Como reduzir espaços vazios em sua mochila!

Todo aventureiro, sempre leva vários equipamentos para manter-se confortavelmente, seja em uma pequena trilha, trekking ou viagens longas, normalmente  se faz uma lista com todas as coisas que vai levar e na hora de por na mala/mochila, isso não acontece com a mesma facilidade que planeja.

Para evitar problemas como estes, vamos apresentar algumas dicas úteis!

  • Leve apenas equipamentos essenciais, que possuam mais do que uma utilidade;
  • Ao invés de dobrar sua roupas enrole-as fazendo para cada dia um rolo (roupas intimas, calça/bermuda, camiseta e meias), isso facilita na hora de colocar na mochila, e evitando que as roupas amassem tanto, ainda, a grande diferença de fazer dessa maneira é que você tem suas roupas diárias em um único lugar;

roupas_trs

roupas2_trs

  • Panelas são equipamentos que normalmente consomem muito espaço físico dentro de nossas mochilas, você pode acoplá-las por tamanhos e no espaço que sobrar coloque alimentos dentro, (café, açúcar, e barras de cereais);

 

$_12

  • O saco de dormir, igualmente, também ocupa bastante espaço, neste caso você pode optar por sacos de dormir mais compactos ou usar sacos de compressão para deixa-lo menos volumosos;

alto-estilo-065_1

  • A barraca é um equipamento necessário para trekkers e aventureiros, aqui a dica é retirá-la da bolça original, enrolar cada parte separadamente, assim você consegue um condicionamento muito melhor dentro da mochila, isso também evita alguns problemas como rasgos e enrosco durante caminhadas em mata fechada;

barraca_nepal_2_trs

  • Outra dica interessante é usar ferramentas em um único lugar, ao invés de levar separadamente um canivete, serra de mão, lanterna, tesoura, pinça, um bom exemplo para evitar perder seus equipamentos é  usar ferramentas como alicates com multifunções, estes equipamentos possuem muitas ferramentas que talvez você nem precise, porém fica tudo preso em um só lugar;

alicatezitinhoto

  • Alimentos também dão algumas dores de cabeça na hora de acomodar na mochila, opte por comidas leves e com grande capacidade energética, uma boa dica é levar comidas liofilizadas, são leves e de fácil preparo.

sem-t_tulo-8627

  • A água é um item essencial dentro de nossas mochilas, neste caso, recomendo levar dois litros, um para você se hidratar e outro para cozinhar, uma boa dica é levar filtros purificadores, isso ajuda muito em situações onde não se tem certeza da qualidade da água, e diminui a quantidade de água dentro da mochila, mas cuidado, isso não se aplica a todos os casos, existem lugares que você terá que levar muito mais que 2 litros de água.
Texto: Luís H. Fritsch

Viajar de madrugada, é mais barato?

Viajar de madrugada, é mais barato?

Muitos amigos sempre me perguntam: Viajar de madrugada é mais barato? Buscar passagens aéreas depois da meia noite aumenta as chances de encontrar tarifas promocionais? A resposta é: sim, mas não sempre. Para voar dentro do Brasil essa lógica funciona bem, já que os voos no fim da noite/madrugada, normalmente, têm uma ocupação menor e  apresentam tarifas mais baratas, no período entre 22h e 6h. Outro bom horário para voar gastando menos é das 10h às 16h, pelo mesmo motivo.

Nos voos internacionais a lógica não é tão simples e pode ser, inclusive, inversa. Voos longos que saem a noite ou no início da madrugada são mais procurados, porque ajudam os viajantes a relaxarem – leia-se dormir, e também a aproveitar mais o tempo de viagem, chegando no destino de manhã ou no início da tarde. Os voos durante o dia nos Estados Unidos e na Europa, por exemplo, costumam ser mais baratos do que os que saem a noite ou de madrugada. Apesar das frequências internacionais antes das 18h serem mais raras aqui, é bem comum nos aeroportos estrangeiros, ou seja, não é difícil passagens promocionais terem voos de volta partindo no meio da tarde ou de manhã.

Mas e comprar as passagens de madrugada, é melhor? Não. Na verdade, não existe nada de especial na madrugada, exceto que o número de pessoas acessando as páginas das companhias aéreas tende a ser menor. Em dias de grandes promoções, isso pode fazer a diferença, já que muitos sites ficam instáveis e até caem por conta do tráfego intenso. Porém, foi-se  o tempo em que você precisava aguardar a madrugada de sexta para sábado, para conseguir aproveitar a Mega Promoção da TAM ou o Super Feirão da Gol, por exemplo. Hoje, quem espera um pouquinho mais e faz a sua compra no meio do final de semana consegue preços melhores, já que as companhias aéreas ficam competindo entre si e baixando ainda mais as passagens ao longo das promoções.

O que fazer para conseguir as melhores tarifas? Seguem algumas dicas:

  • Tenha em mente que preço não é tudo e que seu tempo vale dinheiro. Um voo direto um pouco mais caro, pode ser mais econômico do que um com várias conexões mais barato, já que você perderá horas preciosas da sua viagem e terá que pagar mais taxas de embarque;
  • Seja maleável quanto a data e o horário do seu voo. Sair na quinta, ao invés de sexta, e voltar na segunda, no lugar de domingo, pode garantir uma boa economia;
  • Inclua aeroportos menores ou mais distantes na sua busca. Se você voa desde São Paulo para destinos nacionais, por exemplo, pode embarcar em Guarulhos, Congonhas ou Campinas.

Agora que você já sabe como fazer, coloque a mochila nas costas e vá!

Fonte: Voopter

Ambiente selvagem, como achar água!

Ambiente selvagem, como achar água!

Perder-se ou isolar-se em um ambiente selvagem é algo que pode acontecer com qualquer pessoa. Praticantes de caminhadas, campistas, turistas e motoristas de fim-de-semana, todos estão sujeitos a circunstâncias imprevisíveis. Qualquer um deles pode acabar sozinho e perdido, confiando apenas em suas próprias habilidades de sobrevivência. A coisa mais importante que você precisa para viver é a água. Se você tiver alguns recursos e souber onde procurar, é possível encontrar ou coletar água boa para beber em qualquer ambiente da Terra.

