Conheça seu saco de dormir antes de praticar uma aventura

Dormir em uma barraca é um desafio tanto para nós quanto para os materiais de confecção dos equipamentos. Uma pessoa dormindo produz apenas 25% da energia que ela produziria durante o dia. Por isso, a escolha de um saco de dormir adequado é fundamental. Porém, para que as informações sejam melhores assimiladas, precisamos começar entendendo como perdemos calor, e como mantê-lo.

 Balanço Térmico: Se sentimos calor, então o calor gerado por nosso corpo é igual ou maior do que o calor perdido para o ambiente ao nosso redor. O calor é gerado pelo metabolismo. Mas, como perdemos calor? Isso se dá por:

saco-de-dormir-balanco-termico
Fonte: Deuter

 Condução: Ao entrar em contato com uma superfície mais fria, nosso corpo começa perder calor, pois existe uma busca pelo equilíbrio térmico. Neste caso, estamos falando especialmente do chão embaixo de nosso corpo.

 Convecção: Estamos constantemente aquecendo o ar à nossa volta, criando um “micro-clima” confortável. Porém, como este ar não fica aprisionado ao nosso redor, qualquer circulação de ar ou movimentação faz com que este ar seja carregado para longe, fazendo com que nosso corpo aqueça o ar à nossa volta de novo. Isso faz com que percamos calor constantemente.

 Respiração: Ao respirarmos, o ar precisa entrar em nossos pulmões a uma determinada temperatura. Por isso, ao respirarmos um ar muito frio, nosso corpo perde calor ao aquecer o ar ao passar pelo sistema respiratório.

 Evaporação: O suor é um mecanismo de redução da temperatura corporal. Quando evapora, o suor carrega consigo calor, fazendo com que a temperatura seja reduzida. Quando estamos dormindo em ambientes frios, o impacto da evaporação para a perda de calor é muito pequeno.

 Irradiação: Nosso corpo está constantemente irradiando calor. Também não possui um impacto tão grande, mas é sempre bom usarmos um gorro ao dormir, pois muito calor é irradiado pela cabeça, uma vez que o couro cabeludo é muito irrigado por capilares. Por isso, sacos de dormir para locais mais frios sempre possuem um capuz.

As duas maneiras de se perder calor mais importantes para uma pessoa dormindo ao ar livre são conduçãoconvecção.

Para uma noite confortável, precisamos de um balanço térmico satisfatório, ou seja:

Calor Gerado = Calor Perdido (por Convecção, Condução, Respiração, Evaporação e Irradiação).

Escolhendo um Saco de Dormir: As escolhas começam no material de enchimento do saco de dormir, que é o que vai promover o isolamento e reter o calor do corpo, criando o “micro-clima” que a perda de calor por convecção normalmente impossibilitam. Este enchimento pode ser fibra sintética ou pluma.

Fibra Sintética: Estas fibras são filamentos ocos, onde o ar fica aprisionado e é este ar que é usado como isolante térmico. São fabricadas através de um processo de consolidação térmica e são siliconadas, para aumentar seu poder de compressão e enchimento com ar, melhorando o isolamento térmico. Abaixo, algumas de suas características:

  • Mais barato que a pluma;
  • Seu poder de isolamento é pouco afetado quando fica úmido;
  • Requer menos manutenção.

Pluma: Também conhecidos Duvet (do francês) e Down (do inglês), geralmente são plumas de ganso. O fator decisivo nos sacos de pluma é a qualidade das mesmas. Esta qualidade é expressa pela proporção entre plumas e penas pequenas, que no caso das melhores marcas, é de 90/10 (90% de plumas e 10% de penas pequenas), que é a proporção de mais alto desempenho.

A origem das plumas também é um fator muito importante. As aves que vivem em climas mais severos possuem plumas mais densas e maiores. Por isso, as plumas de gansos de áreas ao norte da Europa possuem penas de melhor qualidade do que os gansos domesticados criados na China.

Abaixo, algumas de suas características:

  • Mais caro que os sintéticos;
  • Seu poder de isolamento é muito afetado quando fica úmido, por isso é mais indicado para lugares com clima seco;
  • Maior taxa de compressão (relação peso x volume);
  • Mais leve;
  • Maior poder de isolamento;
  • Manutenção mais difícil (mas nada que não se possa fazer!).

A próxima escolha a se fazer é o formato do saco de dormir. Basicamente, existem sacos retangularessarcófagos.

Sacos Retangulares: São mais usados para camping e não para trekking ou caminhadas mais técnicas. Também são muito usados por quem vai passar a noite em um chalé ou abrigo, onde não existe necessidade de nada muito técnico, e pode ser usado como manta ou cobertor.

Sacos Sarcófagos: São os mais indicados para trekking e caminhadas mais técnicas, principalmente em locais mais frios. O ideal é sempre usar um saco de dormir que literalmente vista você, pois quanto mais espaço sobrando, mais calor será necessário para aquecer o ar que ficará nestes espaços. Como este tipo de saco de dormir acompanha o formato do contorno do corpo, não sobra muito espaço livre.

