Cachoeira do Rio Bello

Cachoeira do Rio Bello

Andando pelo interior da cidade de Caxias do Sul/RS, descobri duas lindas cachoeiras, uma conhecida como Cachoeira do Rio Bello e a outra como Cascata do Teichmann, as duas um tanto desconhecidas pela maioria das pessoas.

Pra quem acha que Caxias do Sul é somente uma cidade de pedra e concreto, está enganado, se olharmos para o tamanho da área territorial pertencente a essa cidade, veremos que existem muitos vales, alguns profundos e selvagem e ainda inexplorados pela maioria.

Andando pela estrada Municipal do Vinho, no sentido Vale Real à Caxias do Sul, notamos um grande vale a direita, seguimos este vale e encontramos uma grandiosa cachoeira, com aproximadamente 40 metros de altura.

Cachoeira do Rio Bello

Ao lado da estrada tem um mirante, onde é possível avistar a cachoeira ao longe. Mas como não conseguimos apenas olhar de longe, seguimos devagar, olhando na beira da estrada se havia alguma trilha que ao menos levasse na parte de cima da Cachoeira do Rio Bello.

Então estacionei o carro ao lado de uma capelinha, e ali continha uma pequena trilha, segui por ela e cheguei na crista da cachoeira.

O local é “Bello” como seu próprio nome refere, com todo o cuidado do mundo, comecei a caminhar sobre as pedras da parte de cima da Cachoeira do Bello, a vista do rio para o despencar das águas cristalinas da cachoeira em direção ao vale é muito legal, estar naquele local fez com que sentisse uma ótima conexão com a natureza, uma sensação de paz imensa.

Cachoeira do Rio Bello
Cachoeira do Rio Bello

Fiquei ali por alguns instantes, olhando o despencar das águas e tentando registrar algumas imagens legais. Nisso chegou um morador local, perguntei a ele se havia alguma trilha que desse para acessar a parte de baixo da queda!

O morador, bem atencioso disse que a única trilha que ele conhece é vindo do Camping do Rio Bello por dentro do próprio rio, uma trilha de aproximadamente 6 horas entre ida e volta. Agradeci as informações, olhei para o relógio e já era metade da tarde, não daria para fazer a trilha nesse dia. Teria então que voltar um outro dia pela manhã com mais tempo para então explora-la!

Olhei o mapa e encontrei outra cachoeira não muito longe dali, peguei o carro e segui a estrada em direção a Caxias do Sul, logo depois de uma ponte de concreto, dobrei a direita e segui por ela, andei por algum tempo e me deparei com uma outra cachoeira belíssima.

Eram inúmeras quedas de água que faziam uma enorme cachoeira, difícil de acreditar que uma beleza daquela estava assim, tão perto da estrada. Foi só descer do carro e admirar a paisagem.

Cachoeira do Rio Bello
Cachoeira do Rio Bello

Enquanto estava ali fazendo algumas fotos, refleti um pouco sobre as viagens que já fiz ao longo de anos “turistando” por aí, e cheguei a conclusão que precisamos conhecer e explorar mais a serra gaúcha, temos uma rica diversidade de locais, que é possível fazer dezenas de atividades de Ecoturismo e turismo de aventura bem ao lado de nossas casas e por alguma razão não damos a devida atenção para isso.

Viajamos o mundo, carimbamos nossos passaportes, fizemos travessias gigantescas de trekking por serras, cânions e inúmeros lugares, sempre tentando achar locais onde tenhamos a melhor conexão com a natureza.

Aqui na serra gaúcha temos muitos locais selvagens ainda, que com certeza geram uma conexão muito boa com a natureza em sí. Precisamos ficar mais atentos a toda essa exuberância natural que temos em nossos municípios.

Se tiver que dar um conselho a todos que leem meus textos e postagens, digo-lhes que saiam para explorar locais diferentes, não se contentem apenas com o turismo que está pronto, lembre-se de sempre compartilhar conosco, com seus amigos os novos destinos que conhecer.

Cachoeira

Fico por aqui e até o próximo post, curtam, comentem e compartilhem esses destinos com seus amigos!

Morro Cambirela

Morro Cambirela

Morro do Cambirela localiza-se no município de Palhoça/SC, o morro faz parte de um conjunto de montanhas pertencentes ao Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, sendo esse parque a maior unidade de conservação de proteção integral do estado de Santa Catarina – Brasil.

O Morro do Cambirela situa-se próximo a BR – 101, uma montanha que eleva-se a um pouco mais de 900 metros de altitude em relação ao nível do mar.

Temos uma certa incerteza sobre essa altitude, pois tanto no google maps quanto no wikiloc é mostrado dois cumes com o nome Cambirela (na trilha que fizemos chegamos a aproximadamente 915 metros (medição com aplicativo Wikiloc) e 927,9 metros de altitude (medição com GPS Garmin etrex 20).

Fui pesquisar mais afundo sobre essa isso e consegui encontrar respostas para essas dúvidas sobre a real altimetria no plano de manejo do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro.

O Plano de manejo diz que o Pico do Cambirela situa-se a 1.043 metros de altitude e o Morro Cambirela a 900 metros aproximadamente. Todos estes locais fazem parte de um complexo formado pelo Morro do Cambirela, serra do Tabuleiro e serra do Capivari que apresenta altitude máxima de 1.270 metros a nível do mar.

Do alto do Morro do Cambirela é possível avistar a grandiosa ilha de Florianópolis de norte a sul e uma boa parte da Serra do Tabuleiro.

Trilhas para o cume

Sabemos da existência de aproximadamente 3 trilhas que levam ao cume do Morro do Cambirela, algumas são mais difíceis e técnicas que outras, mas todas tem algo em comum, o fato de serem perigosas e com longos trechos de inclinação.

Morro Cambirela
Atualmente existem três trilhas de acesso ao Morro: Ascensão pela Trilha 1 (Via aresta Leste, voltada para a BR-101); Trilha 2 (Via aresta Noroeste, ou cachoeira seca); e Trilha 3 (Ascensão pela via que é voltada para a BR-101 ao norte, conhecida também como via das Antenas).

Trilhar estes caminhos não é para todas as pessoas, pois é necessário ter um ótimo preparo físico, não sofrer com problemas em articulações ou cardiovasculares, não é recomendado também para pessoas que sofrem de vertigem ou medo de altura.

Relato da experiência

Nossa equipe para a subida do Morro do Cambirela era composta por três pessoas, composta por Edson Maia (navegador), Marilise Schuh e Luís H. Fritsch (Fotógrafo).

Morro Cambirela

Escolhemos percorrer a trilha 1 (mapa acima), está é um pouco mais fácil que as outras segundo nosso amigo Edson, pois a subida é realizada progressivamente sem muita dificuldade técnica, em algumas partes da trilha a três sequencias com cordas, mas foi bem tranquilo.

