A história da Root Rider TV!

Quem é do mundo do Mountain Bike e já participou de alguma edição do Desafio dos Rochas, certamente já ficou ansioso aguardando o Release Oficial do evento da produtora Root Rider TV.

Release Oficial Desafio dos Rochas 2017 / Créditos: Root Rider TV

Foi ali no Desafio dos Rochas de alguns anos atrás que conheci o videomaker Daniel Rischbieter, proprietário da Root Rider TV. Ele é natural de Floripa e atualmente mora em Blumenau, com mais de 14 anos de experiência profissional na área audiovisual, já realizou trabalhos para a ESPN Brasil, Boulder Creek (UK), Bike Channel (IT); além das marcas: Oakley, Explore Canada, Quebec Original, Shimano, Soul Cycles, Cannondale, Specialized, Audax, Niner Bikes, ASW, Free Force…entre outras.

INÍCIO DA CARREIRA

O áudio visual sempre teve uma grande importância na vida de Daniel. Seja buscando descobrir novas bandas, novos estilos musicais ou esperando um novo vídeo de bike sair na internet durante a sua adolescência.

Root Rider TV
Créditos: Rogério Ximiti

“Basicamente começei minha carreira em 2005 com a vinda da World Cup de Mountain Bike para o Brasil. A etapa aconteceu em Balneário Camboriú, fui com amigos para assistir a prova e levei minha máquina fotográfica que também fazia vídeos. Ao final do evento editei um vídeo de melhores momentos, teve uma repercussão muito boa e até consegui vender umas cópias!” brinca Daniel, que a partir desse evento nunca mais parou de investir em novos equipamentos e consequentemente se inseriu no mercado do mountain bike.

CRESCIMENTO PROFISSIONAL

Nesses 14 anos de experiência profissional na Root Rider TV, Daniel já cobriu World Cup e Mundiais de MTB. Viajando para diversos países como África do Sul, Andorra, Escócia, Espanha, Itália…, Portugal e Canadá. Inclusive foi na produção da web série Brazilians Across Quebec em 2016, no Canadá que ele viveu uma de suas melhores experiências profissionais.

“Gravei a Brazilians ao lado dos meus amigos Jonatha Junge e Nataniel Giacomozzi. Foi uma grande oportunidade que ganhamos, desenvolver um trabalho de promoção do turismo de inverno no Quebec usando a bike como tema principal.”

Teaser Brazilians Across Quebec 2016 / Créditos: Root Rider TV

Usando Fat Bikes, que basicamente são bicicletas com pneus especiais para andar na neve, exploraram vários roteiros de aventura, incluindo a travessia de um lago congelado de 32 quilômetros e as emoções do primeiro Campeonato de Dual Slamom para bike na neve.

“Também tivemos uma experiência muito marcante com lobos selvagens. Uma vivência conduzida com guias claro, mas em que podíamos ficar cara a cara com esses lobos e até tocá-los, inesquecível! Acho que poder viver coisas que nunca imaginamos, pela primeira vez aliados com a hipnotizante imensidão branca do Quebec, com certeza foi algo muito marcante!” relembra Daniel.

Atualmente, Daniel trabalha produzindo conteúdo para empresas do ramo do ciclismo. Ele faz cobertura de provas e eventos de Mountain Bike, mas também já captou eventos de corrida como, Mizuno UpHill Marathon e Ultra Trail Run.

Root Rider TV
Créditos: Rodrigo Philipps

CONSUMO DE CONTEÚDO

Hoje em dia a forma como as pessoas consomem conteúdo se modificou. E a popularização dos vídeos, juntamente com o surgimento de plataformas que facilitam a sua distribuição, só contribuiu para isso.

Segundo Daniel, a internet teve um papel fundamental, principalmente na velocidade que a informação é propagada hoje em dia. Não esquecendo a democratização do acesso aos equipamentos de foto e vídeo!