A imagem abaixo mostra um saco de dormir sarcófago, e podemos ver alguns detalhes imprescindíveis quando planejamos ir para locais mais frios. São eles:

  • 1. Capuz funcional, oferece ajuste anatômico e confortável. Possui um bolso para colocação de travesseiro de camping e cordeletes de ajuste de cores diferente para facilitar a regulagem.
  • 2. Tira de Velcro, para evitar que o zíper se abra sozinho.
  • 3. Fita de isolamento, evitando perda de calor pelo zíper.
  • 4. Zíper YKK 2-Way que pode ser aberto por dentro ou por fora e permite acoplamento com outro saco de dormir. Possui fita que previne o zíper de ficar preso no tecido.
  • 5. Colar de aquecimento com fechamento por Velcro e elástico para evitar que o ar frio entre pelo pescoço.
  • 6. Footwarmer, uma camada extra de isolamento nos pés, para maior aquecimento (modelos Exosphere). Para um maior conforto, a parte dos pés é mais alta.
  • 7. DryZone (tecido tratado com repelente de água) na cabeça e nos pés para proteção contra umidade (modelos Exosphere).
  • 8. BodyWarmer feito com microfleece interno para evitar perda de calor e aquecer as laterais do corpo.
  • 9. Bolso interno com fechamento por zíper.
sistema-saco-de-dormir-2010
Fonte: Deuter

Construção dos Sacos de Dormir:

Os sacos de dormir podem ser construídos em camadas ou em câmaras. Veja abaixo as diferentes construções utilizadas pela Deuter:

1-layer
Fonte: Deuter

Duas camadas simples de isolamento são colocadas sobrepostas. A camada superior é costurada no material externo e a camada inferior no material interno. Usado nos sacos de dormir Orbit +5°, Orbit 0° e Dream Lite 500.

2-layer
Fonte: Deuter

Duas camadas duplas de isolamento são colocadas sobrepostas. A camada superior é costurada no material externo e a camada inferior no material interno. Usado no saco de dormir Orbit -5°.

Shingle-layer
Fonte: Deuter

As camadas de isolamento são costuradas sobrepostas de 1,3 a 3,0 vezes para aumentar o isolamento. A camada superior (sobreposta) é costurada no material externo e a camada inferior (sobreposta ou dupla) no material interno. Usado nos sacos de dormir Exosphere +2°, -4° e -8°.

chamber
Fonte: Deuter

As câmaras das camadas externa e interna são costuradas diretamente umas nas outras. Usado no saco de dormir Trek Lite 200.

h-chamber
Fonte: Deuter

As câmaras na forma H onde ficam as plumas são costuradas três a três, para evitar deslocamento das plumas e diminuição da eficiência. Usado nos sacos de dormir Trek Lite 250 e 300.

trapezoid
Fonte: Deuter

Bolsos trapezoidais colocados de forma oposta uns aos outros fazem com que mesmo que haja movimentação das plumas, não existam áreas frias (Cold Spots). Usado nos sacos de dormir Atmosphere 350, 550 e 750.

Agora, uma escolha muito importante e que é feita de forma errada na maioria das vezes: a faixa de temperatura.

Frequentemente, fabricantes de sacos de dormir são acusados de colocar os valores de temperatura de forma arbitrária, sem qualquer estudo. Estar em conformidade com as normas internacionais custa caro e exige verificações constantes. Atualmente, a norma européia EN 13537 é a que define as faixas de temperatura para sacos de dormir.

O isolamento de um saco de dormir depende de uma serie de condições de uso (vento, temperatura ambiente, roupas, isolamento do chão, umidade, possibilidade do saco de dormir molhar e etc). Além disso, as pessoas reagem de forma diferente no frio.

  • Gênero: As mulheres de uma forma geral sentem mais frio do que os homens. Por isso, a norma separa as temperaturas de conforto para o homem e para a mulher, que em geral é 5 °C mais elevada.
  • Idade: Pessoas mais novas, de até 25 anos, possuem uma taxa metabólica maior do que a de pessoas mais velhas, e consequentemente geram mais calor.
  • Condicionamento Físico: A exaustão reduz a geração de calor. Por isso pessoas mal condicionadas sentem frio mais rapidamente.
  • Experiência: Pessoas com mais vivência ao ar livre vão estar mais bem preparadas para montar a barraca no melhor lugar (levando em consideração posição do sol, vento e etc), isolar melhor o saco de dormir do chão e etc.

Todos estes fatores devem ser levados em consideração, além de estação do ano, histórico das temperaturas máximas e mínimas na região e altitude.

Entenda as faixas de temperatura:

img-info-temperatura
Fonte: Deuter

Temperatura de Conforto – Temperatura na qual uma mulher padrão dormirá confortavelmente.

Temperatura Limite – Temperatura mais baixa na qual um homem padrão dormirá confortavelmente. Também referida como Temperatura de Transição.

Temperatura Extrema – A partir desta faixa de temperatura (faixa de risco), uma forte sensação de frio deve ser esperada. Existe risco de danos à saúde por hipotermia. A norma define como sendo a “temperatura onde uma mulher padrão, em condições de frio extremo, vai resistir apenas por um período de 6 horas. Para minimizar perda de calor no saco de dormir, ela está em posição fetal. A temperatura da pele está em 29 °C e o metabolismo basal ligeiramente aumentado por ela estar tremendo. Existe grande risco de hipotermia.”