A trilha é bem marcada, mas é necessário o uso de GPS, usamos o etrex – 20 Garmin, muito bom por sinal. Do começo da trilha até o primeiro ponto de água caminha-se aproximadamente 2,2 km (350 m de altitude) a trilha é fácil, sem grandes dificuldades, a parte íngreme começa exatamente no primeiro ponto de água da trilha, dali em diante a subida fica cada vez mais íngreme e requer um esforço a mais nas articulações, é como se estivéssemos fazendo uma trilha no parque e de repente vira uma “escalaminhada” (escalada+caminhada).

Morro Cambirela

Vale ressaltar que o local é uma unidade de conservação, então todo o cuidado é pouco, Em toda a região da Serra do Tabuleiro é possível encontrar muitos animais, alguns deles podem ser peçonhentos e muito perigosos para nós humanos.

É comum nessa trilha nos depararmos com cobras do tipo: Jararacas, Corais, cobras Marrons e outros animais. Lembrem-se que nós é que estamos invadindo o território destes animais, por isso precisamos respeitar, estar de olhos abertos e sempre tomando muito cuidado onde colocamos nossas mãos e pés.

O primeiro ponto de observação que temos é no km 2,5 da trilha (500 m de altitude), dali já podemos ter uma dimensão da grandiosidade e da beleza que iriamos contemplar no cume do Morro Cambirela. Nesse ponto fizemos uma pausa de aproximadamente cinco minutos para tomar uma água e comer nosso lanche.

Depois dessa pequena pausa, seguimos adiante como diz um velho ditado, “caminhe como um velho, chegue como um novo” kkk. Essa parte da trilha, o caminho continua íngreme e sem nenhuma área plana para descanso, muitas vezes paramos em algum ponto mais aberto da trilha morro acima.

Há cerca de 2,8 km de trilhas (730 metros de altura) já estamos quase na crista do Morro do Cambirela, como dizem os montanhistas, quase chegando no “falso cume” a visão dali é de tirar o fôlego, conseguimos avistar a grande ilha de Florianópolis e mais algumas praias aos arredores. Deste ponto em diante o caminho fica um pouco mais tranquilo, sem grandes dificuldades.

Morro Cambirela

Caminhar sobre o falso cume é emocionante, pois a trilha percorre uma linda crista, onde temos uma visão grandiosa da Serra do Tabuleiro a Direita e a esquerda o litoral catarinense.

Depois de capturar inúmeras imagens, seguimos para o cume do Morro Cambirela que está a 915 metros de altura (medida capturada usando o aplicativo wikiloc no celular), a distância até o cume é de 400 metros, pode parecer pouco, mas a dificuldade para se chegar lá é algo que deve ser avaliado muito bem pelos participantes da aventura.

Para se chegar ao cume é necessário descer uma encosta rochosa, úmida e muito lisa, ideal usar cordas de apoio (levar junto), depois de mais este desafio superado, ascendemos ao tão esperado cume.

Morro Cambirela

A visão de lá é surpreendente, tivemos uma visão 360 graus, podendo avistar boa parte da Serra do Tabuleiro e inúmeras praias. Ficamos ali um tempo fazendo algumas fotos e depois voltamos para o “falso cume” para almoçar e contemplar melhor o lugar.

Morro Cambirela
Morro Cambirela

A descida foi um pouco mais rápida do que a subida, no entanto com muito mais cautela do que na subida, em um certo trecho da descida encontramos uma cobra Coral verdadeira adulta, por alguns segundos fiquei feliz em poder ver de perto esse animal de cores vibrantes.

A cobra estava enrolada em um pequeno caule de árvore bem na trilha que teríamos que passar, tivemos que esperar alguns minutos até que ela saísse dali para que fosse seguro passarmos.

Morro Cambirela

A Coral verdadeira é uma serpente de pequeno porte. Possui coloração forte e facilmente reconhecida: listrada em preto, vermelho e amarelo.

É uma cobra peçonhenta, ou seja, venenosa. É considerada uma das mais venenosas do Brasil em função da alta toxidade de seu veneno e atinge o sistema nervoso central. Uma vez picada, a pessoa pode morrer caso não receba atendimento médico rápido.

A cobra coral verdadeira é encontrada em matas das regiões sudeste e sul do Brasil. São encontradas também em áreas florestais do Uruguai, Paraguai e algumas regiões da América Central.

Elas vivem em galhos de árvore, folhagens, buracos em tocos em decomposição, debaixo de pedras e buracos no chão.

Depois de alguns minutos continuamos a descer pela trilha, com os olhos ainda mais abertos, precisávamos estar atentos e concentrados onde colocar os pés e principalmente as mão para não ter nenhuma surpresa.

O que levar para o Morro Cambirela

Caso você tenha interesse em percorrer essa trilha, recomendamos usar calçados fechados e confortáveis, camisetas de manga comprida, calça, perneiras para cobra e luvas de couro.

Leve aproximadamente 1,5 litros de água por pessoa, lanches de trilha altamente calóricos, frutas também são bem vindas.

Se você for vegano leia este texto!

Não esquecer de levar kit de primeiros socorros e corda de aproximadamente 20 metros.

A trilha possui inúmeras bifurcações, é fácil se perder nesses caminhos! Recomendamos usar GPS de trilha ou até mesmo contatar um guia experiente para auxiliar tanto na sua subida, quanto na descida.

Lembrando que o cume de qualquer montanha é somente a metade do caminho, a trilha só termina quando você chegar em casa e estiver seguro!

Se você gostou desse relato, deixe um comentário logo abaixo e não esqueça de compartilhar com seus amigos!

Speedcross 5

Salomon Speedcross 5

Salomon lança a nova geração do Speedcross 5, o lendário tênis de Trail Running (corrida em trilhas).

Nesta quinta geração podemos notar uma grande inovação em design. O tênis Speedcross 5 está mais bonito, mais confortável, muito mais estável e com maior proteção para os pés do usuário.

Principais mudanças em design estre os tênis Speedcross 4 e 5:

Na parte do design, notamos que o tênis Speedcross 5 está muito mais clean do que a sua versão anterior.

O solado mudou consideravelmente em relação ao seu antecessor, agora o novo solado possui garras maiores e mais bem distribuídas, fazendo com que tenhamos maior estabilidade e aderência em terrenos macios e lamacentos.

Características

  • Usos: Treinos e competições de corrida
  • Terrenos: Macio e lamacento
  • Solado: Borracha Contagrip
  • Palmilha: Ortholite
  • Cadarço: Quicklace
  • Abraço do pé: Sensefit
  • Peso: 320 gramas

No site Francês da marca Salomon conseguimos um gráfico que mostra as principais diferenças de estabilidade, leveza, amortecimento, respirabilidade e proteção ao usuário para essa nova geração do Speedcross 5, aproveitamos também para mostrar aqui a diferença entre essa versão atualizada e a anterior.

O novo tênis Speedcross 5 – Salomon será vendido nas versões masculina e feminina, abaixo as cores disponíveis:

Tênis Speedcross 5


Tênis Speedcross 5 W

Ainda não há uma previsão exata de quando esse modelo desembarcará aqui no Brasil, também não sabemos quanto essa versão irá custar, mas já estamos empolgados para ver de perto e fazer uma avaliação completa desse modelo.