“Com certeza o surgimento de linhas de consumidores profissionais no mercado de câmeras de vídeo teve um papel importante, encorajando pessoas que não necessariamente estivessem no ramo a se aventurar e desenvolver seu próprio caminho.

Qualquer negócio independente do seu tamanho passou a ter acesso a grandes plataformas de mídia digital e atingir milhares de pessoas. Isso gerou uma grande demanda de conteúdo, porém muitas vezes vemos ações desconexas e isoladas, justamente por não haverem profissionais preparados.” explica o vídeomaker.

MAS AFINAL, O QUE FAZ UM VÍDEOMAKER?

O trabalho desse profissional faz parte de todas as etapas do processo de criação de um vídeo, e não somente das filmagens. De forma resumida e precisa, as principais etapas deste processo consistem basicamente em:

Pré-produçãoTem como finalidade o planejamento de todo o projeto.
ProduçãoÉ a parte prática de se criar um vídeo.
Pós-produçãoEdição e finalização do vídeo.

Atualmente, o vídeo tem sido o formato mais usado pelas empresas para divulgar seus produtos; compartilhar conteúdos. E, principalmente, interagir com seus consumidores.

Na maioria dos casos Daniel realiza todas as etapas de um determinado projeto, isso significa uma carga de trabalho imensa. “Muitas vezes pode ser frustrante e cansativo, porém é extremamente desafiador e positivo saber desenvolver cada etapa do processo. Sinto que isso me puxa a pensar em várias esferas diferentes e me torna um profissional mais completo!”

Vale destacar, que independentemente de sua área de atuação, buscar aprofundar cada vez mais os seus conhecimentos específicos é fundamental para que você se torne mais competente e seguro das suas habilidades.

Como o vídeomaker Daniel finaliza, “hoje em dia não importa mais que câmera você tem e sim que ideias você possui!”

Root Rider TV

Conteúdo Outdoor

Atualmente, Root Rider TV trabalha produzindo conteúdo para empresas do ramo do ciclismo. Ele faz cobertura de provas e eventos de Mountain Bike, mas também já captou eventos de corrida como, Mizuno UpHill Marathon e Ultra Trail Run.

Trekking Pico do Tabuleiro

A trilha do Pico do Tabuleiro está dentro do território do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro que é uma unidade de conservação brasileira de proteção integral à natureza, com território distribuído pelos municípios catarinenses de Florianópolis, Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz, Águas Mornas, São Bonifácio, São Martinho, Imaruí e Paulo Lopes.

Com uma área de 84 130 ha, Serra do Tabuleiro é a maior unidade de conservação de proteção integral do estado de Santa Catarina.

Origem: Wikipédia

As montanhas estão chamando e eu tenho que ir.

Essa foi mais uma daquelas pequenas aventuras que, de tempos em tempos, acontece de modo espontâneo. Sem grandes alardes ou planejamentos, bastando apenas um convite curto e grosso.

Durante uma tarde de trabalho no mês passado, entre uma tarefa e outra dos meus plantões, “pipocou” na minha telinha, uma notificação de mensagem.  Pensando eu que se tratava de mais alguma tarefa de trabalho, ao abrir a mensagem, fui surpreendido com um “Vamos subir o Tabuleiro?”. Era o convite do Fábio Almeida, que para quem não sabe, é o cara que faz acontecer o Pedal Nativo (site de cicloturismo e afins).

Sabendo do destino, a data e também quem estaria na empreitada, topei de imediato.

Estava formada então a trupe inédita: Fábio AlmeidaMário Nery e eu.

Sábado, dia 15 julho.

Coloquei o relógio para despertar bem mais cedo do que estou acostumando acordar. O plano era pegar o ônibus bem cedo e encontrar meus camaradinhas em Floripa e de lá, numa curta viagem de carro de pouco mais de uma hora, chegar ao ponto zero que fica junto do maneiríssimo Café do Tabuleiro.

Trilheiros no Tabuleiro

Ao chegarmos ao Café do Tabuleiro, por volta de 11 horas, sem demora, pegamos nossas mochilas cargueiras e entramos na trilha que começa ali mesmo.