Resumindo, nunca compre seu saco de dormir com base na Temperatura Extrema. Se você é mulher, use a Temperatura de Conforto e se você é homem, use a Temperatura Limite. É recomendado sempre deixar uma margem de erro, ou seja, veja sempre um saco cuja temperatura seja de 3 a 5 °C maior do que você precisa.

Uma boa opção é usar liners, uma espécie de “lençol” interno para sacos de dormir. Além de facilitar a limpeza, alguns aumentam a temperatura do saco em 8° C.

Por fim, não existe mágica: não existe um saco de dormir super pequeno, ultra leve e que ainda assim agüente temperaturas baixas. Procure sempre a etiqueta do fabricante indicando que o produto está em conformidade com a norma européia.

Últimas Dicas: Uma boa noite de descanso não depende apenas do saco de dormir que você está usando, mas também da superfície onde você está e de como você dorme:

  • O isolante térmico é muito importante para isolar você do chão. Mesmo o melhor enchimento de saco de dormir não vai evitar que você perca calor para o chão.
  • Se a temperatura ambiente é de +2 °C e a velocidade do vento é de 30 km/h, a sensação térmica será de -3,8 °C. Portanto, abrigue-se! Use sempre uma barraca ou um saco de bivaque.
  • Nunca durma com suas roupas molhadas, pois a perda de calor é muito maior do que com roupas secas.
  • Aproximadamente 30% do calor é perdido pela cabeça. Mesmo que seu saco de dormir tenha capuz, durma com um gorro.
  • Uma alimentação balanceada e uma bebida quente antes de dormir vão ajudar a esquentar seu corpo. Isso é muito importante, pois o saco de dormir não gera calor. Apenas retém o calor produzido pelo corpo.
  • Se o organismo está desidratado não vai gerar calor de forma adequada. Portanto, hidrate-se o tempo todo.

Bons sonhos com seu saco de dormir!

O conteúdo apresentado e as imagens são de produção da Deuter.
Edição: Luís H. Fritsch

Dicas de onde, quando e como acampar

Há basicamente duas escolhas quando o assunto é acampar: áreas de camping e acampamento selvagem.

As áreas de camping são ideais para quem quer um pouco mais de conforto, ou para quem não tem experiência. Nelas o campista conta com água quente, energia elétrica, restaurante ou refeitório e em alguns casos, até piscina e área de lazer. Já o acampamento selvagem é recomendado para quem tem experiência em acampamentos e pretende encarar regiões desprovidas de infraestrutura básica e conforto, como parques nacionais e estaduais, fazendas sítios, campos, montanhas e praias desertas.

DCIM102GOPROGOPR2428.
Área de camping
DSC00011-01
Acampamento selvagem

Na hora de montar a barraca procure um terreno de superfície plana e elevada, distante de lagos e rios, para evitar alagamento em caso de chuva. Evite lugares com pedras e mata fechada e veja se você não esta na trilha de formigas ou muito próximo de árvores onde possa cair um galho.

Procure se informar sobre a previsão de tempo e as condições meteorológicas ao planejar o período de sua aventura.

Planejamento:

Informe-se ao máximo sobre a região a ser visitada, a estrutura do local e a distância do centro urbano mais próximo.
Saiba a melhor época para visitar a região e evite períodos de chuva.
Mantenha uma pessoa de sua família avisada de seu roteiro.

Bagagem:

Faça um check-list dos itens importantes, organize sua bagagem, e verifique no mínimo duas vezes se está esquecendo algo.

check-list-resumida

Escolha a mochila de acordo com o tempo de duração da viagem e o volume de sua bagagem. Mochilas de 75 litros são ideais para caminhadas de 2 a 4 dias em montanha.

IMG_20140914_111532952
Mochila Cargueira

Um bom saco de dormir é essencial. Verifique se a região é fria ou quente e em regiões de montanha, nas quais a temperatura oscila muito, utilize sacos de dormir para temperaturas compatíveis ao lugar que pretende ir.

1425491070_2
Saco de dormir

Leve isolante térmico para evitar a umidade, manter a temperatura do seu saco de dormir e garantir uma boa noite de sono.

005---Acessorio-Isolante

Leve uma barraca confiável e confortável. Em caso de longas caminhadas, utilize barracas tipo “Iglu” ou “Tubular”. As barracas de 2 ou 3 lugares, são indicadas pois seu peso é bem menor que as demais.

773_1
Barraca Iglu

 

IMG_20141125_182348868
Barraca tubular

Utilize calçados confortáveis, já amaciados. Em longas caminhadas e em terrenos pedregosos, utilize sempre botas de cano alto, elas dão firmeza na pisada, aumentam o equilíbrio e evitam escorregões.

hiking-woman-with-trekking-boots-on-the-trail-thumb252702611

Leve sempre roupas leves e quentes; nas regiões de montanha, utilize roupas segunda-pele, além das camadas superiores, anorakes, corta-vento e calças impermeáveis.

Sempre que puder carregue um telefone celular, hoje em dia ele pega em boa parte das travessias e serras do Brasil.