Caso você queira adquirir qualquer produto Salomon, entre em contato com a nossa loja parceira Patos do Sul, localizada na cidade de Caxias do Sul/RS – Brasil. Nosso querido público leitor tem descontos especiais na loja, para ganhar este desconto, você só precisa nos encaminhar um e-mail, que enviamos nosso cupom de descontos!

Curtlo BR
Mochila All Trail

Equipamentos outdoor

Se você está começando no mundo das aventuras e não entende muito sobre equipamentos outdoor, acha caro e as vezes desnecessário a compra de algum produto técnico, neste texto vou tentar explicar através da minha experiência e vivências de mais 19 anos praticando atividades de aventuras.

Quando comecei a percorrer as trilhas no Rio Grande do Sul eu tinha apenas 11 anos de idade, não conhecia muito sobre equipamentos outdoor, mas tinha comigo um sentimento forte de querer explorar, conhecer lugares intactos que a maioria das pessoas não conhecia.

Naquela época não havia muitos equipamentos para aventuras disponíveis, Fiz minhas aventura usando materiais simples, como mochila de escola, lonas, redes e barracas estilo canadenses.

Equipamento Outdoor
Barraca estilo Canadense

Eu estava inserido dentro do movimento escoteiro, onde sou grato até hoje por me proporcionar experiencias únicas, incontáveis perrengues e muita técnica de acampamento e orientação.

Conforme o tempo foi passando e depois de já ter feito muitos caminhos, acampamentos e jornadas de maneira “Roots”, comecei a procurar equipamentos outdoor para acampamento que me possibilitassem maior proteção e segurança nas trilhas.

As vezes o equipamento outdoor barato pode sair caro

Comecei adquirindo equipamentos básicos, de custo baixo que na minha ótica iriam ser melhores dos que usava desde então. Minha primeira bota foi uma Mac Boot, durou aproximadamente uns 6 meses.

Adquiri também um saco de dormir da marca Hummer e mais alguns equipamentos que não me recordo muito.

Assim como melhoramos nossa técnica ao percorrer trilhas, fazendo acampamentos ou jornadas, comprei inúmeros equipamentos outdoor ao longo desses 19 anos de aventuras, que me proporcionaram um certo intendimento sobre a qualidade de materiais e valores dos mesmos.

Quando digo que as vezes o barato pode sair caro, posso dizer com clareza que é um fato, sempre pensando em valores dos produtos, gastei muito dinheiro com equipamentos de baixa qualidade onde tive que comprar outro novamente depois de algum tempo. Vou citar aqui três exemplos de equipamentos.

Calçados: Minha primeira bota foi uma Mac Boot, depois uma Bull Terrier, Timberland, Nomade (Vento) e por último uma Salomon que uso desde então. Minha primeira bota Salomon tem cerca de 6 anos e está ainda boa para uso.

Equipamentos Outdoor
Bota Salomon X Ultra Trek GTX

Mochilas: Mochila de escola, Trilhas e Rumos, Kailash e por e por último uma Thule, que uso desde então a mais de 3 anos.

Barracas: Barraca estilo Canadense, Mor vendida no supermercado, Trilhas e Rumos – Bivak, Azteq – Nepal, Star River – Naturehike e por último uma Mongar 2 Ultralight da Naturehike.

equipamentos outdoor
Barraca Mongar 2 Ultralight – Naturehike

Exemplifiquei todos estes produtos para você que está lendo esse texto entenda, que na grande maioria das vezes comprar produtos baratos faram você gastar mais dinheiro do que guardar os valores e comprar algo bom logo de cara.

Conforto x Valores

Uma coisa você pode ter certeza sobre atividades ao ar livre, quanto mais conforto você quiser ter nas suas aventuras, mais dinheiro você terá que desembolsar para que isso seja possível.

Hoje faço minhas aventuras usando equipamentos de primeira linha, isso me proporciona grande conforto e satisfação ao percorrer longas travessias de trekking, por inúmeros dias.

Minha mochila atualmente é uma Thule Versant de 50 litros, ali condiciono todos meus equipamentos para minhas aventuras, mais meus equipamentos fotográficos, todo esse conjunto pesa aproximadamente 13 kg sem contar a alimentação.

Comparativos equipamentos outdoor

Um comparativo que fiz ao longo dos anos usando tudo que é tipo de equipamento outdoor disponível no mercado, descobri que:

Se você quiser abaixar cerca de 1kg de peso em equipamentos dentro da sua mochila, você gastará aproximadamente R$ 2.000,00.

Então quando você for escolher seu primeiro equipamento ou o próximo produto, escolha que este seja leve, altamente tecnológico e que lhe proporcione o máximo de conforto na sua aventura.

Os equipamentos que uso atualmente me proporcionam aproveitar todo o contexto de uma aventura, chegando em casa sempre com experiências incríveis e o melhor de tudo isso é não estar dolorido ou com bolhas nos pés por causa de algum equipamento ruim.

Mochila All Trail

Se você gostou desse artigo, deixe um comentário logo abaixo, veja também avaliações de equipamentos outdoor em nosso site. Acesse!

Cascata do Paraíso

Cascata do Paraíso

Cascata do Paraíso está localizada na linha Forromeco, pertencente a cidade de Carlos Barbosa, distante aproximadamente 16 km da cidade de Farroupilha e 11 km do município de São Vendelino/RS.

A Cascata do Paraíso está dentro de uma propriedade particular, por isso é muito bem cuidada e preservada pelo proprietário, Sr. Eduardo, um porto alegrense muito gente boa que tivemos o privilégio de conhecer.

Para manter a estrutura intacta e as trilhas organizadas, o proprietário cobra uma taxa de R$ 10,00 por pessoa para passar o dia no local.

O que fazer na Cascata do Paraíso

Dentro da propriedade há cerca de três quedas de água, onde em cada uma delas forma-se um grande poço para banhos, a profundidade entre eles variam de 3 a 8 metros, caso você não saiba nadar não é recomendado entrar na água.

Para quem gosta de nadar ou se refrescar nas águas da cascata, esse lugar é propício para isso.

Para quem gosta de capturar belas imagens assim como eu, o local é propício para isso, os caminhos e trilhas são bem sinalizados e de fácil acesso para a maioria das pessoas.

Cascata do Paraíso
Crédito: Luís H. Fritsch
Cascata do Paraíso
Crédito: Luís H. Fritsch
Cascata do Paraíso
Crédito: Luís H. Fritsch
Cascata do Paraíso
Crédito: Luís H. Fritsch
Cascata do Paraíso
Crédito: Luís H. Fritsch

Dentro da sua propriedade ele não aceita que entre com bebidas alcoólicas, mas é possível fazer um churrasco com os amigos e/ou família, as churrasqueiras são feitas de maneira natural, usando pedras do próprio rio.

Horários de visitação

Para aproveitar melhor a paisagem, recomendamos ir durante a semana, mas caso você não consiga ir nestes dias, ir aos finais de semana também pode ser legal.

