Trilha Cânion da Pedra/SC – Brasil

trilha Cânion da Pedra/SC – Brasil

Fomos convidados a participar da trilha Cânion da Pedra, por nosso amigo Luiz Fernando Soares, guia credenciado do Parque Nacional da Serra Geral/SC – Brasil, e proprietário da empresa de Turismo Receptivo Tec Tur, após receber o convite encaminhamos ofício aos diretores do parque, para assim poder relatar, fotografar e fazer filmagens no interior do Cânion da Pedra.

Com todos estes pré-requisitos formalizados, chegou a hora de cair na estrada, viajar até a cidade de Sombrio/SC, onde ficaríamos hospedados no Camping e Pousada Família Lopes, e  no dia seguinte fazer a trilha no interior do Cânion da pedra.

O começo do dia 10 de Janeiro de 2015 foi assim, solo encharcado, céu nebuloso, enquanto abrimos a barraca fomos presenteados com o sol que aparecia de mansinho entre a espessa camada de nuvens.

DSCN4795
Foto: Marcio Basso
DSCN4941
Foto: Luís H. Fritsch

Após tomar um café da manhã especial na Pousada, partimos pela rodovia SC – 449 em direção a Jacinto Machado/SC, localizada a 21 quilômetros da cidade de Sombrio/SC, passamos pelo centro de Jacinto Machado e seguimos por estrada de terra até uma propriedade particular, onde é possível deixar os carros.

A família que cuida do lugar é apoiada pela direção do Parque Nacional da Serra Geral, prestando ajuda aos guias credenciados do parque, oferecendo resgate em caso de emergências e  também cuidam da manutenção da trilha no interior do Cânion da Pedra. A propriedade é o único acesso à trilha que leva ao interior do Cânion, por isso a família cobra uma taxa de cinco reais por pessoa para entrar na propriedade, um valor irrisório, com a finalidade de colaborar com a família local.

O local tem beleza singular, cercada pelos enormes paredões dos cânions, por campos abertos e gramados gigantescos. Estar ali olhando para tudo aquilo, é indescritível, mesmo com o céu nebuloso e com um pouco de neblina sobre os campos, a beleza era fascinante. O lugar é inspirador trazendo muita paz e tranquilidade, quanto mais olhávamos, mais tínhamos vontade de começar a trilha.

DSCN4813
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Marcio Basso
DSCN4953
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch
DSCN4807
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Marcio Basso

Antes de nos aventurar pelas trilhas do Cânion da Pedra, caminhamos dentro da propriedade em direção a trilha, o guia que estava conosco parou, fez todos se alongarem, explicou os pontos que deveríamos prestar atenção na trilha e nos cedeu polainas protetoras contra picadas de cobras e animais peçonhentos que poderíamos encontrar no decorrer da trilha. As Polainas são de uso obrigatório em trilhas dentro dos Cânions. Também, passou outras instruções de como caminhar e colocar o pé sobre as pedras lisas da maneira mais segura possível, comentou um pouco sobre o uso dos bastões de caminhada em trilhas e por último, disse que era bastante precavido perante a segurança de cada um, iria ser chato algumas vezes, mas isso seria importante para uma trilha bem sucedida.

DSCN4956
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch

Depois de todas as instruções recebidas, era hora de por em prática todas as instruções e começar a trilha que teria duração de 8 horas, sendo boa parte dentro do rio. As condições para essa trilha eram médias, pois havia risco de chuva, o leito do rio já tinha subido em torno de 60 centímetros na noite passada, então seria uma trilha complicada, teríamos que ter atenção redobrada e muito cuidado onde colocar o pé, pois a formação rochosa no local é formada por pedras redondas, isso impede boa parte da estabilização do solado do calçado. Com o rio um pouco acima do normal, certamente as pedras estariam boa parte encobertas pela água, isso aumenta muito o risco de quedas durante a trilha dentro do rio.

Na primeira parte da trilha, andamos entre a mata nativa atravessando pequenos córregos e plantações,  parte que exigia bastante equilíbrio e tração, pois a trilha era completamente escorregadia. Parávamos muitas vezes para ajudar os outros caminhantes a transpassar algum obstáculo, evitando assim deslizes durante o trajeto.

DSCN4847
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Marcio Basso
DSCN4976
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch
DSCN4966
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch

Após concluir essa primeira parte, chegamos ao Rio Pai José, sentamos nas pedras em torno do rio para a primeira parada de descano. Nesse momento começamos a entender porque essa trilha é uma das mais difíceis do Parque Nacional da Serra Geral. Muitas vezes eramos obrigados a nos segurar em árvores e até caminhar de quatro em alguns pontos pois estava muito escorregadio, o terreno se apresentava muito lamacento e encharcado.

DSCN4996
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch
DSCN4998
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch

Uma das coisas que mais me chamou a atenção foi a qualidade da água que corria pelo rio, era incrivelmente cristalina, muito gelada. O guia nos disse que podíamos abastecer nossas garrafas de água sem nenhum problema, uma vez que a água é 100% potável.

Acredito que caminhar em um lugar como esse, com uma beleza intacta e ainda poder desfrutar da água é uma experiência que todo mundo deve ter um dia, essa é uma boa história para contarmos às gerações futuras.

DSCN5055
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch

Prosseguindo, continuamos a subir o rio, de fato as pedras eram muito escorregadias, fazíamos correntes humanas para atravessar de um lado a outro do rio, evitando algum tombo por parte dos caminhantes. Caminhamos por um bom tempo até chegar ao primeiro poço, este possui profundidade de sete metros. Nessa altura da trilha já era praticamente meio dia, retiramos os lanches da mochila, compartilhamos uns aos outros os alimentos, alguns resolveram dar um mergulho no poço e aproveitar a água cristalina para relaxar um pouco.

