Trip Montanha – Sul do Brasil

O Trip Montanha nasceu em 2011, quando o fundador, Cristian Stassun, iniciou uma rede de contatos no Facebook com o objetivo de desbravar Santa Catarina. Segundo ele, o grupo cresceu e muitos interessados em trilhar Santa Catarina eram de fora do estado. Criou-se uma rede muito forte, maior do que as associações e federações do estado, agregando pessoas e destinos do Rio Grande do Sul e do Paraná.

Trip Montanha - Sul do Brasil
Foto: Cristian Stassun
Trip Montanha - Sul do Brasil
Foto: Cristian Stassun

Esse grande grupo chamado Trip Montanha reúne os melhores homens e mulheres das atividades de trekking, hiking, bike, corrida, escalada, canoagem, espeleologia, canionismo e guias de turismo de aventura,  juntos descobrem técnicas, segredos de lugares, promoções de produtos, convites de eventos, novidades em tecnologia de fotografia e montanhismo e, principalmente, fortalecem a amizade entre essa galera toda.

Tenho a honra e o privilégio de fazer parte desse grupo de mais de 700 membros, com grandes feras, alguns engajados inclusive na diretoria das principais entidades de montanhismo do Sul do Brasil: FEMESC, ACEM, AJM, ASGEM e CPM.

Trip Montanha - Sul do Brasil
2° Encontrão Trip Montanha – Alfredo Wagner/SC – Foto: Luís H. Fritsch

O Encontrão Trip Montanha acontece todos os anos e reúne os membros do maior grupo de montanhistas do Sul do Brasil para trocar experiências, compartilhar o amor pela montanha, pelos trekkings e pelos esportes de aventura. São dois dias com atividades, palestras, cursos, acampamento, música ao vivo, boa comida e muita amizade.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Trip Montanha – Sul Brasil (@tripmontanha) em

Realizado esse ano no Cânion Espraiado – Urubici/SC, contou com atividades de rapel com Carlos Eduardo Madona, o Kadu, grande fera do canionismo, da empresa EcoXperiences na incrível Cachoeira do Adão com 90 metros de altura, trilhas pelos cânions, cavalgada, pêndulo com a Natural Extremo  e quadriciclos do Rancho Montanha Urubici. Esse ano o Trekking RS esteve presente no evento, comigo, com o Luis H. Fritsch e o Marcio Masso. Foi simplesmente sensacional!

Os quadriciclos garantiram ainda mais diversão no Encontrão 2018

Trip Montanha - Sul do Brasil

O salto no pêndulo de maior altitude do Brasil, foi realizado pela primeira vez pela empresa Natural Extremo durante o Terceiro Encontrão Trip Montanha realizado nos dias 7 e 8 de julho desse ano.

Veja o vídeo do rapel na Cachoeira do Adão 

O Encontrão Trip Montanha já tem inclusive local e data para a sua 4.ª edição. Será nos dias 6 e 7 de julho de 2019, nos cânions Boa Vista e Amola Faca em São José dos Ausentes, no Rio Grande do Sul.

Trip Montanha - Sul do Brasil
Cânion Boa Vista/RS – Foto: Luís H. Fritsch

Maior pêndulo do Brasil

O maior pêndulo do Brasil em altitude está localizado junto a um dos mais belos cartões postais do estado de Santa Catarina, mais precisamente no Cânion Espraiado, localizado a cerca de 30 quilômetros do centro do município de Urubici em meio a Serra Catarinense.

Sou apaixonada pelo Cânion Espraiado, foi amor a primeira subida… Hehe… e já se vão 11 anos desde então. Lugar de extrema paz e extrema adrenalina ao mesmo tempo! Não me canso de contemplar esse desenho vivo de Deus, no qual ele parece ter esculpido cada borda, cada contorno de montanha e cada leito de rio.

Imagem do Cânion Espraiado durante o Encontrão TRIP MONTANHA 2018

Maior pêndulo do Brasil

Maior pêndulo do Brasil

Entenda como é montado o maior pêndulo do Brasil

Montado de maneira inovadora, o  maior pêndulo do Brasil em altitude é montado com fitas dinâmicas de slackline. O sistema principal e de backup ficam presos em sólidas ancoragens instaladas nas rochas.