Em dias de muito calor e finais de semana principalmente a Cascata do Paraíso costuma ficar lotada, se você é o tipo de pessoa que gosta de paz e tranquilidade, ir nos sábados e domingos talvez não seja a melhor opção.

A propriedade está aberta para todos que quiserem visita-lá, das 9:00 horas até às 18:00, todos os dias da semana.

Como chegar na Cascata do Paraíso

Cascata do Paraíso

Link do Google Maps

Outros destinos nas proximidades

A região da Serra Gaúcha possui muitos atrativos naturais, pois possui uma geografia interessante, rodeada de grandes vales, matas e cascatas.

Se você tem vontade de conhecer outros lugares de belezas naturais exuberantes, recomendamos conhecer também a Cascata do Salto Ventoso na cidade de Farroupilha, distante aproximadamente 10 km da Cascata do Paraíso.

Cascata do Paraíso
Salto Ventoso – Crédito: Luís H. Fritsch

Caso você goste de locais altos e com uma vista esplendida da cidade de São Vendelino, recomendamos conhecer o Morro do Diabo, localizado aproximadamente 9 km da Cascata do Paraíso.

Cascata do Paraíso
Morro do Diabo – Crédito: Marcio Basso

O local é propício para esportes de Voo livre como paraglider e parapente ou também um ótimo local para se curtir o pôr do sol, concluindo assim o passeio pelo interior da Serra Gaúcha

Laranjeiras x Funil

Travessia Laranjeiras x Funil

A travessia Laranjeiras x Funil é uma aventura pela bordas dos cânions do estado de Santa Catarina, mais precisamente na cidade de Bom jardim da Serra.

A travessia de trekking foi realizada pela empresa Sol de Indiada, uma grande parceira a anos do Trekking RS, nessa edição fomos convidados a fotografar e relatar a experiencia.

A Sol de indiada tem como objetivo proporcionar a aventura para todos, pensando nisso cria travessia de trekking para todos os níveis, desde iniciantes nas aventuras como atletas de alto rendimento.

A travessia era composta por três pacotes diferentes:

  • Opção 1 – Estava incluso nesse pacote: apoio 4×4, alimentação (almoço/jantar), traslado, 2 guias, fotos do evento e a opção de você poder levar a sua mochila cargueira se quiser. (Ideal para iniciantes).
  • Opção 2 – Estava incluso no pacote: 2 guias, almoço e jantar, fotos do evento e traslado.
  • Opção 3 – Estava incluso no pacote: 2 guias e fotos do evento.
Laranjeiras x Funil

Já realizamos inúmeras travessia pelas bordas dos cânions entre os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, quem acompanha o nosso site sabe, mas essa travessia posso dizer que é uma das mais belas que já percorri pelos campos de altitude.

Primeiro dia

O primeiro dia da travessia Laranjeiras x Funil começou com o dia ensolarado, não havia uma nuvem se quer no céu, caminhar em dias ensolarados nos permite tirar fotos belas, mas o calor nos castigava durante o caminho.

A primeira impressão que temos sobre os campos de altitude é que ao olhar de longe, parece muito com um “campo de golfe”kkk. A vegetação presente nos dá uma falsa sensação que será fácil trilhar esses caminhos.

Na prática não é bem isso que acontece, pois em grande parte desses campos existe uma espécie de musgo conhecida como Turfas (a turfa é um material de origem vegetal, parcialmente decomposto, encontrado em camadas, geralmente em regiões pantanosas e também sob montanhas (turfa de altitude). É formada principalmente por Sphagnum (esfagno, grupo de musgos) e Hypnum, mas também de juncos, árvores etc).

Nesses casos vale muito a pena ter calçados impermeáveis e respiráveis e pré amaciados para que seus pés não sofram tanto ao passar por estes obstáculos. Veja os modelos que recomendamos!

Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil

Esse primeiro dia de travessia Laranjeiras x Funil tinha aproximadamente 15 km, não foi algo tão complicado de se fazer, pois as vistas que tínhamos recompensava a cada passo dado.

O grupo formado para a travessia Laranjeiras x Funil era uma mistura de atletas, apreciadores da natureza e iniciantes, todos formavam uma grande família aventureira, pessoas com muitas histórias interessantes, trocávamos experiencias incríveis, como se já nos conhecêssemos a anos, nem parecia que estávamos no primeiro dia de trekking apenas.

Depois de muito caminhar e contemplar belezas incríveis, chegamos no nosso primeiro acampamento, uma fazenda no meio do nada, mas que tinha o necessário para que pudéssemos acampar com segurança.

A Parte da Organização responsável pelo Apoio na Cozinha e no Traslado de equipamentos que precisa seguir em veículos 4×4… já estava com a base montada e já preparando a comida para quem preferiu ter isso incluso. O local de acampamento, tinha opção de chuveiro quente, água potável e um galpão para apoio.

Para os aventureiros que não tinham contratado a opção mais completa, chegaram no acampamento, armaram as barracas e já começaram a fazer o jantar. Eu estava em meio à esse grupo, assim eu aproveitei em testar algumas receitas novas de comida, equipamentos no acampamento!

Depois de todos jantados era hora de curtir uma fogueira com a galera, estar em uma roda de amigos, junto ao local tão especial assim, faz a gente pensar o que realmente é uma “rede social”. Ficamos alí conversando e rindo, entre piadas e histórias, parávamos para observar o céu estrelado, de onde estávamos conseguíamos ver boa parte da Via Láctea. Aos poucos cada um foi se recolhendo para sua barracas e assim fomos todos dormir.

Segundo dia

O segundo dia da travessia Laranjeiras x Funil amanheceu tímido, a neblina ia desaparecendo conforme o sol ia subindo pelo horizonte, as barracas estavam tão molhadas que parecia que tinha chovido durante a noite. A manhãzinha estava um tanto fria por ainda estarmos no verão.

A galera levantou cheio de energias, era hora do café da manhã, desmontar acampamento e voltar a andar mais alguns quilômetros.

Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil

O trekking desse segundo dia iria nos levar para o Cânion do Funil, um lugar de uma beleza natural intocada, o percurso não era difícil, mas tinha muitas “turfas pelo caminho, cruzadas de córregos e caminhadas por dentro de matas nebulares. O céu continuava azul, mas dessa vez com umas nuvens, eu prefiro particularmente prefiro dias assim, pois dão mais profundidade para as fotografias.

Lembro-me de caminhar pelas bordas e ver constantemente o nosso próximo acampamento, a cada passo dado as montanhas pareciam que ficavam maiores e mais verticais.

Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil

Próximo do meio dia paramos para almoçar junto a um pequeno córrego de água, onde continha um pequeno poço para banho. Para os mais destemidos, arriscaram um banho naquela água gelada, enquanto outros faziam seus lanches de trilha, enquanto conversavam entre si.

Nessa hora já estávamos bem perto no vértice do Cânion do Funil, aproximadamente trinta minutos de caminhada até chegar no local do acampamento.

O Cânion do Funil possui uma formação incrivelmente linda e diferente do que estamos acostumados. Com protuberantes picos em formato de funil invertido, que rompem o chão e atingem imponentes alturas, cobertos pela floresta densa. Lembra as montanhas de Tianzi, da China, cenário do filme Avatar.

