendo não levar objetos que tenham que ser carregados na mão, pois irão atrapalhar ao atravessar os obstáculos do caminho. Leve um pouco de água, o trecho é pequeno, mas cansativo e no topo não há sombra.

10 praias (quase) desertas no Brasil!

10 praias (quase) desertas no Brasil!

A cada dia fica mais difícil encontrar praias bonitas, preservadas e vazias. Na maioria dos lugares que você for, encontrará super lotação de pessoas, barulho, e o pior, lixo. Uma das coisas que menos gostamos ao sair de uma praia é não poder ter dado aquele belo mergulho por conta da água suja, ou ver aquele mar de sacolas plásticas e latinhas de cervejas largadas na areia.

Por isso, separamos 10 praias nas quais você dificilmente encontrará essas situações e poderá aproveitar todas as maravilhas que a natureza oferece!

1. Praia Fortalezinha (Pará)

Em uma vila de pescadores no Pará, Fortalezinha é uma das praias quase desertas da região. Para chegar lá você  tem duas opções, uma trilha de duas horas ou 1h30 de barco, que parte de Algodoal. A beleza intocada do lugar vale o belo passeio.

praias
O litoral do Pará é lindo e rico e guarda belezas pouco conhecidas como Fortalezinha

2. Antigos (Rio de Janeiro)

Ao lado da Praia do Sono, a praia de Antigos fica em Paraty e agrada por sua beleza selvagem. Vale a pena fazer a trilha até a praia e aproveitar o mar sem praticamente nenhuma incomodação. Como para chegar a praia é necessário fazer uma trilha, ou ir de barco, você não encontrará barulho de trânsito ou carros por lá.

praias
Praia de Antigos: uma das mais belas e preservadas de Paraty (foto: Alvaro Rodrigues)

3. Praia Preta (Guarujá)

 Para chegar a Praia Preta você terá que fazer uma trilha saindo da Prainha Branca, mas ao chegar lá sua recompensa será grande. A praia não é habitada e poucas pessoas costumam ir até ela. Uma tranquilidade que dificilmente você encontrará tão perto de São Paulo.

praias
Ao lado da Prainha Branca, a Praia Preta, em Guarujá também reserva suas belezas

4. Praia do Carro Quebrado (Alagoas)

 Dificilmente você vai encontrar alguém por essas bandas que não esteja a fim de conhecer a natureza. A praia é linda, selvagem e os populares, com sua hospitalidade, dão um ar ainda mais agradável ao lugar. Se for possível vá de bug e volte andando pelas areias para aproveitar bem o passeio.

praias
As falésias (morros) fazem com que a Praia do Carro Quebrado ganhe um ar diferente das demais praias de Alagoas (Foto: Carlos Ferreira)

5. Praia dos Carneiros (Pernambuco)

 Uma das mais bonitas de Pernambuco, a Praia dos Caneiros é isolada e tranquila. Quem passa por lá, dificilmente se esquece das belezas do lugar. As águas são mornas e tranquilas  Na praia é possível conhecer a Capela de São Benedito, construída no século XVIII.

praias
Em Pernambuco, a Praia dos Carneiros tem história e natureza

6. Alter do Chão (Pará)

 No interior do Pará, Alter do Chão abriga lindas praias de água doce. Segundo o jornal britânico The Guardian, é lá que está a mais linda praia de água doce do mundo. Quem conhece o lugar, além de ver as belezas naturais do lugar, tem convívio com a cultura paraense que é muito rica e interessante.

praias
No interior do Pará, Alter do Chão guarda belezas incríveis

7. Praia do Tambaba (Paraíba)

 Conhecida por ser uma das praias mais bonitas do Brasil, Tambaba também é famosa pelo fato de ser uma praia de nudismo. Quem quiser pode conhecer o lugar sem tirar a roupa, também pode, existe uma área que os turistas vestidos podem visitar sem invadir a privacidade dos naturalistas.

praias
Com roupa ou sem roupa, conhecer a Praia do Tambaba é uma ótima opção

8. Praia Ponta Negra (Rio de Janeiro)

 Próxima a Paraty, Ponta Negra é uma das belezas quase que intocadas do Rio de Janeiro. Para chegar a praia é necessário fazer trilha, ou ir de barco. A praia é bem pequena, e o máximo que você encontrará por lá é um bar de beira de praia. O rio que corta a trilha dá uma das mais lindas paisagens do lugar.

praias
Uma das pérolas do Paraty: Ponta Negra (foto: Álvaro Rodrigues)

9. Praia Grande (Paraná)

 Diferente da praia de São Paulo, a Praia Grande que fica na Ilha do Mel, no Paraná, é uma das mais bonitas, tranquilas e vazias da região. Suas águas calmas e areias fofas são ótimos convites para quem passa por lá. Para chegar no lugar é necessário, fazer uma trilha, mas nada que um pouco de coragem não resolva.

praias
Com uma linda faixa de areia branca e fofa é uma das praias mais vazias da Ilha do Mel

10. Praia da Barra do Cahy (Bahia)

 No extremo sul da Bahia, perto de Cumuruxatiba, está a Praia da Barra do Cahy. A praia é conhecida por ser o lugar que Nicolau Coelho, navegador português, desembarcou ao chegar no Brasil. A praia praticamente não conta com estrutura própria, o que a torna ainda mais encantadora e selvagem.

praias
Escondida a Praia da Barra do Cahy é um dos destaques de Prado

Fonte:http://vivaobrasil.com.br/

 

Parque Salto Ventoso – Farroupilha/RS

Parque Salto Ventoso – Farroupilha/RS

Salto ventoso está localizado no município de Farroupilha/RS, uma das cachoeiras mais bonitas do Brasil.