DSCN5004
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch
DSCN5012
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch
DSCN5028
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch
DSCN5024
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch

Após a parada para almoço e relaxamento nas águas geladas do Cânion da Pedra, continuamos a subir, a cada passo a dificuldade ia aumentando, as pedras do rio e as quedas de água eram maiores, mais intensas, fazendo a gente caminhar com mais cautela. Conforme íamos contornando os obstáculos que surgiam a nossa frente, a trilha nos fazia ter a certeza que estávamos de fato em um lugar inóspito, que qualquer deslise em falso poderia comprometer a trilha toda e causar grandes lesões. Nessas horas, ter bom preparo físico, saber onde colocar os pés, posicionar as mão e o corpo, fazem toda a diferença para manter o equilíbrio corporal e evitar danos a nós mesmos.

Em função dessas dificuldades fica clara a obrigatoriedade de um guia ao fazer a trilha, pois como o próprio guia informou no início do trajeto, iria ser chato em tudo aquilo que comprometesse a nossa segurança durante as oito horas de percurso. Com atenção permanente ele cuidou de cada detalhe, cada passo que dávamos, inúmeras vezes se ouvia sua voz dizendo: “Não vai por ali; vem por aqui; aperta novamente as polainas; e muitas outras coisas!

DSCN5073
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch
DSCN5082
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch
DSCN5084
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch

Conforme ganhávamos  experiencia em caminhar sobre esse leito rochoso do Rio Pai José, avançávamos  o percurso  até chegarmos em um ponto da trilha chamado de “Brete”, lugar com paredões verticais de aproximadamente 25 metros de altura, largura de uns 4 metros, onde contém um pequeno poço de água entre os dois paredões, cerca de um  1 metro de profundidade. Lembro do guia contar a história deste lugar, dizendo que ali era uma trilha usada pelos antigos tropeiros e essa é a única passagem para conhecer a cachoeira Anna Schiratta, com queda de 70 metros de altura.

DCIM100GOPROGOPR7656.
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch
DCIM100GOPROGOPR7668.
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch
DCIM100GOPROG0067691.
Trilha Cânion da Pedra – Foto: Luís H. Fritsch
Trilha Cânion da Pedra
Trilha Cânion da Pedra – Cachoeira Anna Schiratta – Foto: Luís H. Fritsch

Características da trilha:

  • Extensão: 4.500 metros;
  • Profundidade máxima no interior do Cânion: 750 metros;
  • Profundidade média no interior do Cânion: 600 metros;
  • Largura: 2.500 metros;
  • Grau de dificuldade: Alto (exige bom condicionamento físico);
  • Vegetação: Mata Atlântica Submontana, Montana e Nebular;
  • Geomorfologia: Formação Serra Geral.

A trilha durou cerca de oito horas. O percurso foi de grande dificuldade, alguns momentos difíceis, porém foram de muita emoção e adrenalina. A natureza é de grande diversidade  e  de paisagens belíssimas o que compensa o cansaço e o esforço para atingir o seu final. Uma experiência fascinante, vale a pena. Recomendo a todos trilhar esse caminho.

Texto: Luís H. Fritsch

O exuberante Parque Estadual de Itapuã

Parque Estadual de Itapuã – Viamão/RS

 Uma boa opção de passeio para quem deseja fugir da agitação das praias do Litoral Norte e dar um mergulho em praias de água doce cercado por muitas belezas naturais.

Localizado a 57 quilômetros do centro da capital, o parque é uma unidade de conservação criada pelo governo do Rio Grande do Sul em 1973. São mais de 5,5 mil hectares de área, que abrigam uma diversidade de paisagens e ecossistemas compostos de morros, praias, lagoas e banhados, além de um grande número de espécies da fauna nativa do estado. “Itapuã preserva o que sobrou do ecossistema original da grande Porto Alegre.

O santuário ecológico também é uma boa opção de lazer. O parque é aberto para a visitação do público de quarta-feira a domingo, das 9h às 18h. O ingresso custa R$ 6,12 por pessoa, mas crianças de até 10 anos não pagam. O local conta com infraestrutura como churrasqueiras, sanitários, vestiários com banho e estacionamento. Mas o visitante precisa levar de casa a própria comida, pois não há lancherias ou restaurantes por lá.

Parque Estadual de Itapuã
Parque Estadual de Itapuã – Foto: Marcio Basso
Parque Estadual de Itapuã
Parque Estadual de Itapuã – Foto: Marcio Basso
Parque Estadual de Itapuã
Parque Estadual de Itapuã – Foto: Luis H. Fritsch

Nos finais de semana de verão, é grande a procura pelas praias de água límpidas e guarnecidas por salva-vidas. As regras para os banhistas no local, no entanto, são rígidas. Não é permitido levar animais de estimação, praticar esportes com bola ou circular com bicicletas, entre outras probições. “É importante salientar que Itapuã é uma unidade de proteção integral e não um balneário e justamente por isso há essas restrições”, diz o gestor da unidade, Tiago Brasil Loch.

Conseguir entrar no parque também exige uma certa dose de sacrifício. Pelo menos para quem gosta de dormir até mais tarde. Como o limite máximo de visitantes por dia é de 350 pessoas, é preciso chegar cedo ao local para comprar ingresso e garantir a entrada. Segundo os administradores, aos domingos a fila começa a se formar às 6h, três horas antes da abertura. Muita gente costuma ficar de fora.

O número de visitantes é reduzido porque apenas uma das três praias, a das Pombas, está aberta ao público. A Praia da Pedreira, que também tem capacidade para 350 pessoas, está fechada por causa de problemas no poço de abastecimento de água. Já a Praia de Fora, que pode abrigar até 1,2 mil pessoas, está fechada há quatro anos.