Chegamos ao acampamento por volta de 15:00 da tarde, o dia estava belo, as nuvens começavam a se aglomerar, já mostrando que teríamos chuva no fim de tarde ou a noite.

Logo que cheguei já comecei a montar a barraca, e como de costume sempre procuro o lugar mais incrível para acomodar a minha casa de montanha (barraca), o local escolhido por mim era nada mais, nada menos do que uns 5 metros da borda.

Dois motivos me levaram a escolher esse local para montar a barraca, o primeiro deles era pela vista incrível que iria ter na manhã do dia seguinte, pois o sol iria nascer e dar de frente na porta da barraca, poder abrir a porta e ver aquela imensidão de montanhas. O segundo motivo era que eu precisa testar a nova barraca Naturehike Mongar 2 Ultralight.

Não recomendo que pessoas sem experiencia e sem uma barraca técnica apropriada monte a barraca na beirada de cânions, pois a noite o vento geralmente muda de direção e se você não estiver bem preparado, a sua noite pode ser catastrófica.

Depois de ter montado a casa de montanha era hora de se sentar naquele novo quintal e apenas apreciar à vista, aproveitei para fazer aquele café especial para assim curtir o visual com um pouco mais de conforto.

Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil

Aos poucos a neblina ia chegando de mansinho, ia impedindo aquela visão deslumbrante, era hora então de começar a cozinhar o jantar. A refeição escolhida era: Arroz, feijão e salame, logo que comecei a cozinhar já começou a pingar, logo percebi que a chuva iria ser longa e demorada, continuei cozinhando.

Como a barraca Mongar não tem muito espaço para cozinhar em seu avanço usei a barraca do guia da aventura, uma MSR Hubba Hubba NX com avanço que estava ao lado da minha, ali pude cozinhar de maneira tranquila, sem correr riscos de queimar a barraca e ainda abrigado da chuva.

Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil

Depois de jantar, recolhi todos objetos, guardei dentro do avanço da minha barraca e fui até onde estavam a galera toda reunida. A chuva não dava trégua, foi uma ótima oportunidade também para testar a nova Jaqueta Columbia Ex Eco Down Outdry Extreme, confeccionada em penas /plumas de pato e membrana impermeável. A jaqueta foi incrivelmente eficiente naquela situação, não passou uma gota de água para o interior e o suor gerado foi dissipado, deixando apenas uma sensação de conforto e calor.

Choveu por cerca de 4 à 5 horas interruptamente, a organização do evento montou um grande toldo perto dos carros 4×4, onde alí estavam todos os participantes, conversando, rindo e compartilhando experiencias.

Nessas horas vale muito ter equipamentos de qualidade, alumas pessoas do grupo com equipamentos mais simples, tiveram que se adaptar para conseguir dormir, mas com a ajuda da organização, não tiveram problemas maiores !

Lá por volta de 22:30 minutos a galera começou a se dissipar, cada um foi indo para a sua barraca e eu e o guia também começamos a ir para nossas barracas, pois estavam lá na borda do cânion.

Cheguei na barraca, verifiquei para ver se estava tudo tranquilo, e estava tudo em ordem! Nada de água no interior da barraca. Era hora de descansar para o dia seguinte.

Terceiro dia

Na manhã do terceiro dia da travessia Laranjeiras x Funil , acordei por volta de 5:45 da manhã, abri a porta da barraca e olhei para fora, havia uma grande camada de neblina e não enxergava nada. Voltei a dormir! Aproximadamente uns 40 min depois, abri a porta da barraca novamente e lá estava o sol subindo no horizonte e mandando embora aquela neblina espessa. Logo me aprontei, saí da barraca e comecei a fotografar, momento muito belo, o sol refletia nas rochas do cânion do Funil, quanto mais o sol brilhava, mais mudava as cores no horizonte, as montanhas começaram a ganhar um tom alaranjado, nem parecia que na noite passada havia chovido tanto.

Laranjeiras x Funil

Mas tem um ditado que diz “depois da tempestade, sempre virá um sol maravilhoso”. Estar ali e poder contemplar aquela beleza é algo que vale cada passo dado para se chegar até ali, sempre digo que precisamos enfrentar o frio, para desfrutar do calor, precisamos também ficar cerca de 5 horas na chuva, para assim poder olhar o amanhecer, o sol e aquela beleza toda com um olhar de “gratidão”. Sempre agradeço ao universo por me dar a oportunidade de ver e viver momento como aquele. Pois são estes momentos que vamos lembrar lá no final da nossa vida e não os dias que passamos atrás de uma mesa trabalhando no escritório.

Depois de capturar imagens de tudo que foi ângulo possível, tava na hora de fazer o café da manhã, desmontar a barraca, colocar tudo dentro da mochila e seguir em frente.

Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil

Nesse último dia da travessia Laranjeiras x Funil, estávamos todos muito animados para concluir a travessia, o dia estava belo, ventava um pouco, nossa caminhada seria de aproximadamente 3 horas até chegar ao ponto final que seria a Serra do Rio do Rastro, uma das estradas mais belas e desafiadoras do mundo.

A paisagem continuava linda, a cada passo dado fortalecíamos ainda mais nossos laços de amizades, afinal estávamos no terceiro dia juntos e todos tinham muita experiencia para compartilhar.

Assim são os amigos trilheiros, sempre com muitas histórias engraçadas, lições de vida que nos ensina a sermos pessoas melhores a cada dia que passa.

O terceiro dia, foi muito parecido com um passeio no parque, o terreno era fácil de caminhar, sem grandes subidas ou descidas.

Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil
Laranjeiras x Funil

Ao chegarmos na rodovia SC- 390 a sensação era de dever cumprido, todos estavam muito motivados, teve gente que de tão motivado que estava, começou a correr sem parar, com as mochilas cargueiras nas costas até chegar no restaurante Mensageiro da Montanha, localizado junto ao Mirante da Serra do Rio do Rastro.

Esse restaurante é maravilhoso, conta com uma infinidade de alimentos, para todos os tipos de gostos e paladares, recomendo ir nesse local, pois é possível se servir quantas vezes quiser e o valor é atrativo!

Depois de todos terem almoçado era hora de entrar na van e retornar para Caxias do Sul/RS. Durante o trajeto de retorno, conversamos muito sobre os pontos altos da travessia, o que cada um colheu de novas experiencias e os novos aprendizados obtidos.

Uma travessia de trekking sempre irá nos proporcionar muitas amizades legais, alguns eu já conhecia, mas outros se tornaram grandes amigos. Nada como uma boa viagem para conhecer as pessoas que estão com a gente. Estou aguardando a próxima para que todos possamos nos reencontrar!

Jaqueta Outdry

Jaqueta Outdry EX Eco Down – Columbia

Hoje venho aqui apresentar a jaqueta Outdry da marca americana Columbia, adquiri esse modelo de jaqueta para usar nas minhas próximas atividades de montanha na América do Sul.