A trilha e eu já éramos conhecidos. Em 2015, junto com mais dois amigos, fizemos em quatro dias a duríssima e até então quase desconhecida Travessia da Serra do Tabuleiro. (Quer saber como foi essa empreitada? clique aqui).

Uma longa subida em meio ao bambuzal

A trilha de um modo geral, não apresenta dificuldades técnicas, porém pode surpreender tornando-se um desafio bastante desgastante se a vegetação estiver alta e fechando o caminho. Daí é aquela coisa que só sabe quem já fez um clássico vara mato com uma mochila cargueira nas costas sendo agarrada quase que o tempo todo pelos bambuzinhos infernais.

O lado bom da trilha fechada é que podemos dizer que aproximadamente 80% do caminho está abrigado do sol. Isto é um grande alívio.

O tempo de caminhada varia bastante. Depende além das condições da trilha, do condicionamento físico e da carga que se está levando para o alto. Em média, a subida com cargueiras, leva algo entre quatro e seis horas. Sem carga, acredito que três horas são suficiente para alcançar o topo sem correria.

Iniciamos nossa subida tarde. Passava das onze horas, mas sabendo que tínhamos tempo de luz suficiente para chegar ao nosso objetivo, engatamos uma marcha lenta, pois apensar do inverno estar batendo na porta, o dia estava bastante quente, sendo assim, deveríamos administrar bem o consumo de água uma vez que só existem pontos de captação do precioso líquido no início da trilha.

Backpacker Tabuleiro

A alta temperatura, o peso das cargueiras e as datas de expedição das certidões de nascimento dos membros da trupe, foram as garantias da “sofrência”. Tal situação obrigava que em vários momentos déssemos pequenas paradas para tomar um ar, baixar a frequência cardíaca e beber alguns goles de água, antes que alguém tivesse um troço, ou um treco ou até mesmo um piripaque e com isto, fossemos obrigados a acionar o S.O.S no rastreador Spot. kkkk

Depois de percorrer pouco mais de seis quilômetros, em mais de cinco horas de trilha, o caminho estava abrindo e finalmente estavam superados os mais de mil e cem metros de subida.

Pico do Tabuleiro

Restava ainda por volta de uma hora de luz natural. Aproveitamos para descansar um pouco, comer algo e montarmos o nosso acampamento e logo em seguida, aproveitar um dos momentos altos de nossa pequena aventura de final de semana: um fantástico pôr do sol por detrás da Serra do Tabuleiro.

Camping Tabuleiro

Sob o céu que nos protege

Após apreciarmos uma espetacular viração do dia, a noite prometia ser boa. A ausência de vento e a temperatura agradável, foram a nossa garantia de um jantar saboroso e com um bate papo divertido sentados no chão, sob as estrelas e iluminados pela lua quase cheia.

Depois do momento relax total, e estando todos muito bem alimentodos com um saboroso prato de montanha preparado pelo chef Nery, era chegada a hora de recolher. O cansaço do dia de trilha e o friozinho ameno fizeram a turma dispersar, indo cada um para a sua barraca.

Cozinha de camping

Ainda ficamos de conversa fiada e rindo das câimbras que se manifestavam em alguns integrantes deste fabuloso time de aventureiros.

A noite foi longa, silenciosa e tranquila. Lembro-me de ter acordado algumas vezes com a claridade da lua iluminando a barraca. Nada que me impedisse de ter um bom descanso numa noite impecável no hotel um milhão de estrelas.

Camping Tabuleiro

Domingo, 16 de julho.

Pro dia nascer feliz

Por volta das seis horas, ainda bem escuro, escutei o barulho de um zíper de barraca abrindo e uma movimentação ao redor do nosso acampamento. Era o Mário que foi o primeiro corajoso a sair do conforto do saco de dormir para assistir ao sol nascer.

Após enrolar alguns minutos, e vendo um pequeno romper de claridade, também tomei coragem para sair da barraca. Não estava muito frio.