Aviso

As informações contidas nesse artigo são direcionadas apenas para uso educacional. Use-as com responsabilidade.

Para manter a boa saúde, o corpo humano precisa de, no mínimo, 2 litros de água por dia (fonte: Manual de Campo 21-76-1). Ao se perder em um ambiente selvagem, existem chances de você estar fazendo esforço ou de o clima frio ou quente estar afetando você. Tudo isso pode significar beber mais do que a quantidade mínima necessária de água. É fácil pensar que um ambiente frio pode apresentar menos risco, mas não é isso que acontece. Você pode transpirar menos, mas acaba perdendo água através da pele devido ao ar seco. Você também irá beber mais água se enfrentar ventos fortes.

O corpo tem cerca de 2/3% de água que ele utiliza para ajudar na circulação do sangue, na digestão dos alimentos e em outros processos internos. Se você utiliza mais água do que ingere, pode ter uma desidratação. Com a desidratação grave, as células se encolhem e a circulação pára, causando uma falta de fluxo de oxigênio nos músculos. A desidratação pode começar depois de uma pessoa ficar cerca de seis horas sem ingerir água, e mais do que um dia inteiro sem beber água é motivo para muita preocupação. O corpo humano consegue sobreviver somente três dias sem água.

Agora que você compreende a importância da água, já deve estar bem claro que o seu abrigo deve estar o mais próximo possível de uma fonte de água. Se você tiver sorte o bastante para encontrar uma fonte, terá que purificá-la. Rios e lagos claros podem parecer limpos, mas existem milhões de organismos no ambiente. Se você não purificá-la, poderá ficar doente devido à bactérias ou vírus presentes na água. Nascentes de água podem ser seguras, mas o ideal é se precaver.

Nesse artigo, veremos as formas diferentes de se coletar água própria para o consumo em um ambiente selvagem, usando maneiras simples e práticas, mostraremos também alguns equipamentos para purifica-lá.

A primeira coisa que você deve fazer se estiver isolado em um ambiente selvagem é encontrar uma fonte de água potável.

As fontes mais óbvias são:

  • Córregos, rios e lagos.
  • Os animais sempre sabem onde tem água, então procure por rastros de animais.
  • Vegetação em verde vivo é também um sinal de que há água por perto.
  • Aglomeração de insetos, pode ser um incômodo, mas também é um sinal de que a fonte de água não está muito longe.
  • As rotas de vôo dos pássaros também podem apontar a direção certa.
  • Quando fizer uma pausa para descansar, use a audição para tentar descobrir sons de água corrente e lembre-se de que a água sempre desce por um fluxo, então áreas mais baixas e vales são boas apostas.

Se encontrar uma área barrenta, pode haver água disponível no solo. Faça um buraco com cerca de 30 cm de profundidade e 30 cm de diâmetro e espere. Você pode se surpreender quando o buraco se encher de água. Essa água que vem do solo é barrenta, mas se você filtrá-la com algum pedaço de pano, ela ficará mais limpa e resolverá temporariamente o problema. Mas é importante lembrar que consumir água sem que ela esteja purificada pode ser um risco.

Outras fontes de água:

  • A água da chuva em quase todas as áreas rurais normalmente pode ser consumida sem risco de doenças. Se chover, utilize quaisquer recipientes disponíveis para coletar a água.
  • Se você tiver um poncho ou puder encontrar uma folha de plástico, abra o material e amarre as extremidades em árvores, um pouco acima do chão. Ache um recipiente e amarre o poncho em uma inclinação com uma pequena curvatura para coletar e drenar a chuva. Se não puder encontrar um recipiente, amarre o poncho nivelando as quatro extremidades e faça uma curvatura maior; isso vai servir como um substituto de uma bolsa de água. Se a água da chuva estiver com um gosto um pouco diferente, é porque ela não possui certos minerais encontrados na água do solo e em córregos.
  • Se você estiver próximo de neve e de gelo, descongele-os e beba a água. Nunca coma o gelo, pois ele reduz a temperatura corporal e leva à desidratação. A neve e o gelo derretido também devem ser purificados se você possuir meios para fazer isso.
  • O orvalho também pode fornecer água potável. Antes de o sol surgir, amarre algum pedaço de pano absorvente ao redor das canelas e caminhe por alguma vegetação alta.

Mesmo em situações extremas, há alguns itens que nunca devem ser usados para se beber:

  • Sangue;
  • Urina;
  • Líquidos de peixe;
  • Água salgada;
  • Álcool;
  • Gelo fresco do mar.

O gelo fresco do mar é leitoso ou cinza, possui pontas afiadas, não se quebra facilmente e é extremamente salgado. O gelo mais velho geralmente é sem sal e você pode identificá-lo por sua coloração azulada ou escura, pelas pontas arredondadas e por serem fáceis de quebrar. Assim como a neve, você deve derreter o gelo mais velho e purificá-lo adequadamente antes de beber.

Se você estiver isolado e não houver uma fonte de água fresca por perto, então você terá que trabalhar para coletar água. Existem algumas técnicas para se fazer isso, e não custa nada aplicar mais de um sistema. Quanto mais água você coletar, melhores serão as chances de sobrevivência.

Veja algumas dessas técnicas:

Alambique subterrâneo: 

Para fazê-lo, é preciso de um pouco de folha de plástico, uma ferramenta para cavar, um recipiente, um tubo de beber e uma pedra.