O participante salta com duas cordas dinâmicas presas a ele. Estas, por sua vez, ficam presas em uma placa entre os slacklines. As duas cordas ancoradas na cadeirinha do participante são dinâmicas também, isto é, são as mesmas usadas em escaladas. Isso garante maior elasticidade, sendo imperceptível o tranco gerado ao esticar a corda, fazendo com que os corajosos que se desafiam a saltar tenham uma experiência extremamente radical e “suave” ao mesmo tempo! Adrenalina da queda livre sem o tranco das fitas.

Usando equipamentos específicos e com total segurança, a @naturalextremobrasil conseguiu montar esse pêndulo inédito no Brasil, com 80 metros de queda a uma altura de 350 metros do fundo do cânion.

Durante a preparação, vestindo os equipamentos de segurança, até a hora de saltar não senti medo em nenhum momento! Os meninos da @naturalextremobrasil são muito feras! Foi extraordinário ver o Cânion Espraiado de outros ângulos, estar dentro dele, vendo os paredões imponentes de frente.

Veja o vídeo do meu salto

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

De outros ângulos… 🙃❤🏞⛰🤘😜 . E esse foi o maior pêndulo já realizado no Brasil … dentro do Canion Espraiado, esse desenho de Deus que eu amo de paixão!!! . A @naturalextremobrasil montou toda estrutura com highline com toda segurança. Não senti medo em nenhum momento! Vocês são muito feras!!! SENSACIONAL!!! 🙌 . Valeu @rafa.bridi @angelomaragno . @jake_gules @canionespraiado @tripmontanha @naturalextremobrasil @ecoxperiences . #energiavital #amorsempre #tudonoplaneta #canion #vivaintensamente #adrenalinadas #semlimitesaventura #penduradanoplaneta #highline #pendulo #canionespraiado #urubici #santacatarina #brasil #trekkingrs #trilhando #gratidao #naturalextremobrasil

Uma publicação compartilhada por Di Schaldach (@dianneschaldach) em

GRATIDÃO por poder participar!

GRATIDÃO à equipe do NATURAL EXTREMO: Rafael Bridi, Angelo Maragno, Fylipe Weickert, Chico Amorin e André Nabuco.

Caso você tenha interesse em viver essa experiência única, então acesse o site Natural Extremo. Lá você encontra todas as informações sobre a prática dessa atividade radical extrema e extraordinária!

VIVA com a intensidade que a vida merece… PLENA!

Expedição Guaraní 2018

A Expedição Guaraní é uma corrida criada por e para corredores de aventura. Portanto, o objetivo principal da organização do evento foi realizar uma prova técnica e exigente para as equipes líderes, mas também dinâmica e acessível para os mais lentos.

As rotas foram cheias de contrastes, pois percorreram terrenos muito variados, como montanhas, matas, rios sinuosos…na região de Itapúa no Paraguai.

Expedição Guaraní 2018
Créditos: Wladimir Togumi / Adventuremag

“A Expedição Guaraní nasceu em 2014, da ideia de Gustavo Borgognon de fazer uma prova de nível mundial em seu país. Me “associei” a ele e em 2015 foi realizada a primeira edição.” comenta Urtzi Iglesias Mota, diretor técnico da prova.

A Expedição Guaraní é uma corrida de aventura em que diferentes modalidades esportivas são combinadas. Mountain bike, trekking, caiaque e orientação foram as principais na EG 2018.

Expedição Guaraní 2018
Créditos: Wladimir Togumi / Adventuremag

Os participantes percorreram cerca de 450 quilômetros em alguns dos locais mais bonitos do Paraguai durante os dias 9 e 15 de abril. Navegaram por rios sinuosos; embora o país não tenha montanhas altas, eles chegaram a alguns dos picos mais altos do Paraguai. Pedalaram e correram centenas de quilômetros por trilhas e estradas de areia e lama; e escalaram locais de uma beleza surreal.

Expedição Guaraní 2018
Créditos: Agatha Bodeva Aguirre

A competição se iniciou na segunda-feira pela manhã e as equipes tiveram até a sexta à noite para cruzar a linha de chegada. Não houve parada obrigatória durante o percurso, as próprias equipes que gerenciaram os momentos de descanso.