Parque Estadual de Itapuã
Praia das Pombas – Parque Estadual de Itapuã – Viamão/RS – Brasil. Foto: Google
Parque Estadual de Itapuã
Praia da Pedreira – Parque Estadual de Itapuã – Viamão/RS – Brasil. Foto: Google
Parque Estadual de Itapuã
Praia de Fora – Parque Estadual de Itapuã – Viamão/RS – Brasil. Foto: Google

Também é possível fazer trilhas ecológicas no parque, percorridas com acompanhamento de um guia. Os interessados precisam fazer o agendamento com antecedência pelo telefone (51) 3494-8083. Com um pouco de sorte, os visitantes podem avistar animais como o bugio-ruivo ou o gato-maracajá, que habitam a reserva.

Parque Estadual de Itapuã
Parque Estadual de Itapuã – Foto: Marcio Basso
Parque Estadual de Itapuã
Parque Estadual de Itapuã – Foto: Marcio Basso

Além dos inúmeros recursos naturais, Itapuã também se destina à proteção dos sítios de valor histórico e arqueológico da região onde ocorre o encontro das águas do Lago Guaíba e da Laguna dos Patos. Um deles é o Farol de Itapuã, concluído em 1860. No início do século XIX, a região foi palco de batalhas da Revolução Farroupilha. Um pequeno museu expõe armas e pedaços de embarcações utilizadas por farrapos e tropas oficiais.

farol_itapua_trs
Atualmente o Farol é propriedade da Marinha Brasileira, não sendo permitida a visitação. Foto: Google
Parque Estadual de Itapuã
Parque Estadual de Itapuã – Foto: Marcio Basso
Parque Estadual de Itapuã
Parque Estadual de Itapuã – Foto: Marcio Basso

Parque Estadual de Itapuã

Endereço: Rua Dona Maria Leopoldina, s/nº – Itapuã (Viamão)
Horário: Quarta-feiras a domingos, das 9h às 18h
Ingresso: Crianças até 10 anos – grátis; a partir de 11 anos – consulte tabela do SEMA.
E-mail: cv-itapua@sema.rs.gov.br, duc-defap@sema.rs.gov.br
Fone: (51) 3494-8082 / 3494-8083 / 3288-8109

Como chegar:

mapa_itapua
Fonte: Internet

Partindo de Porto Alegre – De carro: – pelo bairro Glória, pela av. Oscar Pereira e Costa Gama; – De ônibus: – partindo de Porto Alegre, a linha é Viamão/Farol de Itapuã (Fone 51 -3485-4070), que tem seu ponto de embarque no Centro da cidade, na travessa Francisco Leonardo Truda (entre av. Mauá e rua Siqueira Campos). O tempo de viagem é de aproximadamente 2 horas.

Partindo de Viamão – pelo Cantagalo ou estradas Acrísio Prates e Ricardo Vieira Barcelos.

Outros acessos:

– RS-020 – liga Cachoeirinha a Porto Alegre;
– BR-116 – liga Canoas a Porto Alegre;
– BR-290 – liga Eldorado do Sul a Porto Alegre;
– BR-290 – liga Osório a Porto Alegre;
– RS-040 – liga Viamão a Itapuã.

Distância da Capital: 57 km.

Hospedagem:

Pousada Itapuã

pousada_itapua_trs
Fonte: Internet

A Pousada Itapuã dispõe de 09 aconchegantes apartamentos,  com TV, internet WI-FI gratuita, ar condicionado split, camas de casal, solteiro e cozinha.

Valores da diária da Pousada Itapuã: De R$ 120,00 (casal)

Crianças até 6 anos não pagam

De 7 a 11 anos:  R$10,00

Maior de 12 anos: R$ 25,00

 Pacotes Natal, Ano Novo, Carnaval, Páscoa, Feriados e Datas Festivas:

A partir de 3 diárias – R$ 140,00 a diária.

 Valores por pessoa no Camping: R$ 20,00 por dia

pousada_itapua_trs1
Fonte: Internet

Site: www.pousadaitapua-rs.com

Pousada Tio Cabelo

11703145_1028244303860131_412394302854415511_n
Fonte: Internet

Dispõe de apartamentos mobiliados com cozinha, banheiro individual e quartos com estacionamento privativo, passeios de barco, pesca, acompanhamento de pesca e acampamento.

pousada_tio_cabelo_trs
Fonte: Internet

Site: www.pousadatiocabelo.com.br

Camping das Pombas

DSCN382313
Foto: Marcio Basso
camping_das_pombas_trs
Foto: Luis H. Fritsch

O camping tem barracas para alugar, tem luz 220V, e chuveiros quentes a gás.
Tem restaurante e lancheria que funciona aos sábados e domingos nos meses de verão, de novembro até fevereiro.
Tel. (51) 9224.6964 ou e-mail: brut2007@yahoo.com.br

Veja mais sobre este camping no site parceiro: Fui Acampar

Topografia Google Maps

Para entendermos o que significa a opção terreno no Google Maps, temos que compreender um pouco sobre as antigas cartas topográficas.

Carta topográfica:

É a representação sobre um plano, em escala, dos acidentes naturais e artificiais da superfície terrestre de forma mensurável, mostrando suas posições planimétricas e altimétricas. A posição altimétrica ou relevo é normalmente determinada por curvas de nível, com as cotas referidas ao nível do mar.

Topografia Google Maps

Antigamente, quando planejávamos atividades e aventuras, usávamos cartas deste tipo, assim podíamos ter a noção de elevações do terreno, conseguindo traçar uma boa rota, sem nunca ter passado pelo local.

O maior problema era adquirir esse tipo de carta, pois os valores de cada carta eram inviáveis e as áreas mapeadas eram gigantescas, o que muitas vezes atrapalhava a organização da aventura. Quem normalmente fazia essas cartas era o Exército Brasileiro, usando fotografias aéreas e depois colocando cálculos de altimetria, assim mensurando todo o mapa.