  • Selecione uma área úmida que receba luz do sol durante quase todo o dia;
  • Cave um buraco em formato de tigela com 90 cm de largura e 60 cm de profundidade, com um reservatório extra cavado no centro;
  • O reservatório deve ser chato e grande o suficiente para segurar o recipiente;
  • Coloque o recipiente no reservatório;
  • Coloque o tubo de beber no recipiente e atravesse-o para cima e para fora do buraco principal;
  • Coloque o plástico sobre o buraco e cubra as laterais com pedras e terra para mantê-lo no lugar;
  • Coloque sua pedra no centro do plástico e deixe-a pendurada para baixo em cerca de 45 cm, diretamente sobre o recipiente para formar um cone invertido;
  • Acrescente mais terra nas extremidades para dar estabilidade.
Ambiente
Foto: Charles Bryant

A umidade do solo reage com o calor do sol para produzir condensação no plástico. O alambique força a condensação a descer pelo plástico até o recipiente. Você também pode acrescentar vegetação dentro do buraco para aumentar a umidade. Apenas certifique-se de que as plantas não são venenosas. Use o tubo de beber diretamente do recipiente. Se não tiver um, você pode remover o recipiente e montá-lo novamente depois. Um bom alambique consegue produzir até um litro de água potável por dia.

Para uma água com gosto melhor, deixe-a descansar durante 12 horas se for possível. Você também pode fazer um filtro para remover quaisquer partículas visíveis.

Filtro de água caseiro:

  • Encontre uma lata grande, um tronco oco ou uma sacola de plástico (bambu oco também serve);
  • Faça de 5 a 10 buracos pequenos ao redor da base do seu recipiente e suspenda-o;
  • Encha-o com camadas alternadas de pedra, areia e pano;
  • Use camadas finas e grossas (quanto mais, melhor);
  • Despeje sua água no filtro e colete-a novamente em um outro recipiente embaixo.
get-water-5
Foto: Charles Bryant

A água deverá sair quase clara, caso contrário, você pode filtrá-la novamente. Acrescente carvão de uma fogueira para remover o cheiro. Apenas certifique-se de filtrar o carvão com algum pano. Esse método remove apenas os sedimentos grandes e melhora o gosto. Você deve sempre purificar a água fazendo uma fervura.

Se sua energia estiver baixa, você vai querer evitar as escavações envolvidas no processo do alambique subterrâneo. Você pode utilizar a técnica da transpiração para coletar água. Tudo o que você precisa é de uma sacola de plástico limpa.

Técnica da transpiração:

  • De manhã, pegue uma sacola e amarre-a ao redor de um arbusto ou de um galho de árvore com folhas;
  • Faça um peso no interior com uma pedra para criar um ponto mais baixo onde a água será coletada.
Ambiente
Foto: Charles Bryant

Durante o período de um dia, a planta irá transpirar e produzir umidade que será coletada no ponto baixo. Faça um buraco para beber a água ou despeje-a em um recipiente para poder consumi-la mais tarde.

Se estiver perto da costa, um poço de praia é uma excelente maneira de conseguir água potável.

Poço de praia:

  • Cave um buraco com 90 a 150 cm na depressão atrás da primeira duna de areia. Isso é normalmente a cerca de 30 m da linha da água;
  • Coloque pedras na parte de baixo do poço para evitar que areia fique muito ativa e alinhe as laterais com madeira se for possível. Isso evita que as paredes se desmanchem;
  • Em poucas horas podem ser extraídos até 20 litros de água filtrada;
  • Se estiver muito salgada, você deve mover-se um pouco mais para trás da segunda duna de areia.
Ambiente
Foto: Charles Bryant

Essa técnica do poço funciona próxima de qualquer fonte de água. Cave poços de pântanos e lagos mais próximos da água do que na versão da praia. O mesmo método também funciona no deserto durante a estação úmida; apenas cave no ponto baixo entre as dunas, próximo da vegetação. Procure por solo úmido em leitos de rios secos e terá chances de encontrar água embaixo deles.

Não beba a água

Giardíase é a doença mais comum adquirida pela água contaminada, Giardia Lamblia é um parasita que vive no intestino dos humanos e animais. A contaminação direta se faz por transferência dos cistos atraves de mãos sujas de fezes para a boca e indiretamente pela ingestão de alimentos ou água contaminada.

Sintomas: Cólicas, náuseas e diarreia são os sintomas mais comuns de Giardíase. Os sintomas podem não se manifestar por duas semanas, mas quando presente, pode durar até seis semanas.

Criptosporidiose é uma doença adquirida pela água envolvendo parasitas encontrados nas fezes. Os mesmos sintomas são apresentados com mais gravidade. Ambos os parasitas podem ser encontrados no solo e também na vegetação, então os alimentos devem ser bem lavados antes de serem consumidos e lembre-se: você deve sempre ferver a água, mesmo se ela parecer limpa e clara. 

Purificando a água:

Se você estiver perdido em um ambiente selvagem próximo de um rio ou de um lago, metade do problema estará resolvido. Para poder beber essa água com segurança você precisa purificá-la. A fervura é a melhor opção para tornar a água fresca segura (pelo menos 10 minutos em fervura). Naturalmente, ferver a água significa que você precisa de fogo e de um recipiente. Mas, na falta de um recipiente, você pode usar um dos itens abaixo:

  • Lata de alumínio;
  • Lata de estanho;
  • Concha grande;
  • Garrafa de plástico;
  • Jarra de vidro;
  • Caixa de Leite.

Outra maneira de purificar a água é utilizar pastilhas de purificação. Muitas empresas as fabricam e elas são obrigatórias em qualquer kit de sobrevivência. As pastilhas utilizam iodo ou cloro para tratar a água. Muitas pessoas são alérgicas ao iodo, então certifique-se de que você não é alérgico antes de utilizá-las. Água turva quase sempre precisa de mais de uma pastilha para ser purificada e qualquer pastilha precisa de pelo menos 30 minutos para ser totalmente eficaz. Como a fervura, é melhor filtrar a água antes com algum pedaço de pano. Também é mais seguro beber água mais aquecida, então se ela for de um córrego, deixe que ela esquente um pouco no sol antes.

Clor-in_01_verso

Ao colocar a pastilha na garrafa, agite um pouco da água na tampa e na área onde você coloca a boca. Após ferver ou tratar a água com pastilhas, despeje a água de um recipiente para o outro várias vezes. Isso irá adicionar mais oxigênio e melhorar o sabor.