Não esqueça de levar protetor solar, boné, camiseta de manga comprida, óculos escuros, bússola, GPS, pilhas e baterias reservas, lanterna , máquina fotográfica, mapas, sacos plásticos para colocar roupas, papel, cantetas, etc.

acampar-equipa

Alimentação e Hidratação:

Uma boa ideia é levar carne de soja que não precisa ser refrigerada. Outros alimentos fáceis de levar e preparar são sopas e alimentos liofilizados, pão de forma, queijo, salame, leite e café instantâneos, biscoitos, barras energéticas, arroz pré-cozido, macarrão pré-cozido, chocolates, passas, frutas secas e granola, chá preto em sachês, bebidas isotônicas.

IMG_2489
Alimentos liofilizados

Leve alimentos diversificados para as refeições e lanches para as trilhas.
Carregue comidas leves e divida o peso por igual entre o grupo.
Carregue sempre água reserva e mantenha seu sistema de hidratação cheio.
Leve cloro ou hidro esterilizador para purificar a água de fontes naturais.

Conduta responsável:

Não deixe comida aberta ou restos de comida, pois ela pode atrair animais selvagens.
Traga seu lixo de volta, nunca deixe lixo espalhado no local do acampamento.
Escolha um local para o banheiro longe de nascentes e não se esqueça de enterrar os seus dejetos.
Evite usar sabão nas fontes, riachos  e lagos.

Tenha sempre à  mão um kit de primeiros socorros que deve conter: band-aid, algodão, pomadas para queimaduras e contusões, analgésico, antitérmico, esparadrapo, gaze, atadura, tesoura, mertiolate, antiácido e antialérgico para quem tem alergia a picadas de insetos.

Não se esqueça que você está num lugar onde socorro é sempre demorado e complicado.

Sugestões de Dieta no Camping

Café da Manhã :
* Pão de forma , bisnaga ou pão sírio
* Queijos Variados
* Requeijão
* Manteiga
* Geléias
* Leite em pó
* Achocolatado
* Ovo
* Chá
* Café
* Capuccino
* Biscoito de água e sal

Lanche para Trilha:

* Chocolate
* Doces de Leite, Leite Condensado, Paçoca, Rapadura
* Barras Energéticas
* Barras de Cereais
* Biscoitos Recheados
* Biscoitos Salgados
* Pão com Queijo
* Sucos
* Castanhas
* Amendoim

Jantar:

* Macarrão
* Sopa
* Molhos
* Carne de soja
* Azeitonas
* Queijos
* Creme de Leite
* Temperos
* Arroz Parbolizado
* Batata-palha
* Batatas Pré-Cozidas

Fonte: Revista Aventura & Ação nº144
Edição: Luís H. Fritsch

Mundo outdoor e suas novas tecnologias

Mundo outdoor e suas novas tecnologias

O mundo outdoor melhorou muito em termos tecnológicos, antigamente eramos forçados a ficar em casa ao lado do fogão a lenha, pois a condição climática não estava favorável para nossas aventuras, já hoje em dia não existe mais a possibilidade de darmos alguma desculpa e não ir fazer aquela trilha no fim de semana, pode estar chovendo, estar frio ou mesmo calor.

Tecnologia GORE-TEX®

Mundo outdoor

A membrana de tecnologia GORE-TEX® é durável, impermeável e à prova de vento, combinada com produtos duradouros, de respirabilidade otimizada e que maximizam a proteção e conforto de seus usuários.

Ideal para uma grande variedade de atividades ao ar livre, a membrana GORE-TEX® está ligada apenas ao tecido exterior. O benefício: o forro separado dentro melhora o conforto e versatilidade. Esta construção pode ser combinada com um isolamento, mantendo seco e quente.

Saiba mais sobre essa membrana:

Membrana GORE-TEX® tem mais de 1,4 bilhões de poros por centímetro quadrado.

Esses poros são 20.000 vezes menor do que uma gota de água, mas 700 vezes maior que uma molécula de vapor de água. Devido a isto, a água não pode penetrar a partir de (vapor de água) no exterior e suor pode facilmente escapar para o exterior através da membrana. Isso garante que GORE-TEX® permanece água e à prova de vento, mas respirável.

Para garantir a resistência do tempo absoluto, produtos GORE-TEX® são empregadas com tecnologia GORE-SEAM® TAPE para selar mesmo os minúsculos furos na peça GORE-TEX® causado pelo processo de costura.

Para atender às exigências especiais da ampla gama de aplicações – dos quais o mais exigente é o motociclismo – GORE-TEX® tem desenvolvido diversas tecnologias de membranas, que são utilizados em determinados produtos.

Ensaio do produto:
Garantido para mantê-lo seco ™
Cada novo protótipo do produto GORE-TEX® é colocada através de testes extremamente rigorosos nos laboratórios Gore. E não é apenas a membrana GORE-TEX® que é testado, todo o vestuário e seus componentes de material exterior, isolamento, membrana e forro tem que provar sua excelência nas condições mais difíceis.

Mundo outdoor - gore-tex

Cada nova peça GORE-TEX® é submetido a acelerada “mundo real” do tipo teste de laboratório equivalente a muitos milhares de horas de uso, passando pela Sala de chuva, bem como o conforto e teste de frio, antes de ser liberado para produção .

É este procedimento rigoroso controle de qualidade que diferencia GORE-TEX® de outras membranas de clima no mercado e torna o único garantido para mantê-lo seco.

Tecnologia Polartec®

Mundo outdoor - Polartec

Por falta de informação, muita gente trata com desconfiança os diferentes materiais que são comumente chamados de Fleece, o que é bem compreensível dada à inundação de produtos de baixo preço e mínima qualidade.