Hoje em dia, a ferramenta “Terreno”, inserida no programa Google Maps gratuitamente, faz praticamente a mesma coisa, você consegue ver o local sua altitude, pontos de maior aclive/declive e assim, programar suas aventuras sem ter que pagar por elas.

As imagens do Google Maps mostram a elevação física, como um relevo sombreado, e linhas de elevação. Também inclui nomes de ruas e outras informações.

Topografia Google Maps
Vista do Cânion Fortaleza – Ferramenta Terreno – Google Maps

Para entender melhor essas linhas (curvas de nível) e números mostrados no mapa, saiba que as linhas mais fortes são as que possuem a numeração inteira de altitude, já as linhas mais fracas, são a continuação do cálculo de altitude, podendo ser de 10 a 50 metros ou mais, cada uma delas. dependendo da  escala de altura do mapa, quanto mais “zoon” você der no mapa, menor é a diferença de altura de cada linha.

Nota-se também, que em algumas partes do mapa, as linhas ficam mais juntas, isso significa que quanto mais perto uma linha estiver da outra, mais íngreme é o terreno, e quanto mais afastadas menor é sua inclinação.

Essa nova ferramenta,  contribui para ajudar todos os aventureiros a programar suas rotas e novos caminhos, e o mais legal,  que é dada gratuitamente. Pode ser  usada em celulares e computadores, facilitando a  programação de uma aventura sem ter nunca ido ao lugar. Com um pouco de conhecimento sobre topografia essa ferramenta vai lhe ajudar muito em suas próximas aventuras.

Lagoinha do Leste

Os turistas a consideram a mais bonita da Ilha, os moradores do Sul da Ilha garantem que ela é a mais misteriosa de Florianópolis, os ecologistas a defendem como se fosse a última praia do mundo, descubra a Lagoinha do Leste.

Seja qual for a opinião sobre a Lagoinha do Leste, ela é única. A praia ainda preserva as características de quando os primeiros imigrantes aportaram nestas terras. A Lagoinha, como é carinhosamente chamada pelos ilhéus, impressiona seus visitantes com sua beleza, seu ar selvagem e seus mistérios.

Lagoinha do Leste

Praia de mar aberto e águas cristalinas localizada no Sul da Ilha, a Lagoinha fica espremida entre dois costões que entram no oceano, formando quase uma pequena enseada de pouco mais que um quilômetro. Atrás, uma vasta Mata Atlântica garante a sensação de se estar voltando no tempo. A praia tem a companhia de uma lagoa, que dá nome ao lugar, próxima ao costão esquerdo. De águas quentes e escuras, a lagoa se esconde atrás da restinga, tendo origem num rio que nasce no morro.

Lagoinha do Leste

Mesmo isolada – só se chega a pé ou de barco -, a Lagoinha recebe muitos visitantes no verão. Eles percorrem a trilha secular e usam a praia para nadar, mergulhar e surfar. Como os grandes balneários da Ilha, a Lagoinha do Leste já sente os primeiros efeitos da exploração.

A praia é perfeita para acampar, já que, além da beleza, ainda conta com uma boa infraestrutura. Ou seja, tem bastante sombra e água potável, junto ao costão direito. O único problema, diz a lenda, são as bruxas que volta e meia a utilizam para seus rituais.

Lagoinha do Leste

Lagoinha do Leste

Lagoinha do Leste

Conheça a trilha que leva para a Lagoinha do Leste

A melhor maneira de se chegar à Lagoinha do Leste é pela Praia do Matadeiro, voltando pelo Pântano do Sul. Assim, enfrenta-se o trecho mais pesado primeiro, deixando para a volta, quando se está inevitavelmente mais cansado, o Morro do Pântano do Sul. Como em toda trilha extensa, é bom começar a caminhada na parte da manhã, pois sobra mais tempo para aproveitar a paisagem e a praia.

Lagoinha do Leste

A partir do costão direito da Praia do Matadeiro acaba a areia e surge a trilha. Os primeiros 30 minutos de caminhada são os mais difíceis e cansativos. É preciso fazer subidas íngremes e, em alguns pontos, o mato é um pouco fechado. No meio do caminho há água, um córrego corta a trilha e oferece água fresca e sombra. Depois deste trecho, o caminho é tranqüilo, sem subidas e de uma beleza incrível, revelando a cada momento uma nova e fascinante paisagem. Durante uma hora e meia a trilha margeia os costões, passando pela Ponta do Quebra-Remo, Ponta do Facão e Ponta da Lagoinha.

Na Ponta do Facão, um rochedo de mais de 15 metros guarda uma pequena caverna banhada pelas águas. Para chegar até lá é preciso um pouco de coragem, já que você terá que descer pela encosta até o mar. Ultrapassando a Ponta da Lagoinha, chega-se à praia.

Lagoinha do Leste

A volta se dá pelo costão direito, subindo a trilha que sai no Pântano do Sul. Ela é mais fácil e mais rápida que a do Matadeiro, porém não é tão atraente. São cerca de 50 minutos de caminhada para subir e descer o morro que separa a praia do Pântano do Sul. A subida é íngreme, mas a trilha é aberta e não oferece nenhum obstáculo. Na maior parte do tempo as árvores oferecem uma boa sombra.

O momento mais bonito é quando se avista a praia do alto do morro.

Lagoinha do Leste

Mapa das trilhas que levam a lagoinha do leste

Lagoinha do Leste

Informações importantes:

  • Nível de dificuldade: moderado;
  • Atrativos: lagoa, vista panorâmica, praia, fonte d’água, Mata Atlântica;
  • Tempo: 2 ele 50 min;
  • Início: Costão direito da Praia do Matadeiro;
  • Fim: Pântano do Sul, na rua Manoel Pedro de Oliveira;
  • Principal dificuldade: Extensa, subida íngreme;
  • Como chegar: Seguir em frente, a partir do costão direito da Praia do Matadeiro.