Expedição Guaraní 2018
Créditos: Agatha Bodeva Aguirre

Após cerca de 81 horas a equipe Columbia Montrail cruzou a linha de chegada se sagrando campeões na categoria Expedição. A mesma foi composta pelo casal brasileiro Camila Nicolau (32) e Guilherme Pahl (37), pelo inglês Nick Gracie e pelo espanhol Jon Ander Arambalza (40).

Expedição Guaraní 2018
Créditos: Wladimir Togumi / Adeventuremag

Há 15 anos participando de corridas de aventura a diretora da Oficina Multisport Assesoria Esportiva, Camila Nicolau comenta “Sempre pratiquei esportes ao ar livre e a corrida de aventura me cativou, pois é um esporte que vai muito além do preparo físico, exige trabalho em equipe e estratégias muito complexas.”

O dia a dia do casal Camila e Guilherme é bastante corrido, mas como não possuem horários e rotinas fixas, trabalham online na maior parte do tempo e treinam de acordo com a rotina do bebê Kilian.

Mamãe recentemente do pequeno Kilian de apenas 8 meses, Camila define a maternidade como uma verdadeira corrida de aventura. “Tem privação de sono, convívio intenso, alimentação, hidratação…são novos aprendizados a cada dia. É uma relação que com o passar do tempo fica mais gostosa e cheia de amor. Por um tempo me questionei quando conseguiria emocionalmente voltar às corridas de aventura e para essa prova achei que não estaria preparada.”

Expedição Guaraní 2018
Créditos: Wladimir Togumi / Adeventuremag

Antes da largada Camila estava bem triste e pensando em como seriam os próximos dias longe do Kilian, mas após a largada a atleta focou em ser o mais veloz possível para chegar logos nos pontos em que iria revê-lo. “Aqueles 10 minutos com ele nas áreas de transição eram como um pratão de comida, me enchia de energia novamente para continuar!” relembra emocionada a mamãe.

Camila e Guilerme são parceiros em tudo: no amor, nos sonhos, no trabalho, no lazer. “Me sinto afortunado por não precisar tentar traduzir em palavras minhas experiências para a Cami; apenas vivemos juntos e compartilhamos a mesma visão do mundo. Ainda assim me emocionei ao vê-la de volta ao jogo depois da maternidade. Kilian chegou para cuidar da mamãe e do papai, colocou a competitividade sob nova perspectiva e nos motivou a chegar mais rápido na linha de chegada para encontra-lo!” comenta Guilherme emocionado.

Expedição Guaraní 2018
Créditos: Agatha Bodeva Aguirre

Correndo pela primeira vez com essa formação de atletas, a sintonia da equipe Columbia Montreal foi incrível, o trabalho de equipe foi impecável e essencial para que Camila pudesse ficar um pouco mais com o Kilian. “A prova fluiu muito bem com o Gui e o Nick dividindo a navegação, eles foram impecáveis transmitindo segurança o tempo todo e muita precisão. Os trechos também foram bem equilibrados e dinâmicos então curtimos a prova do início ao fim.” relembra Camila.

Expedição Guaraní 2018
Créditos: Agatha Bodeva Aguirre

“A Expedição Guaraní 2018 se destacou por sua rota técnica, belas paisagens e seu povo amigável/feliz – os corredores também destacaram a qualidade dos mapas. Como nos anos anteriores, os melhores serviços foram oferecidos em uma das corridas mais econômicas do calendário do Circuito Mundial de Corridas de Aventura.” Finaliza Urtzi Iglesias Mota, diretor técnico da prova.

Desafio dos Rochas 2018

Pomerode conhecida como a cidade mais alemã do Brasil foi palco (mais uma vez) do Desafio dos Rochas que ocorreu nos dias 21 e 22 de abril e reuniu 1.150 ciclistas de 10 estados brasileiros e de 3 países Uruguai, Portugal e Canadá.

Desafio dos Rochas 2018
Foto: Monique Renne

A prova foi dividida em 3 circuitos:

  • Pró – 98,6 Km com 3.000 m de altimetria (aproximadamente) e 6 trilhas;
  • Sport – 64 Km com 1.400 m de altimetria (aproximadamente) e 5 trilhas; e
  • Amador – 31,8 Km com 560 m de altimetria (aproximadamente) e 1 trilha.