Serra do Tabuleiro

Calcei minhas botas, peguei minha câmera e fui ao encontro do Mário. Não demorou muito e o Fábio logo se juntou com ao grupo no ponto mais alto para assistirmos o espetacular show de cores que foi o nascer do sol naquela manhã de domingo.

Assim que o sol se ergueu no horizonte, dando-nos bom dia, voltamos ao acampamento para preparar o café e espantar de vez o sono e a preguiça.

Com a cafeína correndo no sangue, tratamos de desmontar o circo e pegar o rumo do nosso caminho de volta.

Pra baixo todo santo ajuda. Or not

A longa caminhada até o Café Tabuleiro, durou mais de quatro horas. O calor, a falta de água e a combinação do peso da mochila cargueira com a descida que parecia interminável, fez com que déssemos algumas paradas para descansar.

Ao chegar ao ponto de água, fizemos uma parada longa para hidratar, mastigar alguns biscoitos e dar uma refrescada. Faltava pouco agora.

Depois de matar a sede e descansar um pouco, demos jeito de fazer aquele esforço final.

Com pouco mais de meia hora, já estávamos novamente no Café Tabuleiro. Colocamos nossas mochilas no carro e fomos rapidamente saborear aquela tão sonhada Coca-Cola gelada e bater papo divertido com o pessoal do café.

Após nos despedirmos do pessoal do Café, seguimos direto para a casa do Fábio, onde ainda rolou um churrasquinho de confraternização. Mas isso já é outra história. kkk

Fim.

Dicas:

– A melhor época do ano é outono e inverno;

– O Café Tabuleiro possui estacionamento seguro ao custo de R$ 10,00;

– Use roupas compridas;

– Leve toda a água que irá precisar;

– A trilha, embora bem nítida, não possui nenhuma marcação. Tenha atenção;

– A trilha exige muito esforço. Esteja bem preparado fisicamente.

Mínimo Impacto

1 Planeje com antecedência sua aventura;

2 Caminhe na trilha;

3 Leve seu lixo embora;

4 Deixe tudo como encontrou;

5 Não faça fogueiras;

6 Respeite a vida selvagem;

7 Seja cordial com outros visitantes.

Veja também outros destinos em Santa Catarina/Brasil

Trekking no Vale da Utopia

Nossas aventuras pelo Vale da Utopia no estado de Santa Catarina – Brasil, foi uma aventura planejada de um ano para o outro, não por ser uma trilha difícil, nada disso, mas por precisar ter um tempo vago para fazer a travessia e poder aproveita-la ao máximo.

Trilhas Vale da Utopia

Existem duas trilhas para se chegar na Praia do Maço (Vale da Utopia), a mais rápida é pela praia da Pinheira e a outra um pouco mais extensa, começa pela Guarda do Embaú.

Como somos aventureiros e gostamos de desafios, resolvemos fazer a trilha mais extensa, uma aventura cercada por belas paisagens e um pouco menos visitada pela maioria das pessoas.

A travessia

Nossa caminhada começou por volta das 9:00 da manhã, quando deixamos nosso carro estacionado na Praia da Guarda do Embaú, saímos dali com nossas mochilas cargueiras nas costas e com vestimentas adequadas para o trekking, isto é, estávamos de bota, calça comprida, manga longa e bandana/chapéu.

Era feriadão de páscoa e todas as pessoas naquela praia estavam aproveitando o dia lindo de sol, lembro-me de as pessoas olharem para nós como se fossemos de outro mundo.

Guarda do Embaú
Trilha Vale da Utopia

De certa forma nós somos de outro mundo mesmo, onde não nos contentamos com a segurança, trabalhar o ano todo só para ter 30 dias de férias, somos de outro mundo, pois queremos ter o máximo de experiências em nossas vidas e chegar na velhice com mais sonhos realizados do que dinheiro no bolso.