Filtros e purificadores portáteis:

Existem dezenas de filtros e purificadores de água portáteis no mercado e eles basicamente funcionam da mesma maneira: um lado recebe a água, que passa por uma série de filtros e tratamentos, e o outro lado serve para a saída da água.

Diferença entre os filtros e os purificadores:

  • Ambos eliminam as bactérias nocivas, mas os purificadores também eliminam os vírus;
  • Os purificadores utilizam agentes químicos além do sistema de filtragem comum;
  • A maioria dos filtros utiliza um núcleo feito de cerâmica, carbono e fibra de vidro;
  • Os purificadores têm uma camada química adicional de resina de iodo.

O Lifestraw é um filtro portátil que permite consumir água com segurança diretamente de qualquer fonte. Ele tem cerca de 28 cm, menos de 2,5 cm de espessura e se parece com um grande canudo. Uma ponta possui a parte que vai na boca mais estreita e a outra vai diretamente na fonte de água. Cada Lifestraw tem capacidade de filtragem de 700 litros, aproximadamente a quantidade de água necessária para uma pessoa durante um ano.

life_straw

Texto: Charles Bryant

Onde encontrar as famosas auroras boreais!

Onde encontrar as famosas auroras boreais!

Fenômeno visual que ocorre nas regiões polares, as auroras boreais encontram-se entre os maiores espetáculos da natureza, com luzes de diferentes cores que dominam o céu durante os meses do inverno. As auroras boreais são difíceis de prever, mas existem alguns lugares ideais para aumentar sua probabilidade de se encontrar com esta fascinante atração. O site Fodors listou dez destinos para avistar auroras boreais.

Noruega
Situada acima do círculo polar ártico,  no norte da Noruega, a cidade de Tromso vê com freqüência  as auroras boreais que chegam com o  fim dos longos dias de verão. O belo espetáculo de luzes coloridas é a principal atração da cidade, que também conta com a universidade mais nórdica do planeta.
auroras boreais Suécia
O vilarejo de Abisko, na região da Lapônia, tem menos de 150 habitantes, mas é muito visitado por turistas, pelo fato de ter um micro-clima único que o torna um ponto ideal para apreciar a beleza de auroras boreais.  Durante o escuro inverno, o Parque Nacional de Abisko tem atrações como o lago Tometrask, num cenário maravilhoso para curtir este impressionantes fenômeno natural.

auroras boreais Finlândia
No norte da Finlândia,  na cidade e de Luosto, o hotel Aurora Chalet entrega a seus hóspedes um “Alarme de Auroras”, que toca quando as luzes coloridas fazem sua aparição no céu, graças ao serviço do Centro de Investigação de Auroras Boreais da cidade de Sodankyla. Com o céu claro, é possível avistar o fenômeno na cidade de Nellim, com o lago Inari, um dos maiores da Finlândia, como pano de fundo.

auroras boreais

Islândia
Além de ter numerosas maravilhas naturais, como vulcões, geleiras, gêisers e fiordes, a Islândia também conta com o fenômeno de auroras boreais durante o inverno. Próximo de Reykjavik, capital do  país, o Parque Nacional de Pingvellir  tem amplas planícies, ideais para observar o espetáculo natural de luzes coloridas.

auroras boreais

Alasca
Região selvagem dos Estados Unidos, o Alasca tem entre suas numerosas atrações a aparição de auroras boreais durante o inverno. Para visualizar o fenômeno nas melhores condições, o ideal é escapar para áreas remotas como o Parque Nacional de Denali, sem esquecer de conferir a previsão de auroras boreais da Universidade do Alasca.

auroras boreais

Canadá
A imensidão das áreas naturais do Canadá oferece numerosas opções para observar a beleza das auroras boreais. As áreas em volta do lago Superior, no Ontário, a tundra do norte do país, e o território de Yukon , próximo ao Alasca, são alguns pontos ideais para a visualização do fenômeno.
auroras boreais Groenlândia
Destino visitado especialmente por pessoas em busca de aventuras, a Groenlândia tem frequentes aparições de auroras boreais. Apesar do fenômeno estar presente em praticamente todo o grande território, os lugares mais acessíveis encontram-se no sul e no leste da Groenlândia, em localidades como Kulusuk e Ammassalik.
auroras boreais Escócia
As ilhas britânicas são conhecidas por seu clima cinzento, longe das condições ideais para avistar auroras boreais. No entanto, nas raras noites de céu claro do inverno escocês, os turistas têm boas chances de poder apreciar as luzes, principalmente em localidades como Aberdeen, a Ilha de Skye e as terras altas do norte.
auroras boreais Rússia
Encarar as noites gélidas do inverno russo pode ser recompensado com um belo espetáculo com luzes coloridas de auroras boreais. A península de Kola, no noroeste do país, encontra-se situada quase inteiramente acima do Círculo Polar Ártico e é um dos pontos mais populares da Rússia para avistar o fenômeno natural.
auroras boreais Ilhas Faroe
Ao norte da Escócia, entre o Mar da Noruega e o Atlântico Norte, as Ilhas Faroe são um arquipélago dependente da Dinamarca e conhecido por suas heranças da cultura viking. Quando o clima ajuda, as ilhas são excelentes para avistar auroras boreais.

auroras boreais

Texto: Andrés Bruzzone
Fonte: Vida e Estilo

Hospedagem mais acessível!

Hospedagem mais acessível!

Na hora de escolher o melhor meio de hospedagem para a viagem, muitos turistas acreditam que é fácil se decidir entre hostel, hotel e motel e qualquer outra opção que apareça durante as suas buscas. A verdade, porém, é que cada uma dessas alternativas tem suas características próprias, responsáveis por mudar tanto os valores das diárias quanto o tipo de acomodação e serviços oferecidos.

Por isso, quem não está familiarizado com os termos deve ficar atento. E é para ajudar nesta tarefa que criamos o post de hoje. Conheça agora as diferenças entre os principais meios de hospedagem disponíveis para a sua viagem!