Serra Gaúcha possui cachoeira com 100 metros

Serra Gaúcha possui cachoeira com 100 metros

Serra Gaúcha é um lugar bastante pitoresco onde os imigrantes e seus descendentes criaram uma identidade própria, mesclando o modo de vida gaúcho aos seus costumes e tradições.

Nova Roma do Sul situada no Rio Grande do Sul,  à 160 quilômetros de Porto Alegre, capital do Estado,  e à 50 quilômetros de Caxias do Sul, entre as montanhas da Serra Gaúcha. É dona de uma natureza encantadora com várias opções para o ecoturismo e aventura, por isso,  a cidade começa a se estruturar para marcar espaço no segmento de turismo.

Dentre os encantos da cidade, apresentamos a cachoeira conhecida como Salto Escondido, com mais de 100 metros de altura, cercada por mata nativa, afastada da civilização, um lugar de grande beleza e águas cristalinas.

Existem duas formas para se chegar a cachoeira:

Primeira, acesso através de trilha:

Para chegar nas trilhas da cachoeira Salto Escondido, é preciso seguir a rodovia em sentido a cidade de Nova Roma do Sul/RS,  na segunda entrada a esquerda, possui uma estrada estreita de chão batido, seguindo por essa estrada existe um outro ponto turístico pouco conhecido, que é o Cemitério Luterano Sueco.

Serra Gaúcha

 

Serra Gaúcha

Passando pelo cemitério, seguindo sempre a estrada principal chega-se a um local que possui uma casinha do lado direito, ali é possível deixar os veículos. Como não há estacionamento no local, os carros tem que ficar ao lado da estrada.

Dali em diante, seguindo a estrada a pé, chegar-se-á a um enorme buraco no chão constituído pela erosão, dali em diante, começam as trilhas propriamente ditas. Seguindo sempre adiante, você chegará a um pequeno riacho de profundidade rasa. Você deverá atravessar esse riacho  e continuar sempre  reto pela trilha, essa trilha demora aproximadamente uns 20 minutos, ao avistar  uma bifurcação,  continue em frente,  seguindo pela direita que é  o caminho  que  levará até a cachoeira. Tome cuidado para não errar pois seguindo à esquerda o percurso levará  ao Rio das Antas. Continue sempre em frente e verá uma segunda bifurcação, a do lado direito uma trilha de moto, esta leva a crista da cachoeira, e a outra segue reto em direção a base. Escolha o ponto que deseja ir.

Serra Gaúcha
Olhando as trilhas de frente – esquerda leva a crista e a direita leva para a Ponte de Ferro

A trilha que leva à crista:

É bastante íngreme, porém nada muito complicado. Você chegará a um potreio com acesso por uma  porteira. Abra  a porteira e acesse, não esqueça de  fechar a porteira.  Siga ao lado da porteira sentido  esquerdo, logo a diante terá uma faixa de mata nativa e  atrás dela a crista da cachoeira. Só é possível chegar na crista usando equipamentos de ancoragem, pois o rio que escorre para a cachoeira, possuí uns 6 metros de largura e muitas pedras com musgos, sendo elas muito escorregadias. Não recomendamos chegar à crista sem equipamento de segurança.

Serra Gaúcha
Vista depois da porteira
Serra Gaúcha
Crista da cachoeira Salto Escondido

Esta cachoeira apresenta possibilidade de fazer “Cascading” (é um esporte de aventura que consiste na exploração progressiva de uma cachoeira).

A maior parte da descida se dá no negativo por conta de uma grande fenda no paredão, o que  dá a oportunidade de contemplar o interior da queda numa visão inesquecível!

A trilha que leva ao pé da cachoeira:

Seguindo adiante na  segunda bifurcação, encontrará uma descida leve, seguindo pela trilha se chegará a um pequeno riacho, de fácil passagem. Atravesse-o  e siga beirando o rio pelo lado esquerdo, ou podendo ir até por dentro, ou pulando de pedra em pedra, subindo o rio mais ou menos uns 10 minutos, já é possível avistar a linda e imponente cachoeira do Salto Escondido.

Serra Gaúcha
Cachoeira Salto Escondido

A cachoeira possuí uma altura de aproximadamente 100 metros, suas  águas  são lançadas lá do alto e caem nas rochas antes de tocar o chão. Isso possibilita um delicioso banho de cachoeira. Junto as  rochas da cachoeira existem piscinas que se formaram naturalmente, assim podendo se refrescar, principalmente se  for em dias de muito calor.

Serra Gaúcha

 

No Local, é possível fazer um acampamento selvagem, contudo não é aconselhável  muito próximo ao paredão da cachoeira, pois as vezes podem cair algumas pedras.

Serra Gaúcha

 

Segunda maneira, acesso via automóvel:

Seguindo pela rodovia, RS – 448, sentido à cidade de Nova Roma do Sul/RS, antes de chegar na linha linha Castro Alves, passando pela antiga pedreira, ao lado esquerdo da rodovia terá uma entrada sem sinalização, siga por essa estrada sempre na via principal, você avistará  um grande aviário, dobre a direita, e siga até o fim da estrada,local onde encontra-se uma pequena casa de material a esquerda da estrada.  Neste local é possível deixar os carros.

Serra Gaúcha
Estrada da esquerda leva ao estacionamento e a da direita leva a trilha (somente a pé).

Veja o Mapa:

mapa_salto_escondido
Mapa – Cachoeira Salto Escondido – Nova Roma do Sul/RS

Fotos: Marcio Basso e Luís H. Fritsch

Cascata dos Amores na Serra Gaúcha

O lugar é lindo, com paisagens deslumbrantes, não existe ambiente melhor para levar a pessoa que você ama nos dias dos namorados, o próprio nome da Cascata dos Amores remete a isso.