Depois de tirar algumas fotos alí na Guarda do Embaú, seguimos a trilha a esquerda da praia até chegar em uma bifurcação, está leva para a Pedra do Urubu, trilha fácil, sem maiores dificuldades para nós, no entanto para pessoas sem preparo físico a trilha pode ser um tanto difícil e exaustiva, lembro de encontrar pessoas pelo caminho reclamando da trilha, que era difícil e íngreme.

Seguimos até o cume da Pedra do Urubu, ao chegarmos na base da pedra, tinha umas 15 pessoas em fila, esperando para capturar uma foto. Fiquei um pouco chateado por este fato, esperamos a nossa vez, tiramos umas 3 fotos e retornamos para a bifurcação no início da trilha.

Pedra do Urubu SC
Guarda do Embaú

Dali em diante tínhamos dois caminhos à seguir, um deles seria pela beira do mar e outro seria em meio mata, um caminho muito bem marcado e bonito e o mais legal, não havia ninguém indo naquela direção. Optamos por esse!

Tínhamos uma dúvida em relação a esse caminho, pois como não havia pessoas transitando por ali, pensamos por um momento que a trilha não iria nos levar a lugar nenhum, podia ser muito bem uma trilha que acabasse logo à frente. Mesmo com a dúvida seguimos por ele. depois de uns 10 minutos de caminhada, encontramos uma bifurcação, seguimos para à esquerda e essa trilha nos levou para a Prainha – Guarda do Embaú.

Seguindo pela esquerda na Prainha chegasse ao Vale da Utopia, e se seguir para a direita, chegasse nas piscinas naturais da Guarda do Embaú.

Estávamos perto das 11:00 quando chegamos nas piscinas naturais, o local ali é lindo, sentamos ao lado de uma pedra grande, que proporcionava um pouco de sombra, retirei as botas, a parte de baixo da calça bermuda e me sentei na piscina.

Vale da Utopia
piscinas Vale da Utopia

Essa piscina nada mais é que algumas pedras na beira do mar, onde as ondas quebram em uma parede rochosa, a água respinga pelas pedras e as vezes essa água toda invade a costa, transformando em um grande piscina natural. É preciso ficar atento no local, pois algumas vezes as ondas batem tão forte na parede rochosa que escutamos um grande estrondo, a onda então avança sobre os paredões rochosos e inunda as piscinas, levando tudo que encontra pela frente.

Depois de curtir por cerca de umas 2 horas o local, tirarmos inúmeras fotos, vestimos nossos trajes de “trilheiros”colocamos a mochila nas costas e seguimos pela Prainha em direção ao Vale da Utopia.

Esse trecho entre a Prainha e a Praia Solita se chama trilha Costa de Pedras, como seu próprio nome diz, são muitas pedras gigantes na beira do mar, é necessário cruzar por cima destas pedras por aproximadamente 300 metros.

Ao se chegar em terra firme já estamos praticamente no começo da Trilha do Vale da Utopia. A visão desse ponto, podemos ver ao longe o costão de pedras que cruzamos e também o local das piscinas naturais.

Trilha Vale da Utopia

Trilha do Vale da Utopia

A trilha do Vale da Utopia começa exatamente neste ponto, começamos a subir um morro gramado em uma estrada bem demarcada que atravessa alguns potreiros, onde podemos ver muitas vacas e bois.

Ao começar a descer já temos a visão da Praia do Maço, conforme vamos nos aproximando já encontramos muitas pessoas com barracas armadas e curtindo o dia ali.

Era hora de escolher um local legal para acampar, olhamos alguns locais e encontramos um onde não havia ninguém ao nosso redor. Isso possibilitaria maior tranquilidade para nós, pois sabíamos que, o Vale da Utopia em si tinha deixado de ser um local de contemplação e tinha se tornado uma grande área de festas para as pessoas.

backpacker Vale da Utopia
Vale da Utopia

Depois de montar a barraca, organizar os equipamentos dentro, resolvemos descer até a beira da Praia do Maço. Ao chegar encontramos um barzinho que oferecia lanches, pasteis, café, refrigerante, cervejas e caipirinhas.