O lugar já serviu de cenário para cenas do filme O Quatrilho (1994) e da mini-série de televisão O Quinto dos Infernos (2002). E não é para menos. São 56 metros de queda d’água que formam uma piscina natural, com o grande atrativo de o visitante poder caminhar por uma trilha para ver a queda d’água por trás. É de deixar qualquer um impressionado!

dsc_0224

dsc_0174

Salto Ventoso

Salto Ventoso

A gruta que contorna a cachoeira tem o formato de meia lua e permite uma visão da queda d’água de diversos ângulos. Passar por trás da água talvez seja o mais interessante!
A trilha de acesso à cachoeira é fácil e não requer maiores habilidades técnicas. Inclusive o trecho que contorna a cachoeira por trás é fácil de ser percorrido. Ao final da trilha, basta descer as pedras para chegar à piscina natural. O mergulho é revigorante.

Salto Ventoso

Salto Ventoso

Para quem gosta de rapel, há duas possibilidades maravilhosas de descidas, uma no seu lado direito, descida composta por trechos positivos e negativos e a outra pela água, descendo em meio à cachoeira.

Caso queira praticar o rapel, entre em contato com a empresa Outdoor Equipamentos.

Salto Ventoso

Salto Ventoso

dsc_0250

Salto Ventoso

Vale também passear sobre as pedras do calmo rio acima. Nem dá para acreditar que um rio com águas tão calmas forma uma cachoeira tão intensa. Mas é preciso ter cuidado ao andar sobre as pedras, pois algumas, logicamente, escorregam.

Salto Ventoso

Informações úteis:

O Salto Ventoso fica cerca de 12km de Farroupilha, sendo alguns quilômetros de estrada de terra;
Procure visitar o local durante a semana para fugir das multidões;
Leve um repelente potente;
No local existem banheiros e também uma loja simples para alimentação, (pagamento apenas com dinheiro).

Valores:

Valor do Parque por pessoa: R$ 8,00 reais;

Crianças de 0 a 5 anos o valor é de R$ 1,50 reais;

Acima dos 60 anos, é cobrado meia entrada R$ 4,00 reais;

Valor da churrasqueira por dia: R$ 10,00;

Contato: (54) 3259-1091

Veja outras fotos do Parque Salto Ventoso

Salto Ventoso

Salto Ventoso

Salto Ventoso

Salto Ventoso

Veja também: I Seminário de Gestão da Escalada de Farroupilha/RS – Brasil

Coordenas Geográficas: 29°17’06.6″S 51°24’43.7″W

Equipe Akatu – Sempre boa para um mundo melhor

Equipe AKATU

Buscamos a essência do nome “AKATU” que vem do tupi e significa, ao mesmo tempo, “semente boa” e “mundo melhor”. Juntamos os seus significados e  colocamos esse pensamento em todas as nossas atividade, com atitudes integras e verdadeira, buscando “semear” a idéia de que um mundo melhor vai nascer das sementes, boas que plantarmos o que identifica a nossa Missão: Semente boa Para um mundo melhor.

A corrida de aventura é uma das nossa paixões, assim como outras atividades esportivas e em meio a natureza, são nossos Objetivos: Participação de eventos esportivos e, corridas de aventuras, divulgação da equipe, apoiadores e patrocinadores, organização e promoção de eventos.

Contato: 

Site: www.equipeakatu.com

Membros da equipe:

Vicente Lima (Atleta)

gervasio-simionato-51

Facebook:Vicente Lima

(54) 9112 5851 (Claro)

(54 8155 9545 (TIM)

Gabriela Munaro Simionato (Atleta)

gervasio-simionato-50

 

Facebook: Gabriela Munaro Simionato

(54) 9174 2915 (Claro)

(54) 8155 9534 (TIM)

Luiz Antônio de Lima (Apoio)

luiz-2

Calendário de Aventura 2017 :

Fevereiro

19/02 – Caminhada Salto Escondido

Março

19/03 – Caminhada 8 Cachoeiras

Abril

09/04 – Caminhada Nova Pádua

27 a 30/04 – Rally Argentina

Maio

21/05 – Caminhada 3ª Légua

Junho

11/06 – Caminhada Fortaleza

16 a 18/06 Expedição Inverno

Julho

16/07 – Caminhada Criúva

Agosto

20/08 – Caminhada Cadeinha

Para maiores informações clique aqui.