Hoje vamos separa o joio do trigo e falar mais a fundo sobre a tecnologia Polartec, o supra-sumo dos fleeces.

Projetados para estresse agudo, os tecidos Polartec são resistentes ao rompimento das fibras e possuem tecnologia anti-pilling (evitam formação de bolinhas). A utilização e lavagem intensas podem provocar o desbotamento da cor, mas não a perda de suas propriedades. O aspecto de produto envelhecido é o principal motivo de substituição e não propriamente o desgaste do produto.

Também chamado de CCF, “Climate Control Fabrics”, o principal atributo do Polartec é manter o corpo seco e aquecido, propiciando conforto em qualquer situação. A alta capacidade de exportar o suor, aliada à resistência à penetração de água, evita que o corpo fique úmido e sofra com o frio e uma eventual hipotermia. Por isso é considerado mais que uma vestimenta, um equipamento de termo-regulação.

Ainda há várias tecnologias disponíveis na vasta variação de materiais Polaterc, como proteção UV, proteção à formação de odores, repelência de água e até resistência ao fogo.

Clique aqui e saiba mais: www.polartec.com/technologies

Mundo outdoor - Polartec

A utilização combinada do Polartec com produtos compostos de algodão, Lycra, Nylon e afins, pode potencializar suas capacidades. Portanto, não é recomendado o uso do Polartec como segunda-pele.

De acordo com a temperatura e umidade, convém utilizar como cobertura principal sobre roupas mais finas, ou ainda de forma intermediária com agasalhos mais densos por cima, para o caso de frio extremo. Sozinho o Polartec apresenta proteção segura como corta-vento e excelente desempenho contra umidade, adequado para temperaturas acima de 5ºC com relativo conforto, até temperaturas amenas de meia estação.

Tecnologia Cordura®

Mundo outdoor - Cordura

Cordura é a marca registrada da InvistaTM para tecidos de altíssima durabilidade. Os Tecidos Cordura são produzidos com fios de poliamida 6.6 de alta tenacidade, com resistência à ruptura muito acima da média dos tecidos existentes no mercado.

Cordura apresenta altíssima resistência nos itens abrasão, rasgamento e perfuração, além de não formar pilling (bolinhas). O tecido Cordura, que pode ser tinto ou estampado, é leve, fácil de lavar, seca rapidamente, não mofa e mantém aparência de novo por muito mais tempo. Quando submetido a acabamento de resinas ou Teflon , pode adquirir características de repelência a água, óleo, retardante de chamas, etc.

Tipos de Cordura:
Os tecidos Cordura podem ser produzidos com fios lisos, tipo 210 den*, 280 den, 420 den, 630 den e 840 den, texturizados a ar tipo 500 den, 750 den e 1000 den ou com ambos. Os fios lisos apresentam maior resistência à ruptura por tração e são mais brilhantes, enquanto o diferencial dos texturizados é a resistência à abrasão, são menos brilhantes e têm, portanto, uma aparência menos sintética e mais próxima à lona.
Diferentemente do significado de Cordura da época em que a marca pertencia à Dupont, atualmente todos os tecidos feitos com fios de poliamida de alta tenacidade da InvistaTM são chamados de Cordura. Porém, o tecido original que consagrou a marca e até hoje é mundialmente reconhecido por ser o mais resistente à abrasão, é o produzido com o fio texturizado.

* den = unidade que representa o peso em gramas de 9000 m de fio, que a grosso modo determina a espessura do fio. Por exemplo, 9000 m de um fio de 500 den pesam 500g.

Resistência à Abrasão:
Cordura 1000 é:
20x mais resistente que o Algodão
10x mais resistente que a Lã
4x mais resistente que o Nylon 400
3x mais resistente que o Poliéster 600

Mundo outdoor - Cordura

Mundo outdoor - Cordura

Sem título2

Clique aqui e saiba mais: www.cordura.com

Tecnologia Vibram®

Mundo outdoor - Vibram

Solados de tecnologia italiana com massa de borracha e compostos especiais, atualmente é a mais renomada fabricante de solados do mundo, com mais de 60 anos de experiência e tradição.

Nos últimos anos, a Vibram® concentrou suas pesquisas em Design Biomecânico, com a colaboração da ETH University, de Zurique e dos milhares de clientes homologados no mundo.

Os solados aperfeiçoaram no controle de tração e na resistência do material para maior segurança. São solados flexíveis, aderentes, duráveis e com design biomecânico para melhorar a sensibilidade dos pés com o ambiente de uso.

Presente no dia a dia de corredores de montanha, trekkeiros, escaladores e em praticantes de esportes de montanha, o solado vibram é conhecido, e reconhecido, por fazer parte dos calçados e até mesmo se confunde com a história dos esportes.

A marca também é conhecida por ser a pioneira nos tênis modelos “FiveFingers” que incentivou o movimento “Barefoot running”.