Pedimos uma caipira e ficamos ali curtindo o pôr do sol sem nenhuma pressa, o fim de tarde estava maravilhosamente perfeito, o clima estava agradável, capturei algumas imagens e voltamos para o nosso local de acampamento.

Bar Vale da Utopia
Vale da Utopia
Sunset Vale da Utopia

Estava quase escurecendo quando começamos a fazer o jantar, eu era o cozinheiro da rodada..kkk. O cardápio era massa com molho vermelho e calabresa, depois de algum tempo o jantar estava pronto, jantamos sob um céu limpo e cheio de estrelas brilhantes. Características estas de um hotel 1 bilhão de estrelas que só quem acampa entenderá.

Logo descemos até o barzinho novamente, dessa vez apenas para lavar a louça em uma pia improvisada ao lado do bar.

A noite estava realmente especial, pois além das estrelas brilhantes, podíamos ver a lua cheia, que clareava todo o Vale da Utopia, nem precisávamos usar as lanternas para encontrar nossa barraca na volta.

barraca Vale da Utopia

Ficamos um bom tempo ali olhando as estrelas e conversando, fiz algumas imagens noturnas e fomos dormir, afinal queríamos acordar cedo para ver o nascer do sol.

Nascer do sol no Vale da Utopia

Pulei do Saco de dormir as 5:30 da manhã, abri a barraca e olhei para fora, o dia estava limpo, ainda estava um pouco escuro, estava um pouco frio, mas nada com o que se preocupar.

Conforme foi passando o tempo o céu começou a ficar muito colorido, com cores amareladas, alaranjadas e avermelhadas muito vibrantes. É difícil descrever momentos assim, mas posso dizer que foi um dos mais lindos nascer do sol que já presenciei na vida.

Sunrise Vale da Utopia
Vale da Utopia

Quando o sol realmente apareceu no horizonte estávamos felizes e agradecidos ao mesmo tempo, consegui captar algumas imagens interessantes desse nascer do sol incrível.

Vale da Utopia

Conforme o sol ia subindo, nós arrumávamos os equipamentos dentro das mochilas, desmontamos a barraca, colocamos a mochila nas costas e seguimos a trilha que leva até a Praia da Pinheira.

Vale da Utopia

No meio do caminho existe um pequeno mirante, onde podemos ver a praia de cima e boa parte da orla da pinheira, lugar muito legal, com uma bela vista.

Vale da Utopia

Dali em diante seguimos o caminho marcado e chegamos até a beira da praia da Pinheira, colocamos as mochilas na areia e ficamos ali só curtindo um pouco.

A praia da Pinheira é um local belo, mas bem movimentado, para quem gosta de nadar ou se refrescar nas águas do mar pode ser uma boa alternativa, pois não há ondas nessa praia.

Praia da Pinheira

Depois de aproximadamente umas 2 horas, colocamos a mochila nas costas e seguimos para a Guarda do Embaú, dessa vez seguindo o caminho pela estrada, basicamente caminha-se 5 km, neste caminho podemos ver inúmeras pousadas, hostels em meio a natureza.

Ao chegar no nosso carro, ficamos felizes por completar mais essa aventura, pois a melhor coisa de todas as aventuras que fazemos é poder ir e voltar em segurança.

Se curtiu esse relato, deixe um comentário, curta nossa página no Instagram e Facebook e não deixe de compartilhar essa aventura com seus amigos.

Morro Cambirela

Morro Cambirela

Morro do Cambirela localiza-se no município de Palhoça/SC, o morro faz parte de um conjunto de montanhas pertencentes ao Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, sendo esse parque a maior unidade de conservação de proteção integral do estado de Santa Catarina – Brasil.

O Morro do Cambirela situa-se próximo a BR – 101, uma montanha que eleva-se a um pouco mais de 900 metros de altitude em relação ao nível do mar.