No Desafio dos Rochas, são testados todos os teus limites físicos e psicológicos. Os atletas enfrentaram trilhas técnicas, descidas e subidas íngremes, sol escaldante, empurra bike – variando conforme o preparo físico do ciclista…entre outros obstáculos. O evento é considerado uma das provas de Mountain Bike mais difíceis do Brasil.

Desafio dos Rochas 2018
Foto: Cesar Delong I Pedal

A prova é planejada com muita atenção e carinho por toda família Rocha e comunidade de Pomerode. “Muitos amigos adotaram o evento como seu, algo incrível. Todos se uniram em prol de fazer um grande evento que já não é mais só da família Rocha, mas sim feito por uma comunidade apaixonada em receber a todos em sua grande casa chamada Pomerode.” destaca José Carlos, membro da família Rocha.

Desafio dos Rochas 2018
Foto: Cesar Delong I Pedal

Ao final de cada edição do Desafio dos Rochas a organização se atem a ouvir as sugestões/dicas dos ciclistas para as próximas edições. Ano passado, infelizmente o clima (chuva) deixou algumas trilhas muito técnicas e diversos trechos viraram empurra bike. Independentemente do clima algumas trilhas estavam difíceis até para os atletas da elite.

Nesse ano os circuitos foram remodelados e novas trilhas surgiram. Diferente da edição anterior as trilhas estavam muito mais limpas e fluídas, deixando a prova mais rápida segundo o feedback  de diversos atletas.

Desafio dos Rochas 2018
Foto: Cesar Delong I Pedal

Outra grande modificação foi trazer à prova de volta para o Teatro Municipal de Pomerode no centro da cidade. Isso agradou muito os atletas e seus familiares que puderam curtir muito mais a cidade mais alemã do Brasil.

Além de todos os atrativos da cidade e do evento, ao longo do final de semana o público pode participar de diversos bate-papos e whorkshops com grandes atletas como Lucio Otávio (Audax Team), Francisco Rotta Muller, Luana Machado, entre outros.

Desafio dos Rochas 2018
Foto: Cesar Delong I Pedal

“É recompensador ver a quantidade de novos amigos que criamos nesta jornada, ver como a cidade e comunidade tem aceitado o evento e os ciclistas, ver as famílias unidas no evento. Levar um pouco da nossa tradição alemã para os vários cantos do Brasil e poder mostrar as belezas escondidas da nossa cidade para o Brasil e o mundo.” Porém, José Carlos Rocha ressalta que tudo isso só é possível graças a ajuda de parceiros que acreditam no evento, a família e amigos que se unirão para fazer deste um grande evento.

No link abaixo um pouco do que rolou no 6º Desafio dos Rochas, produção de Root Rider TV.

Trilha Limpa

O Projeto Trilha Limpa foi criado em 2017 com o seguinte propósito: retirar a maior quantidade possível de lixo das trilhas e conscientizar as pessoas sobre a importância desse ato. Praticantes de esportes ao ar livre se deparam com uma quantia enorme de resíduos – garrafas PET, latas de alumínio, vidro, plástico, papel, entre outros – e na maioria das vezes não tomam nenhuma atitude a respeito.

O idealizador do projeto Lucas Ferreira, decidiu aliar a prática do trekking com algo que trouxesse benefícios para o meio ambiente. Eis que, incomodado com o lixo presente nas caminhadas que praticava, deu início ao que mais tarde se tornaria o Projeto Trilha Limpa. A atuação do projeto é principalmente na cidade de Caxias do Sul – RS e região.

Trilha Limpa

Funciona da seguinte forma: em todas as trilhas é utilizada uma mochila cargueira para transportar os sacos de lixo cheios, recolhidos em todo o percurso. Ao final da trilha é feita a pesagem total de lixo e os valores são computados, para fins de controle. O destino dos resíduos são contêineres seletivos, mas já está sendo estudada a possibilidade de reciclagem de alguns materiais para seu reaproveitamento!

Trilha Limpa

A filosofia do Projeto Trilha Limpa é: “Tire apenas fotos, deixe apenas pegadas”. Cuide da natureza hoje para que as gerações futuras possam viver de forma saudável e com qualidade de vida. Faça a sua parte, ainda dá tempo!

Trilha Limpa

Se interessou pelo projeto? Quer participar? Você pode fazer parte do Trilha Limpa praticando seu esporte de aventura! Recolha o lixo que você encontrar e mande seus resultados! Entre em contato via Instagram ou pelo Facebook.