Hotel

Hospedagem barata !

Hotel é a forma mais comum de hospedagem. De acordo com a Legislação Brasileira, hotel é um estabelecimento que dispõe de pelo menos, dez quartos em sua maioria para uma ou duas pessoas.

Hostel

Hospedagem barata !

O padrão do hostel é mais baixo, e é mais barato que um hotel. A principal característica é a disponibilidade de quartos compartilhados (de três a nove camas, ou até mais), a maioria com banheiro também compartilhado no corredor. Atualmente muitos hostels oferecem quartos para uma ou duas pessoas, às vezes com um banheiro adicional. No entanto, esse tipo de pernoite é bem mais caro do que os quartos compartilhados. A maioria das instalações nos hostels é destinada ao uso comum por todos os hóspedes. Hostels podem parecer albergues, mas ao contrário deles, sempre são propriedade privada e não têm regulamentos restritos. É para hostels que a maioria dos mochileiros e estrangeiros vão quando precisam de hospedagem. Ótima oportunidade para conhecer gente diferente.

Motel

Hospedagem barata !

Motel é um estabelecimento de hotel localizado em rodovias, disposto de estacionamento, ao qual a oferta é dirigida a pessoas que estejam de viagem. O motel deve ter, pelo menos, dez quartos, e deve também prestar serviços gastronômicos dentro do motel. Normalmente, o motel se localiza na periferia das cidades e ao longo das principais rodovias. Ao contrário do que pode-se pensar, o motel pode ser uma opção boa e barata para hospedagem.

Como viajar gastando pouco ou quase nada!

Como viajar gastando pouco ou quase nada!

Colocar uma mochila nas costas e cair na estrada em busca de caronas que o levem para os lugares mais incríveis é uma maneira de viajar de graça. Mas não é a única. A tecnologia possibilitou outras formas de conhecer o mundo sem gastar dinheiro — ou, ao menos, desembolsando muito pouco.

Hoje já é possível encontrar hospedagem gratuita pela internet ou até pedir um financiamento coletivo para a sua viagem. Há, ainda, a opção de se engajar em uma causa social ou usufruir de milhas aéreas acumuladas. Conheça abaixo algumas dessas alternativas, veja qual tem mais a ver com o seu perfil (talvez você una mais de uma delas) e programe as suas próximas férias.

Viajar gastando pouco trocando de casa
Alguns sites reúnem pessoas dispostas a ceder a casa e que, literalmente, trocam seus endereços por um tempo. O intercâmbio pode ser simultâneo ou não. Ou seja, você pode ocupar a casa do hóspede enquanto ele se muda para a sua. Mas também é possível ceder a estadia e obter um crédito para uma futura hospedagem na casa do seu atual convidado, num período acordado com ele.

O Home Exchange é o site mais famoso do ramo, disponibiliza mais de 50 mil casas, em 150 países, e possui versão em português: o Troca Casa (www.trocacasa.com). Para se cadastrar, é preciso pagar uma anuidade de US$ 9,95 e detalhar as características da sua residência, com fotos, inclusive. Caso você não realize nenhuma troca no primeiro ano, o site oferece mais um ano gratuitamente.

Em 2013, a Universidade de Bergamo, na Itália, realizou um estudo com sete mil membros da rede de troca de casas e apontou que 93% deles ficaram satisfeitos com a experiência e 75% qualificaram como confiável a pessoa com quem trocaram de endereço. Desses entrevistados, a metade tem família e filhos.

viajar gastando pouco
No couchsurfing, moradores abrigam gratuitamente o turista em suas casas

Viajar gastando pouco com Couchsurfing
A prática, que pode ser traduzida, ao pé da letra, como “surfar no sofá”, implica em hospedar-se gratuitamente na casa de moradores de um determinado local. O sofá não é necessariamente o que eles têm a oferecer, muitos disponibilizam camas, colchões e até quartos privativos para os visitantes.

O site mais conhecido de adeptos dessa prática é o www.couchsurfing.org. Para utilizá-lo, basta entrar no endereço eletrônico, criar um perfil online e começar a busca de uma acomodação. Fica mais fácil escolher um lugar bacana ao olhar as recomendações já feitas por outros “coachsurfers” que passaram pelo destino.

“O mais legal do couchsurfing é conviver com pessoas locais, que vão ajudar você a conhecer os lugares que só os moradores da cidade frequentam. A imersão na cultura é muito mais intensa, não se compara a de um turista que vai, fica em um hotel e visita só os pontos turísticos”, diz o mochileiro e fotógrafo Leonardo Maceira, que há cinco meses tem viajado pelo Brasil sem dinheiro na carteira, registrando suas aventuras em sua página do Facebook (https://www.facebook.com/OsLugaresdeCadaUm).

Vale saber que o anfitrião tem todo o direito de não aceitar um pedido de hospedagem feito via couchsurfing. Por isso, é bom sempre ter mais de um “sofá” como opção, antes de programar a sua viagem.

Viajar gastando pouco com Trocas de trabalho por comida e hospedagem
Você pode ter acomodação e refeições gratuitas em outro país se estiver disposto a ceder algumas horas do seu dia para trabalhar em um negócio, que pode ser uma fazenda, uma casa de família, um rancho, alojamento ou albergue. Existem muitos estabelecimentos ao redor do mundo que oferecem, além de comida e um local para dormir, acesso gratuito à internet e a oportunidade de conviver com a comunidade local. Tudo em troca de uma ajuda.

O site HelpX (http://www.helpx.net/) reúne muitos locais ao redor do mundo que aceitam essa prática. Quem recebe os voluntários geralmente exige um compromisso. Na média, são necessárias quatro horas diárias de trabalho para usufruir desses benefícios, mas pode haver variações.