Mundo outdoor - Vibram FiveFinghers
Calçados Vibram® FiveFinghers

Clique aqui e saiba mais: www.vibram.com

Conheça o saco de dormir ultracompacto Deuter

O saco de dormir Dream Lite 500 e o 500 L da Deuter complementa a linha Speed Lite de mochilas ultra-leves. Desenvolvido para verão, é um saco de dormir leve e compacto, sendo o mais usado por quem percorre o Caminho de Santiago de Compostela e outros caminhos de peregrinação. Este modelo é fabricado em 2 tamanhos, para atender usuários de até 1,85 m e 2,00 m. Possui  um pequeno bolso interno para guardar itens de valor. Também ganhou o prêmio Equipamento do Ano da revista Go Outside em 2006.

Saco de dormir ultraleve, com o peso de 570g e 650g é ideal para pessoas que não desejam carregar muito peso. Possui zíper com abertura de corpo inteiro.

Para temperaturas como a do Brasil, esse saco de dormir é o mais indicado. É aconselhável o uso de um isolante térmico, a fim de inibir a umidade e o frio do solo.

Especificações técnicas:

Saco de dormir deuter

 

 

Veja algumas fotos:

IMG_20150514_0950349651
Comparando o tamanho – Foto: Guenoa

 

 

IMG_20150514_095758446_HDR
Foto: Guenoa
1425491070_2
Dream Lite 500
900x600_1953_DreamLite500_4100_11
Dream Lite 500

Confira mais detalhes de cada equipamento na loja dos nossos parceiros!

996056_580973958630913_159691964_n

Contato:

Fone: +55 (54) 3213.5131

vendas@guenoa.com.br

https://www.guenoa.com.br/

Saiba como organizar a mochila cargueira

Entenda que a mochila cargueira é um item muito importante na sua aventura. Dependendo do percurso, e tipo de trekking há uma mochila adequada. A mochila cargueira escolhida de forma errada, pode trazer sérios problemas de saúde.

Lembre-se que a mochila cargueira é um equipamento de transporte, e como tal, deve ser organizada com critério. Pois a organização não se faz ao acaso, para evitar pregas e espaço morto.

Arrume sua mochila com antecedência de no mínimo dois dias, faça uma lista do que levar na aventura. Elabore uma lista pessoal e importantes pra você.

Agrupe por itens, como: roupas; casa e cama; cozinha; acessórios; emergência; proteção, higiene pessoal e ferramentas.
Para não deixar todo jogado dentro da mochila, separe os itens em sacos plásticos grossos que além de organizar, protege de eventuais mudanças climáticas. Não confie na impermeabilidade da mochila; ela não é um estanque.

Tente arrumar tudo dentro da mochila!
Coloque no máximo pelo lado de fora os bastões de caminhada e o isolante térmico ou barraca. Jamais faça de sua mochila uma árvore de natal. Itens pendurados, nem pensar! Pois serve para enroscar em obstáculos e pode até , derrubar você e estragar o final de semana de todos ao seu redor!
Escolha um modelo que tenha recursos técnicos.

Infográfico build 02 (deuter).cdr
Foto: blog.blag.us

1 – Teto
Nessa parte deve-se colocar os objetos leves, como o isolante térmico.

2 – Tampa telescópico ou Chapéu (tampa superior)
É indicado para itens pequenos e leves. Divida em duas partes, em cima: carteira, mapa, bússola, máquina fotográfica, diário de viagem, gps. Em baixo: remédios, papel higiênico, óculos de sol, desodorante, pente, itens de manutenção pequenos.

3 – Saída da mangueira de Hidrobag (recipiente para água)
Muito Útil para evitar paradas.
4 – Bolsas laterais
Existe dois bolsos na lateral da mochila
– Se for destro: Coloque os itens mais importantes do lado direito.
– Se for canhoto: Priorize o lado esquerdo.
Para destro
Bolso direito: lanterna, canivete, pilhas, tesoura, martelo de barraca, acendedor(protegido de umidade).
Bolso esquerdo: alimentos básicos, barrinha de cereais, frutas secas.
Para canhoto
Inverta as posições acima.

5 – Corpo principal
No corpo da mochila devemos colocar os itens de maior volume e que não serão acessados durante a trilha.
Itens pesados (cozinha) embaixo; saco de dormir, acima;
itens compridos como varetas e facão, ficam de pé, próximo às costas e roupas separadas por sacos identificados.

6 – Acesso frontal
Abertura, para evitar abri por cima, quando precisar retirar algum item que estiver no meio do corpo principal.

7 – Bolso inferior
Nesse bolso se colocar a barraca dobrada em forma quadrada embaixo de tudo, para dá estabilidade na mochila, para ficar em pé. Também vai chinelos, saco de lixo e roupa molhada (devidamente embalada).

8 – Suporte para bastões de caminhada
9 – Fitas de ajustes (compactador) laterais e frontais
OBS: Os itens 3 e 6 são disponíveis em alguns modelos.

Parte de trás da mochila
A – Regulador da alça
B – Costas e alças acolchoadas
C – Barrigueira largas e bem acolchoadas
Escolha uma mochila de boa qualidade com as opções acima, no mercado existem mochilas cargueira de boa qualidade a partir de R$ 600,00.

1513878_1597644080474677_3141850944431757627_n

Dicas importantes:
– O peso que você pode carregar nunca deve ultrapassar 1/3 do seu peso corporal. Se você pesa 75 kg, o peso de carga da mochila não será superior há 25 kg.