Temos uma certa incerteza sobre essa altitude, pois tanto no google maps quanto no wikiloc é mostrado dois cumes com o nome Cambirela (na trilha que fizemos chegamos a aproximadamente 915 metros (medição com aplicativo Wikiloc) e 927,9 metros de altitude (medição com GPS Garmin etrex 20).

Fui pesquisar mais afundo sobre essa isso e consegui encontrar respostas para essas dúvidas sobre a real altimetria no plano de manejo do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro.

O Plano de manejo diz que o Pico do Cambirela situa-se a 1.043 metros de altitude e o Morro Cambirela a 900 metros aproximadamente. Todos estes locais fazem parte de um complexo formado pelo Morro do Cambirela, serra do Tabuleiro e serra do Capivari que apresenta altitude máxima de 1.270 metros a nível do mar.

Do alto do Morro do Cambirela é possível avistar a grandiosa ilha de Florianópolis de norte a sul e uma boa parte da Serra do Tabuleiro.

Trilhas para o cume

Sabemos da existência de aproximadamente 3 trilhas que levam ao cume do Morro do Cambirela, algumas são mais difíceis e técnicas que outras, mas todas tem algo em comum, o fato de serem perigosas e com longos trechos de inclinação.

Morro Cambirela
Atualmente existem três trilhas de acesso ao Morro: Ascensão pela Trilha 1 (Via aresta Leste, voltada para a BR-101); Trilha 2 (Via aresta Noroeste, ou cachoeira seca); e Trilha 3 (Ascensão pela via que é voltada para a BR-101 ao norte, conhecida também como via das Antenas).

Trilhar estes caminhos não é para todas as pessoas, pois é necessário ter um ótimo preparo físico, não sofrer com problemas em articulações ou cardiovasculares, não é recomendado também para pessoas que sofrem de vertigem ou medo de altura.

Relato da experiência

Nossa equipe para a subida do Morro do Cambirela era composta por três pessoas, composta por Edson Maia (navegador), Marilise Schuh e Luís H. Fritsch (Fotógrafo).

Morro Cambirela

Escolhemos percorrer a trilha 1 (mapa acima), está é um pouco mais fácil que as outras segundo nosso amigo Edson, pois a subida é realizada progressivamente sem muita dificuldade técnica, em algumas partes da trilha a três sequencias com cordas, mas foi bem tranquilo.

A trilha é bem marcada, mas é necessário o uso de GPS, usamos o etrex – 20 Garmin, muito bom por sinal. Do começo da trilha até o primeiro ponto de água caminha-se aproximadamente 2,2 km (350 m de altitude) a trilha é fácil, sem grandes dificuldades, a parte íngreme começa exatamente no primeiro ponto de água da trilha, dali em diante a subida fica cada vez mais íngreme e requer um esforço a mais nas articulações, é como se estivéssemos fazendo uma trilha no parque e de repente vira uma “escalaminhada” (escalada+caminhada).

Morro Cambirela

Vale ressaltar que o local é uma unidade de conservação, então todo o cuidado é pouco, Em toda a região da Serra do Tabuleiro é possível encontrar muitos animais, alguns deles podem ser peçonhentos e muito perigosos para nós humanos.

É comum nessa trilha nos depararmos com cobras do tipo: Jararacas, Corais, cobras Marrons e outros animais. Lembrem-se que nós é que estamos invadindo o território destes animais, por isso precisamos respeitar, estar de olhos abertos e sempre tomando muito cuidado onde colocamos nossas mãos e pés.

O primeiro ponto de observação que temos é no km 2,5 da trilha (500 m de altitude), dali já podemos ter uma dimensão da grandiosidade e da beleza que iriamos contemplar no cume do Morro Cambirela. Nesse ponto fizemos uma pausa de aproximadamente cinco minutos para tomar uma água e comer nosso lanche.

Depois dessa pequena pausa, seguimos adiante como diz um velho ditado, “caminhe como um velho, chegue como um novo” kkk. Essa parte da trilha, o caminho continua íngreme e sem nenhuma área plana para descanso, muitas vezes paramos em algum ponto mais aberto da trilha morro acima.