Ultramaratona Brasil 2018

Ultramaratona Brasil 2018

Nos últimos dias 17 e 18 de março foi realizada a Ultramaratona Brasil, na cidade de Caieiras – SP, com as modalidades 3, 6, 12 e 24 horas.

Ultramaratonistas de todo Brasil participaram dessa competição que teve como padrinhos os atletas Luciano Prado, recordista sul – americano da corrida 48 horas em pista, e Angélica Almeida, atleta olímpica e duas vezes vice-campeã da São Silvestre.

Foi uma prova organizada por ultramaratonistas para ultramaratonistas, ou seja, organização impecável e preocupada com os atletas, feita por Analu Shiota (atleta da seleção brasileira que participou do mundial das 24 horas no ano passado), Marcos Paulo Espírito Santo (ultramaratonista que também representou o Brasil em Mundiais) e Mariano Moraes (ultramaratonista e técnico da seleção).

A ultramaratona foi realizada na pista de atletismo do Ginásio de Esportes da cidade de Caieiras – SP – Estádio Carlos Ferracini.

O objetivo de uma ultramaratona desse estilo é percorrer a maior distância possível, no caso, o maior número de voltas na pista de 400 m, no tempo estipulado (3, 6, 12 ou 24 horas), dependendo da modalidade escolhida pelo atleta.

Ultramaratona

Tive o privilégio de participar dessa ultramaratona na modalidade 24 horas junto com grandes ultramaratonistas. Foi sensacional correr ao lado de atletas que eu só via e admirava pelas redes sociais e conhecer tantos outros que passei a admirar também.

O início dos treinos

A ideia já existia. Mas, para mim, tudo começou pra valer com um treino desafiador: correr de Blumenau a Itapema numa sexta-feira à noite depois do trabalho. O desafio foi proposto pelo treinador e ultratriatleta Daniel de Oliveira Rodrigues e por seu aluno e nosso parceiro de corridas Adilson Hertel. Aceitei!

Mochilas de hidratação preparadas, alimentação, vaselina sólida e pomada para evitar assaduras e bolhas nos pés… lá fomos nós. Saímos por volta de 22h00 da academia do Daniel, a Clínica Wellness, no centro de Blumenau. Planejamos duas ou três paradas em postos para tomar algo gelado e eventualmente comer alguma coisa extra ou ir ao banheiro.

Nossa primeira parada para alimentação foi por volta da meia noite em frente a um posto, que estava fechado. Comemos um pouco do que levamos e seguimos correndo. O Daniel ainda estava com fome e então paramos em um “cachorrão”, já em Gaspar. O Adilson e eu não quisemos comer, mas nós três bebemos uma cerveja. Hidratar com alegria também é importante! rsrs…

Seguimos correndo… saindo de Gaspar, passamos por Ilhota, até chegar na BR-101 em Itajaí um pouco antes das 3h00 da manhã. Paramos em um posto para banheiro e hidratação.

Seguindo pela BR-101, passamos por Balneário Camboriú quando começava a amanhecer. Paramos em mais um posto para ir ao banheiro. Os meninos comeram alguma coisa e eu tomei um café.

Por volta das 6h00, 6h30 estávamos subindo o Morro do Boi e logo pudemos contemplar aquela vista maravilhosa do mar de Itapema. Seguimos correndo até pouco depois do Posto da Polícia Rodoviária Federal, já em Itapema, onde completamos 72 quilômetros um pouco antes das 7h00 da manhã! Comemoramos felizes nosso feito brindando com um merecido caldo de cana bem gelado!

Mas, queríamos chegar até a praia. Nossos relógios já estavam sem bateria. Seguimos andando pelo acostamento da BR-101, quando uma amiga nossa, a Taíse, seu marido Marco e a filha deles, a Rafaela, passaram por nós buzinando e pararam logo a frente. Foi muito massa nos encontrarmos! Eles nos deram uma carona até à praia e seguiram sua viagem para Zimbros.

Foi um dos melhores banhos de mar da vida! Depois de passar uma noite inteira correndo, entrar naquele mar tinha sinônimo de recompensa, de alegria e de missão cumprida!

Misturamos, num único momento, as três melhores fontes de água e sal: suor, mar e lágrimas!