– É muito importante comprar uma capa de chuva para a sua mochila. E um esticador (aquele elásticos de moto mesmo) para ajudar a prender a sua Capa a mochila! Durante uma travessia sempre tem a possibilidade de pegar muito vento e sua capa voar caso não esteja bem presa!

Mochila top de linha marca Deuter (marca alemã).

6192-ml
Mochila top de linha Deuter

Marcas nacionais Kailash, Curtlo e Conquista.

cargueirasx61
Mochila Curtlo
conquista-daari-45_600x600-PU8409f_1
Mochila Conquista
671365
Mochila Kailash

– Como organizar os alimentos e outros itens de cozinha acima da roupa, colocando tudo que for possível dentro de potes, para não colocar comida e outros materiais em contato.

– As capas de chuva ou jaquetas devem estar em locais de acesso fácil e rápido.
– A barraca pode ficar do lado externo à mochila (presa naquela tampa que comentamos acima) e estar envolta em um saco impermeável.

– Pode ser utilizado uma garrafa PET mesmo para armazenar agua!

Texto: Evandro Luis Clunc
Empresa: Sol de Indiada

Rapel: O mundo do esporte e da emoção

Rapel: O mundo do esporte e da emoção

Rapel é um esporte considerado técnica vertical,  e aplicado como  um dos mais aventureiros. A prática do rapel, seja ele em ambiente urbano ou natural, só pode ser feita mediante adoção de várias medidas de planejamento e segurança. Tais medidas transformaram a técnica de descida em corda, usada por profissionais que trabalham em altitudes como, espeleólogos e bombeiros.

Rapel
Foto: Outddor Equipamentos

O esporte não se trata apenas de subir prédios, montanhas ou pontes para simplesmente depois descer usando uma corda. Além de um planejamento prévio, que envolve o reconhecimento do local, o rapel requer ainda conhecimentos técnicos e uso de equipamentos de segurança próprios, os quais os praticantes devem estar familiarizados antecipadamente.

Antes de descer em paredes, vãos livres,encostas, picos ou cachoeiras, com o auxílio da corda, equipamentos adequados devem estar ao alcance de quem pretende se aventurar , tais como: conhecimentos como resistência do material;  manuseio do equipamento, técnicas de primeiros socorros; uso de luvas e capacete.

Rapel
Foto: Marcio Basso

A cada nível de descida é exigido mais conhecimento do praticante. Esse conhecimento deve ser repassado por pessoas preparadas e capacitadas em cursos de acordo com regras de segurança estabelecidas pela mesma legislação que regulamenta a execução de trabalho em altura.

Rapel
Foto: Marcio Basso

O Rapel é um esporte para ser praticado em grupo. Estar bem alimentado e respeitar seus próprios limites e do companheiro e nunca deixar a autoconfiança tirar sua atenção das medidas de segurança que são constantemente exigidos de quem  o pratica.

Rapel
Foto: Fabinho Oliveira

Lugares para praticar rapel:

Cascata do Salto Ventoso – Farroupilha/RS

Cascata do Chuvisqueiro – Rolante/RS

Cachoeira dos Marins – Cotiporã/RS

Cascata da Gruta 3° Légua – Caxias do Sul/RS

Cachoeira Salto Escondido – Nova Roma do Sul/RS

– Gparque Farroupilha – RS

– Mirante Gelain – Flores da Cunha/RS

Empresa que oferece equipamentos, cursos e descidas de rapel:

Outdoor Equipamentos

Texto: Luís H. Fritsch/Patrícia de Cesaro

Roupas para frio – Entenda o sistema de camadas

Roupas para frio – Entenda o sistema de camadas

As primeira coisa que você deve fazer para descobrir qual é a roupa ideal para a atividade de aventura que você vai praticar é entender o conceito de “sistema de camadas” (segunda pele, camada térmica, corta-vento, etc.).

Imagine que você acabou de chegar de carro na cidade de El Chaltén, porta de entrada para a Patagônia argentina. A temperatura está por volta de zero grau e você está vestindo uma camiseta de malha e um pesado casaco de lã ou de moletom (grosso mesmo). Se você estiver parado, até vai se sentir confortável. Mas você não quer ficar parado, certo?

Ao começar a explorar o lugar andando, mesmo que num ritmo leve, a temperatura do seu corpo vai subir, apesar do frio. Então, no intuito de estabilizar a própria temperatura corporal, você vai suar.

O que acontece depois de algum tempo caminhando na trilha? Sua camiseta de algodão vai ficar molhada. Quando ela estiver muito encharcada, será a vez do casaco. Sem suportar o calor, você vai então arrancar desesperadamente seu lindo (e agora ineficiente) moletom fofinho e enorme de ser carregado.

E agora? Você está suando e a temperatura ainda é de arrepiar. Fora o vento gelado que joga lá pra baixo a sensação térmica. Você certamente vai tremer de frio vestindo apenas a camiseta, ainda mais molhada (é melhor nem imaginar o vento patagônico batendo nela).

Aí entra o sistema de camadas de roupas, que pode acabar com vários problemas de uma vez só. O primeiro enrosco vai ser resolvido com a palavra “camada”: já que é inevitável sentir calor, mesmo no frio, se você usar algumas camadas de roupas mais finas e leves em vez de um único casaco pesado, você pode ir tirando aos poucos cada peça, de acordo com o aumento da temperatura corporal ou do ambiente externo. E lembre-se que esse conceito vale também para pernas, mãos, pés, pescoço e cabeça.