Como regra geral, ao ajudar mais, você tem mais regalias. Por exemplo: quem prefere trabalhar por duas horas diárias talvez só consiga um local para dormir, enquanto quem se coloca à disposição por seis horas diárias poderá ter, além das refeições, um quarto privativo. Muitas das oportunidades são em áreas rurais, por isso, têm mais chances aqueles que incluem no perfil habilidades como saber mexer com plantas e colher frutas, cuidar de animais e andar a cavalo.

viajar gastando pouco
Praticar voluntariado também pode garantir uma viagem sem gastar muito dinheiro

Viajar gastando pouco sendo voluntário de causas sociais
Essa é uma forma de viajar a custo baixíssimo – geralmente se paga a passagem aérea e o seguro saúde – mas só serve para aquelas pessoas que não querem apenas carimbar o passaporte, mas que estão interessadas em se envolver em grandes projetos humanitários.

“É para quem tem vontade de conhecer o mundo não somente para aprender um idioma e, sim, para desenvolver responsabilidade social”, diz Moira Helena, diretora de intercâmbios sociais para estudantes da Aiesec no Brasil, organização estudantil sem fins lucrativos que, em 2013, levou 1.600 brasileiros para trabalharem como voluntários em outros países.

Para embarcar nos intercâmbios oferecidos pela organização é preciso ter entre 18 e 30 anos e inglês no nível intermediário. Colômbia, Argentina, Índia, Romênia, Hungria, Turquia e Egito são alguns dos países que entram nos programas, com duração de seis a doze semanas. Ao chegar no destino, os voluntários geralmente dão apoio a uma ONG local em áreas diversas, como financeira e comunicação. Em alguns casos, os jovens também podem ser treinados para atuarem como professores temporários de escolas locais.

Viajar gastando pouco com milhas
É verdade que acumular milhas aéreas custa, porque você precisa gastar para obter esse benefício. No entanto, se consegue isso adquirindo itens que iria comprar de qualquer maneira, essa é, sim, uma grande vantagem. Opções de programas de fidelidade não faltam, basta escolher aquele que oferece os melhores benefícios. Uma dica é optar por um programa que possua voos para os destinos que pretende visitar. Assim, é mais fácil se fidelizar. Caso contrário, você terá pontos espalhados por diversos programas, que dificilmente o levarão aonde quer chegar. Outra recomendação é escolher um cartão de crédito que ofereça uma boa troca do valor gasto por pontos e concentrar as compras nele. Por fim, é importante considerar a validade dos pontos e se planejar para conseguir acumular uma boa milhagem antes de ter de resgatar.

Viajar gastando pouco pedindo doações em sites
O crowdfunding é uma iniciativa de financiamento coletivo, uma maneira de captar recursos por meio de doações em dinheiro para um projeto específico. A ação já foi utilizada para viabilizar os mais diversos planos e agora também está disponível para quem quer ter sua viagem financiada.

O Trevolta (http://www.trevolta.com/) oferece a oportunidade de você montar o roteiro da sua viagem e, após precisar a quantia de dinheiro necessária para realizá-la, pedir contribuições.

Mas é claro que não é qualquer viagem que consegue patrocinadores. Para um crowdfunding de viagem ser bem-sucedido, é preciso ter diferencial. O “New York to Patagonia… By Ambulance!” (De Nova York à Patagônia… Em uma ambulância), por exemplo, conseguiu levantar US$ 8 mil dos US$ 10 mil pedidos. A proposta era viajar em uma ambulância da Big Apple até a América Latina e, ao fim da rota, doar o veículo para uma organização que presta atendimento de saúde para as comunidades carentes da Colômbia.

Ideias muito boas podem até ser patrocinadas por empresas. Outra opção para viabilizar o seu sonho é oferecer recompensa para os doadores, como cartões-postais do destino, fotografias e lembrancinhas locais.

Viaje sozinho pelo menos uma vez na vida

Viaje sozinho pelo menos uma vez na vida

“Não tenha medo de andar sozinho. Não tenha medo de gostar disso.” John Mayer

Há três anos atrás, eu não viajaria para lugar nenhum sozinha nem que você me pagasse, entrar em um avião para viajar por conta estava definitivamente fora de questão.

É engraçado como o tempo muda as coisas e a gente, e as coisas que você nunca se viu fazendo de repente se tornam a sua realidade.

Viajar sozinha se tornou parte da minha nova realidade. Eu absolutamente amo fazê-lo e aprendi muitas lições ao longo do caminho. Sendo o tipo de pessoa “não gostando de esperar pelos outros” e “levanta e vai” que eu sou, é natural que eu vá sozinha mais vezes. É tão excitante, exigente de seus nervos, e tão muito mais recompensador ao mesmo tempo. Agora que já tenho algumas aventuras internacionais solo de experiência, estou ansiosamente aguardando pela próxima!

Se você já pensou sobre sair se aventurar sozinho, mas ainda está indeciso ou nervoso, aqui estão 10 razões pelas quais você deveria viajar sozinho pelo menos uma vez:

  1. Você nunca volta como foi.

Sair sozinho renova seu espírito da maneira mais positiva. Muda sua energia, sua perspectiva do mundo, o modo como você vê os outros e o modo como você enxerga você mesmo. Você se torna um pouco mais corajoso e mais confiante nas suas próprias habilidades de resolver as coisas por sua conta.

  1. Sair da sua zona de conforto é bom para você.

Viajar sozinho é o tipo de empurrão saudável que você precisa para ficar confortável estando desconfortável. Você aprende a aceitar estar em lugares estranhos, com pessoas estranhas e todos os desafios que vão se apresentar a você ao longo da jornada.

  1. Existe tanto para se aprender sobre o mundo.

Vendo e explorando alguns dos lugares mais bonitos lhe deixará sem palavras. Experimentar as diferentes culturas e modos de viver que fazem de cada lugar tão especial é uma experiência única por si só.

  1. Passar um tempo sozinho ajuda você a se conhecer melhor.

O melhor relacionamento que você pode ter é aquele que você tem com você mesmo. Viajar sozinho lhe dá a oportunidade que você precisa para desacelerar, refletir e passar aquele tempo de qualidade com você mesmo que você pode normalmente perder na rotina do dia-a-dia em casa.