Cercada pelos vales e montanhas da Serra Gaúcha, Bento Gonçalves é considerada a Capital Brasileira do Vinho e de belas paisagens. Também se destaca pelo seu elevado índice de desenvolvimento humano.

A influência cultural da imigração italiana no final do Século XIX trouxe, entre outras heranças, canções, culinária, utensílios domésticos e ferramentas agrícolas. As edificações coloniais localizadas nos vales e encostas, em meio aos parreirais, compõem lindas paisagens, similares ás encontradas nas pequenas cidades do interior da Itália.

Uma das atrações mais procuradas pelos aventureiros é a Cascata dos Amores, fica em Pinto Bandeira, distrito de Bento Gonçalves. A região é de muitos vinhedos. A Cascata dos Amores está localizada bem em frente à Pousada Fornasier. Lá tem um mirante com a vista abaixo.

Cascata dos Amores

Cascata dos Amores
Mirante Pousada Fornasier
Cascata dos Amores
Cascata dos Amores “vista do mirante”

Para chegar na base da Cascata dos Amores é preciso encarar uma trilha íngreme de aproximadamente 1 hora (ida e volta) de nível fácil (escorregadio e pedras soltas) , mas para quem não tiver toda essa disposição existe um mirante que se chega de carro aonde se avista a cascata e todo o vale do Arroio Barracão.

Para realizar a trilha é necessário pedir autorização, pois para se chegar até a cascata é necessário passar por propriedade particular . A trilha proporciona vistas maravilhosas, preparem suas câmeras e filmadoras, pois a paisagem é deslumbrante.

Cascata dos Amores
Propriedade Luiz Martinelli
Cascata dos Amores
Propriedade Luiz Martinelli

Contato com o Proprietário: Luiz Martinelli

Telefone: (54) 3452 – 2730

Distância até da Pousada Fornasier:

 Bento Gonçalves/RS: 11 Quilômetros.

 Farroupilha/RS: 23,6 Quilômetros.

Porto Alegre/RS: 130 Quilômetros.

Morro do Tigre

O Morro do Tigre, ou Pata da Onça como é chamado pelos locais, é um lugar pouco conhecido na serra gaúcha. Está localizado à 5 quilômetros do centro da pequena cidade de Alto Feliz – RS.

O local é um morro com aproximadamente 700 metros a cima do nível do mar, de onde é possível avistar ao longe cidades como Porto Alegre (Capital do RS), Bom Principio, São Sebastião do Caí e  também é possível avistar o Morro da Canastra(localizado na cidade de são Vendelino).

O topo da montanha é coberto por pedras e algumas árvores. É uma boa escolha para quem quer  admirar o pôr do sol ou acampar.

Morro do Tigre
Morro do Tigre
Morro do Tigre
Morro do Tigre

O local não possui estrutura para Camping, entretanto existe a possibilidade de fazer um acampamento selvagem. Este tipo de acampamento é indicado para aventureiros experientes.

Definição de acampamento selvagem:

Locais sem estrutura para camping, normalmente de difícil acesso, estes locais apresentam uma diversidade de animais selvagens, assim o aventureiro precisa estar preparado. Não indicado para iniciantes.

Morro do Tigre
Morro do Tigre
Morro do Tigre
Morro do Tigre

Como chegar:

Alto Feliz situa-se na Encosta Inferior do Nordeste, na Microrregião Colonial da Encosta da Serra Geral, no Estado do Rio Grande do Sul. Localiza-se a 100 km da capital do Estado, tendo como principais acessos a antiga Estrada Júlio de Castilhos VRS 326, a RS 452 que interliga a RS 122 com a BR 116 e, ao norte, a RS 122.Limita-se com os municípios de Farroupilha ao Norte, Feliz ao Sul, Vale Real a Leste, Bom Princípio e São Vendelino a Oeste.

Além do Morro do Tigre, a pequena cidade de Alto Feliz/RS – Brasil, conta com a Cachoeira dos Bugres, local de beleza ímpar, cercada por vegetação exuberante, junto a cachoeira ainda é possível acessar uma pequena caverna no meio da cascata.

Ainda está com dúvidas, então entre em contato com a gente!

Trilhas em Garopaba-SC… Muito mais que arreia e mar!

Olá, Vou relatar uma grata surpresa que tivemos quando fomos com meu pai conhecer Garopaba-SC, cidade conhecida pelo surfe e pela loja da Mormaii! Mas que é muito mais do que isso! Estivemos por lá apenas um final de semana: 16/01 -18/01/15 mas foi suficiente para voltarmos renovados e começar o ano com pé direito.
Nos hospedamos na pousada Maré Mar; Um pouco caro para os padrões mochileiros, mas como estávamos com meu pai precisávamos de um pouco de conforto (ar-condicionado) e praticidade, essa acabou sendo a escolha; Ainda mais porque fica de frente para o mar(o velho adora).

16/01- Como viajamos aproximadamente 6 horas de carro saindo de Taquari-RS até chegar Garopaba-SC, aproveitamos esse dia para curtir a praia, cidade histórica e descansar!

17/01- Já acordei disposto a fazer algo diferente e aproveitar toda aquela natureza deslumbrante! Foi ai que resolvi ir até o centro de informações que fica localizado na praça da cidade, umas 4 quadras da beira da praia, em busca de novas experiências. Chegando lá encontrei um cartão de um condutor ambiental, galera que faz trilhas por toda cidade de Garopaba passando por todas as praias da região. Não pensei duas vezes e liguei para marcar uma atividade naquele dia e foi ai que decidimos fazer Trilha da Pedra Branca (30 reais por pessoa) para conhecer a toda a mística da famosa pedra branca e ter a visão de toda a cidade. Às 14 horas nossos guias chegaram, Cássio e Aline nos esperando na frente da pousada para nos levar de carro até o pé do morro; a uns 15 min. do centro da cidade, um lugar com uma diversidade impressionante: Na mesma redondeza existe um templo budista, espaço com aulas de Yoga (de graça para a comunidade), uma comunidade bem alternativa e Imigrantes centenários…todos vivendo em harmonia e em paz ao pés da pedra branca.
A primeira parada foi em uma antiga e bem preservada carpintaria de quase 80 anos movida a roda d’água, impressionante todo o trabalho que se tinha na época para fazer qualquer coisa e dependendo somente de recursos naturais!