No intuito de melhorar ainda mais o seu conforto, cada camada tem uma função específica:

Camada segunda pele (base layer): É a peça de roupa que vai em contato direto com a sua pele. E pense rápido, qual é a principal função de uma segunda pele? Secar com rapidez o suor, para que você não tenha a sensação desagradável de vestir uma camiseta molhada.

Outra função importante da segunda pele é ajudar a diminuir o mau cheiro do corpo produzido pelo suor em contato com micro-organismos como bactérias e fungos.

Roupas para frio
Camada segunda pele (base layer)

Camada térmica (mid layer): É uma roupa para você vestir por cima da segunda pele e por baixo do casaco corta-vento ou impermeável. A principal função desta camada é te aquecer.

Roupas para frio
Camada térmica (mid layer)

Camada corta-vento: Como o próprio nome diz, barra seu corpo do vento e da chuva fina. É a jaqueta ou a calça que vai na parte mais externa de todas as camadas.

Roupas para frio
Camada corta-vento

Agora que você conhece o sistema de camadas é só usar e abusar das facilidades desse sistema.

Fonte: www.solobr.com

Confira mais detalhes de cada roupa para frio na loja dos nossos parceiros!

guenoa

Contato:

Fone: +55 (54) 3213.5131

vendas@guenoa.com.br

https://www.guenoa.com.br/

Você conhece o filtro portátil LifeStraw?

Você conhece o filtro portátil LifeStraw?

Às vezes, as tecnologias mais simples têm o maior impacto na vida das pessoas. Veja como exemplo o sistema de filtragem móvel da empresa suíça Vestergaard Frandsen, batizado de LifeStraw (“canudo da vida”). É um tubo de plástico azul – mas muito mais grosso que um canudinho comum – contendo filtros que tornam potável a água contaminada com micro-organismos que provocam cólera, febre tifoide e diarreia.

Os filtros, fabricados em resina halogena, matam quase 100% das bactérias e cerca de 99% dos vírus que passam pelo LifeStraw. A University of North Carolina em Chapel Hill testou o canudo com uma amostra de água contendo as bactérias Escherichia coli B e Enterococcus faecalis, além do vírus MS2 colífago, e mais iodo e prata. Os resultados indicam que o LifeStraw filtrou todos os contaminantes a níveis em que não representam mais um risco à saúde de quem ingere a água.

1622854_476352765804602_1642248963_n
Foto: LifeStraw

Com  25 cm de comprimento, o canudo pode filtrar até 700 litros de água – estimativa do consumo anual de uma pessoa. O LifeStraw deve ser jogado fora quando seus filtros ficam entupidos demais para permitir a passagem de água, o que acontece geralmente após um ano de uso.

No entanto, o canudo não filtra metais pesados como ferro ou flúor, nem remove parasitas como a giárdia ou o criptosporídio, apesar de o CEO da empresa, Mikkel Vestergaard Frandsen, afirmar que há uma versão do LifeStraw disponível para grupos de ajuda humanitária em Bangladesh e na Índia capaz de filtrar arsênico.

Foto: Marcio Basso
Foto: Marcio Basso

– Oferece fácil acesso à água potável segura longe de casa.  – Filtra no mínimo de 700 litros de água.

– Mata e remove 99,9999% das bactérias da água

– Mata e remove 99% dos vírus da água

– Remove partículas até 15 mícrons

– Não necessita de energia elétrica ou de peças sobressalentes para a vida útil do filtro.

– Dimensões: – Comprimento: 25 cm – Diâmetro: 2,9 cm – Peso seco: 105 gramas.

– Peso úmido: 125 gramas.

– Filtra 700 litros de água, que, por exemplo, serve para o consumo de 01 litro de água por dia durante 02 anos. Para quem vai consumir somente em aventuras e viagens e não alcançará o limite em litros de água, recomenda-se a troca do produto após 03 anos do primeiro uso

– É indicado para:

– Viajantes (mochileiros, ciclo turistas, moto turistas, entre outros), que irão passar por países e regiões onde a qualidade da água é duvidosa

– Esportistas (trekkers, montanhistas, canoístas, moutainbikers, campistas, entre outros), que terão difícil acesso a água potável.

1897722_476353209137891_43474612_n

Fonte: http://www2.uol.com.br/

Já ouviu falar em carregador solar de bateria?

O Carregador Solar Portátil JUMP, da Azteq, é ideal para viagens e aventura, pois pode ser pendurado em uma mochila, carregando seu celular ou máquina durante a caminhada. Pode ser recarregado pela luz solar ou por uma entrada USB.
O Carregador Solar Portátil JUMP é indicado para produtos com voltagem entre DC 5v+/-0.5v e corrente menor que 500 mAh.
Acompanha ainda um mosquetão plástico incorporado para facilitar fixação na mochila.
CARACTERISTICAS
Peso: 150 g
Dimensões: 5,5 cm x 8,7 cm x 2,3 cm
Bateria: de Lithium com capacidade de 1.100 mAh /3.7v
Painel Solar: de última geração com capacidade de 20 mAh/6v

Carregador solar - Marca Azteq
Carregador solar – Marca Azteq

Fonte:http://www.azteq.com.br/