  1. Você vai descobrir o quão forte você é.

Nenhum dia é como o outro viajando sozinho, e você vai aprender a fluir e lidar com os dois lados da moeda. Uns dias você vai se ver correndo pela cidade com um grupo de novos amigos. Outros dias você descobrirá que você pode apenas preferir ir de leve e com calma no seu próprio ritmo. Você perceberá que enquanto você gosta de estar junto dos outros, você se torna mentalmente mais forte e capaz de se virar por você mesmo.

  1. A maneira de você ver as coisas vai mudar.

Sua perspectiva de certas partes do mundo, costumes e crenças será completamente diferente quando você os experimentar em primeira mão, e você descobrirá que todas as fotos e artigos que você leu sobre eles não lhe fazem justiça.

  1. Fazer amigos por aí é incrível.

Uma viagem solo nunca é realmente passada em completa solidão porque você conhecerá viajantes assim como você. Você vai compartilhar histórias e perceber o quanto vocês todos têm em comum, e descobrirá que você nunca está realmente sozinho de verdade.

  1. Não é tão assustador quanto você pensa.

Todas as preocupações e apreensões que você inicialmente tinha quando colocou os pés no avião vão desaparecer no momento que você chegar ao seu destino. Enquanto é verdade que você deve praticar ter um certo nível de cautela independente de onde você estiver no mundo, você descobrirá que muitas das coisas ridículas que você viu em filmes não são reais.

  1. Experiências são muito mais valiosas que coisas.

Nada se compara à diferença entre comprar um par de sapatos fabricados em Paris e estar de fato visitando Paris. Nada.

  1. Você vai mais do que provavelmente querer viajar sozinho de novo.

Viajar é um vício por si só. Mas a liberdade que você tem quando você faz isso sozinho é simplesmente diferente. De seguir seu próprio ritmo e não se sentir culpado por isso, à força e confiança que você descobre dentro de si mesmo. É uma experiência pacífica e calmante que você provavelmente vai querer experimentar de novo e de novo.

Texto original por Jaimee Ratliff, postado originalmente em seu blog, This Way North

Traduzido por Lucas Sironi

Aplicativos tradutores facilitam as viagens

Aplicativos tradutores facilitam as viagens

Mesmo no mundo sem fronteiras como o atual, a língua ainda é uma barreira. Hoje pode-se dizer que isso é passado, pois com o surgimento e a popularização dos aplicativos de tradução em celulares, se comunicar em outras línguas ficou muito mais fácil e divertido.

Vamos apresentar aqui, alguns aplicativos que vão facilitar sua comunicação ao viajar:

Google Translate

Foi eleito como o melhor da categoria ‘Mais Idiomas’, pois possui incríveis 64 línguas para tradução escrita ou falada. Sua principal característica é o fato de interligar os dados e saber diferenciar expressões populares da tradução literal, além de pesquisar as expressões na gigantesca base de dados do Google para todos os assuntos.

Aplicativos
Fonte: Internet

Serviço

Plataforma: Android e IOS
Preço: Grátis
http://www.google.com/mobile/translate/

S Tradutor

Traduzir as palavras já não é mais uma função básica dos aplicativos de tradução, eles agora precisam traduzir sem você ter o trabalho de escrevê-las. Como? Tire uma foto do texto de um livro, placa ou qualquer outro local e o aplicativo irá traduzir na hora. Por isso, ele foi eleito o melhor aplicativo para “Tradução de Fotos de Placas”. Prático e fácil, né? Porém, isso não é tudo. Ele ainda traduz os famosos caracteres chineses.

Aplicativos
Fonte: Internet

Serviço

Plataforma: Galaxy S4 (Samsung)
Preço: Grátis
http://www.samsung.com/

Fala & Tradução

Fala & Tradução é um tradutor de voz e texto indispensável que permite se comunicar com eficiência em qualquer parte do mundo. Instantaneamente fale 42 idiomas e converse por escrito em 100 idiomas.

Aplicativos
Fonte: Apple

Serviço

Plataforma: IOS
Preço: Grátis
http://itunes.apple.com/br

Tradutor de viagem

O Tradutor de Viagem é um guia linguístico com pronúncia e ilustrações que traduz palavras e expressões portuguesas para 32 línguas. O programa oferece a oportunidade única de poder se comunicar no exterior sem conhecimentos linguísticos, pois a tradução, se necessária, pode ser falada. Além disso, as ilustrações de fácil compreensão facilitam ainda mais a comunicação.

Aplicativos
Fonte: Apple

Serviço

Plataforma: IOS
Preço: Pago: USD 4.99
http://itunes.apple.com/br

Edição: Luís H. Fritsch

4 dicas para fotografar paisagens usando seu celular

Não há melhor maneira, do que tirar fotografias, para preservar  as memórias de lugares que estivemos, ou de alguns momentos incríveis. Entretanto, nem sempre dispomos  de câmeras profissionais em cada saída para capturar e salvar as imagens. Exite a opção de capturar belas fotos usando seu telefone celular.

Não perca tempo! Aqui nós explicamos pontos básicos para ajudá-lo a tirar fotos incríveis.

Você deve levar em conta que o ideal é que você saiba todos os recursos do menu, capacidades e limitações da câmera do telefone. Hoje, alguns aparelhos são muito poderosos e com ajustes manuais, o que é bastante apreciado.

Fotografar com ISO

camera1-w620
Foto: Internet

O ISO é a capacidade do sensor da câmera para capturar luz. Quando se utiliza valores baixos, a sensibilidade do sensor é menos sensível à luz.  Em telefones mais modernos esse ajuste pode ser realizado manualmente, para melhor ajuste. Para explicar melhor o ISO, quanto mais escuro é o lugar onde estamos, temos que usar um valor ISO superior. O oposto ocorre quando estamos em um lugar com muita luz, ISO deve ser baixo.

foto-curso-fotografia-iso-0021
Foto: Internet

Ative no menu do aparelho a opção grade, e utilize a regra dos terços

terços-620x300
Foto: Internet

A regra dos terços é a mais importante na área da fotografia, bem usada pode mudar radicalmente as imagens. Ao ativar a grade e fazer a regra dos terços na câmera do telefone, o visor será dividido em 9 seções, divididas por 2 horizontal e 2 linhas paralelas verticais. Os pontos de intersecção dessas linhas são muitas vezes o ponto focal dentro de um quadro, este é o ponto onde você enquadra a fotografia.