10377073_10206059678476853_7049074615588353281_n.jpg

Depois de um mergulho na história começamos literalmente a trilha de 1.166 metros de subida até o topo da pedra branca, a trilha é constituída desde mata fechada até campos pedregosos, um contato direto com a natureza. Como os guias são biólogos vão te explicando e mostrando a fauna e flora do lugar e região e claro as inúmeras curiosidades e lendas da pedra, os guias são extremamente atenciosos e acessíveis e com uma filosofia muito bonita de vida!!!
Depois de suar muito a camisa e passar por paisagens incríveis chegamos ao nosso objetivo o topo da pedra, a vista é realmente linda é tudo aquilo que falam mesmo…se tem a dimensão de todas as praias e lagos de Garopaba e uma brisa mais que agradável, aí ficamos sabendo que tem uma galera que faz rapel lá…deve ser LOUCO!

20150114_163227.jpg
Topo da Pedra Branca
10953368_10206059706117544_1951821446521747729_n.jpg
Topo da Pedra Branca

A descida foi bem mais rápida, mas não iriamos embora de lá sem antes passar na bela cascata; um lugar de paz e descanso excelente pra quem espera relaxar depois de uma trilha dessas, é revigorante!

1920100_10206059687317074_6093705031227360901_n.jpg
20150114_154913.jpg

18/01- Acordamos cedo e nos encontramos mais uma vez com o casal na porta da pousada para a Trilha Vigia-Silveira (40 reais por pessoa; mais longa): que sai da praia da vigia ou preguiça, passa por piscinas naturais, escritas rupestres e termina na praia do silveira, a trilha leva a manhã inteira e vale muito a pena!

A praia da preguiça é do lado da praia de Garopaba, tem um pequeno banco de areia (é a menor de todas elas, quase particular) nas pedras da praia tem marcas da amolação dos utensílios indígenas que datam de 7.000 anos, um mergulho total nas origens mais remotas da civilização, próximo de lá se encontra também o relógio do sol, utilizado para ter a noção de tempo pelas tribos da época.
Subimos um morro e vamos até uma área particular de um nativo, entramos campo a dentro, subimos e descemos muitas vezes até encontrar as belas piscinas naturais são realmente muito bonitas com uma água transparente e rochas de diversos formatos, a dica é não entrar depois de um dia chuvoso pois o mar está mais agitado e te joga contra as pedras! Cuidado com os ouriços do mar.
Alguns minutos dali o ponto alto da trilha, pelo menos pra mim, era,  inscrições rupestres desde pessoas a objetos não identificados, realmente é incrível, fiquei emocionado em conhecer esse lugar de tão difícil acesso, mas tão rico de história. Para vê-las tem que escalar as pedras com muita atenção, a paisagem é indescritível, o mar batendo nas rochas com toda aquela força enriquecia ainda mais a nossa vista.
Caminhamos mais um pouco e finalmente chegamos a Praia do Silveira, ideal para o surfe e para quem quer fugir da agitação, existe apenas um quiosque em toda a praia. A visão da praia nos dava uma grande satisfação de termos chegado ao ponto final da trilha, curtimos a praia, tomamos um banho de mar e claro descansamos até porque tínhamos que voltar!
Como fizemos amizade com o casal, saímos juntos a noite para conhecer o KIMO, um bar com música ao vivo e com vibrações muito positivas onde se apresentam artistas locais!!!

20150115_104107.jpg
20150115_112609.jpg
20150116_010516.jpg

Voltamos para a casa Renovados e literalmente com a alma lavada para começar o ano cheio de boas vibrações e encarar a rotina diária, tudo e exatamente tudo foi acima das minhas expectativas…Recomendo, aventure-se!

Relato escrito por nosso leitor Isaac Ferro.
Data do relato: Março/2015
Fotos e texto: Isaac Ferro.

 

Cascata dos Marins é a maior de Cotiporã/RS

A Cascata dos Marins é a maior de Cotiporã com 73 metros de altura. Fica a 6,5 quilômetros do centro da cidade e é procurada para a prática de rapel. Há duas quedas d’água. A primeira, é maior e a água cai em queda livre. Já na segunda, a água corre feito um tobogã. É para agradar a todo mundo!

4596386

Como Chegar à Cascata dos Marins?

Cotiporã fica situada a 32 quilômetros do acesso principal de Bento Gonçalves.
Passando pelo acesso principal e norte de Bento Gonçalves, siga em direção a Veranópolis, chegando a uma pequena rótula, contorne-a em direção a Guaporé. Siga sempre na preferencial até chegar à beira do rio das Antas, siga a placa e cruze a “ponte baixa”.
OBS: Em épocas de muitas chuvas, esta ponte pode estar submersa, é interessante pedir informação , Caso esteja interditado o caminho seria seguir até Veranópolis e de lá seguir até Cotiporã, este trajeto aumenta em aproximadamente 20km.

A partir deste ponto é estrada de terra até Cotiporã. Chegando na cidade, acesse a rua Independência (frontal a igreja) e siga para leste até começar a estrada de terra de novo e vire a direita. Marque aproximadamente 5,8 quilômetros, você vai ver as paredes e vire a direita em declive. Pronto, mais alguns metros e você estará no lugar mais lindo de Cotiporã.