A Jaqueta Outdry EX Eco Down é um produto que pode ser considerado técnico pois é construída para ser usada em situações extremas de vento, chuva e frio.

Características

A Jaqueta Outdry EX Eco Down Columbia é construída com 100% poliamida tanto na frente quanto nas costas, o forro é construído com 100% poliéster e o aquecimento se dá por 90% em plumas de pato e 10% de penas de pato.

O isolamento térmico dessa jaqueta é testado e aprovado via certificação internacional RDS Certifed, em sua construção usa plumas de pato com a densidade de 700 Fill Power Down, isso quer dizer que quanto maior for este número, maior é a capacidade de isolamento corporal.

A Jaqueta Outdry EX Eco Down Columbia trás consigo também a renomada tecnologia Outdry Extreme conhecida mundialmente, essa membrana está presente em toda parte externa da jaqueta, sendo 100% impermeável e respirável com costuras seladas.

A jaqueta conta também com capuz, dois bolsos frontais grandes e mais quatro bolsos internos.

O zíper de abertura frontal e dos dois bolsos externos possuem lapela para guardar o carrinho do zíper e também cordinhas para melhor manuseio com luvas.

Todos os zíperes são YKK, lembrando que estes são os melhores do mundo, pois não quebram e não trancam nunca.

A jaqueta Outdry EX Eco Down conta basicamente com dois ajustes, sendo um no capuz e outro na barra da cintura, os dois ajustes tem como função aumentar o conforto do usuário e garantir melhor isolamento térmico.

Especificações do fabricante

  • OutDRY™ Extreme ECO: Impermeável e respirável com costuras totalmente seladas.
  • Contém 100% de tramas reciclavel.
  • Tecido sem corante.
  • Membrana Outdry Extreme Sem PFC (Membrana sustentável).
  • Costura externa selada com tape.
  • Isolamento com plumas: 700 fll.
  • Certifcado padrão de responsabilidade – RDS certifed down.
  • Capuz embutido e ajustável.
  • Bolsos frontais com ziper.
  • Ajuste com cordão na barra.
  • Corpo: 100% Poliamida.
  • Forro: 100% Recycled Poliester.
  • Isolamento térmico: 700 Fill Power Down
  • Isolamento térmico, RDS Certifed

Onde comprar

Este produto pode ser adquirido na loja Samburá na cidade de Caxias do Sul/RS ou diretamente no site da Columbia Brasil.

Valor aproximado: R$ 1.749,00

Avaliação completa

Avaliei a jaqueta Outdry EX Eco Down na última travessia de trekking que fiz em uma das regiões mais frias da serra catarinense, mais precisamente nas bordas dos cânions Laranjeiras e Funil.

A serra catarinense foi o lugar ideal para testar o modelo, pois nas regiões dos cânions as temperaturas tendem a serem baixas tanto na parte da manhã, quanto na parte da noite, outro detalhe que faz toda a diferença é o fato de ser muito úmido e por contar com mudanças repentinas no clima.

Durante a travessia pelas bordas pude comprovar a capacidade de isolamento térmico e a impermeabilidade dessa jaqueta, no segundo dia da travessia choveu por cerca de quatro horas interruptamente, notei que a jaqueta mesmo estando molhada, o frio e a umidade não passou para o lado de dentro da jaqueta, fazendo que eu me sentisse muito confortável.

Procurei também conversar com o guia experiente Freddy Duclerc, nascido em Santiago no Chile e que atualmente mora em São Paulo/Brasil.

Freddy conseguiu cumes representativos ao longo de sua carreira como: Aconcágua 6962m (Argentina), Ojos del Salado 6893m (Chile), Huascaran 6768m (Peru), Tocllaraju 6034m (Peru), Ishinca 5530m (Ishinca), Urus 5497m (Peru), Pisco 5750m (Peru), Chipicalqui 6354m (Peru), Diablo Mudo 5450m (Peru), Cerro Plata 5968m (Argentina), San Valentin 3910m (Chile), Huayna Potosi 6088m (Bolivia), Marmolejo 6108m (Chile), El Plomo 5450m (Chile), Tupungato 6570m (Chile), entre outros. Veja mais!

Com toda essa experiencia em montanhas, Freddy tem total compreensão de falar sobre a jaqueta Outdry EX Eco Down, pois a usa em boa parte das montanhas que guia pela América do Sul.

Depoimento de Freddy Duclerc

“Muito boa a fusão de Impermeável com um casaco de aquecimento, usei nas Travessias Cerro Castillo e Navarino no Chile, cumpriu seu papel de maneira perfeita, aqueceu, reteve calor e liberou evaporação em equilíbrio… Usei no Brasil na Serra Fina, Serra dos Órgaos e Papagaio. Também cheguei aos Cumes do Cerro Plomo 5450 m e San José 5856 m, este último com muito vento e para minha surpresa foi perfeito na proteção de -15ºC, com 2 camadas por baixo, no momento que saímos do campo base até o cume. Considero a jaqueta Outdry EX Eco Down da Columbia um equipamento leve.

Se você gostou da nossa avaliação completa, deixe um comentário logo abaixo, veja também mais avaliações de produtos aqui em nosso site. Acesse!

Santa Maria do Herval

Santa Maria do Herval

Entre colinas e vales, a 75km de Porto Alegre, capital do Estado, situa-se Santa Maria do Herval, com 6.500 habitantes. Hospitaleira, amigável, tranquila, com seus jardins floridos e povo ordeiro e trabalhador.

Visitei a cidade de Santa Maria do Herval a algum tempo já, o local possui muitas quedas de água que variam entre 10 à 125 metros de altura.

História

Com características que foram legadas por ancestrais, imigrantes da região do Hunsrück e arredores na Alemanha. A gastronomia é típica com cucas, linguiças, schmiers, assados de porco, bolinhos de batata e muitas outras receitas gostosas que nossas avós nos deixaram.

A cultura é preservada nas treze comunidades do município, pois mais de 90% da população ainda fala a Língua Hunsrik/Platt Tayxt, o que é incentivado pela prefeitura para que não se perca esse vínculo de comunicação com as regiões de origem na Europa.

Turismo

Você não pode deixar de percorrer a Rota Romântica na cidade de Santa Maria do Herval/RS, essa rota conta com inúmeras opções de lazer, desde Museus, Igreja, Balneários e claro muitas cascatas ainda intactas.

Cascata do Herval

Em minha visita a cidade resolvi ir em busca dessas cascatas, começando pela Cascata do Herval, localizada cerca de 2 km do centro da cidade, esta é a mais alta entre elas, as águas despencam por aproximadamente 125 metros de altura.

Santa Maria do Herval
Créditos: Juares de Andrade Junior

Para chegar ao local é muito fácil, a estrada que chega até o local é de chão, mas está em ótimo estado. Não é possível fazer trilhas nos entornos, pois a propriedade ali é privada, tanto na parte de cima da queda de água, quanto na parte de baixo, por possuir um usina de energia.