Evite o uso do Flash

Nosso primeiro pensamento para tirar fotos à noite é usar o flash, que em muitos casos pode resultar em erro, porque a célula emissora de luz, conhecida como “flash” ilumina apenas o primeiro plano, obscurecendo o resto da imagem. O que você deve fazer (claro, isso depende do que você quer fotografar), é utilizar lâmpadas ou lanternas para iluminar o fundo e trabalhar com o ISO.

Sem Título-1
Fotos: Marcio Basso

Use a hora azul para obter imagens incríveis

The Blue Hour é uma hora antes / depois do sol nascer e pôr do sol. Este é um dos melhores momentos para tirar fotos de paisagens, pois não é necessário muitos ajustes na câmera, normalmente estes horários proporcionam luz ideal para fotografar.

DSCN0539

Agora que você já sabe essas dicas, arrume a mochila e vá fotografar as lindas imagens que a natureza tem a proporcionar.

Texto: Luís H. Fritsch

 

7 dicas para acampar na praia

7 dicas para acampar na praia

Curtir o sol e a praia, sentir o calor e o frescor da brisa!

Nada mais adequado para o verão, estação mais quente e ensolarada do ano. Há quem prefira os Resorts e hotéis de luxo à beira do mar. Mas tem quem não abre mão  de uma aventura e do contato com a natureza. Para esses, acampar na praia ou nos seus arredores não é um transtorno, e sim um grande prazer.

Para que o acampamento de verão seja uma ótima experiência, e não uma viagem traumática, listamos dicas preciosas para você levar na mochila.

Dicas para acampar na praia
Dicas para acampar na praia


1. O que levar?

Há itens indispensáveis: a barraca é o primeiro, claro! Além dela, não esqueça de levar cantis com água potável, lanternas, sacos de dormir, canivetes suíços, produtos de higiene pessoal (não esqueça nunca o papel higiênico), repelente, kit de primeiros socorros, pratos, talheres, panelas, panos para limpeza e cordas.

Além desses objetos, fundamentais para o mínimo de conforto, é preciso ter em mãos sal e açúcar, por exemplo. O melhor mesmo é não exagerar na bagagem, para não “entupir” a barraca com coisas inúteis. O espaço tem que ser bem aproveitado.

Teste todos os equipamentos antes da viagem, inclusive a barraca, assim você terá uma noção do tempo que levará para montá-la e desmontá-la.

Dicas para acampar na praia
Dicas para acampar na praia

2. É possível acampar na beira do mar mesmo, ou tem que ser em um camping?

Algumas praias não permitem barracas na areia. Em geral, só é possível acampar na beira mar se a praia for distante da cidade pólo, ou mesmo deserta. Nesses casos, fique atento para uma coisa: o ideal é que o local de acampar fique perto de alguma cachoeira. Isso vai facilitar o banho e até mesmo o acesso à água para beber e lavar seus utensílios.

O camping é um lugar confortável e com  infraestrutura necessária para um bom acampamento de verão, livre de preocupações.

Caso vá para um camping, a primeira dica é escolher muito bem onde você vai ficar. Alguns possuem regras de convívio e permanência,  o que pode ser bom ou ruim, dependendo do que você espera do acampamento. Por exemplo, se você não suportar barulhos na hora de dormir e desejar privacidade, convém refletir qual será a melhor opção.

Dicas para acampar na praia
Dicas para acampar na praia

3. Há roupas mais indicadas?

Você vai passar o dia quase todo com roupas de praia: biquínis, maiôs, sungas. Mas não deixe de levar, ao menos, um casaco, pois à noite poderá cair a temperatura. Dê preferência para roupas leves (em razão do calor e secagem rápida).

Dicas para acampar na praia
Dicas para acampar na praia

4. Há cuidados específicos para a noite?

Todo campista tem que ter cuidados à noite. As lanternas não devem ser esquecidas nunca, exatamente porque são elas que vão ajudar você no escuro, (leve pilhas reservas).

Uma dica de proteção, seja de dia ou de noite, é levar cadeados. Use cadeado na barraca e nas mochilas, mesmo que fiquem no interior da barraca.

Dicas para acampar na praia
Dicas para acampar na praia

5. E se chover?

Lonas plásticas embaixo da barraca devem ser evitadas. Se chover, a lona plástica pode acumular água. Coloque as lonas por dentro ou por cima da barraca. Uma outra dica, caso chova demais e sua barraca fique em um estado deplorável, é ter no plano ‘b’ uma opção de hospedagem.

Caso você tenha acampado em baixo de uma árvore para se proteger do calor, o ideal é trocar a barraca de lugar diante de ameaça de chuvas. Por estar perto de árvores, o risco de raios torna-se maior.

Dicas para acampar na praia
Dicas para acampar na praia


6. O que fazer para se proteger dos ventos fortes?

Se você estiver perto do mar, os ventos podem ser mais fortes. Para evitar um imprevisto, forre de areia os cantos externos da barraca. Isso deixa a barraca mais firme.

Dicas para acampar na praia
Dicas para acampar na praia


7. Como se proteger de formigas?

Faça pequenos buracos ao redor da barraca e encha-os de cinzas. Isso vai proteger contra a invasão não apenas de formigas, como também de outros insetos.

Dicas para acampar na praia
Dicas para acampar na praia

 

Sabendo de todas essas dicas, arrume sua mochila, convide seus amigos é vá explorar novos lugares!

Dicas para acampar na praia

Veja também: A última praia do mundo – Lagoinha do Leste/SC

Edição: Luís H. Fritsch
Fotos: Internet