Você verá o início da trilha marcado com dois postes, a caminho do local para estacionamento.Até o início da trilha das Lontras são uns 6 km. Uns 400 metros antes, você verá um mirante. A trilha leva à base da primeira queda. E para se chegar ao poço, há uma trilha que passa por trás da queda. Seguindo por ali você irá se molhar.

Trilhas:

– Trilha das Lontras – Trilha educativa em mata ciliar, costeando o arroio Vicente Rosa com 6 quilômetros de caminhada Trilha do Sapatinho

– Trilha derivada do Arroio Sapato em meio a mata ciliar com 8km de caminhada Trilha dos Marins.

– Trilha até o poço da Cascata dos Marins 1 quilômetro de caminhada Trilha do Morro do Céu.

– Trilha ao pico do Cerro dos Baianos também conhecida 2 quilômetros.

102904897

Mapa Turístico:

cotipora

Edição: Luís H. Fritsch

Conheça o Cânion Itaimbezinho

Itaimbezinho é um nome de origem Tupi-Guarani, ita significa pedra e Ai be afiada. Está localizado entre Cambará do Sul e Praia Grande, no Parque Nacional dos Aparados da Serra, a 18 Km da sede do município. O acesso ao parque é possível através da RS 429 ou pela SC 360, em uma estrada de chão batido.

Sua formação rochosa existe a pelo menos 130 milhões de anos e é um dos maiores do Brasil, sua extensão atinge 5.800 metros e uma largura que varia entre 200 e 600 metros. Sua profundidade máxima é de 720 metros. As paredes de cor amarelada e avermelhada são cobertas, de ponto em ponto, por vegetação baixa. Ao redor do cânion os pinheiros nativos completam a paisagem.

O Rio Perdizes desce as paredes rochosas para formar a cascata Véu de Noiva de uma beleza sem igual, esta cai de uma altura de 700 metros, produzindo uma bruma antes de atingir o fundo do cânion. No azulado do cânion, como gigantesca serpente, o Rio Boi se move preguiçosamente entre as pedras, formando uma série de caprichosas cachoeiras, que deslizam para o vizinho Estado de Santa Catarina.

O Parque Nacional dos Aparados da Serra é administrado pelo IBAMA, cuja sede está localizada no Parque. Lá é possível encontrar lanchonete, banheiros, estacionamento, espaço cultural, além de guias que auxiliam os turistas a realizarem as trilhas do local. São elas:

renato grimm
Fonte: Renato Grimm

Trilhas:

Trilha do Vértice: a trilha inicia no centro de visitantes do Parque Nacional dos Amparados da Serra, em menos de uma hora de caminhada é possível alcançar a borda do cânion Itaimbezinho, chegando até a queda da cascata Andorinhas.

DSC09540
Trilha do Vértice – Foto: Lucas Sironi
DSC09518
Trilha do Vértice, ao fundo (Cachoeira Véu de noiva) – Foto: Luís H. Fritsch

Trilha do cotovelo: uma trilha leve de, aproximadamente, 6,3 quilômetros. A mesma leva até um mirante que proporciona uma visão geral do cânion. O último horário de saída para trilha é as 15:00 horas.

DSC09470
Trilha do Cotovelo, vista do mirante – Foto: Lucas Sironi
DSC09480
Trilha do Cotovelo, próximo ao mirante – Foto: Lucas Sironi
DSC09505
Trilha do Cotovelo – Foto: Luís H. Fritsch

Trilha do Rio do Boi: consiste e em uma trilha longa e cansativa , são 8 quilômetros de ida e volta, podendo durar até 7 horas. É a única trilha que permite acesso no interior do cânion. Ela parte da cidade de Praia Grande. Há diversas travessias pelo rio do Boi, dependendo muito do nível do rio. Ao longo da trilha é possível tomar banhos em piscinas naturais de águas geladas.

10933769_694773417288424_8440648133140230251_n
Trilha do Rio do Boi – Foto: Karen Couto
10174804_694775237288242_7484900071328335499_n
Trilha do Rio do Boi – Foto: Tamara Viegas
DSC00968
Início da Trilha do Rio do Boi

Aberto de terça a domingo, das 08h às 17h. Atenção: é proibido acampar, acender fogueira, fazer travessias e levar animais de estimação nos parques.

Ingresso: R$ 6,00 por pessoa. Criança até 7 anos não paga.

Estacionamento: R$ 5,00 (carros leves) / Ônibus: R$ 10,00.

Valores sujeitos a alterações. Confirme com a recepção do parque pelo telefone (54) 3251.1277 / 3504.5289 / 3251.1262.

O Parque Nacional dos Aparados da Serra

Localiza-se no município de Cambará do Sul, na Serra Gaúcha, em meio à região das Hortênsias. Depois de visitar o Itaimbezinho, outras opções estão disponíveis para o deleite dos olhos.
Os Cânions Fortaleza, Malacara e do Faxinalzinho não perdem em beleza. Em São José dos Ausentes o Monte Negro, o Morro Agudo e o Cachoeirão dos Rodrigues aliam a prática do Ecoturismo com a tradição Gaúcha nas Casas de fazenda. Em Bom Jesus e Jaquirana a paisagem dos Campos de Cima da Serra proporcionam momentos mágicos.
O frio é um atrativo extra, chegando no inverno a temperaturas abaixo de zero com ocorrência frequente de geada, podendo nevar. No verão a temperatura situa-se por volta dos 22º C. Em toda região há concentração de araucárias, com sub-bosques de pinheiro-bravo, aroeira e carvalho.
As formações campestres ocorrem em partes onduladas do planalto.
O Lobo-Guará, o Puma americano, a jaguatirica, o Guaraxaim-do-campo, o Urubu-Rei, a Gralha Azul e a Curicaca são representantes da fauna local.

Placa do Parque Nacional da Serra. Dt. mai.2006 Dt. Válida 00/04/2006
Placa do Parque Nacional de Aparatos da Serra
Edição: Luís H. Fritsch