Cascata e Caverna dos Bugres

Cascata e Caverna dos Bugres, localizada a 1,5 km do centro da cidade, local belíssimo com uma enorme caverna que antigamente era usado como moradia pelos  índios caingangues.

Ao chegar no local, percorre-se uma pequena trilha em meio a mata verdejante, no fim dessa trilha à uma pequena bifurcação, à direita você acessa a ampla caverna e à esquerda, passando pela ponte de madeira você acessa a Cascata.

O local é propício para curtir os dias de calor, refrescar-se nas águas cristalinas da cascata. Para quem gosta de fotografar assim como eu, o local é perfeito para fazer fotos em longa exposição ou books fotográficos.

Veja as imagens capturadas por nossas lentes:

Cascata Michel

Localizada a 3 km do centro da cidade, ótimo local para quem gosta de estar em paz com sigo mesmo e em harmonia com a natureza.

Em minha visita não consegui em tempo habil conhecer este atrativo, mas pretendo voltar ao local para conhecer este local.

Se você tem interesse em conhecer a Cascata Michel, sugiro conversar com a Prefeitura do Município para obter maiores informações.

Cascata dos Marcondes

Localizada no interior da cidade de Santa Maria do Herval, a 10 km do centro da cidade, o local conta com uma queda d’água de 65 metros de altura aproximadamente, cercada por uma grande área de mata nativa.

Santa Maria do Herval
Crédito: Luís H. Fritsch/ Trekking RS

No local é possível fazer trilhas de nível moderado até a sua base, para os mais aventureiros é possível fazer rapel, caso você tenha interesse em contratar uma empresa para guiar o rapel, recomendamos a empresa Trilhas do Sul. Agende a sua próxima aventura!

Como chegar

Para quem sobe a Serra Gaúcha em direção a Gramado ou Canela poderá usar a estrada VRS-873, passando por Santa Maria do Herval e aproveitar para conhecer essa belíssima cidade e seus inúmeros atrativos.

Outros destinos

Aqui em nosso site você encontra muitos atrativos naturais para visitar e se encantar tanto aqui no Rio Grande do Sul como em Santa Catarina.

Comparativo de Barracas Naturehike

Hoje venho apresentar um comparativo detalhado entre as barracas Star River 2 X Mongar Ultralight 2 da marca Naturehike.

Aqui no nosso site já escrevemos sobre os dois modelos em destaque, caso você tenha alguma dúvida na hora de escolher entre um modelo ou outro, esse comparativo irá lhe ajudar.

Barraca Star River Ultralight 2

  • Dimensões:
  • Externa: 2,15 x 2,61 metros
  • Interna (quarto): 1,31 x 1,10 x 2,15 metros
  • Embalagem: 45 x 15 cm
  • Avanço: 65 cm
  • Janela: 1
  • Varetas: Alumínio 7001
  • Sobre teto e quarto: Nylon 210 T
  • Piso: Polyester oxford 150 D
  • Capacidade Coluna D’água: 3000 mm
  • Impressão de Pé – 120 g
  • Cordeletes e Varetas – 200 g
  • Máximo (Barraca, sobreteto, Varetas, Espeques, Cordeletes e FootPrint) – aprox. 2.373 kg

Barraca Mongar Ultralight 2

  • Capacidade: 2 pessoas
  • Peso aproximado com footprint: 2.020 g
  • Barraca: 1.700 g
  • Espeques e cordeletes: 200 g
  • Footprint: 120 g
  • Dimensões: 210 x 135 x 100 C x L x A
  • Avance: 60 cm x 2
  • Janelas: 2
  • Pack: 50 x 15 cm
  • Coluna d’água piso: 4.000mm
  • Coluna d´água teto: 4.000mm
  • Varetas: Alumínio 7001
  • Sobreteto e quarto: Nylon 20D

Opinião

Nossa

Barraca Star River Ultralight 2

Pontos positivos

  • Tecido Nylon 210 T
  • Coluna de água 3.000 mm
  • Costuras seladas eletronicamente
  • Engates de rápido ajuste
  • Estabilizadores laterais
  • Amplo espaço interno para duas pessoas
  • Duas portas grandes com abertura em “U”
  • É possível sentar na barraca sem encostar a cabeça no teto
  • Suporte para lanterna
  • Varetas em alumínio 7001
  • Espeques em alumínio
  • independente
  • Possui footprint (piso extra)
  • É possível comprar no Brasil
  • Amplo avanços laterais

Barraca Mongar Ultralight 2

Pontos positivos

  • Tecido Nylon 20 D
  • Coluna de água 4.000 mm
  • Costuras seladas eletronicamente
  • Presilhas em alumínio para maior durabilidade
  • Estabilizadores laterais
  • Possui presilha/ilhós para prender nas pontas da vareta central
  • Amplo espaço interno para duas pessoas
  • É possível sentar na barraca sem encostar a cabeça no teto
  • Suporte para lanterna
  • 3 porta objetos amplos
  • Varetas em alumínio 7001
  • Espeques em alumínio
  • independente
  • Possui footprint (piso extra)
  • É possível adicionar avanço extra (vendido separadamente)

Pontos Negativos

  • Não possui presilha/ilhós para prender nas pontas da vareta central
  • As pontas das varetas não são roscadas nas varetas
  • Não é possível adicionar avanços extras
  • Bolsos internos pequenos
  • Peso 2.373 kg (completa)
  • Valor R$ 1.379,00

 

Pontos Negativos

  • As pontas da vareta não são roscadas nas varetas
  • Não pode ser comprada no Brasil (importação oficial)
  • Portas pequenas com abertura em “D”
  • Peso 2.020 kg (completa)
  • Valor R$ 1.499,00

Diferenças na montagem

A barraca Star River Ultralight 2 pode ser montada de duas formas apenas, sendo a primeira com sobre teto e footprint (piso extra – vendido separadamente) e a segunda de maneira completa.

A barraca Mongar Ultralight 2 pode ser montada de três formas, sendo a primeira apenas com o sobre teto, a segunda com sobre teto e footprint  (piso extra – vendido separadamente) e a terceira de maneira completa.

Assista o vídeo completo de montagem dos dois modelos de barraca

Abaixo você pode conferir uma galeria com as melhores fotos capturadas por nossas lentes, mostrando alguns detalhes interessantes de cada modelo em diferentes locais.

Conclusão

O comparativo tem como principal função ajudar você na escolha da sua próxima casa de montanha, mas isso dependerá de você escolher qual dessas duas barracas é melhor para a atividade que você vai realizar.

A Mongar tem 373 gramas a menos, mas nem por isso o modelo Star River pode ser considerada ruim, pois a uma grande diferença de materiais entre elas e medidas.

O que podemos dizer sobre os dois modelos comparados é que a barraca Star River Ultralight 2 é mais adequada para climas frios e a Mongar Ultralight 2 para climas quentes.

Ainda estamos avaliando os dois modelos, no feriado de carnaval levaremos as duas barracas para uma travessia de trekking de três dias pela borda dos cânions Laranjeiras e Funil no estado de Santa Catarina/Brasil, lá poderemos analisar e comprovar todas as suas características de aerodinâmica, impermeabilidade, qualidade dos materiais e muitos outros aspectos.