Ultramaratona

Completado esse desafio, tive a certeza de que poderia participar da prova na modalidade 24 horas.

Treinos intensos

Dali em diante, treinos longos praticamente todos os dias. Naquela semana seguinte ao desafio ainda não tão longos em razão do longão de 72km do final de semana.

Mas, nas duas semanas posteriores, as mais intensas, corri o acumulado de 380km. Foram treinos de 20km a 30km por dia, sendo que nas sextas-feiras, depois do trabalho, fiz uma maratona em cada uma delas. Começamos os treinos das sextas-feiras com o grupo de corrida da Wellness às 20h00 e depois continuamos correndo até completar os 42 quilômetros. Por incrível que pareça para a maioria, foi divertido demais!

Tiveram dias que tive que madrugar pra dar conta de cumprir os treinos. Contratempos de horários que me fizeram correr 25km das 4h20 às 6h45 da manhã. Outros que me fizeram dividir um treino de 30km em 15km matutinos e 15km noturnos. Treinos que corri quase a cidade toda e treinos que rodamos em circuito. Treinos no sol de rachar e treinos debaixo de chuva. Cada um deles fez parte dessa prova. Aproveitei cada um dos treinos com toda minha energia! Corpo e mente presentes o tempo todo!

Ultramaratona

Ultramaratona

Até que chegou a tão esperada semana da prova, com treinos mais curtos só até na quarta-feira.

Preparativos finais

Começava o frio na barriga… ansiedade e nervosismo por uma prova de tamanha importância.

Preparativos a mil: tênis, meias, roupa, viseira, alimentação, hidratação, caixas térmicas, kit primeiros socorros para unhas, eventuais bolhas e assaduras; lençol, travesseiro e toalha para ficar no alojamento da prova e barraca para termos um local para colocar tudo que precisávamos na beira pista.

Ultramaratona

Sexta-feira, 16-03, chegou o dia da viagem! Fomos em três no meu carro, revezando a direção, de Blumenau – SC até Caieiras – SP. A viagem foi bem tranquila e fomos os primeiros atletas a chegar. Um pouco depois chegou nosso amigo de Florianópolis, Cleverson Pohlod, que foi de avião até São Paulo. Arrumamos nossas coisas, deixamos a barraca montada e pegamos os kits da ultramaratona.

Ultramaratona

Logo depois saímos para jantar ali por perto e voltamos para o alojamento. Era uma sala grande com vários colchões onde ficamos com vários outros atletas.

Ultramaratona

Chegou o dia Ultramaranona Brasil 24 horas

Sábado, 17-03, chegou o tão esperado dia.

Fui tomar um banho e fazer meu café da manhã na cozinha do alojamento.

Os meninos foram tomar café numa padaria e comprar gelo para nossas caixas térmicas.

Logo que chegamos na pista, encontramos um dos maiores ultramaratonistas do Brasil, Urbano Cracco, que estava com sua esposa Mine Mizuno, com uma tenda ao lado da nossa barraca. Super simpáticos e queridos. Foram sensacionais conosco! Prazer imenso em conhecê-los!

Preparei os pés com vaselina nos dedos para evitar bolhas, passei pomada para assaduras por baixo das costuras do top e da bermuda, protetor solar, uma última ida ao banheiro e chegou a hora de ir pra largada.

Toda ansiedade e nervosismo ficaram para trás. Estava feliz demais e com um sentimento de serenidade, amor a gratidão! Amor pela corrida, pelo movimento do corpo e paz da mente, pelo dia lindo que estava… por tudo a minha volta! Gratidão por poder correr, por estar ali!

Ultramaratona

Largamos! A corrida fluía tão espontânea… tão natural… não fazia força… Pensei: “devo estar muito devagar”. Conferi meu relógio e estava mais rápido que o programado: pace de 5:30. Fiquei ainda mais feliz! E assim segui entre 5:30 e 6:00 nos primeiros 30km.

Perto das 13h00 a organização serviu massa para os atletas. Peguei meu potinho e garfo na beira da pista e segui andando e comendo. Parei para ir ao banheiro e logo voltei a correr.

O calor era intenso! Sol sem trégua!

O melhor “refresco” foi quando a Mine me ofereceu uma garrafa de água da torneira do campo de futebol para jogar na cabeça… que maravilha!