Há cerca de 2,8 km de trilhas (730 metros de altura) já estamos quase na crista do Morro do Cambirela, como dizem os montanhistas, quase chegando no “falso cume” a visão dali é de tirar o fôlego, conseguimos avistar a grande ilha de Florianópolis e mais algumas praias aos arredores. Deste ponto em diante o caminho fica um pouco mais tranquilo, sem grandes dificuldades.

Morro Cambirela

Caminhar sobre o falso cume é emocionante, pois a trilha percorre uma linda crista, onde temos uma visão grandiosa da Serra do Tabuleiro a Direita e a esquerda o litoral catarinense.

Depois de capturar inúmeras imagens, seguimos para o cume do Morro Cambirela que está a 915 metros de altura (medida capturada usando o aplicativo wikiloc no celular), a distância até o cume é de 400 metros, pode parecer pouco, mas a dificuldade para se chegar lá é algo que deve ser avaliado muito bem pelos participantes da aventura.

Para se chegar ao cume é necessário descer uma encosta rochosa, úmida e muito lisa, ideal usar cordas de apoio (levar junto), depois de mais este desafio superado, ascendemos ao tão esperado cume.

Morro Cambirela

A visão de lá é surpreendente, tivemos uma visão 360 graus, podendo avistar boa parte da Serra do Tabuleiro e inúmeras praias. Ficamos ali um tempo fazendo algumas fotos e depois voltamos para o “falso cume” para almoçar e contemplar melhor o lugar.

Morro Cambirela
Morro Cambirela

A descida foi um pouco mais rápida do que a subida, no entanto com muito mais cautela do que na subida, em um certo trecho da descida encontramos uma cobra Coral verdadeira adulta, por alguns segundos fiquei feliz em poder ver de perto esse animal de cores vibrantes.

A cobra estava enrolada em um pequeno caule de árvore bem na trilha que teríamos que passar, tivemos que esperar alguns minutos até que ela saísse dali para que fosse seguro passarmos.

Morro Cambirela

A Coral verdadeira é uma serpente de pequeno porte. Possui coloração forte e facilmente reconhecida: listrada em preto, vermelho e amarelo.

É uma cobra peçonhenta, ou seja, venenosa. É considerada uma das mais venenosas do Brasil em função da alta toxidade de seu veneno e atinge o sistema nervoso central. Uma vez picada, a pessoa pode morrer caso não receba atendimento médico rápido.

A cobra coral verdadeira é encontrada em matas das regiões sudeste e sul do Brasil. São encontradas também em áreas florestais do Uruguai, Paraguai e algumas regiões da América Central.

Elas vivem em galhos de árvore, folhagens, buracos em tocos em decomposição, debaixo de pedras e buracos no chão.

Depois de alguns minutos continuamos a descer pela trilha, com os olhos ainda mais abertos, precisávamos estar atentos e concentrados onde colocar os pés e principalmente as mão para não ter nenhuma surpresa.

O que levar para o Morro Cambirela

Caso você tenha interesse em percorrer essa trilha, recomendamos usar calçados fechados e confortáveis, camisetas de manga comprida, calça, perneiras para cobra e luvas de couro.

Leve aproximadamente 1,5 litros de água por pessoa, lanches de trilha altamente calóricos, frutas também são bem vindas.

Se você for vegano leia este texto!

Não esquecer de levar kit de primeiros socorros e corda de aproximadamente 20 metros.

A trilha possui inúmeras bifurcações, é fácil se perder nesses caminhos! Recomendamos usar GPS de trilha ou até mesmo contatar um guia experiente para auxiliar tanto na sua subida, quanto na descida.

Lembrando que o cume de qualquer montanha é somente a metade do caminho, a trilha só termina quando você chegar em casa e estiver seguro!

Se você gostou desse relato, deixe um comentário logo abaixo e não esqueça de compartilhar com seus amigos!