Se você gostou desse comparativo, deixe um comentário logo abaixo! Caso você queira ver outros comparativos iguais a estes, compartilhe com a gente os produtos que você gostaria de ver aqui no site.

Mochila All Trail

Mochila All Trail 35L – Thule

Hoje venho apresentar a mochila All Trail 35L, estamos a cerca de 5 meses avaliando este modelo lançado pela marca Thule no Brasil, no segundo semestre de 2018.

O modelo de mochila All Trail foi desenvolvido para ser usado em todas as trilhas, sejam elas: trilhas leves, trekkings de vários dias e até mesmo uma mochila para ir para a faculdade ou trabalho.


Características e inovações

A mochila apresenta duas capacidades expressa em litros, sendo de 35 L e 45 L.

A versão feminina à duas cores disponíveis: Cinza/azul e roxo/cinza. Na versão masculina apresenta três cores: Azul, cinza/vermelho e Verde. veja as imagens abaixo:

Mochila All Trail

Fabricada em Dobby Poly 420 D e 330D Ripstop Poliester, esses tecidos garantem a All Trail 35 L robustez e leveza.

O costado é muito confortável, possui um pequeno duto de ventilação que aumenta a circulação de ar nas costas, as alças são anatômicas e totalmente reguláveis, garantindo maior mobilidade ao usuário.

Notamos que o costado, alças e barrigueira é uma evolução dos que são usados nos modelos Versant, tanto as alças como a barrigueira nesse modelo são bem mais acolchoadas, isso é sentido muito bem quando a mochila está totalmente carregada.

Mochila All Trail

Na parte da barrigueira as fivelas funcionam como roldanas, tornando-a fácil de regular. A barrigueira conta com um bolso com zíper em um lado e no outro conta com o sistema Versa-click, esta é uma tecnologia usada pela Thule que a deixa muito mais versátil e adaptável ao usuário. Essa tecnologias está presente nos modelos de mochila: Guidepost, Versant, Capstone e All Trail.

O VersaClick nada mais é que um sistema de engate de acessórios, onde o usuário pode escolher entre quatro modelos: Suporte para garrafa de água, estojo para câmeras fotográficas DSLR, estojo para câmeras fotográficas Mirorless e estojo para magnésio (muito usado por escaladores).

A mochila conta 4 fitas de compressão, sendo 2 em cada lado da mochila, possui também elos de fixação para prender piquetas de gelo/bastão de caminhada nas próprias fitas de compressão.

Mochila All Trail
Mochila All Trail

Conta com 1 bolso telado em cada lado, onde é possível acomodar garrafas de até 1 litro de água ou outros equipamentos.

Um diferencial importante que vale mencionar é a grande abertura frontal em “U”, a mochila não possui capuz como em outros modelos, assim essa abertura facilita muito a organização dos equipamentos no seu interior.

Além da grande abertura a mochila All Trail 35 L conta com mais dois bolsos externos, sendo um na parte frontal e outro na parte superior.

Na parte interna a mochila é dividida em 3 compartimentos, sendo um para o reservatório de água, outro para guardar os equipamentos no geral e o terceiro para acomodar itens que você precise que esteja sempre a mão, como por exemplo: anoraques, lanches e estojo de primeiros socorros. (este compartimento pode ser aberto pela parte frontal da mochila).

Mochila All Trail

Compartimentos

  1. Bolso superior (tamanho pequeno)
  2. Abertura frontal em “U” com zíper
  3. Fitas de Compressão
  4. Elos (looping) para mosquetões/telas
  5. Porta bastão de caminhada de fácil acesso na barrigueira “Versaclick”
  6. Elo (looping) para fixação do bastão de caminhada (trekking pole)
  7. Elo (looping) para fixação de piqueta de gelo (piolet)
  8. Compartimento da Capa de chuva (rain cover)
  9. Bolso para acesso rápido
  10. Porta garrafa de água (squeeze)
  11. Fita peitoral
  12. Regulagem de altura das alças
  13. Bolso com zíper na barrigueira
  14. Passador para a mangueira de hidratação

Especificações técnicas

CorMykonos
SexoMasculino
UsoCaminhada de um dia
Materiais420D Dobby Poly, 330D Ripstop Polyester
Volume35 L
Dimensões32 x 30 x 61 cm
Peso1.26 kg
Número do modelo3203537

Valor aproximado: R$ 1.059,00

Vídeo Thule All Trail 35L

Onde comprar

Este produto é encontrado nas principais lojas do país, caso você seja do Rio Grande do Sul você pode optar pela lojas especializadas em trekking como: Bota na TrilhaGuenoa.

Início dos testes

O teste da mochila começou em Setembro/2018, quando fomos convidados a participar do Thule Experience, um evento realizado pela marca anualmente. O evento aconteceu em um dos locais mais icônicos do montanhismo nacional, à Serra Fina, considerado por muitos uma das trilhas mais difíceis do país.

Mochila All Trail

A trilha que realizamos para testar as mochilas começava no Refúgio Serra Fina e chegava no alto do Capim Amarelo, um cume de 2.570 metros acima do nível do mar, sendo aproximadamente 18 quilômetros de trilhas entre ida e volta.

Mochila All Trail
Crédito: Cristian Stassun

De fato é um bom trajeto para realizar as primeiras impressões da mochila, demoramos um certo tempo para escrever a avaliação da mochila All Trail 35 L, pois queríamos realizar outros testes.

Depois de estrear a mochila na Serra Fina, era hora de avaliar o modelo nas trilhas do sul do Brasil, fiz inúmeras trilhas em leitos de rio, em mata fechada e explorei muitas cachoeiras ao longo desses 5 meses de testes.

Mochila All Trail
Mochila All Trail
Mochila All Trail
Mochila All Trail

Uma das sugestões que tenho de melhoria da mochila All Trail é sobre o porta bastão de caminhada na barrigueira, pois o tipo da presilha que acomoda os bastões não é muito rígida, dificultando o manuseio, tanto para acomodar, quanto para tirar os bastões é as vezes complicado.

Os bastões quando estão ali acomodados eles podem atrapalhar um pouco ao longo da trilha, em algumas travessias de trekking, quando estamos em pequenos grupos em uma fila indiana (um frente ao outro), os bastões ficam escorregando pela presilha, tanto para frente quanto para trás, isso atrapalha o usuário durante a caminhada.

Usei por muitas vezes o modelo em expedições fotográficas, sei que a mochila não foi concebida para esse tipo de aplicação, mas fazer o que, “quem não tem cão, caça com gato”.  Uso essa mochila para ir ao trabalho também, onde levo comigo sempre o notebook, fones de ouvido e algumas materiais de trabalho.

Mochila All Trail

Posso dizer que essa mochila pode ser adaptada para qualquer situação, ela é leve, robusta e estilosa para usar até mesmo no dia a dia.

Se você gostou da nossa avaliação completa, deixe um comentário logo abaixo, veja também mais avaliações de produtos aqui em nosso site. Acesse!