Ultramaratona

No meio da tarde apareceram umas nuvens de trovoada. Parecia que teríamos um alívio no calor e uma chuva pra refrescar. Mas, as nuvens se foram sem derramar uma gota sequer. E o sol voltou com tudo! Naquele momento já com um ritmo um pouco mais lento, mas seguia correndo bem e feliz!

No início da noite serviram um purê de batata delicioso. Ah, e nessa hora tinha energético também. Bom demais! Mas nada de parar!

Além da alimentação da prova, procurei me alimentar a cada hora e me hidratar de meia em meia hora mais ou menos. Teve até Heineken geladinha que deixamos nas nossas caixas térmicas! Hidratação da alegria… hehe… Mas só um golinho. E mais água!

Ultramaratona

Chegadas as primeiras 12 horas de prova: 22h00 e a primeira meta estava cumprida! Fazer 100 km até metade da prova. 101 km! Estava transbordando de felicidade e gratidão! Fiz uma parada para ir ao banheiro, trocar as meias e passar mais vaselina nos pés e pomada pra assaduras nas costuras do top e bermuda. Bebi suco de jabuticaba com água de coco e voltei pra pista.

O calor deu lugar a um ar fresco maravilhoso. A música na tenda da organização estava animada! Durante quase toda a noite os incansáveis staffs da prova dançavam ao lado da pista nos transmitindo toda energia possível. Foram sensacionais!

Por volta de 1h30 da manhã teve sopa de legumes. Mesmo esquema: potinho da mão e comendo na pista. Nada de parar!

Depois, durante a madrugada, não conseguia nem pensar em comer… mas sabia que precisava de alguma caloria… Nessas horas foi perfeito o “toddynho” que levei… hehe… uma bebida de cacau com whey sem lactose, parecido com um achocolatado mesmo. Foi ótimo!

Mais tarde o corpo pedia algo salgado. Foi a hora de parar pra fazer um pão com salame e queijo defumado! E um gole de Heineken pra acompanhar! Energias renovadas, mais água, mais suco e segue a prova.

Quando estava começando a amanhecer, troquei a camisa por uma seca e fiz uma liberação na musculatura da coxa que começava a dar os primeiros sinais de que precisava de atenção. Mais vaselina e “bora” pra pista (Obrigada, Jucian, pelo empréstimo do rolinho de massagem!)

O amanhecer foi extraordinário! Depois das cores do degrade, surgiu um céu azul, limpíssimo! Alguma voltas depois, já estavam servindo um café na tenda da organização.

O calor voltou com tudo! A lateral da coxa gritava! Mas em nenhum momento pensei em parar. Fiz algumas voltas caminhando… voltei a correr… colocava gelo por dentro da lateral da bermuda e bora lá!

Por fim, já estávamos quase todos caminhando e trocando experiências a cada volta. Alguns já tinham parado. Eram quase 10h00 quando combinamos todos de seguir caminhando juntos para a chegada da última volta das 24 horas. Quanta emoção!!! Completar a ultramaratona com tanta energia e alegria… não tenho palavras…

UltramaratonaUltramaratona

Que privilégio! Aprendi muito e me diverti muito também! Corri feliz e energizada! A energia de todos que torceram, de perto, e de longe, foi demais! Agradeço muito.

Minha meta pessoal, além do índice para o intercontinental (155km), era completar 166km (dobro do que fiz na Alemanha ano passado quando estava lesionada). Feliz demais por ter alcançado!!! Foram 172,6km no total na Ultramaratona Brasil 24 horas!

Ultramaratona

E tive ainda a honra de ir para o pódio como vice-campeã, com o 2.º lugar geral feminino!

Ultramaratona

Gratidão imensa é o sentimento que resume tudo que vivi nessas 24 horas!

Mas não acabava ali… hora de voltar pra Blumenau. Dirigir, mesmo revezando, depois da ultramaratona, não foi nada fácil. Juro que foi mais difícil que correr… hehe… mas fez parte da nossa prova! Foi tudo maravilhoso!

E a organização já está preparando a edição 2019, que será no mesmo local, e promete ser ainda melhor que a desse ano!

Inspire-se!

Frases para inspirar você a sair da zona de conforto!

Compartilhe.

[FinalTilesGallery id=’28’]